Reator de fusão nuclear compacto promete mudar o mundo

DR Lockheed Martin

Thomas McGuire, investigador do MIT, com protótipo de reactor de fusão nuclear da Lockheed Martin

Thomas McGuire, investigador do MIT, com protótipo de reactor de fusão nuclear da Lockheed Martin

Um reator de fusão nuclear compacto, com capacidade para alimentar até 100 mil casas com energia “super limpa”, foi apresentado esta quarta-feira pela empresa norte-americana Lockheead Martin e poderá estar disponível dentro de dez anos.

Desenvolvido pela Skunk Works, a divisão de tecnologia experimental da Lockheed Martin, empresa norte-americana ligada à aeronáutica e tecnologia militar, o modelo apresentado tem dois metros por três e capacidade para cem megawatts, podendo fornecer energia a aviões, naves espaciais – ou até uma pequena cidade com 100 mil habitações.

Trata-se de um invento que pode mudar a civilização como a conhecemos.

A fusão nuclear – a fusão do núcleo dos átomos que acontece nas estrelas – tem sido estudada há décadas e é considerada o “Santo Graal” da energia, já que, ao contrário da fissão nuclear das centrais atómicas (e da bomba atómica) não produz resíduos radioactivos de longa duração.

A proposta agora apresentada pela é inovadora, por se propor construir um reator compacto.

DR Lockheed Martin

Bobinas magnéticas super-condutoras do conceito experimental de fusão nuclear da Lockheed Martin

Bobinas magnéticas super-condutoras do conceito experimental de fusão nuclear da Lockheed Martin

O contentor magnético será capaz de suportar temperaturas extremamente altas, de até centenas de milhões de graus.

“Ao conter esta reacção”, explica a empresa, “podemos libertá-la de forma controlada para criar energia que possa ser usada”.

O calor produzido através deste reactor de fusão compacto permite alimentar geradores ao substituir as câmaras de combustão por permutadores de calor.

Thomas McGuire, investigador do MIT e líder do projecto, explica num vídeo que o reactor compacto poderá vir a estar operacional em 10 anos.

A empresa apela agora ao financiamento de investidores privados para continuar o trabalho.

Ao contrário da fissão nuclear das centrais e bombas atómicas, baseadas no conceito de que uma pequena quantidade de energia incide num material radioactivo instável e liberta uma grande quantidade de energia, a fusão nuclear é baseada no conceito de que dois átomos de um material não radioactivo colidem a grande velocidade, formando um terceiro átomo e libertando uma grande quantidade de energia.

Este processo só acontece nas estrelas, onde as enormes temperaturas provocam a fusão dos átomos no seu estado natural.

O “Santo Graal” da produção de energia é conseguir provocar uma fusão nuclear “a frio” (a uma temperatura “normal”), numa “reacção eficiente” ou seja, que liberte mais energia do que a necessária para a provocar – e capturar essa energia para uso corrente.

A fusão nuclear apresenta duas grandes vantagens sobre a fissão: é uma fonte de energia segura (não apresenta riscos de libertação acidental de materiais radioactivos) e considerada “energia limpa” porque a reacção não produz resíduos tóxicos cujo armazenamento a longo prazo levanta cada vez mais dificuldades.

ZAP

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. “centenas de milhões de graus” … eu percebo que o autor/tradutor do artigo não tenha formação em ciência, mas convem informar-se antes de escrever isto. Uma pequena pesquisa na internet e fica a saber que este valor é completamente absurdo …. até as estrelas mais quentes não passam dos 50 000 K (~ 50 000 ºC).

    • Caro Filcon,
      Obrigado pelo seu reparo.
      De facto também nos parece um disparate, mas é o que consta na página da própria Lockheed Martin que citámos: “The bottle is able to handle extremely hot temperatures, reaching hundreds of millions of degrees

      • Caro ZAP,
        Tem razão e o erro é todo meu (a prepotência também). Proveio da minha precipitação. Para além da fusão nuclear requerer temperaturas dessa magnitude, pelo menos teoricamente, a temperatura a que me refiro é da superfície das estrelas, daí a minha precipitação e comentário sem pensar …
        Mea culpa e se quiser pode retirar os comentários. Cumprimentos

  2. De facto os números apontados para as temperaturas atingidas num reactor de fusão nuclear, estão certos.
    Estudos e experiências sobre a fusão nuclear (reacção que ocorre no sol e que é responsável pela energia que emite), referem que, para que uma colisão entre 2 deutérios (núcleo do átomo hidrogénio) provoque a sua fusão, resultando um núcleo de hélio + energia, a temperatura do interior do reactor deverá rondar os 12 milhões de graus. No entanto e a esta temperatura uma percentagem significativa das colisões não são eficazes, isto é não dão lugar á fusão e por isso o reactor consome mais energia do que aquela que produz. De facto para que o Sistema seja rentável as temperaturas rondam valores entre os 200 e os 300 milhões de graus Celcius.

SEF instaurou inspeção interna à morte de ucraniano, mas não detetou suspeitas de crime

Esta quarta-feira, o ministro da Administração Interna prestou esclarecimentos sobre a morte de um cidadão ucraniano à guarda do SEF, no aeroporto de Lisboa, na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias. Eduardo Cabrita considerou …

Colocações no ensino superior adiadas para o final de setembro

Na sequência do adiamento nos calendários dos exames nacionais do ensino secundário, o acesso às licenciaturas é também atrasado. O calendário de acesso ao ensino superior vai ser atrasado em cerca de três semanas. Os resultados …

Rangel e outros 13 eurodeputados do PPE pedem expulsão de partido húngaro

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel e outros 13 chefes de delegação do Partido Popular Europeu (PPE) pediram na terça-feira a expulsão do partido húngaro Fidesz, exigindo ao líder parlamentar daquela família política, Manfred Weber, …

Milhares pediram o cancelamento do TV Fest. Festival foi suspenso

O Ministério da Cultura criou um festival televisivo exclusivamente dedicado à música portuguesa em parceria com a RTP, mas o formato e os critérios estão a causar forte polémica no meio. Uma petição pública online …

Comércio internacional pode cair para níveis da Grande Depressão

A Organização Mundial do Comércio referiu na quarta-feira que o arrefecimento do comércio internacional provocado pela Covid-19 pode chegar aos níveis registados nos anos 30 devido à Grande Depressão. Segundo noticiou o Observador, na melhor das …

Loja de telemóveis apanhada a vender álcool gel com lucro até 400%

Os inspetores da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) encontraram, em Lisboa, uma loja de reparação e venda de acessórios para telemóveis a vender frascos de gel desinfetante de 500 ml a 24,95 euros …

Em Portimão, uma sirene toca quando alguém sai de casa sem justificação

A sirene do quartel dos Bombeiros de Portimão vai passar a tocar sempre que alguém sair de casa e andar na rua sem justificação. O anúncio foi feito pela Câmara Municipal de Portimão em comunicado. De …

Short Selling - ou como vender ações emprestadas para ganhar muito dinheiro

Vender ações da bolsa que não são suas é uma forma de ganhar bastante dinheiro. Esta forma de negociação, denominada short selling, é muito lucrativa mas implica algum risco, pelo que é prudente aconselhar-se junto …

"Nem mais um abuso". Grupo no Whatsapp servia para planear ataques à polícia em Espanha

Dois homens de 25 e 30 anos, os dois criadores de um grupo de Whatsapp que servia para planear ataques à polícia espanhola, foram detidos esta terça-feira. De acordo com o jornal espanhol El País, o …

Trabalhadores independentes que reduziram descontos da Segurança Social terão apoio mais baixo

Os trabalhadores independentes que optaram por reduzir em 25%, de forma fictícia, o rendimento sobre o qual incidem as contribuições, e que por isso descontaram menos, verão refletida essa diminuição no apoio que podem receber …