“Rameiras” fizeram marcha em Jerusalém contra violência e assédio sexual

Abir Sultan / EPA

Marcha das Rameiras 2016 em Jerusalém

Marcha das Rameiras 2016 em Jerusalém

Cerca de 300 mulheres juntaram-se esta sexta-feira nas ruas de Jerusalém, em trajes menores, num movimento que apelidaram de “marcha das rameiras” – uma denominação forte que usaram para denunciar ofensas feitas às mulheres, informa a agência France-Presse.

Organizada desde 2012, em Jerusalém, este ano a polícia exigiu que as mulheres que tencionassem participar na marcha o fizessem sem estar nuas da cintura para cima, disseram as organizadoras, pelo que muitas desfilaram de sutiã ou de ligas.

“A polícia autorizou a marcha mas foram-nos impostas várias restrições”, explicou Tamar Ben David, uma das organizadoras.

“Explicaram-nos que era proibido andar na rua com os seios à mostra e nós não queríamos chocar ninguém,” acrescentou.

Ao contrário de Telavive, considerada uma das cidades mais liberais do mundo, Jerusalém é uma cidade conservadora com uma numerosa população religiosa, seja judaica, ortodoxa, muçulmana ou cristã.

Em 2015, uma jovem foi morta e seis outras pessoas foram feridas por um judeu ultraortodoxo, durante a Gay Pride, marcha pelos direitos dos homossexuais, bissexuais e transgéneros.

As organizadoras da “marcha das rameiras” apelaram à Associação dos Direitos Cívicos em Israel que se se certificasse de que a polícia não proibiria o desfile, disse Yaron Kelner, porta-voz da organização.

Uma das manifestantes, Orr Hod, que participou no encontro exibindo roupa interior muito sugestiva, explicou que já não suporta o assédio sexual e que as mulheres violadas sejam consideradas culpadas.

No desfile, algumas participantes levavam cartazes nos quais se lia “Recusamos ser vítimas” ou “27 mulheres mortas anualmente”.

A marcha começou perto de um bairro ultra-ortodoxo judeu, no qual as mulheres apenas podem mostrar a cara e as mãos.

Iniciativas semelhantes foram organizadas em dezenas de grandes cidades, como Toronto, Auckland, Wellington, Nova Deli, Filadélfia, Seul, Sidney, Washington, Paris e Berlim.

Este tipo de marchas nasceu em 2011, em Toronto, onde centenas de homens e mulheres desfilaram para protestar contra as palavras proferidas por um agente da polícia que considerou que “as mulheres deveriam evitar vestirem-se como umas rameiras para evitar serem vítimas de agressões”.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Para trajes menores, não estiveram mal. Mais ousadia verifica-se nas marchas do “orgulho gay”.

RESPONDER

Setenta anos depois, teste de ADN reúne mãe e filha pela primeira vez

Genevieve achava que a sua bebé recém-nascida tinha morrido no parto. Mas não: foi adotada por uma família da Califórnia que lhe mentiu sobre as origens. Agora conheceram-se graças a um teste de ADN. Quase 70 …

Arcebispos de Barcelona ajudaram padre acusado de abusos a fugir à polícia

O padre Senabre, acusado de ter abusado de um menor de 13 anos, esteve desaparecido por mais de 25 anos. Foi agora encontrado no Equador e o seu caso está a ser investigado pelo Vaticano …

Problemas de direitos humanos persistem em Portugal apesar dos progressos

O mais recente relatório da Amnistia Internacional sobre direitos humanos indica que em Portugal “ainda persistem” desigualdades no acesso a habitação condigna, e diferentes formas de discriminação de pessoas e comunidades mais vulneráveis. O documento divulgado …

Theresa May adia votação do Brexit

A primeira-ministra britânica, Theresa May, confirmou, esta segunda-feira à tarde, perante o parlamento britânico, que será adiada a votação do acordo do Brexit agendada para esta terça-feira, dia 11. A decisão da primeira-ministra britânica procura evitar …

"Lobisomem da Sibéria". Maior assassino em série da Rússia era polícia e matou 78 mulheres

Um ex-polícia russo, já condenado a prisão perpétua pela morte de 22 mulheres, foi sentenciado esta segunda-feira na Sibéria por mais 56 homicídios, o que o torna no maior assassino em série da história recente …

Mais de 20 comboios vão ser suprimidos no Natal e Ano Novo

Mais de duas dezenas de ligações ferroviárias, entre Intercidades e Alfa-Pendulares, serão suprimidas nos dias 24, 25 e 31 de dezembro e 1 de janeiro de 2019, à semelhança de anos anteriores, devido à fraca …

Catalães devem seguir a via eslovena e estar "dispostos a tudo" para alcançar independência

Quim Torra disse este sábado que os catalães devem seguir o exemplo do processo de independência da Eslovénia e estar "dispostos a tudo". O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, disse este sábado que …

"Injustiça fiscal." Governo rejeita alterar IRS para salários de anos anteriores

O Governo recusou aceitar uma recomendação da Provedora de Justiça que pedia ao Executivo para atualizar o regime de IRS para rendimentos relativos a anos anteriores. No início de outubro, a Provedora da Justiça escreveu a …

Oito anos depois, pensionistas recebem subsídio de Natal por inteiro

Oito anos depois, os pensionistas recebem esta segunda-feira o subsídio de Natal por inteiro, sem cortes e no mês de dezembro. A maioria dos pensionistas da Segurança Social começa esta segunda-feira a receber a pensão de …

Carlos Ghosn, ex-presidente da Renault-Nissan, acusado por ocultar rendimentos

O Ministério Público japonês acusou oficialmente o ex-presidente da Nissan de ocultar rendimentos da empresa durante um período de cinco anos. De acordo com a agência Kyodo e o canal público NHK, o Ministério Público responsabiliza …