A radiação de Chernobyl está a deixar as abelhas esfomeadas (e isso é má notícia)

Apesar de não haver humanos na Zona de Exclusão de Chernobyl, a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986, e apesar do nível de radiação acima da média, a região está cheia de animais selvagens, desde lobos e ursos a insetos como abelhas.

Os investigadores estão curiosos sobre a forma como essa quantidade constante de radiação afeta os animais. Uma equipa da Universidade de Sterling estudou os efeitos em abelhas.

Em estudos preliminares, os cientistas descobriram que, quando os insetos são expostos a um nível semelhante de radiação ao encontrado na Zona de Exclusão de Chernobyl, começaram a consumir mais néctar. As descobertas foram apresentadas esta semana na Reunião Anual da British Ecological Society, em Belfast.

A equipa expôs as abelhas a níveis de radiação entre 300 e quase 5.000 vezes superiores ao que a pessoa média experimenta todos os dias, descobrindo que cerca de 1.000 vezes as abelhas começaram a consumir mais néctar.

“Um aumento no consumo de néctar para uma abelha individual pode ter importantes consequências ecológicas, já que as abelhas precisam de gastar mais tempo a colher néctar para as suas necessidades individuais”, disse Jessica Burrows, que apresentou o trabalho.

“Como resultado, o crescimento de colónias de abelhas pode ser prejudicado se houver menos recursos disponíveis para a ninhada em desenvolvimento. Pode reduzir o número de abelhas no ecossistema”.

Os polinizadores são cruciais para o meio ambiente e o seu desaparecimento pode ter efeitos amplos e duradouros. Atualmente, os insetos polinizadores são bastante abundantes na Zona de Exclusão.

“É necessário mais trabalho dentro da Zona de Exclusão de Chernobyl para entender os impactos da exposição crónica a baixas doses no ecossistema em geral”, acrescentou Burrows. “Tem havido pouco trabalho sobre os efeitos da radiação nas espécies de plantas com flores”.

Enquanto as configurações de laboratório davam à equipa maior controle sobre a quantidade de radiação às quais as abelhas foram expostas (simuladas com uma fonte de césio), não era uma reprodução perfeita do que os insetos poderiam experimentar na natureza.

As abelhas receberam bastante néctar e não precisaram de se alimentar. A necessidade de voar longas distâncias na natureza também pode afetar negativamente as abelhas na Zona de Exclusão de Chernobyl.

O nível atual de radiação na Zona de Exclusão e em Pripyat, em particular, varia significativamente. Em alguns lugares, é um pouco mais alto do que o nível natural de radiação de fundo, enquanto em outros seria preocupante se pessoas permanecessem lá durante um tempo prolongado.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Não entendo… O artigo é sobre vespas ou abelhas? Apesar de amarelos são animais completamente diferentes, com gostos e necessidades diferentes. No entanto, na mesma frase fala-se do dois como se fosse o mesmo animal com nomes diferentes.
    É necessário corrigir a notícia, a bem da informação.

RESPONDER

Desmantelada fábrica ilegal de tabaco. Funcionava num bunker

Uma operação levada a cabo pela Guardia Civil esta terça-feira desmantelou uma fábrica ilegal de tabaco, em Espanha, e deteve a organização clandestina que a geria: vinte pessoas foram detidas, de nacionalidades britânica, lituana e …

China diz que surto está "sob controlo" após 14 províncias não reportarem novos casos

O surto do coronavírus Covid-19 está "sob controlo", depois de a atualização diária mostrar que 14 das 34 províncias e regiões autónomas do país não detetaram novos casos, anunciaram esta sexta-feira as autoridades chinesas. O vice-diretor …

Após 2 anos preso, Pedro Dias assume três homicídios e diz-se arrependido

Pedro Dias, conhecido pelos homicídios de Aguiar da Beira, manifesta-se arrependido pelos crimes por que foi condenado a 25 anos de prisão, após cumprir dois anos da pena. Um arrependimento que é também um assumir …

Orçamento da UE. Proposta agrava corte de Portugal na coesão em 2 mil milhões

A proposta do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, prevê um corte de 2 mil milhões de euros no envelope da coesão para Portugal. Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia iniciaram esta …

Russos atormentam Estados Unidos outra vez. Presidenciais são o alvo

Os serviços secretos norte-americanos estão convencidos de que os russos estão, novamente, a tentar influenciar as presidenciais daquele país. Faltam nove meses para as eleições presidenciais norte-americanas, mas já há suspeitas de que os russos estão …

Processo obscuro e pouco transparente. Expansão do Metro do Porto cria mal-estar

O alargamento do Metro do Porto está a criar mal-estar entre algumas autarquias da área Metropolitana do Porto. Os autarcas falam num processo obscuro e pouco transparente. O protocolo para consolidação da expansão da rede de …

Barcelona contrata jogador com o mercado fechado (mas Leganés não pôde fazer o mesmo)

O Barcelona foi autorizado a contratar um jogador com o mercado fechado, mas o pedido do Leganés foi rejeitado. O clube perdeu Braithwaite para o clube catalão. O FC Barcelona anunciou, esta quinta-feira, a contratação do …

Portugueses gastam 160 euros por ano na "epidemia das raspadinhas". 11 vezes mais do que os espanhóis

De acordo com um estudo recente, há cada vez mais pessoas a chegarem aos consultórios médicos com a doença do jogo patológico desencadeada pela raspadinha. Num artigo científico publicado na The Lancet, Pedro Morgado e Daniela …

Direita chega ao jogo das comissões no MB Way. PSD e Chega juntam-se ao PS

O PSD quer alargar serviços dentro das contas de baixo custo e incluir transferências via a aplicação da SIBS. O Chega quer eliminar custos nessas transações. Depois da esquerda, é a vez da direita marcar terreno …

Fãs de Kobe Bryant em luto estão a deixar flores na sepultura errada

Numa tentativa de prestar homenagem ao ex-basquetebolista, vários fãs de Kobe Bryant em luto estão a deixar flores na sua sepultura. O problema é que o têm na campa de outra pessoa. Quase um mês depois …