O racismo anti-asiático foi esquecido durante muito tempo. Mas atingiu um ponto de ebulição

No ano passado, a onda de incidentes de ódio e os tiroteios na Geórgia tornaram o racismo anti-asiático muito mais difícil de ignorar. A temática, que parecia esquecida, veio à tona abrir um debate necessário nos Estados Unidos.

No ano passado, os ásio-americanos fizeram soar os alarmes sobre a crescente discriminação de que eram alvo, alimentada, em parte, pela linguagem racista e falsas alegações sobre a origem do novo coronavírus do ex-Presidente Donald Trump.

Em declarações ao The New York Times, Angela Hsu, advogada de Atlanta, explicou que há “uma tendência para não acreditar que a violência contra ásio-americanos seja real”. “É quase como se precisássemos de algo muito chocante para fazer com que as pessoas acreditem que existe este tipo de descriminação.”

Apesar de o racismo anti-asiático poder ter sido evidenciado durante a pandemia de covid-19, não é uma novidade. Acontece há já vários anos e é alimentado pela ideia de que os asiático-americanos são como “estrangeiros perpétuos” ou pessoas que não são percebidas como totalmente americanas.

Esta discriminação assumiu a forma de pequenas agressões, como perguntar às pessoas “de onde elas realmente são” ou fazer piadas racistas sobre o sotaque e o formato dos olhos.

Estes atos tornaram-se tão normalizados que o próprio comediante Jay Leno pediu publicamente desculpas por décadas de piadas racistas, feitas contra a comunidade asiática nos Estados Unidos.

De acordo com a Blitz, o pedido de desculpas surge após uma batalha de 15 anos da organização Media Action Network for Asian Americans (MANAA), que lutou para que Leno parasse com as piadas e se desculpasse pelas mesmas.

O comediante afirmou ter pensado, “genuinamente”, que as suas piadas eram “inofensivas” e disse que o seu pedido de desculpas nada tem a ver com a chamada “cancel culture”: “Não creio que seja exemplo disso. Foi um erro legítimo da minha parte.”

A Vox escreve que a discriminação anti-asiática não é reconhecida, em parte, por causa do privilégio que alguns asiáticos têm em comparação com outros grupos minoritários – como negros e latino-americanos – e pela diferença do grau de racismo que enfrentam.

Este enquadramento enganoso obscurece o racismo que várias pessoas enfrentam dentro das comunidades asiático-americanas.

No entanto, os eventos do ano passado – incluindo os recentes ataques a idosos e o tiroteio que matou oito pessoas em Atlanta – foram um ponto de rutura para muitos ásio-americanos.

“A nossa comunidade sentiu-se invisível durante muito tempo”, revelou Cynthia Choi, co-fundadora da Stop AAPI Hate, uma organização que investiga e denuncia incidentes de ódio. “Essa é a razão pela qual começamos a Stop AAPI Hate. Não queríamos que isso fosse minimizado, queríamos ter os números. Não queríamos que houvesse negação.”

Desde março do ano passado, forma relatados 3.795 incidentes anti-asiáticos à Stop AAPI Hate, desde abuso verbal e rejeição a agressão física e danos materiais.

Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

França diz-se "enganada" pela Austrália após suspensão de contrato de submarinos

Na semana passada, Estados Unidos, Austrália e Reino Unido anunciaram um acordo de defesa que inclui o desenvolvimento de submarinos nucleares na Austrália. O embaixador francês na Austrália, Jean-Pierre Thebault, disse esta segunda-feira que a França …

Sete mortos e 306 infetados nas últimas 24 horas

Portugal registou, esta segunda-feira, 306 novos casos e sete mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Rússia Unida anuncia vitória nas legislativas

O partido do Kremlin, Rússia Unida, reivindicou no domingo a vitória nas eleições legislativas russas, mas a sua maioria constitucional na Duma, a câmara baixa do parlamento, está ainda por apurar, após a contagem de …

Cientistas estão a dar vida ao holodeck, um holograma que você pode tocar

Os cientistas estão cada vez mais perto de tornar o holodeck uma realidade. Investigadores estão a criar um holograma que você pode tocar. A série Star Trek: The Next Generation apresentou a milhões de pessoas a …

A partir de novembro, EUA passam a permitir entrada de estrangeiros totalmente vacinados

A partir do início de novembro, os Estados Unidos passam a permitir a entrada de viajantes da União Europeia (UE) e do Reino Unido, desde que estejam totalmente vacinados. Os Estados Unidos vão reduzir as restrições …

Talibãs mandam funcionárias do governo de Cabul ficar em casa

As funcionárias do governo de Cabul devem ficar em casa. A única exceção aplica-se às trabalhadoras cujos cargos não podem ser desempenhados por homens. Só as mulheres "que não podem ser substituídas por homens" podem regressar …

"Tatatatatatata." A bazuca de Costa é, afinal, uma "metralhadora" que dispara de rajada

Rui Rio considera que António Costa devia chamar a bazuca de metralhadora, porque o primeiro-ministro "dispara de rajada" promessas. "HK21 tem fita, carrega-se, e aquilo dispara tatatatatatata." O presidente do PSD, Rui Rio, ironizou esta segunda-feira …

Campanha alerta população sobre cancros de sangue e apela para informação

Uma campanha para quebrar o silêncio sobre os cancros do sangue e alertar para a importância do diagnóstico precoce está nas ruas até final de setembro, lembrando que é essencial estar atento a sintomas e …

Pfizer diz que vacina é "segura" para crianças dos cinco aos 11 anos

A Pfizer/BioNTech anunciaram, esta segunda-feira, que a vacina é segura e parece gerar uma resposta imunitária robusta nas crianças dos cinco aos 11 anos. Depois de um estudo com 2.268 participantes, a Pfizer/BioNTech anunciaram que a …

PS e CDS na Madeira desencontrados, PSD e Bloco continuam no Norte

No arranque da segunda semana de campanha para as autárquicas, os líderes do PS e do CDS-PP apostam na Madeira mas com horários desencontrados, enquanto BE e PSD continuam a norte, e PAN e PCP …