Quando um tigre vale mais morto do que vivo: A sórdida realidade das quintas de procriação

Em alguns países asiáticos, quintas de procriação de tigres exploram até ao tutano o valor económico do animal, submetendo-o a condições de vida degradantes.

Alguns animais já foram encontrados em grande parte da Ásia, do leste da Turquia à Sibéria e Indonésia. Hoje, estão reduzidos a viver em apenas 6% da sua área anterior.

Em muitas dessas regiões, os tigres já nem são avaliados como animais selvagens à solta, mas apenas como produtos para lucro financeiro, valendo mais mortos do que vivos.

Os tigres em partes do leste e sudeste da Ásia podem vir engarrafados, vendidos abertamente em centros de criação industrial como vinho de osso de tigre, uma mistura que supostamente trata a artrite, reumatismo e até impotência.

Eles também vêm em pratos, cozinhados e preparados para ricos empresários e burocratas ávidos exibirem o seu status social elevado, servidos em salas de jantar enfeitadas com caros tapetes de pele de tigre.

(dr) Simon Evans

Retos e intestinos de tigre à venda como “remédios tradicionais” numa quinta de tigres em Harbin, China.

O comércio começa com uma estimativa de 8.000 tigres mantidos em cativeiro numa série de quintas por toda a China e também no Laos, Tailândia e Vietname, muitas vezes em condições terríveis.

Muitos destes tigres estão alojados em pequenos recintos espartanos de cimento, mal grandes o suficiente para oferecer qualquer oportunidade até mesmo para os exercícios mais leves.

Tigres criados pelos seus ossos apresentam-se frequentemente desnutridos, e as suas mortes deliberadamente induzidas pela fome. Como explica um trabalhador de um parque de tigres no norte do país, “um esqueleto é, ao fim do dia, apenas um saco de ossos. Quem é que se importa com a aparência quando está vivo?”.

Os tigres criados pela sua carne sofrem um destino diferente, frequentemente bombeados com líquido e alimentados à força para torná-los o mais gordos possível, já que o valor de uma carcaça para comida é medido apenas pelo peso.

No final das suas vidas, muitos mal conseguem ficar de pé, os seus estômagos rastejam pelo chão. E uma pele é uma pele – desde que o tigre não esteja ferido, a pele ainda terá valor, independentemente do peso da criatura que a carregou.

Embora a maior parte do valor de um tigre seja derivada após a sua morte, os operadores de quinta de tigres, no entanto, procuram espremer cada grama de lucro possível durante a vida dos tigres.

Por essa razão, o ciclo de vida dos tigres de cativeiro é gerido em três fases distintas – reprodução, desempenho e colheita – seguidas por um quarto estágio de produção pós-morte. Em suma, estas quintas nada mais são do que fábricas de procriação rápida, fornecendo a matéria-prima para produtos de luxo de alta qualidade.

A tigresa senta-se no topo desta cadeia de produção, oferecendo um suprimento constante de filhotes — que, uma vez nascidos, são rapidamente retirados à sua mãe, para a colocar de novo com cio. Os seus filhotes são então levados para áreas de interação onde os visitantes podem pagar para acariciá-los e alimentá-los, proporcionando uma oportunidade perfeita para selfies para as redes sociais.

Um “zoo” de tigres na Tailândia, perto da cidade turística de Pattaya, empregou algumas táticas bizarras para maximizar o valor de entretenimento dos animais.

Numa barraca, filhotes de tigre envoltos em casacos de pele de porco podiam ser vistos a serem amamentados por uma porca, enquanto a poucos metros, uma tigresa agia como ama-de-leite para leitões vestidos com peles de tigre minúsculas.

(dr) Simon Evans

Tigresa a amamentar leitões em “zoo” de tigres na Tailândia.

Filhotes e adolescentes machos mais velhos eram forçados a realizar truques de circo enquanto outros desfilavam, em grupos, ao redor de recintos maiores onde os visitantes podiam comprar animais vivos para serem soltos como presas.

Como estes tigres foram criados em cativeiro, muitas vezes não têm perícia para matar, pelo que o gado sacrificial, frequentemente maltratado, precisa de ser removido e abatido manualmente antes de ser devolvido à arena como pedaços de carne.

Enquanto isso, filhotes fêmeas mais velhos são transferidos para ocupar o seu lugar na linha de produção. Finalmente, quando uma nova geração de tigres emerge para assumir essas funções, os animais mais velhos são enviados para o estágio de colheita.

Além de vinho, carne e peles, há também mercado de olhos, bigodes, dentes, garras e até pénis. Na verdade, quase todas as partes de um tigre recebem um valor financeiro.

As quintas de tigres tornaram-se um grande negócio e, para crescer, os seus proprietários reconhecem a necessidade de inovação constante. Por exemplo, uma investigação recente descobriu a existência de joias de osso de tigre rosa produzidas por uma quinta de tigres em Laos.

A cor distinta dos ornamentos é obtida removendo os ossos do tigre enquanto ele está sedado, mas ainda vivo.

PARTILHAR

14 COMENTÁRIOS

  1. E por causa destas e d’outras que Deus envia vírus para acabar com a raça humana miserável. Por causa duns pagam todos.

        • Se não percebeste, o é caso ainda mais grave!…
          Então Deus anda por aí a “enviar vírus para acabar com a raça humana” e nem sequer se importa se são culpados ou inocentes?!…
          Bem… se a minha resposta é estupida, o que dizer do teu comentário?!

  2. uma vergonha! chocante! mas chocante é também o autor destas linhas não saber escrever português correctamente!

  3. “Tigres já foram puderam ser encontrados em grande parte da Ásia, do leste da Turquia à Sibéria e Indonésia.”

    ZAP, pf ajustar o texto, de forma a ficar coerente.

  4. É chocante, mas não muito diferente de como porcos, galinhas, etc. são tratados no mundo Ocidental, incluindo Portugal, onde é comum se dizer que se aproveita tudo do porco, o qual vale certamente mais morto que vivo. Olhamos para isto e achamos que somos diferentes, ao mesmo tempo que nos deliciamos com umas boas febras, salada de orelha ou pézinhos de coentrada.

    • … muito bem dito. Mas apesar de igualmente chocante, o aproveitamento/exploração dos porcos ou galinhas é para um bem comum dos mais ricos aos mais carenciados, distribuído igualmente (ou deveria ser) e não apenas para uma elite, desde a comida, a calçado, produtos quimicos, fertilizantes, etc.
      Diria indispensável para a humanidade, mas vêm já aí os legumodependentes fazer-me a folha.

      • Claramente que não dependemos de suínos para sobreviver, podemos usar lentilhas, feijões, favas, grãos, etc. que têm um impacto ambiental muito baixo e fazem, segundo estudos científicos, bem à estrutura humana.

  5. É um terror saber disto e não poder fazer nada… a não ser não comprar nada chinês nem 1 cêntimo e agradecia a todos que o façam também, eles comem bebem tudo e mais alguma coisa, pu..a que os par.ú.

    • Arrisco-me a dizer que tudo o que tens e utilizas no dia-a-dia tem algo chinês. Praticamente tudo, em maior ou menor grau depende da China.

  6. A ganância e estupidez humana acabará daqui por alguns anos os deixar sós no mundo onde como agonia final se terão que comer uns aos outros para sobreviverem por mais alguns anos de ilusão!

RESPONDER

Identificado suspeito de tiroteio em armazém da FedEx nos Estados Unidos

Esta sexta-feira, as autoridades norte-americanas anunciaram ter identificado o suspeito do tiroteio que resultou na morte de oito pessoas num armazém da FedEx, em Indianápolis, nos Estados Unidos. De acordo com o Expresso, trata-se de um …

António Gameiro, suspeito na Operação Triângulo, retira candidatura à Câmara de Ourém

O deputado António Gameiro, um dos suspeitos na "Operação Triângulo", anunciou que vai retirar a sua candidatura à Câmara de Ourém. O deputado do PS António Gameiro retirou a sua candidatura à Câmara de Ourém, demitiu-se …

Task force muda regras. Vai ser mais difícil saber qual a vacina que será administrada

Vai ser mais difícil para as pessoas acima dos 60 anos saber com antecedência qual será a vacina que vão receber (AstraZeneca, Pfizer e Moderna). Todas as semanas, as três vacinas passam a "rodar de …

O segredo dos bigodes dos animais tem a forma de um S (e reside na forma como dobram)

Há muitos mamíferos que têm bigodes para sentirem o ambiente à sua volta, semelhante à sensação do tato. No entanto, os meios pelos quais os bigodes comunicam essa sensação de toque ao cérebro ainda permaneciam …

O trabalho de um aluno de Física chamou a atenção dos investigadores quânticos da Amazon

Os cientistas têm várias preocupações relacionadas com o potencial dos computadores quânticos e o progresso neste campo tem sido muito lento. Recentemente, um dos obstáculos pode ter sido reduzido por um estudante de Física da …

Famosa rajada rápida de rádio bateu recorde (e revelou magnetosfera "dançante" em estrela de neutrões)

Duas equipas internacionais de astrónomos publicaram dois artigos científicos com novas informações sobre a famosa rajada rápida de rádio FRB20180916B. No estudo publicado na Astrophysical Journal Letters, os cientistas mediram a radiação das explosões nas frequências …

Farense 0-1 Sporting | Beto e Adán gigantes em noite de recorde leonino

O Sporting sofreu bastante para levar os três pontos na visita ao Farense. O líder do campeonato marcou um golo, por Pedro Gonçalves, dominou durante a primeira parte, mas na segunda deixou os algarvios criarem …

Uma simples mudança está a evitar a morte de um macaco em vias de extinção

Cientistas conseguiram dar uma tábua de salvação a uma espécie de macaco em risco de extinção, cujos espécimes são frequentemente atropelados por automóveis nas estradas de um parque nacional em Zanzibar. De acordo com a Lista …

Antigo rito sagrado "entre irmãos" pode ter sido, na verdade, o casamento homossexual

A adelfopoiese era uma cerimónia praticada historicamente na tradição cristã para unir duas pessoas do mesmo sexo - normalmente homens - num relacionamento reconhecido pela igreja, análogo ao irmão. Segundo documentos históricos, com 20 anos, Simeão …

Talin fechou uma estrada para que sapos e rãs possam atravessar em segurança

A capital da Estónia fechou uma estrada movimentada, durante as noites do mês de abril, para garantir que milhares de sapos e rãs conseguem atravessar em segurança para o local onde se vão reproduzir. Geralmente, são …