Putin terá dado a ordem: acabaram as conversas

14

premier.gov.ru

O presidente da Rússia, Vladimir Putin

Rússia pode invadir a Ucrânia em breve e Sergei Ryabkov recebeu indicações do presidente. EUA é um país preparado para qualquer desfecho.

Os anos passam e a tensão entre Rússia e Ucrânia não desaparece (os jogos de futebol entre equipas destes países continuam “proibidos”, por exemplo). A questão da ocupação da Crimeia ainda está presente e, nesta sexta-feira, surgiu novo capítulo nesta relação tensa: um ataque informático que afectou sobretudo os ministérios da Ucrânia.

O Governo ucraniano não indicou lista de possíveis culpados, mas não esqueceu os vizinhos russos: “É demasiado cedo para tirar conclusões, mas há uma longa história de ataques informáticos russos contra a Ucrânia”, comentou um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros ucraniano.

Na semana passada Volodymyr Zelensky, presidente da Ucrânia, propôs a realização de uma reunião com Vladimir Putin, presidente da Rússia, e com os líderes europeus Emmanuel Macron e Olaf Scholz (França e Alemanha), para tentar acabar com esta situação no Leste da Ucrânia. Mais tarde, propôs também uma reunião com Putin e Joe Biden, presidente dos Estados Unidos da América.

O clima não está amigável nos últimos dias: na sexta-feira Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional nos EUA, avisou que a Rússia está a preparar uma invasão à Ucrânia. E já haverá 100 mil militares no terreno, junto à fronteira.

A ideia será criar uma “encenação”, arranjar um pretexto, para atacar. E essa encenação está a decorrer também nos bastidores.

Quer a União Europeia, quer os EUA, acreditam que a Rússia vai tentar acumular pretextos, como a falta de flexibilidade ocidental, para alegar que já tentaram tudo que era possível a nível diplomático e, logo a seguir, invadir a Ucrânia.

O jornal El País cita um documento diplomático da UE e avisa: apesar de haver, no mínimo, mais uma ronda de negociações entre EUA e Rússia, a indicação que Putin deixou ao vice-ministro Sergei Ryabkov é a de deixar a impressão de que não haverá mais conversas. Alegar que já tentaram tudo pela via diplomática.

Sergey Lavrov, chefe da diplomacia da Rússia, admitiu que pode haver um acordo em breve, mas ao mesmo tempo alertou: “Em Moscovo a paciência acabou. Com boa vontade, é sempre possível encontrar uma solução que ambas as partes aceitem”.

Putin ainda não terá tomado uma decisão final sobre a o eventual ataque à vizinha Ucrânia mas Putin “já chegou demasiado longe para, agora, ficar quieto”, comenta-se nos bastidores em Bruxelas.

Do outro lado, os EUA estão “preparados” para qualquer desfecho, indicou uma fonte da Casa Branca.

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

14 Comments

  1. Algo me diz que o Putin não sabe onde se vai meter. O Ocidente não vai tolerar um ataque à Ucrânia e, por outro lado, uma guerra na Ucrânia nunca será ganha pela Rússia. Bem vimos o que se passou no Afeganistão, a chamada armadilha de urso, com 15 mil mortos soviéticos, com imenso dinheiro destruído e que terá ditado o colapso da União Soviética. E, de salientar, que o Putin não consegue manter uma guerra durante muito tempo sem aumentar a já larga contestação interna. Se for esperto, arranja uma qualquer solução em que possa sair desta embrulhada sem perder totalmente a face e, assim, ainda consegue garantir mais uns anos no poder.

    • Isso seria tudo verdade se ‘deste lado’ tivéssemos lideres Europeus com ‘eles’ no sitio. Não temos!!

      O Sr. Putin provoca quem quer, quando quer e como quer e sabe que no final de contas, não acontece coisa nenhuma. Não vá mais longe veja o que aconteceu na Crimeia.

      Do lado da UE, ameaça-se com aquilo que é mais importante na UE: Sanções económicas (dinheiro) e falhamos ao perceber que o Sr. Putin não quer saber disso para nada. O que ele quer, é restaurar a antiga URSS.

      O que já deveria ter acontecido era responder em força e deslocar para a Ucrânia, de toda a UE e EUA, tantos homens quantos fossem necessários para o Sr. Putin perceber que não estamos a brincar. Ele tem lá 100.000?? Deslocamos 1.000.000!! Parece estúpido? Parece!! Mas não é a pedir delicadamente para ele se comportar, que ele vai parar.

      • Quando na UE tens a Alemanha de Merkel, etc, sempre a “dizer amém” com Putin ao ponto de aceitar o NordStream 2, etc, etc, não é fácil a UE fazer mais… só quando a Alemanha reduzir a sua dependência energética da Rússia (que já devia ter acontecido mas a Alemanha preferiu o superavit e vender carros à Russia) e portanto, ao Putin basta-lhe a habitual chantagem..

        Deslocar 1.000.000 de homens da NATO para a Ucrânia só pode ser piada… mais uma vez, a Alemanha nem sequer cumpre os mínimos da NATO, quanto mais…

  2. “…A questão da ocupação da Crimeia ainda está presente…”

    A Crimeia não foi “ocupada”, foi reintegrada na Rússia por vontade expressa do seu povo. Com muito menos razão não faltam pessoas em Portugal a querer “ocupar” Olivença…

    Quanto à Rússia ser derrotada na Ucrânia, são sonhos de quem não sabe como a Rússia (então União Soviética) enfrentou o fantástico poder militar da Alemanha. Mas enfim, é só esperar mais um tempinho…

    • Outra vez arroz?!
      Os tártaros são o povo da Crimeia e NUNCA aceitaram qualquer integração na Rússia!!
      A opinião dos russos que vivem na Crimeia não conta para NADA!…
      Além de que foi URSS quem integrou a Crimeia na Ucrânia e, no fim da USSR, a Rússia concordou em respeitar essa integração.
      Claro que se o Putin nem os russos respeita…

      Coitada da Rússia que mal tem dinheiro para mandar cantar um cego, quanto mais para uma guerra a sério!…
      Com um PIB quase metade da França e equivalente ao da Espanha (além da dependência das exportações para a Europa), a Rússia vai financiar a guerra como?!

      • Este pessoal nem as sonha. Já do Afeganistão saíram sem nada. E depois até se deu a queda da União Soviética. Já não havia dinheiro nem para mandar cantar um cego.
        E como é que o Putin iria conseguir manter uma guerra longa (porque seria uma guerra longa) com os níveis internos de contestação que já possui neste momento? O Putin pode ser muita coisa… mas parvo não é.

        • É muito “Facebook” e pouca noção da realidade, principalmente da realidade socio-económica russa e das manhas do Putin, que nunca se meteria num confronto directo e declarado com alguém – principalmente com a NATO!!

  3. “…A questão da ocupação da Crimeia ainda está presente…”

    A Crimeia não foi “ocupada”, foi reintegrada na Rússia por vontade expressa do seu povo. Com muito menos razão não faltam pessoas em Portugal a querer “ocupar” Olivença…

    Quanto à Rússia ser derrotada na Ucrânia, são sonhos de que não sabe como a Rússia (então União Soviética) enfrentou o fantástico poder militar da Alemanha. Mas enfim, é só esperar mais um tempinho…

    • Nunca a Rússia conseguirá vencer e ocupar a Ucrânia. Se o conseguisse, tê-lo-ia feito no Afeganistão, de onde saiu com uma mão à frente e outra atrás.
      Quanto à Segunda Guerra Mundial, aparentemente há muita coisa que lhe passa ao lado. Nomeadamente o facto de os Alemães estarem a combater a Ocidente e a Oriente. E se não tinha vindo o frio e a dispersão de tropas com a entrada dos EUA a Ocidente, provavelmente a Rússia também teria capitulado. Não esteve longe de acontecer. Esteve bem próximo. A dispersão de tropas levou a que muitos contingentes alemães do Oriente tivessem muitos ucranianos, romenos… Muitos dos soldados nem alemães eram, nem preparação tinham. E foi precisamente por aí que o contra-ataque russo ocorreu.
      E não se esqueça que se calhar quem tem mesmo de ter muito cuidado pela posição geográfica que ocupa é de facto a Rússia. A China ainda tem umas contas a acertar. E já no passado pôs os russos em sentido.
      Enfim, mas pelo seu comentário, muita coisa lhe passou ao lado nos últimos séculos.

  4. Interessante ver que ninguém fala o porquê dos russos estarem a reagir assim… Quando os sovieticos quiseram pôr misseis em Cuba, quase havia guerra nuclear. Agora os Estados Unidos acham boa ideia a Ucrania pertencer à NATO e a Russia só tem que aceitar… está tudo doido?

    • Tudo não, já tu…
      Mas agora a Rússia é que manda na Ucrânia e no que a Ucrânia faz ou deixa de fazer?!
      Mísseis nucleares em Cuba é equivalente à Ucrânia fazer parte da NATO?!
      Vais bonito, vais…

    • Já comentei o mesmo com pessoas amigas. Efetivamente, a Nato ficará a pouco mais de 400 kms de Moscovo!!! É uma espécie de Cuba ao contrário… mas sem o essencial – os mísseis nucleares.
      É preciso tacto e penso que este tem faltado a muito boa gente no plano internacional.

      • Lamento informar mas a NATO já está a pouco mais de 400Km de Moscovo há mais de 15 anos, nomeadamente na Estónia e na Letónia!!

        De qualquer modo, entre a Ucrânia decidir aderir à NATO e a invasão e anexação de territórios ucranianos por parte da Russia, achas mais estranho o primeiro?!

  5. Só não percebo é porque ainda há muita gentinha que acredita que hoje já não é preciso ter forças armadas, pois também crêm, que o resto do mundo se rege pelos mesmos valores actuais da maioria dos países do bloco ocidental.
    Os russos, gringos e europeus com armas nucleares estimularam a Ucrania a entregar as suas armas nucleares para reciclagem aos russos, pois não tinham economia para as conservar devidamente, com a promessa escrita em acordo assinado por todos, do reconhecimento e inviolabilidade das fronteiras Ucranianas.
    Mas como se vê os acordos são letra morta.
    O que vale é outra coisa, mas anda ainda muita gentinha enganada e a enganar os trouxas com conversas moles.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE