Putin não está arrependido de ter anexado a Crimeia

Yuri Kochetkov / EPA

O presidente da Rússia, Vladimir Putin

O presidente da Rússia, Vladimir Putin

O presidente russo Vladimir Putin, numa entrevista exibida este domingo a assinalar os seus 15 anos no poder, diz não estar arrependido da anexação da Crimeia, em 2014, que anulou “uma injustiça histórica”.

“Penso que fizemos o correto e não me arrependo de nada”, afirmou sobre a decisão de reaver a península do Mar Negro da Ucrânia, numa entrevista à televisão estatal.

“Quando defendemos os nossos interesses, vamos até ao fim”, disse, citado pela Agência France Presse.

Explicando a motivação que esteve na origem da tomada da Crimeia, Putin disse ter sido a correção de um erro histórico, depois do líder soviético Nikita Krushchev ter transferido aquela península da Rússia para a Ucrânia em 1954, o que na altura foi apenas um gesto simbólico já que os dois países pertenciam à União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).

No documentário “Presidente”, exibido no canal Rossiya1, Putin citou informações dos serviços especiais russos no final da década de 1990 que indicavam “contactos diretos entre combatentes do Cáucaso Norte e representantes das forças especiais norte-americanas no Azerbaijão”.

Como primeiro-ministro, em 1999, Putin iniciou a segunda guerra na Chechénia, que terminou oficialmente em 2009.

Putin, de 62 anos, disse que os serviços especiais do Ocidente aparentemente apoiaram os militantes porque acreditavam que qualquer opositor da Rússia deveria ser tratado como um aliado.

“Algumas pessoas, em particular as forças especiais dos países ocidentais, pensavam que se alguém estava a trabalhar para desestabilizar o seu principal opositor geopolítico – que, percebemos agora, na cabeça desses sempre foi a Rússia – então é geralmente em seu benefício. Descobriu-se que não é o caso”, afirmou.

O líder russo, considerado pela revista norte-americana Time como a pessoa mais influente do mundo, criticou as sanções impostas pelos Estados Unidos e a Europa, considerando-as “nada mais do que outra tentativa de conter o desenvolvimento da Rússia”.

“Estou profundamente convencido que não estamos a quebrar as regras do jogo. Isso diz respeito às nossas relações com a Ucrânia e à situação na Crimeia”, disse Putin, citando leis internacionais e a Carta das Nações Unidas.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Para proteger o fundo do mar, novo sistema permite atracar vários barcos com uma só "âncora"

Quando vários barcos se amontoam numa enseada durante a noite, cada um deles lança uma âncora que pode potencialmente danificar os corais e a vida marinha no fundo do mar. O sistema Seafloat foi criado …

Japão e Estados Unidos assinam acordo de cooperação para exploração da Lua

O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão e a agência espacial dos Estados Unidos (NASA) assinaram um acordo de colaboração entre os dois países no programa Artemis, para a exploração da …

Washington Redskins mudam de nome por ser considerado racista

A equipa de futebol americano, até aqui denominada de Washington Redskins, vai abandonar essa designação, considerada de teor racista, para designar nativos da América do Norte. Em comunicado, a equipa de Washington explicou que, depois de uma …

Flores precisaram de cerca de 50 milhões de anos para se tornarem o que são hoje

As plantas com flor evoluíram há cerca de 100 milhões de anos, mas precisaram de outros 50 milhões de anos para diversificar e tornarem-se aquilo que são hoje, sugere uma equipa de investigadores. Os cientistas documentaram …

Estudo sugere que imunidade à covid-19 pode desaparecer em poucos meses

A imunidade adquirida por anticorpos após a cura da covid-19 pode desaparecer em alguns meses, o que poderá complicar o desenvolvimento de uma vacina eficaz a longo prazo, sugere um estudo britânico divulgado esta segunda-feira. "Este …

60 anos depois, já se sabe o que aconteceu aos 9 russos que desapareceram na Montanha da Morte

Passados 61 anos, o mistério da morte de nove esquiadores russos que faziam uma caminhada pelos Montes Urais, perto da chamada Montanha da Morte, foi finalmente resolvido. Em 1959, nove viajantes russos que faziam uma caminhada …

Médicos Sem Fronteiras é "institucionalmente racista", acusam atuais e ex-colaboradores

Uma declaração assinada por mil atuais e ex-funcionários revela que a Organização Não Governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF) é "institucionalmente racista" e reforça o colonialismo e a supremacia branca no trabalho humanitário que pratica. Na …

Empresa culpada pela crise de opioides fez contribuições políticas após declarar falência

A Purdue Pharma, empresa culpada pela crise de opioides nos Estados Unidos, fez contribuições políticas após ter sido processada e declarado falência. Os opioides são usados para aliviar a dor, mas também provocam uma sensação exagerada …

Norte-americano morre após ir a festa para provar que a covid-19 é uma farsa

Um norte-americano de 30 anos, de San Antonio, no estado do Texas, morreu de covid-19 depois de ir a uma festa para provar que a doença era uma farsa, informou a media local. O homem foi …

Luso-canadiano quer criar 25 murais dedicados a Amália Rodrigues

Um português a residir no Canadá pretende criar uma “aldeia global virtual” das comunidades portuguesas espalhadas nos vários cantos do mundo, um projeto que envolve a colocação de 25 murais dedicados à fadista Amália Rodrigues. “O …