Punir os 12 clubes da Superliga Europeia? O tiro pode sair pela culatra

diariveu / Flickr

Florentino Pérez, presidente do Real Madrid

A UEFA ameaça punir os clubes que participem na Superliga Europeia. No entanto, tomar medidas precipitadas pode fazer com que o tiro saia pela culatra.

O mundo do futebol foi abalado pelo anúncio de uma Superliga Europeia. A maioria acha que é uma má ideia, desde os órgãos dirigentes da FIFA e da UEFA até a órgãos nacionais como a FA e a Premier League inglesa.

O mesmo aplica-se aos grupos de adeptos dos seis clubes ingleses que compõem metade dos 12 membros iniciais da Superliga Europeia: Liverpool, Manchester City, Manchester United, Tottenham, Chelsea e Arsenal. Os fundadores restantes são Barcelona, Real Madrid e Atlético de Madrid de Espanha; e Juventus, AC Milan e Inter de Itália. Os principais clubes alemães e franceses não participam.

De acordo com o sistema proposto, esses 12 clubes unem-se a mais três sócios fundadores não confirmados e cinco clubes adicionais que teriam que se qualificar a cada ano. Depois, jogariam encontros a meio da semana em duas mini-ligas de dez clubes, com os melhores colocados a avançarem para a fase eliminatória e, eventualmente, uma final em maio.

Substituindo efetivamente a Liga dos Campeões da UEFA, os fundadores deverão receber 3,5 mil milhões de euros em pagamentos iniciais de infraestrutura entre eles, mais 10 mil milhões de euros por um “período de compromisso inicial”. Os 12 clubes propõem competir nas suas ligas nacionais normalmente.

As propostas são consideradas tão ultrajantes que até o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, prometeu encontrar uma maneira de bloqueá-las — apesar de não ser conhecido pelo seu amor pelo futebol. Especialistas, incluindo Gary Neville, o antigo defesa do Manchester United, também têm mostrado a sua irritação.

A Superliga Europeia está a ser condenada como gananciosa, já que seria principalmente uma “loja fechada” sem o risco de despromoção para clubes fundadores. Muitos consideram isso contra o espírito da longa história do futebol, especialmente com as equipas das ligas inferiores a lutarem contra a pandemia.

Neville acha que “não há hipótese” de as propostas seguirem em frente, dada a grande oposição. Outros sugerem que elas podem servir como moeda de troca enquanto a UEFA revela uma Liga dos Campeões renovada e ampliada, que, segundo ela, acontecerá independentemente das propostas da Superliga Europeia.

Em Inglaterra, muitos também querem que as autoridades do futebol punam os “seis grandes”. Estão a ser discutidas despromoções, expulsões e a hipótese de banir jogadores que disputam o EURO e o Mundial.

Mas outros sugerem que todos parem para respirar. Agir duramente contra estes clubes pode ter exatamente o efeito oposto ao pretendido.

“Diz o roto ao nu: porque não te vestes tu?”

Autoridades como a Premier League inglesa (EPL) podem lutar para conquistar corações e mentes ao invocar a história do futebol. A própria EPL separou-se da Liga de Futebol Inglesa em 1992, e as autoridades e os adeptos do futebol ficaram com a mesma raiva na altura. A relegação foi incluída na proposta, embora os clubes não tenham pedido permissão para a estrutura que criaram.

Com a maior parte das receitas de transmissão do futebol inglês a irem para os clubes da Premier League, muitos já criticam a pirâmide do futebol. Dinheiro insuficiente é filtrado para as ligas inferiores, argumentam, enquanto anos de inflação de valores de transferência e salários levaram vários clubes à beira do precipício, mesmo antes da pandemia.

Com os estádios vazios em 2020/21, o futebol enfrenta uma escolha: ver mais clubes falirem ou considerar algum tipo de reforma com salários de jogadores reduzidos, transferências regulamentadas, agentes retirados do jogo e recursos distribuídos de forma mais equitativa.

Os clubes responsáveis pela Superliga Europeia parecem rejeitar esta forma de austeridade sustentável. Eles estão a posicionar-se acima, e não no topo da pirâmide existente. Claro, com alguns clubes com mais de um mil milhão de euros em dívidas, receber um bónus de assinatura de 200 a 300 milhões pode resolver as suas próprias crises financeiras.

O próximo passo

A Superliga Europeia pode ser uma moeda de troca, é claro. Os grandes clubes há muito procuram reformas na Liga dos Campeões que os beneficiem financeiramente, e cronometrar o anúncio um dia antes da UEFA, confirmando a reformulação da Liga dos Campeões, claramente não foi uma coincidência.

Adicionar jogos ao congestionado calendário de futebol não é algo que nenhum clube importante irá apreciar. Então, talvez a proposta da Superliga Europeia desapareça nos próximos dias devido a um acordo com a UEFA.

Como Neville apontou, algo semelhante aconteceu com a Premier League inglesa em 2020, com um plano para fortalecer ainda mais os grandes clubes, chamado Project Big Picture.

Por outro lado, os grandes clubes podem estar a procurar uma reação extrema das autoridades do futebol para que possam ir mais longe. Talvez uma liga autónoma seja o que os proprietários realmente têm em mente, ao invés da liga paralela proposta.

O modelo que precisamos de considerar é o dos principais desportos americanos, como o futebol americano ou basquetebol, onde não há despromoções e as equipas viajam milhares de quilómetros para jogar. Eles agendam partidas no estrangeiro em locais neutros e muitas vezes mudam a equipa para uma nova cidade sem se preocupar com a base local de adeptos.

O facto de os proprietários se referirem aos clubes como “franquias” é instrutivo aqui: quatro dos clubes fundadores da Superliga Europeia têm proprietários americanos com indiscutivelmente pouco interesse em futebol, exceto pelo dinheiro que gera.

Para conter esta ameaça, os órgãos dirigentes e as ligas nacionais precisam de manter as 12 equipas nas suas competições. Se essa liga independente efetivamente se tornasse única, pouco importaria para os jogadores se eles fossem proibidos de jogar pelas seleções nacionais. Eles poderiam consolar-se com os salários ainda maiores que provavelmente serão oferecidos enquanto o mundo inteiro assiste a todos os seus jogos.

Medidas precipitadas podem causar danos incalculáveis a todos fora da elite. Isto poderia desperdiçar uma oportunidade única de remodelar a Liga dos Campeões e garantir que o futebol em todos os níveis permanece financeiramente viável. Pode depender de quem tem a marca mais forte: as autoridades do futebol, ligas ou clubes — de momento, parece que os clubes têm confiança na resposta a esta pergunta.

PARTILHAR

RESPONDER

Emprego, formação e pobreza. Cimeira Social marca "o mais ambicioso compromisso" da UE

A Cimeira Social arrancou, nesta sexta-feira, no Porto, com a presença de 24 dos 27 chefes de Estado e de Governo da UE, num evento que pretende definir a agenda social da Europa para a …

"Uma cena da Idade Média". Refugiado encontrado morto e cercado de ratos em acampamento grego

O jovem, proveniente da Somália, foi encontrado morto dentro de uma tenda no início desta semana. No momento em que as autoridades chegaram ao local, cerca de 12 horas após a morte do rapaz, o …

Coreia do Norte alega que a covid-19 poderia flutuar em balões vindos do Sul

A Coreia do Norte pediu aos seus cidadãos que não leiam panfletos de propaganda enviados através de balões do Sul, alegando que a covid-19 poderia entrar no país através das gotículas. De acordo com a agência …

Autoagendamento a partir dos 60 anos deve arrancar no final da próxima semana

O autoagendamento para a vacinação contra a covid-19 deverá passar a contemplar as pessoas a partir dos 60 anos, em vez dos atuais 65, já no final da próxima semana, adiantou hoje à Lusa fonte …

Comandos. MP pede condenação de cinco arguidos a penas entre dois e 10 anos de prisão

O Ministério Público (MP) pediu hoje a condenação de cinco dos 19 arguidos no processo relativo à morte de dois recrutas dos Comandos, em 2016, a penas de prisão entre dois e 10 anos. Nas alegações …

Juventus quer Zidane para o lugar de Pirlo

O insucesso desportivo da Juventus esta temporada deve fazer com que Pirlo saia do clube. Zidane, que também estará de saída do Real Madrid, é o favorito da vecchia signora. Zinédine Zidane estará a pensar seriamente …

“Incompetência e arrogância”. Cabrita está (novamente) debaixo de fogo. Partidos pedem a sua demissão

Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, está mais uma vez no centro da polémica. Depois de ter avançado com uma requisição civil para que mais de 20 imigrantes fossem transportados para o Zmar, durante a …

Fernando José é o candidato do PS a Setúbal. Ana Catarina Mendes concorre à Assembleia Municipal

O deputado e vereador socialista Fernando José é o cabeça de lista do PS às próximas eleições autárquicas para a Câmara de Setúbal e Ana Catarina Mendes à Assembleia Municipal, revelou fonte oficial do Partido …

Portugal na zona de queda dos restos do foguetão chinês

O foguete de Longa Marcha chinês que foi lançado a 29 de abril, e agora está a preocupar o mundo. As previsões é que a reentrada na atmosfera se dê até ao próximo dia 9 …

CIP propõe "almofada" pública de 8.000 milhões para resolver moratórias

A Confederação Empresarial de Portugal (CIP) propôs ao Governo criar uma "almofada" de garantias públicas no valor de oito mil milhões de euros para dar poder às empresas e levar a banca a renegociar os …