PSD vai a jogo nas eleições para “meter golos” e não só para “trocar bolas”

Miguel A. Lopes / Lusa

Rui Rio com Fernando Negrão (e) e David Justino (d)

O PSD vai a jogo nas próximas eleições europeias e legislativas e visa “meter golos” e não só trocar a bola. Quem o diz é David Justino, o vice-presidente do partido, que reconheceu também que o primeiro ano da direção de Rui Rio “não foi fácil” pelas divergências internas.

“É óbvio que estamos a apostar no cenário de vitória, quer nas europeias, quer nas legislativas. Ir a jogo só para trocar bolas não vale a pena, queremos meter golos”, afirmou David Justino à agência Lusa.

Em entrevista a propósito da primeira Convenção Nacional do Conselho Estratégico Nacional do PSD, que se realiza no sábado, David Justino reconheceu que o primeiro ano da direção eleita em Congresso entre 16 e 18 de fevereiro de 2018 “não foi um ano fácil”.

“Não vamos ignorar que tivemos problemas, que houve uma estratégia que tínhamos delineado que não foi plenamente conseguida devido a problemas internos, que projetámos uma imagem para a sociedade portuguesa que não era a que nós queríamos, de conflitualidade interna, que não é motivadora de confiança por parte dos eleitores”.

Neste ponto, Justino salientou que, nas sondagens, são visíveis diferenças entre “o bom ‘score’ pessoal” de Rui Rio e as intenções de voto no PSD. “Quer dizer que os portugueses fazem esta distinção (…) Os eleitores podem ter Rio na melhor das apreciações, mas se veem um partido que ele lidera que não é digno de confiança, não serve de nada”, alertou.

Ainda assim, defendeu que, “agora que estão superados alguns problemas internos”, a direção já tem condições de apresentar neste período pré-eleitoral o PSD como “um partido credível”, com “propostas estudadas, ponderadas e debatidas na sociedade”. “Nestes últimos seis meses, queremos ter – não é um outro PSD, nem vamos pensar que a divergência, pluralidade de opiniões vai desaparecer – um partido mobilizado para os objetivos que a direção nacional tem enunciado”, defendeu.

Questionado se o CEN, órgão de aconselhamento da direção, é a principal marca do primeiro ano do PSD de Rui Rio, Justino preferiu dar uma resposta mais ampla.

“A marca fundamental desta direção e deste presidente é a procura de formas diferentes de fazer política”, defendeu, considerando que “os portugueses estão cansados” do ‘politiquês’ e de se “fazer da política um palco para grandes espetáculos”.

Para Justino, a mudança que Rui Rio quis introduzir foi mostrar que “privilegia mais a substância do que a forma”. “É necessário que os políticos se comportem de forma diferente para que haja reconhecimento dos eleitores de que é possível fazer política de forma diferente, mais séria, mais honesta e com, diria quase, com coluna. É possível”.

David Justino, que é também presidente do CEN, aponta este órgão como “um dos pilares dessa nova forma de fazer política”. “Ao fim de um ano, a imagem que queremos transmitir é de que é possível fazer de forma diferente, é possível que o programa possa ser feito de forma alargada e participada, e que, em vez de ter um gabinete de estudo que ninguém sabe bem onde está, ter secções abertas onde há debate com pessoas que não são necessariamente do PSD”, salientou.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

A Liga dos Campeões vai mudar: mais equipas e um formato inédito

O comité de competições da UEFA reuniu-se esta sexta-feira para aprovar o novo modelo da Liga dos Campeões. O novo formato vai vigorar entre 2024 e 2027. Embora ainda não tenham sido avançadas informações oficiais, o …

Depois do Sofagate, agora é von der Leyen quem está a ser acusada de quebrar o protocolo

Diplomatas da União Europeia dizem que a presidente da Comissão Europeia quebrou o protocolo, uma vez que foi o seu chefe de gabinete que respondeu ao convite da Ucrânia para que marcasse presença na cerimónia …

Há uma "possibilidade real" de trocar capitalismo pelo socialismo no século XXI, diz PCP

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, assinalou na quinta-feira os 150 anos da Comuna de Paris com um discurso de fidelidade ao ideal comunista e definiu a "substituição do capitalismo pelo socialismo" como uma …

Moçambique. Ministro da Defesa diz que ataque a Palma não coloca em causa exploração de gás

O ministro da Defesa de Moçambique, Jaime Neto, disse esta quinta-feira que o ataque à vila de Palma não coloca em causa o projeto de exploração de gás natural liderado pela petrolífera Total em Afungi, …

Nova Zelândia quer tornar a próxima geração completamente não fumadora

A Nova Zelândia anunciou um conjunto de propostas que visam banir os cigarros entre a próxima geração e aproximar o país da sua meta de ser livre de fumo até 2025. Desta forma, o Governo pretende …

Porto lança cartão da cidade para munícipes. Vantagens incluem descontos na cultura

O cartão foi lançado no dia 5 de abril e permite que os utilizadores tenham acesso a descontos em museus, teatros, piscinas e utilização gratuita do elevador dos Guindais. Destina-se aos moradores da cidade e …

Afinal, o SEF ainda não foi extinto. Governo vai publicar decreto-lei

Afinal, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) ainda não foi extinto. Segundo o Ministério da Administração Interna, o Governo vai "aprovar por decreto-lei a orgânica do novo serviço público [SEA] e as novas competências …

Mais quatro mortes e 553 casos nas últimas 24 horas

De acordo com a Direção-Geral da Saúde, Portugal registou nas últimas 24 horas 553 novos casos de covid-19 e quatro mortes associadas à doença. Portugal regista hoje mais quatro mortes relacionadas com a covid-19, 553 novos …

Familiares das vítimas do voo MH-17 na Ucrânia vão pedir indemnizações

Uma das advogadas das vítimas do voo MH-17 da Malaysia Airlines anunciou que 290 familiares apresentaram pedido de indemnização contra os quatro suspeitos do acidente. Uma advogada das vítimas do derrube do voo da Malasya Airlines …

1.º de Maio. CGTP duplica lotação, UGT festeja online com ex-ministros socialistas

As centrais sindicais voltam a estar divididas quanto às comemorações do 1.º de Maio. A CGTP vai organizar dois desfiles e duplicar a concentração na Alameda Dom Afonso Henriques; a UGT cancelou qualquer iniciativa presencial …