Marques Mendes considera que “juntar PSD e Chega é naufrágio anunciado”

Carlos Barroso / Lusa

Luís Marques Mendes

Apesar de considerar que o Governo está “em queda imparável”, Luís Marques Mendes vê um risco de “ingovernabilidade política” quer à esquerda, quer à direita.

Num artigo de opinião publicado no Diário de Notícias, Luís Marques Mendes assume que “juntar PSD e Chega numa qualquer plataforma governativa é, no plano da coerência, naufrágio anunciado”. Em termos políticos, o comentador não vê um futuro risonho, e chega mesmo a falar em “ingovernabilidade política”.

“Temo que, a somar à pandemia e à crise económica e social, possamos cair na tempestade perfeita. Acrescentando a estas duas crises o risco da ingovernabilidade política”, lê-se no artigo, intitulado Novo ciclo político – um desafio e um impasse.

Em relação ao atual Governo, o conselheiro de Estado refere que “está sem força, sem autoridade e sem norte”, uma “degradação irreversível, que já nem uma remodelação conseguirá inverter”.

Nem as eleições legislativas oferecem a Marques Mendes um vislumbre de esperança, uma vez que “a situação só tende a piorar, gerando graves bloqueios” e a “ameaça de ingovernabilidade, à esquerda e à direita, espreita com grande crueldade”.

À esquerda, mesmo que haja uma maioria de votos e deputados, “não haverá um mínimo de coerência para governar”. “É tudo tático, tudo avulso, tudo pontual, tudo conjuntural. (…) Não se garante um governo forte, uma ação reformadora e a transformação do país”, e serão a economia e a sociedade a “pagar a fatura”.

Ainda que à direita o problema seja “diferente”, não é “menos grave”. “Provavelmente nem governo alternativo, muito menos governo forte”, escreve Luís Marques Mendes, salientando que a pulverização partidária pode “dificultar e muito a construção de uma alternativa maioritária, estável e coerente”.

“Ainda vamos ver muito boa gente a invocar soluções miríficas ou ideias sebastiânicas – tipo governos presidenciais – que simplesmente não existem. São pura ficção cientifica”, aponta. Neste momento, o país precisa de “um novo modelo de desenvolvimento, um programa ambicioso de crescimento e de competitividade, uma estratégia de mobilização coletiva”.

Sobre Marcelo Rebelo de Sousa, recém-eleito Presidente da República, diz que vai ser, ao mesmo tempo, “igual e diferente“: “igual nos princípios, diferente face às circunstâncias”. “Por mais talentoso que seja, um Presidente não faz milagres. E não se substitui aos partidos”, sublinha.

“PSD deve respeito ao Chega”

O histórico militante e fundador do PPD/PSD Ângelo Correia pede ao seu partido respeito pelo Chega e respetivo eleitorado e a adoção de medidas políticas dirigidas às pessoas para combater o crescimento daquele recém-formado partido da extrema-direita parlamentar.

Em entrevista à Lusa, o gestor de empresas de 75 anos “culpou” a esquerda, a comunicação social em geral, mas também o PSD – como um todo e não a atual direção de Rui Rio -, pelo fenómeno de ascensão eleitoral do líder populista, André Ventura, rejeitando, para já, qualquer entendimento entre os partidos.

“O PSD teria, teoricamente, três opções: preparar um acordo futuro com o Chega, que rejeito; ignorar o Chega, que rejeito; ou encarar claramente a questão e optar por um tipo de política diferente. O PSD deve, como todos os partidos e cidadãos, reconhecer o Chega como partido legítimo. Se meio milhão de votos não são legítimos, então é o povo que tem de se demitir”, ironizou.

Segundo Ângelo Correia, “o erro do PSD – que o comete há dois anos -, é não ter percebido a emergência de realidades destas e, quando não se faz isso a tempo e horas, deixa-se crescer um fenómeno no espaço político que é diferente e hostil”.

“Para combater o Chega – o que é vital em Portugal -, é combater as causas que o legitimam. É ter medidas de política claras que se dirigem às pessoas para resolver os problemas. É o único caminho”, defendeu o membro da Assembleia Constituinte (1975) e da Assembleia da República (1976-1995).

O atual coordenador do Conselho Estratégico Nacional do PSD para a Defesa Nacional e antigo governante da Aliança Democrática (PPD/CDS/PPM) defende que “não se combate o Chega da forma como o PS, PCP e BE têm feito, que é exautorando-o e fazer a sua vitimização”.

“O Chega teve esta força porque a esquerda portuguesa lha deu. A única maneira é combater as causas, se ainda for possível”, vincou.

Ângelo Correia elegeu a comunicação social como “a maior responsável de todas porque propala todos os dias uma realidade que é aquela que ela quer ver e não aquela que existe”.

O candidato presidencial do Chega foi o segundo mais votado em toda a faixa interior do país, de Bragança a Beja, mas também em Faro, Leiria e na Madeira.

“Têm de pôr, uma vez na vida, a mão na consciência, naquilo que dizem e repetem à exaustão sem ler nem perceber o país”, desejou, acrescentando que “já esperava” o resultado obtido por Ventura, pois, “há muitos anos que a sociedade portuguesa se orienta por valores dados pela comunicação social e não pelos valores e realidades que o país tem”.

O ministro da Administração Interna do VIII Governo Constitucional, liderado por Pinto Balsemão (1981-83), considerou haver “uma ignorância completa, deliberada em ler a realidade”, designadamente O “desempenho do poder político”, o “cuidado e atenção à representação política”, a “cada vez maior dificuldade”, o “atraso”, a “marginalização”, o “desemprego”, a “falta de dignidade”, o “papel do interior cada vez mais subalterno”.

Tudo “fatores que empobrecem e legitimam grande parte dos comportamentos de extremo”, daí a votação no Chega”, uma força política que representa “angústias, dificuldades, frustrações desencantos, um certo espírito de redenção dado da pior maneira”, continuou.

André Ventura alcançou 12% dos votos no sufrágio de domingo, ficando na terceira posição da corrida eleitoral ao Palácio de Belém, atrás do destacadamente reeleito Marcelo Rebelo de Sousa e a cerca de 45 mil votos da ex-eurodeputada do PS Ana Gomes.

Liliana Malainho, ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Quanto à opinião do Sr. Marques Mendes, considero que ele está equivocado, haverá sempre governo, seja de direita ou seja de esquerda. Se existir um naufrágio é o do PSD. O Sr. Rui Rio deveria saber que quem ocupa o lugar do SPD é o PS! O partido ao qual o Sr Marques Mendes pertence, é PPD/PSD!! Logo nunca ocupará o lugar do PS! O Centro é apenas uma linha da qual ou se vai para a direita ou se vai para a esquerda. O PPD/PSD vai para a direita e o PS vai para a esquerda, logo o Sr. Rui Rio está no lugar errado, ele não pode estar no lugar do PS?
    Quanto ao Sr. Ângelo Correia, confesso que não percebi onde quer chegar quando refere que a “sociedade se orienta por valores dados pela comunicação social”… Depois diz que o Chega é uma força política que representa “as angústias, as frustrações, o desemprego”… etc. Mas então são estes os valores da comunicação social?? Não percebi…
    O que eu percebo é que ainda continuam a chamar extremistas a meio milhão de eleitores e a outros tantos que não votaram.. Isso só se explica porque alguns intelectuais ficaram tão perplexos com o despertar do povo que o cérebro parou! Entraram em curto circuito e começaram a deitar fumo pelas orelhas! Eu acabei por desligar a televisão assim que o programa de ontem, O Outro Lado, da RTP 3 começou. Mas pelo pouco que vi estavam lá dois indivíduos com tamanha azia… Vergonha!

  2. Identificar problemas é uma coisa, propor soluções é outra. As soluções do Chega não são razoáveis nem sérias, são preconceituosas e, se fossem aplicadas romperiam com a coesão social. Divide, não congrega. Mas é filho do PSD de Passos Coelho que levou o partido demasiado para a Direita, tão à direita que chegou a parecer algumas vezes que o CDS estava à sua esquerda, com um discurso mais moderado. Tão para a Direita derivou que, ao que parece, deixou lá uma parte do partido. Enfim, discursos radicais não fazem bem às democracias liberais. Espero que o Chega vá esvaziando e que as pessoas ganhem espírito crítico e percebam que a solução não passa por aí. Sobram os problemas. Mas para estes há soluções mais moderadas e sobretudo mais inteligentes e pacificadoras. Dividir, como o povo sabe, só serve para alguém reinar.

  3. 2019 vai ser um ano de má memória para todos.
    Distanciamento social é fundamental para o combate contra a covid19 e Chega19.

RESPONDER

Uma prenda de aniversário. Israelita doou um dos seus rins a um menino palestiniano

Uma israelita quis doar um rim a um estranho. Estranho esse que acabou por ser uma criança, de apenas três anos, que vive na Faixa de Gaza, na Palestina. De acordo com a agência Associated Press, …

Novo método permite eliminar a bioincrustação marinha eficazmente

Um projeto inovador demonstrou como os revestimentos de superfície eletricamente carregados podem eliminar a bioincrustação marinha ou o crescimento de organismos marinhos, melhorando a operação e manutenção de embarcações navais. A bioincrustação marinha é um fenómeno …

Aglomerado de safiras estrela encontrado no Sri Lanka pode ser o maior do mundo

Um aglomerado de safiras estrela do mundo foi encontrado num quintal no Sri Lanka. A pedra é azul, pesa 510 quilos e estima-se que valha cerca de 84 milhões de euros. A pedra foi encontrada …

Médico sírio acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade

Um médico sírio foi acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade por supostamente torturar e matar pessoas em hospitais militares no seu país de origem, informaram os promotores na quarta-feira. O Ministério Público Federal de …

Justiça climática. Vamos todos sofrer com as alterações climáticas, mas não de forma igual

A recente onda de calor na América do Norte é mais um exemplo de que apesar de ser um problema global, as alterações climáticas não vão afectar todos igualmente e podem exacerbar injustiças sociais e …

Os exemplos que Portugal deve seguir (e evitar) nas últimas etapas da pandemia

No plano apresentado pela equipa de Raquel Duarte comparam-se as estratégias opostas adotadas por Israel e Reino Unido, com a segunda a merecer nota negativa por parte dos investigadores. Os dados foram lançados na reunião que …

Jogos da Taça da Liga de sábado adiados para domingo para poderem ter público

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) anunciou, esta quinta-feira, que os jogos da Taça da Liga agendados para sábado vão ser adiados para domingo, para que possam ter público nas bancadas. "A Liga, …

Dinamarca enfrenta acção legal por querer repatriar refugiados sírios

O governo dinamarquês quer repatriar sírios naturais de Damasco depois de um relatório mostrar que há zonas da Síria onde a segurança melhorou. A decisão está a ser criticada por activistas e o caso pode …

Pela primeira vez, foi observada luz por detrás de um buraco negro

Um estudo divulgado esta quarta-feira revelou a primeira observação direta da luz por detrás de um buraco negro, através da deteção de pequenos sinais luminosos de raios-X, confirmando a Teoria da Relatividade Geral, de Einstein. Segundo …

Cheias atingem campos no Bangladesh. Pelo menos seis refugiados Rohingya mortos

Pelo menos seis refugiados Rohingya morreram após as cheias inundarem os campos de refugiados em Bangladesh nos últimos dias, destruindo os abrigos de bambu e plástico e deixando pelo menos 5.000 desabrigados, informou o Alto-comissariado …