PS quer distribuição gratuita de métodos contracetivos nas escolas

A lei que promove a distribuição destes métodos nas escolas já existe desde 2009 mas nunca chegou a ser aplicada, com os alunos a serem encaminhados para os centros de saúde.

O grupo parlamentar do PS quer que o Governo comece a distribuir de forma gratuita contracetivos nas escolas portuguesas, escreve o Público esta segunda-feira.

Esta medida já se encontra legislada desde 2009 mas nunca chegou a ser aplicada, tal como explica Inês Lamego, a deputada responsável pelo projeto de resolução entregue na Assembleia.

A lei, aprovada no primeiro Executivo do ex-primeiro-ministro José Sócrates, estabelece o regime de aplicação da educação sexual em meio escolar.

No entanto, o que acontece é que os Gabinetes de Informação e Apoio ao Aluno encarregados desta distribuição encaminham os alunos interessados para os centros de saúde.

No projeto que pede ao Governo de António Costa que a lei seja aplicada, recorda-se o facto de “mais de um terço dos jovens já ter tido relações sexuais sem uso de métodos contracetivos”.

Além disso, surge também a chamada ao grande número de “novos casos de infeção de VIH/sida” e “elevada taxa de gravidez na adolescência”.

Para isso, os socialistas defendem o “reforço da carga horária dedicada à educação sexual” e a existência destes mesmos gabinetes de apoio nas universidades e politécnicos.

ZAP

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. É deplorável que transformem as escolas públicas em meios para difundir/impor a ideologia sexual do Estado por parte de quem governa (e/ou a ideologia sexual dos professores). Muitos adolescentes já recebem formação sobre a sexualidade (aparelhos reprodutores, métodos contracetivos e importância do preservativo na prevenção de gravidez e de doenças sexualmente transmissíveis), portanto, que tipo de informação pensam que lhes está a faltar para haja diminuição dos casos de VIH/SIDA e/ou da taxa de gravidez na adolescência??? Não é fragilizando a instituição familiar (como tem vindo a acontecer) que se resolve isso. Pretenderão com esta medida melhorar as avaliações dos alunos nos testes e/ou resolver as faltas de atenção nas aulas??? A «educação sexual» está intimamente ligada ao afeto e ao amor, e não é desligável da Moral; nisso não cabe ao Estado substituir as famílias a fim de difundir/impor a sua ideologia sexual. No que se refere à «educação sexual» tem-se também o facto dos rapazes e raparigas terem um desenvolvimento sexual desfasado, daí que, o que é adequado para uns é extemporâneo para os outros.

    É hediondo e repugnante a intenção de tal distribuição, em vez da efetiva preferência pela promoção do Civismo, dos Valores e da formação sobre a sexualidade (no contexto da formação para a maturidade afetiva e as suas inerências orgânicas), sobretudo por ocorrer sem o consentimento dos pais e tendo em conta os vários géneros de imaturidade (não só a afetiva) próprios nessa terna idade (muitas vezes também os pais tem problemas de maturidade), isto, além da incompleta formação do carácter, próprio nessa terna idade. Por conseguinte, assim como em relação à prostituição, é hediondo e repugnante tal intenção, atendendo ao facto de que não é humanamente lícito a ninguém, nem sequer ao Estado, promover: 1.) ou estimular/facilitar a redução do ser humano à condição comparável à de um objeto, 2.) a exibição (redução) de uma ou mais pessoas (praticada por alguém relativamente a si mesma(o) e/ou relativamente a outra(s) pessoa(s)) à condição comparável à de um simples objeto/«objeto blasonado» para captar/’arrebanhar’ os sinais referentes aos respetivos feedbacks, 3.) a redução do ser humano à condição comparável à de «um títere que trejeita»/«uma alimária, sob capa de aparência humana» (para fomentar o crescimento e a fidelização da respetiva corte, igualmente animalizada em tal mercantilização aviltante e bárbara), 4.) a redução do ser humano à condição comparável à de «uma sevandija»/«um parasita» para exploração mercantil (direta/indireta) da libido alheia e/ou dos estados alterados relacionados com o «sistema fisiológico» (o qual tem relação com a maturidade afetiva), incluindo os casos de natureza patológica, 5.) os cinismos e «parafilias» sexuais (no sentido egoístico/egocêntrico expresso na matriz etimológica do termo) não só as masculinas mas também as femininas, 6.) viçar/fomentar estados definhados/ofuscados/decadentes de consciência (caracterizados por um nível de superficialidade tal, ao ponto de ocorrer a manifestação de volatilização/perda/ausência da noção de que o ser humano não é um objeto descartável nem uma mercadoria de uma montra comercial). Por tudo isso deveria ser obrigatório nas embalagens de contracetivos e nos dispositivos de venda dos mesmos que já existem, estar disponibilizada informação, para as pessoas que necessitem, pretendam e queiram ter acesso a auxílio especializado, confidencial e discreto, para tratar e emancipar-se das parafilias sexuais e/ou de outras desordens de natureza sexual que possam ter.

  2. É deplorável que transformem as escolas públicas em meios para difundir/impor a ideologia sexual do Estado por parte de quem governa (e/ou a ideologia sexual dos professores). Muitos adolescentes já recebem formação sobre a sexualidade (aparelhos reprodutores, métodos contracetivos e importância do preservativo na prevenção de gravidez e de doenças sexualmente transmissíveis), portanto, que tipo de informação pensam que lhes está a faltar para haja diminuição dos casos de VIH/SIDA e/ou da taxa de gravidez na adolescência??? Não é fragilizando a instituição familiar (como tem vindo a acontecer) que se resolve isso. Pretenderão com esta medida melhorar as avaliações dos alunos nos testes e/ou resolver as faltas de atenção nas aulas??? A «educação sexual» está intimamente ligada ao afeto e ao amor, e não é desligável da Moral; nisso não cabe ao Estado substituir as famílias a fim de difundir/impor a sua ideologia sexual. No que se refere à «educação sexual» tem-se também o facto dos rapazes e raparigas terem um desenvolvimento sexual desfasado, daí que, o que é adequado para uns é extemporâneo para os outros.

    É hediondo e repugnante a intenção de tal distribuição, em vez da efetiva preferência pela promoção do Civismo, dos Valores e da formação sobre a sexualidade (no contexto da formação para a maturidade afetiva e as suas inerências orgânicas), sobretudo por ocorrer sem o consentimento dos pais e tendo em conta os vários géneros de imaturidade (não só a afetiva) próprios nessa terna idade (muitas vezes também os pais tem problemas de maturidade), isto, além da incompleta formação do carácter, próprio nessa terna idade. Por conseguinte, assim como em relação à prostituição, é hediondo e repugnante tal intenção, atendendo ao facto de que não é humanamente lícito a ninguém, nem sequer ao Estado, promover: 1.) ou estimular/facilitar a redução do ser humano à condição comparável à de um objeto, 2.) a exibição (redução) de uma ou mais pessoas (praticada por alguém relativamente a si mesma(o) e/ou relativamente a outra(s) pessoa(s)) à condição comparável à de um simples objeto/«objeto blasonado» para captar/’arrebanhar’ os sinais referentes aos respetivos feedbacks, 3.) a redução do ser humano à condição comparável à de «um títere que trejeita»/«uma alimária, sob capa de aparência humana» (para fomentar o crescimento e a fidelização da respetiva corte, igualmente animalizada em tal mercantilização aviltante e bárbara), 4.) a redução do ser humano à condição comparável à de «uma sevandija»/«um parasita» para exploração mercantil (direta/indireta) da libido alheia e/ou dos estados alterados relacionados com o «sistema fisiológico» (o qual tem relação com a maturidade afetiva), incluindo os casos de natureza patológica, 5.) os cinismos e «parafilias» sexuais (no sentido egoístico/egocêntrico expresso na matriz etimológica do termo) não só as masculinas mas também as femininas, 6.) viçar/fomentar estados definhados/ofuscados/decadentes de consciência (caracterizados por um nível de superficialidade tal, ao ponto de ocorrer a manifestação de volatilização/perda/ausência da noção de que o ser humano não é um objeto descartável nem uma mercadoria de uma montra comercial).
    Por tudo isso deveria ser obrigatório nas embalagens de contracetivos e nos dispositivos de venda dos mesmos que já existem, estar disponibilizada informação, para as pessoas que necessitem, pretendam e queiram ter acesso a auxílio especializado, confidencial e discreto, para tratar e emancipar-se das parafilias sexuais e/ou de outras desordens de natureza sexual que possam ter.

  3. Eu propunha mesmo irem um pouco mais longe e imporem sexo ao vivo nas ditas escolas com os tais preservativos e assim toda a gente desde professores a alunos comprovariam na prática a eficiência dos contracetivos e todos passariam a ter um cartão com direito a sexo tipo deste novo de aplicador de produtos fitofarmacêuticos, pagos ao mesmo preço seria uma enorme receita a entrar de novo nos cofres do Estado.

  4. Como seria bom que as pessoas deixassem a retórica e passassem a ver as coisas com pragmatismo.
    Pensar que isto será uma medida de estimulo á pratica da sexualidade nas escolas é, no minimo, abstruso. Não é nada disso.
    Vivemos num tempo, em que, fruto das novas tecnologias, o acesso á informação e a todos os conteúdos de qualquer cariz, estão ao alcance de um clik. Um tempo em que os pais trabalham (ambos) e onde, por muito que tentemos acompanhar, somos ultrapassados pelo ritmo stressante do dia-a-dia a que estamos obrigados, para mantermos o sustento das nossas famílias. É este ritmo alucinante que causa cortes de comunicação, uma comunicação que deveria existir sempre, e que bloqueia por vezes a troca de experiências de vida, a resposta ás questões dos nossos filhos e o desempenho eficaz da paternidade/maternidade que se consubstância também no préstimo de aconselhamentos varios, no sentido de apontá-los para o bom caminho.
    Seria interessante ver algum estudo que nos desse uma avaliação e dados precisos sobre, desde 2009 até agora, qual o numero de gravidezes indesejadas teriam sido evitadas bem como doenças, caso este programa tivesse avançado naquela data. Se calhar haveria surpresas. Uma coisa tenho a certeza, e é tão certo como estar a escrever este comentário, é que a vida sexual dos jovens de hoje, começa muito cedo, pelos 13, 14 anos. Quando chegam aos 20 sabem mais sobre o assunto do que muitos adultos de 60/70 anos.

    • Retórica e falta de pragmatismo é ousar ignorar a incompleta formação do carácter e a falta de maturidade própria nesses estádios de idade, e com essas condições ousar propor/promover/fomentar/incentivar/facilitar as práticas sexuais, como se as mesmas fossem um mero passatempo infantil. Informação sobre a sexualidade já existe, não é abstrusa, e dispositivos de venda de contracetivos também. Quando chegam aos 20 podem até saber muito sobre o assunto, porém o nível de Civismo, de Valores, os estados definhados/ofuscados/decadentes de consciência e o nível de maturidade afetiva que se observa também entre eles na sociedade é conhecido, não está oculto. A crescente fragilização da instituição familiar que se tem verificado não é justificação para (para esses estádios de idade) promover: 1.) ou estimular/facilitar a redução do ser humano à condição comparável à de um objeto, 2.) a exibição (redução) de uma ou mais pessoas (praticada por alguém relativamente a si mesma(o) e/ou relativamente a outra(s) pessoa(s)) à condição comparável à de um simples objeto/«objeto blasonado» para captar/’arrebanhar’ os sinais referentes aos respetivos feedbacks, 3.) a redução do ser humano à condição comparável à de «um títere que trejeita»/«uma alimária, sob capa de aparência humana» (para fomentar o crescimento e a fidelização da respetiva corte, igualmente animalizada em tal mercantilização aviltante e bárbara), 4.) a redução do ser humano à condição comparável à de «uma sevandija»/«um parasita» para exploração mercantil (direta/indireta) da libido alheia e/ou dos estados alterados relacionados com o «sistema fisiológico» (o qual tem relação com a maturidade afetiva), incluindo os casos de natureza patológica, 5.) os cinismos e «parafilias» sexuais (no sentido egoístico/egocêntrico expresso na matriz etimológica do termo) não só as masculinas mas também as femininas, 6.) viçar/fomentar estados definhados/ofuscados/decadentes de consciência (caracterizados por um nível de superficialidade tal, ao ponto de ocorrer a manifestação de volatilização/perda/ausência da noção de que o ser humano não é um objeto descartável nem uma mercadoria de uma montra comercial).
      A intenção de tal distribuição é monstruosa, hedionda e repugnante.

    • No mínimo abstruso é ousar pensar que a distribuição gratuita de preservativos nas escolas, nessa tenra idade, é somente para dar a conhecer a cor do material do qual os preservativos são comummente feitos.

      Se calhar também haveria surpresas se na escola e na sociedade houvesse efetiva promoção do Civismo, dos Valores e da formação sobre a sexualidade (no contexto da formação para a maturidade afetiva e as suas inerências orgânicas).

      Retórica e falta de pragmatismo é ousar ignorar a incompleta formação do carácter e a falta de maturidade própria nesses estádios de idade, e com essas condições ousar propor/promover/fomentar/incentivar/facilitar as práticas sexuais, como se as mesmas fossem um mero passatempo infantil. Informação sobre a sexualidade já existe, não é abstrusa, e dispositivos de venda de contracetivos também. Quando chegam aos 20 podem até saber muito sobre o assunto, porém o nível de Civismo, de Valores, os estados definhados/ofuscados/decadentes de consciência e o nível de maturidade afetiva que se observa também entre eles na sociedade é conhecido, não está oculto. A crescente fragilização da instituição familiar que se tem verificado não é justificação para (para esses estádios de idade) promover: 1.) ou estimular/facilitar a redução do ser humano à condição comparável à de um objeto, 2.) a exibição (redução) de uma ou mais pessoas (praticada por alguém relativamente a si mesma(o) e/ou relativamente a outra(s) pessoa(s)) à condição comparável à de um simples objeto/«objeto blasonado» para captar/’arrebanhar’ os sinais referentes aos respetivos feedbacks, 3.) a redução do ser humano à condição comparável à de «um títere que trejeita»/«uma alimária, sob capa de aparência humana» (para fomentar o crescimento e a fidelização da respetiva corte, igualmente animalizada em tal mercantilização aviltante e bárbara), 4.) a redução do ser humano à condição comparável à de «uma sevandija»/«um parasita» para exploração mercantil (direta/indireta) da libido alheia e/ou dos estados alterados relacionados com o «sistema fisiológico» (o qual tem relação com a maturidade afetiva), incluindo os casos de natureza patológica, 5.) os cinismos e «parafilias» sexuais (no sentido egoístico/egocêntrico expresso na matriz etimológica do termo) não só as masculinas mas também as femininas, 6.) viçar/fomentar estados definhados/ofuscados/decadentes de consciência (caracterizados por um nível de superficialidade tal, ao ponto de ocorrer a manifestação de volatilização/perda/ausência da noção de que o ser humano não é um objeto descartável nem uma mercadoria de uma montra comercial).
      A intenção de tal distribuição é monstruosa, hedionda e repugnante.

Há 1.400 anos, uma estranha luz vermelha apareceu no Japão (e já sabemos o que era)

O registo mais antigo de um fenómeno astronómico observado no Japão deixou uma marca importante na história japonesa e na literatura clássica. O fenómeno data de 30 de dezembro de 620 e há séculos que …

Cientistas convertem água em combustível solar

Uma equipa de investigadores britânicos usou uma metodologia única que permite transformar água em combustível solar, que pode ser uma solução para energia renovável. Esta metodologia única utilizada por uma equipa de cientistas da Universidade de …

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …