Primeiras sondagens dão “Não” no referendo

Yannis Kolesidis / EPA

Eleitor à saída da cabine de voto no referendo grego

Eleitor à saída da cabine de voto no referendo grego

Segundo os primeiros dados das exit polls, as sondagens à boca das urna realizadas esta manhã durante as votações no referendo grego, os cidadãos estarão maioritariamente a dizer “não” às exigências dos credores europeus.

Apesar destes primeiros resultados, especialistas citados pela agência noticiosa russa RIA Novosti não excluem que a situação possa mudar ao longo do dia.

A votação pode ser a mais importante na Grécia desde que o país aderiu à União Europeia. A afluência é maior do que nas eleições parlamentares antecipadas em janeiro, dizem os observadores.

É exigida uma participação de pelo menos 40% do eleitorado para que o resultado do referendo seja considerado válido.

As mais de 19 mil assembleias de voto abriram às 07:00 (05:00 em Lisboa) e fecham às 19:00 (17:00 em Lisboa), antecipando-se uma longa noite para os líderes europeus e para os principais atores financeiros.

O Governo grego surpreendeu toda a gente ao final do dia 26 de junho, ao anunciar um referendo durante as negociações, e ficou assim arredado de receber, pelo menos para já, cerca de 12 mil milhões de euros que estavam a ser negociados com os parceiros europeus até novembro, e mais de 3,5 mil milhões de euros vindos do FMI.

O referendo, o primeiro desde 1974, serve para os gregos decidirem se aceitam o programa apresentado pelos credores internacionais (Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu) há mais de uma semana.

Contudo, o programa já não existe, dado que Atenas falhou o pagamento de 1,55 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI) a meio da semana passada.

Armando Babani / EPA

O primeiro-ministro da Grécia, Alexis, Tsipras, vota no referendo

O primeiro-ministro da Grécia, Alexis, Tsipras, vota no referendo

O executivo Syriza liderado por Alexis Tsipras, bem como a direita nacionalista ANEL e os neonazis do Aurora Dourada, defendem que a resposta à pergunta sobre se aceita o programa de ajuda externa que estava em cima da mesa deve ser o ‘Não’, argumentando que um novo mandato do povo grego dará mais força negocial a partir de segunda-feira, quando a ‘troika’ se sentar novamente à mesa com as autoridades gregas.

Do lado europeu, a interpretação é contrária: um ‘Não’ significa, na verdade, um não à zona euro e à Europa, dado que a Grécia não tem condições para continuar a usar a moeda única sem assistência financeira dos parceiros.

Do outro lado da barricada estão os partidos da oposição (Nova Democracia, de direita, o Pasok e o To Potami, ambos de centro-esquerda), que apostam num ‘Sim’ como forma de garantir a ajuda financeira que a Grécia desesperadamente precisa para manter o país a funcionar.

O ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, confirmou que se demite se os gregos votarem “sim”.

Varoufakis transmitiu hoje uma mensagem europeísta ao afirmar que o referendo pode demonstrar que “a moeda única e a democracia são compatíveis entre si“.

“Durante cinco anos os fracassos incríveis do Eurogrupo conduziram a ultimatos sem qualquer sentido acerca dos quais o povo não podia pronunciar-se. Hoje, o povo pronuncia-se sobre o último ultimato do Eurogrupo e seus associados”, disse Yanis Varoufakis, depois de votar, em Atenas.

Alex Beltesx / EPA

Nos últimos dias, Yanis Varoufakis deixou claro repetidamente que, se não vencer o 'Não' no referendo, se demite imediatamente.

Nos últimos dias, Yanis Varoufakis deixou claro repetidamente que, se não vencer o ‘Não’ no referendo, se demite imediatamente.

O ministro, que foi votar na companhia do seu pai, classificou a tarefa de hoje dos gregos como “um momento sagrado, um momento de esperança para a Europa“, no qual se demonstra que “a moeda única e a democracia podem coexistir”.

O presidente da Grécia, Prokopis Pavlópulos, pediu hoje aos cidadãos para permanecerem “unidos” no “difícil caminho” que se avizinha, independentemente da opção que for escolhida hoje no referendo sobre a proposta dos credores internacionais em troca do resgate.

Antes do presidente votaram vários ex-primeiros-ministros, todos apoiantes do ‘Sim’, incluindo o último primeiro-ministro, o conservador Andonis Samaras.

Os primeiros resultados devem ser conhecidos a partir das 19:00 (hora em Lisboa).

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Rio de Janeiro vai ter "réveillon" com espetáculos e fogo de artifício (mas sem público)

O Rio de Janeiro encerrará 2020 com espetáculos e concertos ao vivo em seis palcos montados na cidade brasileira, mas aos quais o público não terá acesso devido à pandemia. Apenas poderá vê-los nas redes …

GP de Portugal. Há 14 casos de covid-19 em equipas de Fórmula 1

Em conferência de imprensa, a Proteção Civil do Algarve revelou que foram identificados 14 casos de covid-19 entre pilotos e staff de equipas da Fórmula 1 que estiveram em Portimão. Foram identificados 14 casos de covid-19 …

Islâmicos "têm o direito" de matar franceses. Twitter retira comentário de ex-primeiro-ministro da Malásia

A rede social Twitter retirou um comentário controverso do antigo primeiro-ministro malaio ​​​​​​​Mahathir Mohamad, relativo ao debate desencadeado pelas palavras do Presidente francês, Emmanuel Macron, sobre o islão. Numa série de mensagens, em que Mahathir Mohamad …

Governo pondera decretar recolher obrigatório e restrições em mais municípios

O Governo está a avaliar avançar com o recolhimento obrigatório e alargar as restrições impostas em Paços de Ferreira, Felgueiras e Lousada a mais municípios, recusando, no entanto, um novo confinamento geral, disse hoje o …

Gigante americana Walmart retira (temporariamente) armas e munições das prateleiras

A gigante de distribuição norte-americana Walmart decidiu retirar temporariamente armas e munições das prateleiras das suas lojas, anunciou na quinta-feira um porta-voz da cadeia. A medida preventiva foi tomada a cinco dias de uma eleição presidencial …

BE afasta para já estado de emergência e defende requisição civil na saúde

A coordenadora do BE afastou para já a necessidade de um novo estado de emergência e defendeu que o Governo utilize toda a capacidade instalada na saúde, se necessário recorrendo à requisição civil dos setores …

Sismo de magnitude 7 abala Turquia e Grécia e provoca mini-tsunami. Pelo menos 4 pessoas morreram

Quatro pessoas morreram no oeste da Turquia, depois de um forte terramoto de magnitude 7 atingir o Mar Egeu na tarde desta sexta-feira. O abalo derrubou edifícios em áreas costeiras e fez pelo menos 120 …

EDP desiste de processo contra o Estado, mas vai levar tarifa social a Bruxelas

A EDP desistiu da litigância judicial com o Estado sobre a contribuição extraordinária sobre o setor energético (CESE), mas vai pedir à Comissão Europeia uma análise sobre o mecanismo de financiamento da tarifa social a …

"Fora com os pretos". Universidades e escolas de Lisboa vandalizadas com mensagens racistas

Várias universidades e escolas secundárias da região de Lisboa foram vandalizadas com mensagens de teor racista e xenófobo. "Viva a Europa Branca" ou "Fora com os pretos" são algumas das frases escritas. Várias pessoas denunciaram esta …

Preços das casas não baixam porque há Fundos a comprar tudo

Apesar de estarmos em plena crise pandémica, os preços das casas não têm sofrido uma baixa significativa. Uma realidade que se pode explicar pelo interesse de alguns Fundos na aquisição de imóveis, com a perspectiva …