Abriu a primeira Vila Nómada Digital em Portugal (e o país “tem tudo para ser líder” nesta área)

A Ponta do Sol, na Madeira, acolhe aquela que é a primeira Vila Nómada Digital em Portugal. Um projecto-piloto que visa “criar uma comunidade de nómadas digitais”, como explica ao ZAP o mentor da ideia, Gonçalo Hall, também ele um nómada digital que considera que “Portugal tem tudo para ser o líder”.

A pandemia está a dar visibilidade ao fenómeno dos nómadas digitais, pessoas que trabalham de forma remota enquanto aproveitam para viajar e conhecer outros lugares.

Para alimentar este movimento, o nómada digital Gonçalo Hall avançou, em parceria com a Startup Madeira e com o Governo Regional da Madeira, com o projecto de uma Vila Nómada Digital na Ponta do Sol, município madeirense.



Há 60 nómadas digitais (e mais 4200 interessados)

A Vila Nómada Digital arrancou oficialmente neste mês de Fevereiro e a ideia é “criar uma comunidade de nómadas digitais” num “sítio incrível”, uma vila “lindíssima” e onde a “Internet é muito boa”, como destaca Gonçalo Hall ao ZAP.

O projecto vai acabar também por trazer “uma nova fonte de rendimentos para os negócios locais”, pois os “os nómadas consomem muito mais e por muito mais tempo” do que os turistas habituais, destaca ainda.

É nesse contexto que se justifica o envolvimento do Governo Regional e da incubadora de empresas Startup Madeira.

O investimento público é da ordem dos 15 mil euros, segundo Gonçalo Hall, mas o apoio ao projecto passa ainda pela cedência do Centro Cultural John dos Passos, onde os nómadas digitais podem trabalhar, com Internet gratuita.

“Às vezes, as pessoas pensam que é mentira que estamos a oferecer o espaço de trabalho”, constata o mentor do projecto, frisando que “normalmente, cobram entre 150 a 200 euros”.

Actualmente, já há 60 nómadas digitais instalados na Ponta do Sol. Em toda a ilha, estão a viver cerca de 250. São sobretudo estrangeiros, mas também há alguns portugueses que moram no estrangeiro, segundo Gonçalo Hall.

Não fosse a pandemia e o facto de as fronteiras estarem fechadas, haveria muitos mais, uma vez que existem 4.200 pessoas inscritas que estão interessadas em ficar na Vila Nómada Digital na Madeira.

O projecto também firmou parcerias com espaços de alojamento local para terem “preços competitivos” para os nómadas. Mas, nesta altura, “o número de casas no mercado não é suficiente na Ponta do Sol para tanta gente”, pelo que as pessoas têm-se espalhado pela ilha, o que acaba por beneficiar o Arquipélago no seu todo.

Gonçalo Hall e o Governo Regional da Madeira já estão a estudar a implantação de mais uma Vila Nómada Digital na ilha, provavelmente em Porto Santo.

“Portugal tem tudo para ser o líder deste mercado”

Entretanto, Gonçalo Hall refere que tem sido “contactado por vários países” para desenvolver projectos semelhantes, mas “curiosamente, o meu próprio país não é um deles”, lamenta em declarações ao ZAP.

Para o nómada digital, esta é uma “oportunidade única”, pois “os nómadas gostam muito de Portugal, por tudo, pela cultura, pelo tempo”, considera.

A título de exemplo, Gonçalo Hall nota que no site Nomadlist.com que inclui o ranking dos locais preferidos dos nómadas digitais, “o número 1 é quase sempre Lisboa” e a “Ericeira chegou a estar em número 3 no ano passado”.

Nesta altura, Lisboa aparece de facto em primeiro lugar, o Porto é 10.º, a Ericeira é 20.ª e o Funchal é 45.º. Lagos (86.º) e Ponta Delgada (88.ª) aparecem também na lista dos 100 locais mais populares, sendo que Braga surge em 124.º lugar.

Desta forma, Gonçalo Hall acredita que “Portugal tem tudo para ser o líder” deste “mercado novo e muito mais sustentável” e que, além disso, promove um “impacto económico muito mais interessante para as economias locais do que o turismo de massas”. Mas “falta uma estratégia a sério”, salienta.

Gonçalo Hall / Facebook

Gonçalo Hall, o mentor da Vila Nómada Digital na Ponta do Sol, Madeira.

“O visto nómada dava muito jeito”

No pós-pandemia, Hall espera uma “explosão” de visitantes, sobretudo de norte-americanos e britânicos que são os “dois grandes mercados” deste sector.

Cerca de 40% dos 4.200 inscritos no projecto são dos EUA e do Reino Unido e “muita gente queria viajar já” para a Madeira, mas “neste momento, é impossível”, constata.

E se Portugal tivesse um “visto específico” para nómadas digitais, como já acontece em países como a Croácia e a Grécia, as limitações da pandemia até poderiam ser contornadas.

“O visto nómada dava muito jeito”, aponta Hall, considerando que facilitaria as questões burocráticas, nomeadamente para a “legalização” destes trabalhadores remotos.

A questão da renovação dos vistos é uma das grandes dificuldades dos nómadas digitais e que o próprio Gonçalo Hall viveu na pele depois de ter passado por locais como Bali (Tailândia), Vietname, Malásia, Budapeste (Hungria) e Las Palmas (Espanha).

“Bali oferece um visto de 30 dias para turistas e depois temos de sair e de voltar” e as pessoas podem ficar “ilegais” a trabalhar a partir destes países, nota.

“O Governo tailandês já fez algumas apreensões e já mandou pessoas para a prisão, durante uma noite, por estarem a trabalhar em espaços de coworking que eles proibiram”, acrescenta ainda.

Hall destaca que o Governo Regional está “receptivo” a implementar este tipo de vistos especiais, mas frisa que a questão terá de passar pelo Governo central, onde não encontrou ainda receptividade nesse sentido.

Ser nómada digital mesmo com filhos

Manuel Manero / Facebook

O profissional de Marketing e nómada digital Manuel Manero.

O fenómeno dos nómadas digitais é habitualmente associado a pessoas mais novas, mas Manuel Manero contraria essa ideia. Este profissional de Marketing, formador e autor, constata ao ZAP que “há muita gente que vive este estilo de vida, mesmo tendo filhos”.

Ele próprio é pai de duas meninas, com 12 e 4 anos, e, mesmo assim, continua a ser “nómada a tempo parcial”, coordenando as viagens com os períodos lectivos.

Claro que com filhos, “a logística é muito mais exigente”, mas seria “um contra-senso não conhecermos este mundo onde vivemos”, realça.

Manero é uma espécie de “activista” do nomadismo digital e, portanto, é um defensor desta “forma de estar na vida” que passa por “viajar devagar e não a correr”, o que permite “conhecer os locais e as culturas”.

O autor do livro “Empreender como um nómada digital” começou nesta vida há 5 anos depois de ter tido “duas falências empresariais” e seguindo uma “sede” de “conhecer o mundo”.

A quem sonha ser nómada digital recomenda que “desenhem muito bem a vida antes de o fazer”, pois “custa dinheiro”. “Pior do que ser nómada é ser nómada sem recursos nenhuns”, analisa, frisando a importância de “fazer um plano a 90 dias ou 6 meses ou um ano”.

“Aproveitar trabalho remoto para ser mais livre”

A pandemia atirou muitas pessoas para o regime de teletrabalho e já se começa a especular como será o mercado de trabalho quando a covid-19 passar à história.

É neste âmbito que o Colectivo de Nómadas Digitais Portugueses pretende “empoderar as pessoas que estão a ter experiências de teletrabalho” e “inspirar e ajudar as empresas a implementarem a flexibilidade no trabalho”, como explica ao ZAP o fundador deste grupo, Diogo Reffóios Cunha.

O gestor de comunicações e ex-concorrente do Big Brother aponta que o Colectivo junta uma “série de pessoas que já estão habituadas a ter essa flexibilidade” para partilha de “projectos e de experiências”. Assim, a ideia passa por “inspirar os outros para aproveitarem o trabalho remoto para serem mais livres“.

Diogo Reffóios Cunha / Facebook

O gestor de comunicações e nómada digital Diogo Reffóios Cunha.

Diogo Reffóios Cunha atesta que o confinamento levou muitas empresas a um processo de aprendizagem, onde tiveram que “organizar-se” em termos da “forma de comunicação entre equipas” e de hierarquias, de “quem é responsável pelo quê”. No fundo, “tiveram que aprender a trabalhar remotamente“, diz.

O Colectivo intervém neste âmbito, mas também no sentido de promover a mudança de mentalidades. Para Diogo Reffóios Cunha as empresas que estão organizadas em função de horários rígidos em vez de “objectivos ” são “geridas pelo medo”.

Estas empresas têm “um modus operandis semelhante ao das indústrias agro-pecuárias que colocam animais dentro de uma cabine” para os “encher com rações e ficarem crescidos rapidamente”, acrescenta.

Uma realidade “retrógrada”, como diz Diogo Reffóios Cunha, e que está em contraciclo com os novos paradigmas da gestão que defendem a liberdade e a flexibilidade dos colaboradores como motores da produtividade. A isso, o gestor de comunicações e outros activistas do nomadismo digital acrescentam o “sonho de viajar e trabalhar ao mesmo tempo”.

Susana Valente, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …

China anuncia fim de novas centrais a carvão no estrangeiro

Segundo os especialistas, o impacto da medida deverá depender da forma como será implementada, podendo ter um grande impacto na luta contra as alterações climáticas. Num anúncio bem recebido por ativistas e organizações ambientes, a China …

Roménia vai distribuir €200 mil a quem tiver vacinação completa contra a covid-19

A Roménia anunciou uma "lotaria de vacinação" que distribuirá prémios de até 200.000 euros entre aqueles que tiverem a vacinação completa, na tentativa de elevar a taxa de imunização, a segunda mais baixa da União …