Prepare-se para o eclipse total da Super Lua que pode dar dores de cabeça à NASA

Na madrugada de segunda-feira, grande parte do mundo terá a oportunidade de desfrutar do espetáculo raro de um eclipse total da Lua em simultâneo com uma Super Lua – uma sobreposição que não acontecia desde 1982, e só volta a acontecer em 2033.

O eclipse total deve deixar a Lua completamente na sombra, pois a Terra ficará entre esta e o Sol. Já a Super Lua ocorre quando a Lua cheia ou nova se encontra em seu ponto mais próximo da Terra.

O Observatório Astronómico de Lisboa (OAL) descreve o que vai acontecer depois da meia-noite: a lua entrará na penumbra da Terra à 1h10, escurecendo progressivamente e adquirindo tons mais acinzentados. Às 2h07, a lua entra na sombra da Terra, começando a ficar com tons mais avermelhados e acastanhados, até que às 2h46 a lua estará no perigeu da sua órbita – o mais curto de 2015 – uma proximidade que faz com a lua apareça 14% maior no céu do que quando a lua cheia ocorre no apogeu.

O início do eclipse total ocorre às 3h11 – quando a lua entra totalmente dentro do cone de sombra da Terra -, que atinge o seu ponto máximo às 3h47 e termina às 4h24.

Embora fique totalmente na sombra, a lua não deixa de ser visível mas apresenta uma cor avermelhada e acastanhada – uma “lua de sangue” (Blood Moon, em inglês). Conforme descreve o OAL, este fenómeno acontece porque durante um eclipse lunar os raios solares incidem na lua após atravessarem a atmosfera terrestre, onde são dispersados e perdem uma grande quantidade de luz azul e verde (que ficam mais retidos na atmosfera). Assim, durante o eclipse, a lua não é iluminada com luz branca mas sim com luz mais avermelhada.

Pelo meio, às 3h50, ocorre o instante da fase de Lua Cheia – a super lua, que ao coincidir com a altura do máximo do eclipse, dá origem a um eclipse da super lua.

O fenómeno termina às 6h24, quando a lua sai completamente da penumbra voltando à sua tonalidade habitual.

Para os entusiastas de astronomia trata-se de um belo espetáculo celeste, mas para a agência espacial americana, a NASA, será motivo de alguma preocupação – e não, não estamos a falar do fim do mundo.

Os cientistas temem que a falta de luz solar devido ao eclipse deixe sem energia uma das suas naves mais importantes, a Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO), cuja missão é explorar e monitorizar o satélite natural da Terra.

“Duas coisas acontecem durante um eclipse: faz muito frio e não há luz para carregar as baterias. Com o eclipse, a nave vai ficar sem luz direta do Sol durante cerca de três horas”, disse à BBC o investigador da NASA Noah Petro.

Apesar dos receios da NASA, a agência espacial americana já passou, com êxito, por outros três eclipses lunares nos últimos 17 meses.

“É sempre stressante quando o eclipse está a aproximar-se, mas seguimos os mesmos procedimentos e até hoje não tivemos nenhum problema”, afirmou Dawn Myers, do centro de voos espaciais Goddard, que faz parte da NASA.

O que gera preocupação na NASA é que tecnologias semelhantes às da LRO enfrentaram dificuldades durante eclipses passados. No entanto, a LRO foi projetada já com esses problemas em mente.

“A previsão é que tudo ocorra com normalidade”, afirma Noah Petro. “Vamos pré-aquecer a nave e desligar todos os instrumentos, exceto um, para manter a nave segura”, explica, “como num telemóvel, sempre que recebo o alerta de que tenho 20% de bateria posso desligar o wi-fi ou algumas aplicações para poupar energia”.

O próximo eclipse lunar total deve ocorrer em 2018 e um eclipse lunar e Super Lua simultâneos só voltam a acontecer em 2033.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting 2-2 Belenenses SAD | Líder salva virgindade nos descontos

A Belenenses SAD esteve a segundos de cumprir a promessa de Petit, que na antevisão da partida apontava para a primeira derrota do Sporting. Os “azuis” estiveram a vencer por 2-0, graças a uma eficácia …

Quatro anos depois, Danny recuperou a sua prancha. Estava a 2700 quilómetros

Um surfista australiano recuperou a sua prancha quatro anos depois de a ter perdido. Estava a 2700 quilómetros do sítio onde a tinha visto pela última vez. Danny Griffiths, um surfista habituado a ondas grandes, perdeu …

Os astronautas precisam de um frigorífico. Engenheiros trabalham num que funciona de "cabeça para baixo"

Para que os astronautas façam longas missões à Lua ou a Marte, precisam de um frigorífico, mas estes eletrodomésticos não são projetados para funcionar em gravidade zero. Os astronautas precisam de frigoríficos para as missões prolongadas …

A maior "cidade-fantasma" da China voltou a florescer (graças à educação)

Kangbashi, na Mongólia Interior, é considerada há muitos anos a maior "cidade-fantasma" da China. Agora, tem muito a agradecer a uma jogada inesperada, mas muito eficaz: o setor da Educação. Há alguns anos que Kangbashi, uma …

Carro da Tesla ajuda o FBI a capturar homem suspeito de atear fogo em igreja

As câmaras de um Tesla ajudaram as autoridades a prender um homem suspeito de atear fogo numa igreja na cidade de Springfield, no estado de Massachusetts. A congregação foi atacada mais de uma vez em …

Destemida e aventureira. Com apenas 18 anos, Simone Segouin ajudou a França a derrotar os nazis

Quando tinha apenas 18 anos, Simone Segouin juntou-se à Resistência Francesa para capturar as tropas nazis, sabotar os planos alemães e lutar contra o fascismo no seu país. Apesar de ter abandonado a escola bastante cedo, …

Orgulho e ciúmes. Corrida armamentista entre Coreias coloca ambiente de paz em risco

A relação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul é conhecida por ser bastante conturbada, sendo que nos últimos anos já ocorreram alguns incidentes entre os países. Agora, as duas nações peninsulares …

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …