Pragas de vespas? Não é preciso entrar em pânico com aumento das populações

1

O verão é feito de churrascos, gelados e pais a fazer contagem decrescente para a reabertura das escolas. Até aparecer uma vespa…

Há alguns gritos (principalmente dos pais) mas, normalmente, ninguém é picado e a vespa desaparece. No entanto, tratamos a chegada deste pequeno inseto ao nosso piquenique como se fosse uma tarântula.

Todos os verões, os jornais têm manchetes com os horrores das vespas, e este verão tem sido ainda pior. Desta vez, os jornais estão a culpar as ondas de calor por aquilo a que chamam enormes pragas de vespas que invadem jardins, afirmando que o Reino Unido está a ser atacada por “vespas alemãs” agressivas.

Os meios de comunicação afirmam que este é um ano de choque para as vespas britânicas, acrescentando que as vespas estão num frenesim louco de picadas e que as ondas de calor são as culpadas.

As fontes de informação em que estas notícias se baseiam são de empresas de controlo de pragas que afirmam que os ninhos de vespas são maiores este ano, e que estão a ver um aumento de 20-30% nas chamadas para “intervenções de vespas”, comparativamente ao ano passado.

A ciência por detrás disto

É demasiado cedo para qualquer pessoa — cientistas, jornalistas ou controladores de pragas — terem dados adequados sobre as vespas deste ano.

Os registos ainda estão a ser submetidos a portais de dados oficiais como o iNaturalista, o Esquema de Registo de Vespas e Formigas (BWARS), o Esquema de Monitorização da Polinização (POMs) e o Big Wasp Survey.

Na ausência de dados, vamos utilizar a investigação sobre a ecologia das vespas para determinar como as ondas de calor afetam as populações de vespas.

As fontes quentes e secas são certamente confortáveis para as vespas rainhas que se encontram nas primeiras fases da fundação dos ninhos. Este ano teve uma primavera mais quente, mais seca do que a média, e mais ninhos de vespas terão sobrevivido a esse primeiro obstáculo do ciclo de vida. No entanto, o verão quente e seco que estamos a ter está provavelmente a ter o efeito contrário.

As vespas caçam os insetos para alimentar a sua ninhada. As populações de insetos do Reino Unido não estão adaptadas para lidar com o verão quente e seco deste ano.

O seu metabolismo e ciclo de vida estão fora de sincronia com o seu abastecimento alimentar. Estamos em agosto e, no entanto, as flores estão a morrer, e as árvores estão a tornar-se outonais à medida que entram no modo de sobrevivência.

Plantas mortas significam menos insetos que se alimentam de plantas, o que significa menos presas para caçar insetos, como é o caso das vespas.

Os entomologistas (pessoas que estudam insetos) no Twitter foram questionados sobre o comportamento dos insetos neste mês de agosto.

Três quartos dos 397 eleitores acreditam ter visto menos insetos no Reino Unido em agosto deste ano do que no ano passado, não tendo revelado números. Isto mostra as perceções das pessoas, não os dados, mas sugere que os insetos (vespas e as suas presas) não estão a “safar-se” especialmente bem este verão.

Ondas de calor e vespas

As interações entre vespas e humanos são diferentes este ano devido à forma como as ondas de calor afetaram o seu ambiente e comportamento.

Num ano normal, a maioria das pessoas só nota que têm um ninho de vespas no final do verão, quando as vespas se retiram da caça para a colónia e mudam para uma dieta mais açucarada (um gelado, por exemplo). A escassez de insetos significa que as vespas têm de se esforçar mais para encontrar comida, pelo que são mais propensas a visitar os nossos churrascos e piqueniques.

Como todos os insetos, o metabolismo e atividade de uma vespa aumentam à medida que as temperaturas sobem, o que significa que as vespas que entram em contacto com as pessoas podem ser mais espevitadas do que o normal. Mas as vespas só picam se as provocarmos. Raramente picam de forma aleatória.

Se uma vespa se chegar à nossa beira, devemos ficar quietos, observar e dar-lhe aquilo que ela procura — uma pequena oferta alimentar. Não é preciso entrar em pânico, até porque se abanarmos os braços e gritarmos, vamos parecer predadores.

Um problema sério

As vespas são controladoras de pragas e polinizadores essenciais. Nas últimas décadas assistiu-se a uma diminuição generalizada das populações de insetos no Reino Unido e a nível global, em grande parte devido a mudanças no uso da terra.

Este verão, os entomologistas estão preocupados com os efeitos da onda de calor nas populações de insetos: não é com as pragas de vespas que devemos estar preocupados, mas sim com a escassez de vespas e outros insetos.

Numa altura em que a natureza precisa do nosso apoio (e sim, isso inclui as vespas, juntamente com outros invertebrados essenciais como lesmas, aranhas e outros rastejantes assustadores que temos dificuldade em gostar), o alarmismo que alimenta o preconceito das pessoas contra as vespas é irresponsável.

  ZAP // The Conversation

1 Comment

  1. As Vespas devem ser tratadas como Abelhas,são tão inofensivas como elas, no meu jardim ando no meio das abelhas e das vespas sem qualquer receio, primeiro preocupam-se e vêm zumbir à volta da minha cabeça, depois percebem que não sou ameaça e continuam o seu trabalho. São tão maravilhosas como as abelhas e devem ser tratadas como mesmo respeito.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.