Povo do Paleolítico pode ter amputado os próprios dedos em forma de ritual

Na arte rupestre de todo o mundo, há um motivo em particular que aparece repetidamente: marcas das mãos das pessoas que visitaram as cavernas há muito tempo, impressas ou estampadas.

Ainda assim, em algumas cavernas decoradas pelos habitantes do Paleolítico de França e Espanha, algo curioso foi observado: parece que faltam dedos a um número muito alto destas mãos.

Durante muitos anos, esta peculiaridade tem sido objeto de intenso debate. Para os cientistas, parece que seria extremamente descuidado que tantos indivíduos perdessem tantos dedos acidentalmente.

Alguns arqueólogos argumentam que os artistas dobravam os dedos. Outros argumentam que as pessoas que habitavam aquelas regiões se envolviam numa prática comum: amputar os próprios dedos.

De acordo com um novo estudo, publicado a 21 de novembro no Journal of Paleolithic Archaeology, a amputação de dedos foi um comportamento comum em muitas regiões no passado.

“Os dados disponíveis parecem encaixar-se razoavelmente bem com a hipótese de que algumas pessoas do Paleolítico Superior se envolverem na amputação de dedos como um sacrifício religioso, disse Mark Collard, arqueólogo da Universidade Simon Fraser, no Canadá.

Existem várias evidências que a equipa de investigação recorre para as suas conclusões. Na Grotte de Gargas, em Hautes-Pyrénées, em França, foram registados 231 marcas de mão, feitos por cerca de 45 a 50 pessoas. Destes, 114 estão faltando um ou mais dedos.

Na Cosquer Cave, também em França, faltam 28 dedos em 49 mãos. Em Maltravieso, no oeste de Espanha, em 61 das 71 imagens da mão faltam dedos.

Há também evidências que sugerem que havia pessoas a quem faltavam dedos a fazer arte. Em Grotte de Gargas, o arqueólogo C. Barrière relatou em 1976, que há impressões de membros humanos encontrados em lama endurecida – alguns dos quais não têm dedos. Essas impressões têm a mesma idade que as marcas de mãos.

É possível que algumas pessoas no Paleolítico Superior tenham perdido dedos ou partes de dedos acidentalmente, por exemplo, por congelamento. Mas muitas das marcas de mão parecem ter falta de dedos – dois, três ou até quatro em alguns casos.

É aqui que a equipa traça uma linha diferente. Pesquisaram os Arquivos de Área de Relação Humana – um banco de dados de etnografias humanas globais – e encontraram 121 sociedades recentes em todo o mundo que praticam a amputação ritual do dedo, demonstrando que é uma prática real e difundida atualmente, ainda que esteja em processo de extinção.

“Fiquei chocado”, disse Collard. “Ainda continuamos a encontrar grupo após grupo que fez isto.”

As razões são variadas: foi praticado como uma expressão de extrema tristeza pela perda de um ente querido; como forma de identificação; como forma de marcar casamento; ou como uma forma de punição.

Pode também ser praticado como um ritual de sacrifício. Esta é a justificação que os investigadores  acreditam ser a explicação mais provável para o facto de as pessoas do Paleolítico Superior terem cortado os próprios dedos, oferecendo-os a uma divindade ou poder sobrenatural.

Isto poderá explicar a dinâmica de grupo, uma vez que os rituais religiosos mostraram fortalecer os laços interpessoais. Mas nem todo a gente está convencida.

“Nenhum dos casos etnográficos citados coincide com o padrão distinto visto nas marcas de mão da era do gelo – ou seja, um encurtamento sequencial do quinto, quarto e terceiro dedos, com o polegar poupado”, disse o arqueólogo Ian Gilligan, da Universidade de Sydney, que não participou na investigação. “Este padrão corresponde aos efeitos do congelamento. Corresponde à suscetibilidade diferente dos dedos ao congelamento”

Os arqueólogos da Universidade de Durham acreditam que a mutilação deliberada desta natureza seria equivalente ao suicídio – portanto, o ganho nas relações interpessoais não valeria o custo. Os investigadores sugerem que os dedos foram dobrados ou pintados por cima como uma forma de comunicação simbólica.

Mas nem a equipa de investigação afirma que a amputação é definitivamente o que ocorreu. “Embora o argumento para favorecer a hipótese da amputação não seja hermético, somos da opinião de que é forte o suficiente para garantir o tratamento da hipótese como se fosse correta para fins de investigação posterior”.

 

PARTILHAR

RESPONDER

O tesouro dos Templários pode estar escondido debaixo de uma casa em Inglaterra

Um historiador inglês alega que um edifício histórico em Burton, em Inglaterra, é onde está escondido o lendário tesouro dos Templários. Existem várias lendas sobre um tesouro que alguns templários conseguiram esconder do rei francês Filipe …

O núcleo interno da Terra está a crescer mais de um lado do que do outro

O núcleo interno da Terra está a crescer mais de um lado do que do outro. No entanto, isto não quer dizer que o nosso planeta esteja a ficar inclinado. Mais de 5.000 quilómetros abaixo de …

Incêndios devastam sul da Europa e obrigam a retirar moradores e turistas

Dezenas de aldeias e hotéis foram este domingo evacuados nas zonas turísticas do sul da Turquia devido a incêndios que começaram há cinco dias e já mataram oito pessoas no país, devastando também regiões da …

Há uma empresa a transformar as cinzas de entes queridos em diamantes

Uma empresa norte-americana transforma cinzas de entes queridos — e animais de estimação — em diamantes, que podem ser colocados em anéis ou colares. Lidar com a morte de um ente querido é sempre uma altura …

Pianista de aeroporto ganhou 60 mil dólares em gorjetas

Tonee "Valentine" Carter, que toca piano num aeroporto norte-americano, ganhou 60 mil dólares (cerca de 50.800 mil euros) depois de um estranho partilhar um vídeo seu a tocar. Tonee "Valentine" Carter, de 66 anos, não é …

Youtubers denunciam campanha de fake news contra vacina da Pfizer

De acordo com a imprensa brasileira, uma agência de marketing terá tentado que influenciadores digitais de todo o mundo partilhassem desinformação sobre as vacinas contra a covid-19. A denúncia foi feita por alguns dos influenciadores …

Na Tailândia, a legalização do aborto enfrenta "resistência espiritual"

Desde fevereiro, qualquer pessoa que procure fazer um aborto na Tailândia consegue fazê-lo legalmente, pelo menos no primeiro trimestre. Ainda assim, muitos médicos e enfermeiros recusam-se a levar a cabo o procedimento. A advogada Supecha Baotip …

Haiti. Viúva do presidente assassinado implica seguranças no crime

Martine Moise, a viúva do presidente haitiano Jovenel Moise — assassinado na sua residência por um comando armado no início de julho — descreveu abertamente o ataque e partilhou as suas suspeitas sobre o crime …

Covid-19. Portugal regista 2.306 novos casos e aumento nos internados

Portugal registou este domingo 2.306 novos casos de infeção por covid-19 e mais oito mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).  Portugal regista este domingo oito mortes atribuídas à covid-19, 2.306 novos casos …

Birmânia. Líder da junta volta a prometer eleições até 2023, seis meses depois do golpe militar

O líder da junta militar birmanesa, no poder desde o golpe de 1 de fevereiro, comprometeu-se novamente a realizar eleições "até agosto de 2023". “Estamos a trabalhar para estabelecer um sistema multipartidário democrático”, disse, este domingo, …