Portugueses fogem da Venezuela e refazem a vida em Madrid

Miguel Gutierrez / EPA

Madrid é uma cidade de refúgio de muitos luso-venezuelanos, principalmente jovens da segunda e terceira geração de emigrantes portugueses, que falam melhor castelhano e que tiveram de sair da Venezuela.

“Viemos para Madrid devido à situação política. A economia está muito má. Estamos a tentar encontrar um futuro melhor”, disse Manuel de Castro, um jovem luso-venezuelano que chegou a Madrid há seis meses e já conseguiu arranjar emprego.

Num português hesitante, Manuel de Castro explicou à agência Lusa que ajuda na medida das suas possibilidades a família que deixou na Venezuela: Aqui “já tenho trabalho, já tenho casa, tenho tudo, mas não tenho a família“.

No consulado de Portugal em Madrid, as inscrições de luso-venezuelanos têm vindo a crescer nos últimos anos de forma significativa: de 95 inscritos em 2013, o número passou para 122 em 2014, 240 em 2015, 409 em 2016 e, finalmente, 728 no ano passado.

“Parece-nos evidente, os números demonstram que, com o agravamento das condições sociais, económicas e mesmo políticas na Venezuela, há um aumento correspondente e um aumento do número de chegadas aqui em Espanha”, explicou o embaixador de Portugal na capital espanhola, Francisco Ribeiro de Menezes.

Embora em menor número, o crescimento de inscritos segue o mesmo padrão nos consulados de Barcelona, Sevilha e Vigo.

“Agora estamo-nos a instalar aqui e por mais que goste da Venezuela, porque sou venezuelana e adoro o meu país, acho que não é um bom momento para lá estar”, confidenciou Yelitza Mendes Simões, que chegou a Madrid há dois anos para fazer o mestrado e decidiu ficar a trabalhar.

Os irmãos também já vivem em Espanha e estão todos muito agradecidos por terem a nacionalidade dos pais.

“Cheguei aqui como portuguesa, estou aqui como portuguesa, estou a trabalhar numa empresa portuguesa e acho que a nacionalidade portuguesa foi o melhor presente que me deram os meus pais”, realçou Yelitza.

Centenas de milhares de migrantes tentam todos os anos chegar à Europa, que na maior parte dos casos tem a porta de entrada fechada, e apenas aqueles que têm a nacionalidade de um dos Estados-membros da União Europeia conseguem entrar sem qualquer dificuldade.

“Estamos a falar de um grupo de pessoas e de familiares que têm nacionalidade venezuelana, mas que conservou a sua relação com Portugal e a sua relação de nacionalidade com Portugal”, explicou o embaixador de Portugal em Madrid.

O caso do jovem Ames da Silva é idêntico aos anteriores: se não tivesse o passaporte português, apesar de ter estudos superiores, estaria a trabalhar na padaria do pai que neste momento atravessa uma grave crise.

“Não há farinha no país. Por isso decidimos que eu devia vir para aqui trabalhar. Procurar outra vida”, disse Ames da Silva que chegou há quatro meses à capital espanhola e que agora aguarda que toda a família venha também, “este ano ou no próximo”.

O português acabou o curso universitário na Venezuela e tentou encontrar trabalho nesse país, mas a economia já “estava muito mal” e o salário que lhe ofereceram “não dava para nada”, tendo ainda estado durante um ano na padaria do pai antes de dar “o salto”.

Os luso-descendentes que chegam a Espanha são “pessoas que têm o espanhol mais como primeira língua e seguramente como língua de trabalho do que o português. São pessoas formadas e educadas”, explicou Francisco Ribeiro de Menezes.

“Temos sempre a esperança que o país melhore, que venha outro Governo com outras pessoas, mas os que lá estão não vão sair tão cedo. O melhor é virmos todos para aqui”, afirmou Ames da Silva resignado com a situação.

A Venezuela é um país do continente sul-americano com cerca de 30 milhões de habitantes e uma das maiores reservas de petróleo do mundo, que está a sofrer uma grande recessão económica desde há três anos, quando o preço do crude baixou nos mercados internacionais.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Raro crustáceo parasita descoberto na boca de um tubarão em exibição num museu

Uma equipa de cientistas descobriu uma espécie extremamente rara de Cymothoidae na boca de um espécime de tubarão capturado no Mar da China Oriental e agora em exibição num museu. Os Cymothoidae são uma família de isópodes …

Série da Netflix faz disparar venda de jogos de xadrez nos Estados Unidos

A série "The Queen’s Gambit", da plataforma de streaming Netflix, que retrata a ascensão de uma jovem jogadora de xadrez na década de 1950, fez disparar as vendas deste jogo de tabuleiro nos Estados Unidos. …

Novo comité central do PCP eleito com 98,5%

O novo comité central do PCP foi este domingo eleito no XXI congresso nacional dos comunistas, em Loures, com 98,5% dos votos. Dos 611 delegados, 602 votaram a favor, seis abstiveram-se e três votaram contra na …

Elefante salvo de um poço profundo na Índia. Resgate durou 14 horas

Uma equipa de 50 pessoas ajudou a salvar um elefante que tinha caído num poço profundo em Dharmapuri, no sul da Índia. Moradores locais atiraram folhas de bananeira para o animal comer antes de ser …

Santa Clara 0-1 Porto | Magia de Díaz resolve jogo pobre

Missão cumprida. O Porto viajou até aos Açores para defrontar o Santa Clara e leva na bagagem os três pontos. Mas não o conseguiu com brilhantismo, longe disso. A eficácia foi a palavra de ordem, num …

Raro pinguim totalmente branco encontrado nas Ilhas Galápagos

Um raro pinguim com o corpo totalmente "pintado" de branco foi encontrado no arquipélago das Galápagos, no Equador. Em comunicado, o Parque Nacional das Galápagos detalha que o raro espécime foi encontrado enquanto um guia fazia …

A China tem 8 milhões de cegos, mas apenas 200 cães-guia. Há uma razão

A China tem 8 milhões de cegos, mas apenas 200 cães-guia. As cidades populosas, as vias não adaptadas, as poucas escolas de treino e a própria população são entraves à existência destes companheiros (e verdadeiros …

Governo das Ilhas Salomão quer banir o Facebook para preservar a União Nacional

O Governo das lhas Salomão quer banir temporariamente a rede social Facebook numa tentativa de combater o cyberbullying e a difamação, alegando que a plataforma está a "minar" a União Nacional. A decisão, que já …

Sob o nariz dos militares norte-coreanos, ex-ginasta salta muro de 3 metros e foge para a Coreia do Sul

Um homem norte-coreano que queria escapar da sua terra natal deu um salto de quase três metros num muro no início deste mês. O salto, que ocorreu sob os narizes dos soldados, trouxe-o para a …

Islândia quer tornar-se um refúgio para o teletrabalho. Mas não é para todos

A Islândia fez uma série de alterações no seu programa de vistos de trabalho remoto para cidadãos foram do espaço Schengen, tendo como objetivo tornar-se num destino atraente para os trabalhadores que procuram escapar dos …