Portugal já devia ter começado “a retirar pessoas” de zonas costeiras (e as Torres de Ofir deviam ser “demolidas”)

O avanço da água do mar e o défice sedimentar tornam difícil a vida na linha costeira e no Norte de Portugal, há zonas onde já se devia ter começado a realojar pessoas, defendem alguns especialistas.

“Um caso paradigmático são as torres de Ofir em que, desesperadamente, se tenta que elas se mantenham erguidas, quando, se vivêssemos num país a sério, elas há muito teriam sido demolidas, e não se teria gastado dinheiro público para proteger interesses privados”, considera o hidrobiólogo Adriano Bordalo e Sá, investigador do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar.

O cientista reconhece que, “para um autarca, a decisão também não é simples”, mas diz que “é preciso coragem”.

Olhando para as projecções avançadas pela Climate Central para 2030 de inundações anuais relacionadas com a subida do nível das águas do mar no território português, saltam à vista os estuários do Tejo e do Mondego.

Contudo, é a mancha vermelha da zona de Aveiro a que mais assusta.

Mais acima, zonas como Esmoriz, Espinho, Matosinhos, incluindo o porto de Leixões, Ofir e Viana do Castelo também inspiram cuidados.

“Definitivamente, não creio que tenhamos condições para continuar a investir dinheiros públicos para proteger interesses privados. Não podemos estar com medidas pontuais para proteger algo que não é possível mais proteger“, reforça Bordalo e Sá.

Problema não se resolve “com paninhos quentes”

O problema, considera o investigador, não se resolve “com paninhos quentes: elaborar projectos, elaborar programas, elaborar seja o que for, com palavras muito bonitas e com gráficos muito coloridos, mas para ficar tudo na mesma”.

“Em breve, vamos ter de começar a retirar pessoas da zona costeira“, defende, acrescentando que “é muito mais barato prevenir do que tratar”.

Carlos Coelho, investigador do Departamento de Engenharia Civil da Universidade de Aveiro, lembra que, para mitigar o avanço da água do mar, é possível introduzir areia no sistema costeiro, fazer obras de protecção da orla costeira, ou “a demolição e relocalização de determinadas estruturas e bens”.

Estes cenários “podem ter custos de primeiro investimento muito diferentes, e depois custos ao longo do tempo também diferentes”, realça Coelho.

“Se estivermos a pensar num horizonte temporal correspondente a um ciclo político, tudo o que são investimentos grandes à partida não são boas opções, porque não têm retorno ao fim de quatro ou cinco anos, mas só ao fim de 20 anos”, refere.

O engenheiro frisa que o tempo de acção não é o adequado à velocidade com que as coisas estão a mudar”. “Enquanto não é feita uma medida mais de fundo, muitas vezes são necessárias as medidas reactivas”, explica.

“Estes processos de planeamento prévio, sem ser reactivo, são sempre demorados e pouco compatíveis com a escala de tempo da natureza“, prossegue.

Ainda assim, o especialista considera que “vai havendo uma consciencialização cada vez maior, nomeadamente até ao nível da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), de que é preciso olhar nestes horizontes temporais de médio e longo prazo”.

Contudo, “quando é preciso tomar uma decisão, numa zona específica, o poder local está muito sobre análise directa, e precisa de resposta na hora”.

“Sendo a jurisdição do litoral da responsabilidade da APA, acabamos por ter estudos de custo benefício para apoiar a tomada de decisão”, destaca.

Cheias como as da Alemanha seriam “devastadoras” em Portugal

Para Ana Monteiro, geógrafa da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e coordenadora do Plano Metropolitano de Adaptação às Alterações Climáticas (PMAAC) da Área Metropolitana do Porto (AMP), “a questão é o ordenamento do território“.

“Quem trabalha no ordenamento do território, não sabe nada de adaptação aos riscos climáticos e, portanto, não tem isso em conta, e era fundamental que tivesse”, lamenta.

Países como a Alemanha ou o Reino Unido “incluem esta componente dos riscos climáticos com grande seriedade” no pensamento “ao nível das cidades, dos espaços urbanos e do ordenamento”, sublinha.

“Curiosamente, na Alemanha, há um grande deficit, frequentemente mencionado, relativo à rede hidrográfica“, que explica a tragédia das cheias de Julho, em que morreram mais de 150 pessoas.

“Qualquer coisa semelhante, no caso português, traria consequências devastadoras, não teria nada a ver com o que vimos, e o que vimos foi realmente muito triste”, alerta Ana Monteiro.

Quanto ao ordenamento da orla costeira, a geógrafa começa por destacar o “atraso inacreditável” do Programa de Ordenamento da Orla Costeira Caminha-Espinho (POOC) que “leva vários anos de atraso relativamente ao projectado”.

“O POOC anterior não foi concretizado, e o que nos falam é dos milhões de milhões de euros para relocalizar”, realça.

A investigadora diz que o documento traz “informação muito importante, que tem de ser discutida com a população”.

“Temos de ser capazes de explicar às pessoas, e fazer com que as pessoas acreditem, que é inevitável que as incursões [do mar] vão ser cada vez mais violentas e mais frequentes”.

“Aliciar seguradoras” para não segurarem bens

Ana Monteiro deixa ainda uma sugestão que tentou implementar no Mestrado de Riscos, Cidades e Ordenamento do Território da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, onde leciona, apontando para a necessidade de “aliciar as seguradoras” a fazerem parte da discussão, “porque são directamente beneficiárias do problema”.

“Para trabalharem em riscos, precisam de saber qual é o risco que estão a segurar. Elas seriam aliadas perfeitas, ou quase perfeitas, se deixassem de segurar bens em determinadas áreas da linha de costa, porque colocavam nas nossas mãos a decisão”, aponta Ana Monteiro.

“Se eu vou fazer um empreendimento, uma casa, uma fábrica, um hotel, mas sem seguro, penso duas ou três vezes. Para além do mais, vou discutir com alguém sobre porque é que aquilo não é segurável”, explica.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Então essas e mais torres não são necessárias para amparar as águas? A ganância e irresponsabilidade de construir em cima do mar começa a dar os resultados previstos!

  2. E simples entender o porquê de não se demolir as torres de Ofir.

    Qd se falou, da primeira vez, acerca da demolição os clientes/parasitas dos partidos andaram a comprar os apartamentos, a preço baixo, aos moradores assustados.

    Depois de esses mesmos parasitas terem comprado… começou o gasto de dinheiro publico para evitar que o mar “deita-se abaixo” as ditas torres.

    Por esta razão as ditas torres nunca irão ser demolidas devido à falta de vontade política.
    Mais caso não faltam em Esposende e outras áreas costeiras
    Vejam esta ridicularia https://goo.gl/maps/W9YhuPCML7Z6fyUa9 construíram, pq alegaram que anteriormente já existia uma construção, embora fosse de apetrechos de pescadores.

    PORTUGAL NO SEU MELHOR

RESPONDER

Remodelação no Reino Unido. Johnson demite ministros da Educação, Justiça e Habitação

Os ministros da Educação, Habitação e Justiça foram hoje demitidos do Governo britânico no âmbito da remodelação que o primeiro-ministro, Boris Johnson, iniciou, na sequência de várias crises, como a da pandemia ou a da …

Atlético 0-0 Porto | Dragão não treme no teste de Madrid

MINUTO 79. Renan Lodi e Kondogbia desentenderam-se, Taremi aproveitou, tirou Oblak do caminho e marcou. Porém, a festa nortenha durou poucos segundos. Após auxílio do VAR, o juiz Ovidiu Haţegan anulou o “tento”. Já no período …

Sporting 1-5 Ajax | Poker de Haller chama leão à realidade

O Sporting regressou à Liga dos Campeões da pior maneira. Na recepção ao Ajax, os comandados de Rúben Amorim foram goleados por 5-1, numa partida em que abriram uma autêntica auto-estrada no flanco esquerdo para …

Quintino Aires afastado de programa da TVI depois de comentários homofóbicos

Em causa estão comentários feitos sobre o concorrente Bruno d'Almeida, que levou ao parlamento uma proposta para se acabar com a discriminação aos homossexuais na doação de sangue. O psicólogo Quintino Aires foi afastado do …

Nunca houve tão poucos médicos especialistas em exclusividade no SNS. São menos de 5000

O SNS perdeu 1284 médicos em regime de exclusividade nos últimos cinco anos. Nunca houve tão poucos especialistas a trabalhar de forma exclusiva no Serviço Nacional de Saúde. Segundo avança o jornal Público, nunca houve tão …

Já pode comprar ações de obras de arte como se fosse a bolsa de valores

Já é possível comprar ações de obras de arte como se da bolsa de valores se tratasse. A plataforma Masterworks está a tentar trazer a arte das elites para todos. No outono de 2018, uma obra …

"Vamos lutar até aos portões do inferno". Plano de vacina obrigatória de Biden suscita críticas e processos

O anúncio do plano de vacinação Joe Biden suscitou aplausos do lado Democrata, mas muitas críticas de governadores Republicanos, que estão a processar a administração norte-americana. Ainda não passou uma semana desde o anúncio, mas o …

Constitucional contra saída "desprestigiante" de Lisboa. PS critica eleitoralismo da proposta do PSD

O Tribunal Constitucional caracterizou como "desprestigiante" a saída de Lisboa para Coimbra proposta pelo PSD, o que motivou críticas. A decisão final só vai ser conhecida depois das autárquicas. Em causa está o projecto de lei …

Hospital de Nova Iorque deixa de realizar partos face à demissão do pessoal médico que recusa vacinar-se

Antes de sair de cena Andrew Cuomo emitiu um mandato que visava estabelecer a vacinação obrigatória entre profissionais de saúde do estado de Nova Iorque. Um pequeno hospital do condado de Lewis, no estado de Nova …

"Foi um grande erro". Morte de 1400 golfinhos num dia nas Ilhas Faroé criticada até por adeptos da caça

Quase 1500 golfinhos foram mortos no domingo na caça tradicional das Ilhas Faroé, o que motivou críticas até entre os defensores do ritual. Activistas que defendem o fim da caça afirmam que este foi o …