Portugal aprova construção de armazém de resíduos em Almaraz

Ministerio del Interior / Flickr

Central Nuclear de Almaraz, em Cáceres

Central Nuclear de Almaraz, em Cáceres

Portugal considera adequada e segura a construção de um armazém para resíduos nucleares na central de Almaraz, em Espanha.

O parecer consta do relatório do grupo de trabalho técnico relativo ao projeto e divulgado esta quinta-feira em conferência de imprensa, na sede da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), em Lisboa.

O presidente da APA, Nuno Lacasta, que coordena o grupo de trabalho, assinalou que o armazém é uma “solução adequada” que “permite confirmar a sua segurança” ao nível dos padrões internacionais.

Segundo Nuno Lacasta, “não se estimam impactos transfronteiriços significativos em situação normal de funcionamento do armazém nem em caso de acidentes severos”.

O grupo de trabalho recomenda, entre outras medidas, o acompanhamento de Portugal das fases subsequentes do projeto.

Fazem parte do grupo de trabalho elementos da APA, da Direção-Geral da Saúde e peritos académicos e da Ordem de Engenheiros, entre outros.

Para a elaboração do relatório técnico, o grupo de trabalho apreciou informação em matéria ambiental e de segurança nuclear fornecida pelo Governo espanhol, além de contributos de movimentos e organizações ambientalistas.

Posição submissa

Os ambientalistas já criticaram a posição do Governo português, denunciando submissão a Espanha e uma decisão “surreal e inaceitável”.

“Não nos surpreende a decisão tomada, mas consideramos no mínimo surreal, depois de tudo o que o Governo disse acerca das premissas do projeto, aceitar a não existência de estudos de impactos transfronteiriços e considerar que está tudo bem e é tudo adequado. Parece-nos francamente inaceitável“, disse à Lusa Carla Graça, da associação Zero.

A ambientalista apontou ainda que não é mencionado o prolongamento da vida da central, situada a cem quilómetros da fronteira portuguesa, e isso “tem de estar em cima da mesa”, e recordou que está próxima a cimeira ibérica e “o assunto de Almaraz deve estar em cima da mesa”, ou seja, o Governo “deve questionar sobre o funcionamento da central”.

A associação Quercus, “ainda que respeite a posição transmitida e aquilo que foi o trabalho realizado, discorda em absoluto com as conclusões do grupo de trabalho criado pelo Governo” e desafia o executivo a defender de forma mais digna os interesses nacionais.

Para Nuno Sequeira, da Quercus, “continuam a existir riscos muito sérios na construção do armazenamento de resíduos nucleares junto à central de Almaraz” e esta obra “é apenas o pretexto do Governo espanhol para que se prolongue a licença de Almaraz depois de 2020”.

“Os esforços do Governo têm de ser totalmente no sentido de não pactuar com este jogo e defender os interesses de Portugal dizendo de forma muito clara que Almaraz deve encerrar em 2020”, afirmou o ambientalista.

António Eloy, do Movimento Ibérico Antinuclear (MIA), realçou que a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) “não teve a mínima atenção aos pareceres das organizações não-governamentais, do próprio MIA, sobre este processo”, que parte de “bases erradas”.

No entanto, apontou, o processo “ainda continua no sistema judicial espanhol e, portanto, não é certo que o ATI [armazém de resíduos nucleares] seja construído”.

Para o MIA, a questão essencial é que o armazém “é um indicador para a continuidade da vida da central de Almaraz”.

“Não estávamos à espera de uma posição de total submissão, de lavar os pés ao Governo espanhol em relação às várias ilegalidades que foram sendo cometidas e aos procedimentos errados que o ATI teve, desde o início”, realçou o ambientalista.

“Foi uma total submissão do Governo português e pensamos que tem a ver com as imposições que foram estabelecidas pela União Europeia e as compensações financeiras para as redes transeuropeias”.

A aceitação da não existência de um estudo de impacto transfronteiriço para a construção do armazém, um dos argumentos que Portugal apresentou para fundamental uma queixa apresentada à Comissão Europeia sobre o assunto, e a falta de atenção aos pareceres das organizações não-governamentais, durante a consulta pública, também foram criticadas.

Portugal apresentou uma queixa na Comissão Europeia contra Espanha por não ter informado acerca da intenção de construir o armazém para resíduos nucleares e não ter realizado um estudo de impacto transfronteiriço, uma imposição internacional para situações deste tipo.

Depois acabou por suspender a queixa, dizendo que poderia retomá-la, se necessário, quando chegou a acordo com Espanha que prometeu fornecer informação, levando a uma consulta pública em Portugal, e permitiu uma visita de técnicos portugueses ao armazém.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Suspeitos da morte de jovem cabo-verdiano ficam em prisão preventiva

Os cinco suspeitos da morte do estudante cabo-verdiano vão aguardar julgamento em prisão preventiva, indiciados pelos crimes de homicídio qualificado e três tentativas de homicídio. A decisão, lida aos jornalistas cerca das 23h30 de sexta-feira por …

Cientistas descobriram o ponto fraco dos tardígrados

Os tardígrados, também chamados ursos de água, são conhecidos pela sua resistência. Mas um novo estudo revela agora que estes pequenos organismos também têm um ponto fraco: exposição de longo prazo a altas temperaturas. Em 2018, …

Detetadas "partículas fantasmagóricas" que o Modelo Padrão não pode explicar

O observatório IceCube, localizado no Pólo Sul, revelou que a Antena Antena Antártida de Impulso Transitivo (ANITA) detetou alguns "sinais muito estranhos" que "não pode ser explicados" pelo Modelo Padrão da Física. O projeto ANITA, …

Descoberto primeiro asteróide que se move apenas dentro da órbita de Vénus

Uma rede de telescópios robóticos operados à distância observou um asteróide que, além de ser o asteróide mais próximo do Sol, é também o primeiro asteróide descoberto que se move completamente dentro da órbita de …

Mark Zuckerberg tem medo do TikTok (e já se sabe porquê)

Mark Zuckerberg já deixou claro, mais do que uma vez, que não gosta do TikTok. No entanto, agora sabemos o que está por trás desta hostilidade pelo rival: a aplicação está a crescer muito, mesmo …

A empresa mãe da Google já vale um bilião de dólares

Esta quinta-feira, a Alphabet, empresa mãe da Google, conseguiu uma cotação na bolsa de 1 bilião de dólares, cerca de 900 mil milhões de euros. A Alphabet tornou-se, esta quinta-feira, a quarta empresa norte-americana a conseguir …

Cientistas criam "cimento vivo" capaz de se "curar"

Uma equipa de cientistas dos Estados Unidos criou um "cimento vivo" juntando areia e bactérias num material de construção capaz de se auto-reproduzir, de absorver dióxido de carbono e manter a resistência. "Já usamos materiais biológicos …

Sporting 0-2 Benfica | Águia vence dérbi e foge na frente

O Benfica foi o grande vencedor do dérbi lisboeta. Na visita ao Sporting, os “encarnados” marcaram dois golos sem resposta, ambos na segunda parte, por Rafa Silva, entrado no decorrer da segunda parte, após ter …

Um em cada seis homens é vítima de abuso sexual antes dos 18 anos

Um em cada seis homens é vítima de abuso sexual antes dos 18 anos e podem levam décadas até pedir ajuda, por nem sempre aceitarem e entenderem que sofreram violência sexual. Na maior parte dos …

"Messiah", da Netflix, reacende controvérsia sobre os limites da liberdade de expressão

A série Messiah, disponível na plataforma de streaming Netflix, acende a controvérsia em torno dos limites da liberdade de expressão e da criatividade no mundo das artes e do entretenimento. Messiah, uma série produzida por Michael …