Expressão “campos da morte polacos” dá prisão

jechstra / Flickr

Entrada do antigo campo de concentração de Auschwitz, na Polónia.

O Senado da Polónia aprovou uma lei sobre o Holocausto que prevê até três anos de prisão para quem utilize a expressão “campos da morte polacos”, sob a justificação de que visa “defender a imagem do país”.

Israel já contestou a lei, acusando a Polónia de “querer reescrever a história” por pretender apagar as referências aos campos de extermínio que foram instalados pelo regime nazi no país, durante a Segunda Guerra Mundial.

O projecto-lei prevê um máximo de três anos de prisão ou o pagamento de uma multa a quem utilize a expressão “campos da morte polacos” ou para quem acusar a Polónia de cumplicidade com o Holocausto.

A lei foi aprovada por 57 senadores contra a vontade de outros 23 e duas abstenções. Para entrar em vigor, precisa agora de ser promulgada pelo Presidente da Polónia, Andrzej Duda, que já disse, em resposta ao governo israelita, que o país não pode voltar atrás e que os polacos têm o direito de “defenderem a verdade histórica”.

Em Israel, segundo o jornal Haaretz, vários ministros do Governo criticaram fortemente a posição do Senado polaco.

“A lei aprovada pelos polacos é grave e constitui uma negação de responsabilidades e do papel da Polónia no Holocausto Judeu”, afirma o ministro Yisrael Katz, citado pelo Haaretz.

Já o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros israelita, Zipi Livni, considera que a lei polaca é “inaceitável”, acusando o Senado polaco de “cuspir na cara de Israel”.

“Israel precisa de responder firmemente para, abertamente e de forma imediata, colocar na agenda a documentação dos crimes dos polacos, durante o Holocausto, e para enviar uma mensagem clara: não vamos permitir-lhes que levem a que o passado seja esquecido”, acrescenta Zipi Livni no diário israelita.

Os EUA já se juntaram aos protestos de Israel, pedindo à Polónia que reconsidere a sua posição e expressando “profunda preocupação” pelos efeitos do diploma.

“Expressões como ‘campos da morte polacos’ são imprecisas, susceptíveis de induzir em erros e causar feridas, mas receamos que se o diploma for promulgado, afecte a liberdade de expressão e o debate histórico”, declarou a porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Heather Nauert, em comunicado.

“A verdade histórica”

A Polónia foi atacada e ocupada pelos nazis durante a II Guerra Mundial, que levou à morte de milhões de cidadãos do país, incluindo três milhões de judeus polacos.

Há muito que a Polónia contesta o uso de expressões como “campos da morte polacos”, que sugerem que o país partilhou de alguma forma responsabilidades com a Alemanha nazi, no que toca a campos de concentração como o de Auschwitz.

Esses campos foram construídos e operados pelos nazis, depois de terem invadido a Polónia em 1939, algo que o actual ministro israelita da Educação e da Diáspora, Naftali Bennett reconheceu.

“É um facto histórico que os alemães iniciaram, planearam e construíram os campos da morte na Polónia”, salientou Naftali Bennett, conforme cita a Lusa, realçando que “essa é a verdade”, que “nenhuma lei vai reescrevê-la” e que é preciso passar estes dados “à próxima geração”.

Mas Bennett também salientou que é “um facto histórico que os polacos apoiaram o homicídio de judeus, que os entregaram aos nazis e até que mataram judeus durante e depois do Holocausto”. Algo que a nova lei aprovada “ignora vergonhosamente”, referiu o ministro israelita.

O governo polaco respondeu que o projeto-lei não tem como objectivo limitar a liberdade de investigar e discutir o Holocausto, apenas o de proteger o nome do país no estrangeiro. Antes do voto, o autor da legislação, o vice-ministro polaco da Justiça, Patryk Jaki, defendeu que a reacção de Israel “prova o quão necessário é este projecto-lei”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. O antisemitismo era corrente em toda a Europa no início do século 20, por isto que Hitler conseguiu fazer tanto mal, eles só foram contidos pela atuação da União Soviética, que sob o comando de Stalin foi o país que mais libertou gente em toda a história, isto tanto é verdade que inventaram a farsa de que teria existido o Holodomor.

    • “…que sob o comando de Stalin foi o país que mais libertou gente em toda a história, isto tanto é verdade que inventaram a farsa de que teria existido o Holodomor.”
      Isto é para rir, certo? É que nem mesmo um atrasado mental poderia acreditar nestas baboseiras.

  2. É preocupante o suficiente vermos chefes de estado e outras individualidades mundiais, pronunciarem-se, sobre matérias de conhecimento geral, pois apenas expõem a sua profunda ignorância sobre uma prática comum dos humanos. Podemos começar pela Europa… nazis vs judeus, russos vs ucranianos, portugueses vs América latina, Argentina vs povo, colonização americana vs Índios, Incas/Maias vs espanhóis, toda a África apresentam extermínios tribais, China vs povo, Miamar vs povo, Mao tze vs povo, turcos e curdos, Kosovo vs etnias, existe mais uns poucos Islâmicos … enfim…vamos todos ao mesmo tempo marcar uma posição dominante sobre as nossas ideologias e lutar por elas! O nosso planeta está sem recursos e nós precisamos de regulamentação populacional! Devemos observar, analisar e aprender quais foram os gatilhos que despoletam estas situações e antecipar esses eventos. A França sempre foi atacada e politicamente sempre foi um enorme gatilho plantado nas 3 guerras da Europa…

RESPONDER

Morreu a atriz Mya-Lecia Naylor. Tinha 16 anos

A atriz, cantora e modelo britânica Mya-Lecia Naylor morreu no último dia 7, na sequência de um desmaio, mas a notícia só veio a publico esta quinta-feira. A causa da morte precoce de Mya-Lecia Naylor, com …

Embarcação de pesca localizada. Tripulantes estão bem

A embarcação de pesca que estava incontactável desde a noite de quarta-feira foi hoje encontrada e todos os tripulantes estão bem de saúde, disse à Lusa fonte da Marinha. Segundo o porta voz da Marinha, comandante …

Site expôs falhas em plugins Wordpress. Hackers agradeceram e invadiram 160 mil sites

Um trio de vulnerabilidades zero-day em plugins do WordPress deixou 160 mil sites expostos a ataques na última semana. O termo zero-day é usado para descrever uma ameaça que não foi corrigida ou que ainda …

Comissária de bordo em coma depois de contrair o vírus do sarampo

Uma comissária de bordo de Israel, de 43 anos, está em coma profundo há dez dias depois de contrair o vírus do sarampo. Segundo as autoridades de saúde israelenses, a mulher tem encefalite - ou …

Eintracht vs Benfica | Golos fora custam eliminação

Os dois golos que o Eintracht de Frankfurt marcou em Lisboa, na semana passada, acabaram por ser decisivos nos quartos-de-final da Liga Europa. Os alemães venceram o Benfica em casa por 2-0, num jogo em …

Gangue partia membros do corpo a pessoas vulneráveis e encenava acidentes para receber indemnizações

Um grupo criminoso em Palermo (Sicília) encenava acidentes de viação e partia membros do corpo às alegadas vítimas, a fim de receber indemnização de seguros. O esquema, que já levou à prisão mais de 40 …

Rival para Alexa e Siri. O Facebook também quer ouvir a sua voz

O Facebook está a trabalhar num novo assistente de voz para competir com a Siri, da Apple, e a Alexa, da Amazon. O projeto começou em 2018 e ainda não tem data de divulgação. O projeto …

O "polencalipse" chegou aos Estados Unidos

No início da semana, o fotógrafo Jeremy Gilchrist capturou algumas imagens incríveis do fenómeno que batizou de "Polenpocalypse" em Durham, Carolina do Norte. A cidade de Durham, na Carolina do Norte, Estados Unidos, declarou no início …

Candidato à presidência da Guatemala detido nos EUA por tráfico de cocaína

As autoridades norte-americanas detiveram na quarta-feira o candidato presidencial da Guatemala Mario Estrada Orellana, acusado por um tribunal federal de Nova Iorque de conspirar para importar cocaína. Estrada Orellana, do partido Unión del Cambio Nacional (UCN, …

Consumidores estão a gastar mais. Televisões e smartphones foram os mais vendidos em 2018

Em 2018 as vendas a retalho cresceram 3,4%, para quase 21 mil milhões de euros. O sector não alimentar foi o que mais contribuiu. São dados do barómetro de vendas da Associação Portuguesa de Empresas de …