Expressão “campos da morte polacos” dá prisão

jechstra / Flickr

Entrada do antigo campo de concentração de Auschwitz, na Polónia.

O Senado da Polónia aprovou uma lei sobre o Holocausto que prevê até três anos de prisão para quem utilize a expressão “campos da morte polacos”, sob a justificação de que visa “defender a imagem do país”.

Israel já contestou a lei, acusando a Polónia de “querer reescrever a história” por pretender apagar as referências aos campos de extermínio que foram instalados pelo regime nazi no país, durante a Segunda Guerra Mundial.

O projecto-lei prevê um máximo de três anos de prisão ou o pagamento de uma multa a quem utilize a expressão “campos da morte polacos” ou para quem acusar a Polónia de cumplicidade com o Holocausto.

A lei foi aprovada por 57 senadores contra a vontade de outros 23 e duas abstenções. Para entrar em vigor, precisa agora de ser promulgada pelo Presidente da Polónia, Andrzej Duda, que já disse, em resposta ao governo israelita, que o país não pode voltar atrás e que os polacos têm o direito de “defenderem a verdade histórica”.

Em Israel, segundo o jornal Haaretz, vários ministros do Governo criticaram fortemente a posição do Senado polaco.

“A lei aprovada pelos polacos é grave e constitui uma negação de responsabilidades e do papel da Polónia no Holocausto Judeu”, afirma o ministro Yisrael Katz, citado pelo Haaretz.

Já o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros israelita, Zipi Livni, considera que a lei polaca é “inaceitável”, acusando o Senado polaco de “cuspir na cara de Israel”.

“Israel precisa de responder firmemente para, abertamente e de forma imediata, colocar na agenda a documentação dos crimes dos polacos, durante o Holocausto, e para enviar uma mensagem clara: não vamos permitir-lhes que levem a que o passado seja esquecido”, acrescenta Zipi Livni no diário israelita.

Os EUA já se juntaram aos protestos de Israel, pedindo à Polónia que reconsidere a sua posição e expressando “profunda preocupação” pelos efeitos do diploma.

“Expressões como ‘campos da morte polacos’ são imprecisas, susceptíveis de induzir em erros e causar feridas, mas receamos que se o diploma for promulgado, afecte a liberdade de expressão e o debate histórico”, declarou a porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Heather Nauert, em comunicado.

“A verdade histórica”

A Polónia foi atacada e ocupada pelos nazis durante a II Guerra Mundial, que levou à morte de milhões de cidadãos do país, incluindo três milhões de judeus polacos.

Há muito que a Polónia contesta o uso de expressões como “campos da morte polacos”, que sugerem que o país partilhou de alguma forma responsabilidades com a Alemanha nazi, no que toca a campos de concentração como o de Auschwitz.

Esses campos foram construídos e operados pelos nazis, depois de terem invadido a Polónia em 1939, algo que o actual ministro israelita da Educação e da Diáspora, Naftali Bennett reconheceu.

“É um facto histórico que os alemães iniciaram, planearam e construíram os campos da morte na Polónia”, salientou Naftali Bennett, conforme cita a Lusa, realçando que “essa é a verdade”, que “nenhuma lei vai reescrevê-la” e que é preciso passar estes dados “à próxima geração”.

Mas Bennett também salientou que é “um facto histórico que os polacos apoiaram o homicídio de judeus, que os entregaram aos nazis e até que mataram judeus durante e depois do Holocausto”. Algo que a nova lei aprovada “ignora vergonhosamente”, referiu o ministro israelita.

O governo polaco respondeu que o projeto-lei não tem como objectivo limitar a liberdade de investigar e discutir o Holocausto, apenas o de proteger o nome do país no estrangeiro. Antes do voto, o autor da legislação, o vice-ministro polaco da Justiça, Patryk Jaki, defendeu que a reacção de Israel “prova o quão necessário é este projecto-lei”.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. O antisemitismo era corrente em toda a Europa no início do século 20, por isto que Hitler conseguiu fazer tanto mal, eles só foram contidos pela atuação da União Soviética, que sob o comando de Stalin foi o país que mais libertou gente em toda a história, isto tanto é verdade que inventaram a farsa de que teria existido o Holodomor.

    • “…que sob o comando de Stalin foi o país que mais libertou gente em toda a história, isto tanto é verdade que inventaram a farsa de que teria existido o Holodomor.”
      Isto é para rir, certo? É que nem mesmo um atrasado mental poderia acreditar nestas baboseiras.

  2. É preocupante o suficiente vermos chefes de estado e outras individualidades mundiais, pronunciarem-se, sobre matérias de conhecimento geral, pois apenas expõem a sua profunda ignorância sobre uma prática comum dos humanos. Podemos começar pela Europa… nazis vs judeus, russos vs ucranianos, portugueses vs América latina, Argentina vs povo, colonização americana vs Índios, Incas/Maias vs espanhóis, toda a África apresentam extermínios tribais, China vs povo, Miamar vs povo, Mao tze vs povo, turcos e curdos, Kosovo vs etnias, existe mais uns poucos Islâmicos … enfim…vamos todos ao mesmo tempo marcar uma posição dominante sobre as nossas ideologias e lutar por elas! O nosso planeta está sem recursos e nós precisamos de regulamentação populacional! Devemos observar, analisar e aprender quais foram os gatilhos que despoletam estas situações e antecipar esses eventos. A França sempre foi atacada e politicamente sempre foi um enorme gatilho plantado nas 3 guerras da Europa…

  3. Tanto o nazi como os comunas deixaram rastros de destruicao e mortes por onde passaram.So pesquisarem quais foram os maiores criminosos de guerra na historia da humanidade.Caberia a onu o papel condenar as nacoes para devolverem os despojos da guerra.

RESPONDER

Porto lança cartão da cidade para munícipes. Vantagens incluem descontos na cultura

O cartão foi lançado no dia 5 de abril e permite que os utilizadores tenham acesso a descontos em museus, teatros, piscinas e utilização gratuita do elevador dos Guindais. Destina-se aos moradores da cidade e …

Afinal, o SEF ainda não foi extinto. Governo vai publicar decreto-lei

Afinal, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) ainda não foi extinto. Segundo o Ministério da Administração Interna, o Governo vai "aprovar por decreto-lei a orgânica do novo serviço público [SEA] e as novas competências …

Mais quatro mortes e 553 casos nas últimas 24 horas

De acordo com a Direção-Geral da Saúde, Portugal registou nas últimas 24 horas 553 novos casos de covid-19 e quatro mortes associadas à doença. Portugal regista hoje mais quatro mortes relacionadas com a covid-19, 553 novos …

Familiares das vítimas do voo MH-17 na Ucrânia vão pedir indemnizações

Uma das advogadas das vítimas do voo MH-17 da Malaysia Airlines anunciou que 290 familiares apresentaram pedido de indemnização contra os quatro suspeitos do acidente. Uma advogada das vítimas do derrube do voo da Malasya Airlines …

1.º de Maio. CGTP duplica lotação, UGT festeja online com ex-ministros socialistas

As centrais sindicais voltam a estar divididas quanto às comemorações do 1.º de Maio. A CGTP vai organizar dois desfiles e duplicar a concentração na Alameda Dom Afonso Henriques; a UGT cancelou qualquer iniciativa presencial …

"Vice" da bancada do PS contestado por pedir autocrítica do partido sobre Sócrates

Pedro Delgado Alves defendeu que o PS deveria refletir sobre a ação de José Sócrates. O deputado foi contestado por outros dirigentes do grupo parlamentar, nomeadamente Ana Catarina Mendes, que reagiu de forma dura à …

Japão responde à China e garante que derrame de Fukushima será seguro

O vice-primeiro-ministro japonês, Taro Aso, reafirmou esta sexta-feira, em resposta às críticas da China, que a descarga da central nuclear de Fukushima aprovada pelas autoridades japonesas estará dentro dos limites de segurança da água potável. "Estou …

Ninguém quer "a batata quente" do caso Sócrates. Ivo Rosa e Carlos Alexandre com nota máxima

Os juízes Ivo Rosa e Carlos Alexandre foram avaliados com a nota máxima de "Muito Bom" pelo Conselho Superior da Magistratura em inspecções realizadas entre 2013 e 2018, ou seja, abarcando o período da investigação …

João Leão afasta criação de imposto de solidariedade para pagar crise pandémica

O ministro das Finanças, João Leão, argumenta que a criação de um imposto de solidariedade para pagar a crise pandémica não ajudaria nem seria benéfica. Em entrevista ao semanário Expresso, o ministro das Finanças, João Leão, …

Isabel de Castela ficou conhecida por cheirar mal. Novos documentos põem fim aos mitos

A famosa rainha Isabel I de Castela, em Espanha, era conhecida por se lavar pouco e cheirar mal. Contudo, documentos recém-descobertos mostram que possuía uma quantidade enorme de perfumes de grande valor. Isabel I financiou a …