Poesia está de novo nas ruas sob a face de angústia colectiva

Escritora Maria Velho da Costa recebe o Prémio Vida Literária, da Associação Portuguesa de Escritores (foto: presidencia.pt)

Escritora Maria Velho da Costa recebe o Prémio Vida Literária, da Associação Portuguesa de Escritores (foto: presidencia.pt)

A escritora Maria Velho da Costa afirmou hoje que a poesia está actualmente nas ruas portuguesas sob “a terrível face de angústia colectiva” e vincou que todos os regimes totalitários consideram “perigosa” a literatura.

Estas ideias foram transmitidas por Maria Velho da Costa, após receber o Prémio Vida Literária, da Associação Portuguesa de Escritores, na Cultugest – cerimónia que contou com a presença do Presidente da República, Cavaco Silva, e do secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, ao qual a escritora não se referiu quando apresentava os agradecimentos.

“Aguentei os desconcertos do ‘verão quente’ de 1975 e suas sequelas. A poesia já não estava na rua, nem voltou a estar, excepto hoje sob a sua terrível face de angústia colectiva”, disse Maria Velho da Costa no final do seu discurso.

No final da cerimónia, a escritora aprofundou essa referência e explicou aos jornalistas como encara a situação social actual do país.

“As manifestações são uma forma de poesia de rua – uma poesia negra, tristíssima. É a voz do povo como foi no 25 de Abril”, defendeu.

Na sua intervenção, Maria Velho da Costa surpreendeu boa parte dos presentes na cerimónia ao dizer que pretendia abandonar o labor da escrita, mas nunca a sua ligação profunda à literatura.

No entanto, instantes depois, já em declarações aos jornalistas, a escritora relativizou o alcance da sua ideia de parar de escrever, usando então o humor para frisar que essa sua posição vale tanto como “o irrevogável” do actual vice-primeiro-ministro Paulo Portas.

Num discurso curto, que antecedeu o do Presidente da República, Maria Velho da Costa salientou que a literatura não é só a escrita, mas, igualmente, “o poder da palavra e o seu gosto, descrita ou dita por aqueles que a falaram, escreveram e inscreveram em nós um modo de ser para a escrita”.

“A literatura é por certo uma arte, um ofício, com o seu tempo de aprendizagem, treino, de escuta incansável, mas também a palavra no tempo, na história, no apelo do entusiasmo do que pode ser lido ou ouvido, a busca da beleza ou da exactidão ou da graça do sentir”, disse, antes de aludir ao carácter repressivo dos regimes totalitários.

“Os regimes totalitários sabem que a palavra e o seu cume de fulgor, a literatura e a poesia, são um perigo. Por isso queimam, ignoram e analfabetizam, o que vem dar à mesma atrofia do espírito, mais pobreza na pobreza”, acrescentou.

 

Cavaco Silva: Obra de Maria Velho da Costa é extraordinária

O Presidente da República classificou hoje como “extraordinária” a obra literária de Maria Velho da Costa, vincando que já condecorou a escritora em 2011 com o grau de Grande Oficial da Ordem da Liberdade.

Cavaco Silva falava na cerimónia de entrega à escritora Maria Velho da Costa do Prémio Vida Literária, da Associação Portuguesa de Escritores (APE), que se realizou na Cultugest e que teve a presença do secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier.

Após os discursos dos presidentes da Caixa Geral de Depósitos, José de Matos, e da APE, José Manuel Mendes, o chefe de Estado salientou que o percurso de intervenção cultural de Maria Velho da Costa, ao longo de quase meio século, “é, de facto, extraordinário”.

“Os escritores como Maria Velho da Costa não têm uma carreira, têm uma obra. A sua história confunde-se com as histórias que nos deram através da palavra”, apontou o chefe de Estado.

Na sua intervenção, o Presidente da República referiu-se ao significado do primeiro romance de Maria Velho da Costa, Maina Mendes, considerando que retratou de forma apurada o ambiente social no final da década de 1960.

“Tive, por isso, o grato prazer de a condecorar em 25 de abril de 2011 com grau de Grande Oficial da Ordem da Liberdade”, disse.

Para o Presidente da República, os prémios atribuídos a Maria Velho da Costa, nomeadamente o Prémio Camões, em 2002, “são suficientemente eloquentes a respeito de uma obra que é de vanguarda, mas que, ao mesmo tempo, está profundamente enraizada na nossa história e dialoga com os textos maiores da literatura portuguesa”.

“A homenagem que lhe prestamos é também o testemunho da gratidão que lhe devemos pelo contributo que a sua obra representa para a vitalidade e a projeção da nossa cultura”, acrescentou.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Nova universidade internacional de Soros pretende combater populismo e alterações climáticas

O filantropo multimilionário George Soros vai investir mil milhões de dólares (cerca de 904 milhões de euros) numa universidade internacional que terá como foco a oposição a governos autoritários e às alterações climáticas. Segundo avançou o …

"O índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual a nós", diz Bolsonaro

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse, durante um vídeo em direto em que comentava a criação do Conselho da Amazónia, que "o índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual …

Jorge Brito Pereira deixa de ser advogado de Isabel dos Santos

O advogado anunciou, esta sexta-feira, que saiu da sociedade de advogados Uría Menéndez Proença de Carvalho, suspendeu a atividade profissional e, como consequência, vai cessar "o patrocínio jurídico" à empresária angolana. "Face às informações publicadas nos …

621 milhões de euros. Ministra reconhece que redução do défice no SNS ficou aquém

A ministra da Saúde reconheceu, esta sexta-feira, que a redução do défice do SNS em 2019 para 621 milhões ficou aquém do que estava previsto, sublinhando o aumento dos custos com pessoal. A ministra da Saúde, …

Governo prevê descontos nas portagens no interior

A ministra da Coesão Territorial disse esta sexta-feira que o novo modelo de desconto das portagens para o interior do país prevê descontos para quem vive, para quem trabalha e para quem visita no …

Excesso de higiene está a tornar a nossa saúde mais frágil, aponta estudo

Um grupo de investigação do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) divulgou recentemente um estudo sobre a perda de diversidade da flora intestinal - também denominada como microbiota - e as consequências desta diminuição na nossa …

Tiroteio na Alemanha faz pelo menos seis mortos e vários feridos

Pelo menos seis pessoas morreram e várias ficaram feridas num tiroteio, esta sexta-feira, na cidade alemã de Rot am See. De acordo com vários media alemães, pelo menos seis pessoas morreram num tiroteio em Rot am …

IKEA aumenta salário de entrada dos trabalhadores para 700 euros

A IKEA aumentou o salário de entrada para trabalhadores a tempo inteiro de 650 euros para 700 euros brutos mensais, acima do salário mínimo nacional (635 euros), anunciou hoje a cadeia de venda de mobiliário. Em …

Mortes nos Comandos. Recruta diz que colocaram um cateter em Hugo Abreu já depois de estar morto

Rodrigo Silvano, o último recruta no curso 127 de Comandos a sair da tenda de enfermaria onde morreu Hugo Abreu no primeiro dia da Prova Zero, relatou ao tribunal que viu o enfermeiro do INEM …

Rafa inegociável. Benfica só vende por 80 milhões de euros

Rafa é inegociável. O Benfica só deixar sair o extremo de 26 anos pelo valor da sua cláusula de rescisão, que está fixada nos 80 milhões de euros. A notícia é avançada esta sexta-feira pelo Correio …