Pó de talco para bebés tem amianto (e a Johnson & Johnson sabia há décadas)

O conhecido pó de talco para bebés da marca Johnson & Johnson contém vestígios de amianto, substância considerada cancerígena, há várias décadas, de acordo com uma investigação da Reuters que garante que a empresa tinha conhecimento deste dado.

Uma grande investigação da agência de notícias Reuters  assegura que a Johnson & Johnson esteve a par, durante vários anos, de que o seu pó de talco para bebés continha vestígios de amianto.

Esta substância é considerada cancerígena e poderá estar associada a vários casos de cancro nos ovários.

A Johnson & Johnson já veio contestar a investigação da Reuters, considerando que é “desinformação” e “só para distrair” as atenções dos milhares de estudos que atestam que não há quaisquer vestígios de amianto.

Mas a Reuters avança que teve acesso a documentos internos e a testemunhos que indicam que administradores, médicos e advogados da empresa tinham conhecimento de que os testes efectuados ao pó de talco para bebés revelavam a presença de pequenas quantidades de amianto.

Estes vestígios terão sido detectados entre 1971 e o início dos anos 2000, mas a empresa terá ocultado a informação.

A Reuters nota que quando a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA) avaliava a presença de amianto em talcos, em 1976, a Johnson & Johnson garantiu à entidade supervisora que nem sinal da substância tinha sido encontrado nos produtos produzidos entre 1972 e 1973.

Todavia, segundo a agência de notícias, três testes realizados em três laboratórios diferentes, entre os anos de 1972 e 1975, terão revelado a presença de vestígios de amianto. Nalguns dos casos a que a Reuters teve acesso, assinalava-se a presença da substância em níveis “bastante elevados”.

Em reacção à investigação da Reuters, a Johnson & Johnson assegura que o conteúdo é “falso” e “inflamatório”, concluindo que se trata de “uma teoria da conspiração absurda, que aparentemente abrange mais de 40 anos e que terá sido orquestrada por várias gerações de cientistas e reguladores das universidades mais importantes do mundo”.

A Johnson & Johnson tem estado envolvida em vários casos judiciais, nomeadamente por ser acusado de provocar cancro do ovário a inúmeras mulheres.

Em Julho deste ano, a empresa foi condenada a pagar mais de quatro mil milhões de euros a 22 mulheres que alegaram terem contraído cancro do ovário após vários anos de utilização de pó de talco da marca.

“Isto é só para distrair do facto de que milhares de testes independentes provam precisamente que o nosso pó de talco não contém amianto, nem causa cancro”, notou à Reuters o vice-presidente da Johnson & Johnson, Ernie Knewitz.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Desde que foi descoberto e começam a pagar indemnizações milionárias e as vendas caem a pique, ou seja, desde a altura em que o descalabro da marca se torna uma possibilidade real. Aí sim, eles “preocupam-se”…

RESPONDER

Cientistas criam algoritmo para identificar covid-19 a partir do som da tosse

Investigadores de vários países criaram um algoritmo que afirmam poder identificar se uma pessoa tem covid-19 a partir do som da sua tosse. Cientistas do México, Estados Unidos, Espanha e Itália, liderados por uma equipa do …

Para proteger o fundo do mar, novo sistema permite atracar vários barcos com uma só "âncora"

Quando vários barcos se amontoam numa enseada durante a noite, cada um deles lança uma âncora que pode potencialmente danificar os corais e a vida marinha no fundo do mar. O sistema Seafloat foi criado …

Japão e Estados Unidos assinam acordo de cooperação para exploração da Lua

O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão e a agência espacial dos Estados Unidos (NASA) assinaram um acordo de colaboração entre os dois países no programa Artemis, para a exploração da …

Washington Redskins mudam de nome por ser considerado racista

A equipa de futebol americano, até aqui denominada de Washington Redskins, vai abandonar essa designação, considerada de teor racista, para designar nativos da América do Norte. Em comunicado, a equipa de Washington explicou que, depois de uma …

Flores precisaram de cerca de 50 milhões de anos para se tornarem o que são hoje

As plantas com flor evoluíram há cerca de 100 milhões de anos, mas precisaram de outros 50 milhões de anos para diversificar e tornarem-se aquilo que são hoje, sugere uma equipa de investigadores. Os cientistas documentaram …

Estudo sugere que imunidade à covid-19 pode desaparecer em poucos meses

A imunidade adquirida por anticorpos após a cura da covid-19 pode desaparecer em alguns meses, o que poderá complicar o desenvolvimento de uma vacina eficaz a longo prazo, sugere um estudo britânico divulgado esta segunda-feira. "Este …

60 anos depois, já se sabe o que aconteceu aos 9 russos que desapareceram na Montanha da Morte

Passados 61 anos, o mistério da morte de nove esquiadores russos que faziam uma caminhada pelos Montes Urais, perto da chamada Montanha da Morte, foi finalmente resolvido. Em 1959, nove viajantes russos que faziam uma caminhada …

Médicos Sem Fronteiras é "institucionalmente racista", acusam atuais e ex-colaboradores

Uma declaração assinada por mil atuais e ex-funcionários revela que a Organização Não Governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF) é "institucionalmente racista" e reforça o colonialismo e a supremacia branca no trabalho humanitário que pratica. Na …

Empresa culpada pela crise de opioides fez contribuições políticas após declarar falência

A Purdue Pharma, empresa culpada pela crise de opioides nos Estados Unidos, fez contribuições políticas após ter sido processada e declarado falência. Os opioides são usados para aliviar a dor, mas também provocam uma sensação exagerada …

Norte-americano morre após ir a festa para provar que a covid-19 é uma farsa

Um norte-americano de 30 anos, de San Antonio, no estado do Texas, morreu de covid-19 depois de ir a uma festa para provar que a doença era uma farsa, informou a media local. O homem foi …