Primeiro-ministro italiano demite-se e acusa Salvini de “irresponsabilidade”

Ettore Ferrari / EPA

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, anunciou hoje a sua demissão, acusando o líder da Liga (extrema-direita), Matteo Salvini, de ter “olhado exclusivamente aos interesses pessoais e do seu partido” ao pôr fim à coligação de Governo em Itália.

“Vou ouvir todas as intervenções e depois irei ao Quirinale para me demitir”, disse Conte num discurso solene no Senado, referindo-se ao palácio presidencial, onde deverá apresentar oficialmente a demissão ao Presidente, Sergio Mattarella.

A crise em curso debilita a ação deste Governo, que acaba aqui”, disse, referindo-se à rutura da coligação entre a Liga de Salvini e o Movimento 5 Estrelas de Luigi di Maio.

Conte acusou Salvini, que é também seu vice-primeiro-ministro e ministro do Interior, de fazer o país “correr riscos graves”, evocando nomeadamente o perigo de “uma espiral de incerteza política e económica”, e de “oportunismo” e “irresponsabilidade institucional”.

“Matteo Salvini rompeu o contrato de Governo e agiu por interesse pessoal e político, comprometendo o interesse geral. Quando uma força política [que governa] faz as suas escolhas exclusivamente por interesses eleitorais, ela não compromete apenas a nobreza da política, mas também os interesses nacionais do país inteiro”, afirmou.

Na semana passada, Matteo Salvini apresentou uma moção de censura ao primeiro-ministro e afirmou que deixou de ter condições para trabalhar com o 5 Estrelas, seu parceiro de coligação há 14 meses.

Quando Giuseppe Conte apresentar a demissão ao chefe de Estado, Mattarella pode pedir-lhe que se mantenha no cargo por mais alguns dias enquanto procede a consultas para determinar se existe uma maioria alternativa no parlamento ou aceita a demissão e encarrega outro dirigente político de construir uma coligação alternativa.

Se nenhuma destas opções resultar, Mattarella pode dissolver o parlamento, abrindo caminho a eleições antecipadas, que podem realizar-se já no outono.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

    • O tempo do totalitarismo em Italia é mais antigo que o nosso 25 de Abril, pelo que a maior parte das pessoas que viveu nesse tempo já morreu ou então são uma minoria.
      As actuais gerações que votam nunca viveram em ditadura por isso não sabem o perigo que correm com a extrema-direita.
      Em Portugal ainda vamos estando longe deste flagelo porque muitos dos Portugueses votantes ainda têm presente na memória os traumas do estado novo.

RESPONDER

Arqueólogos encontram rara ferramenta de caça com 300 mil anos

Arqueólogos encontraram uma ferramenta de madeira utilizada na caça há 300 mil anos. É muito raro encontrar artefactos paleolíticos feitos de madeira, realça o autor do estudo. Uma equipa de investigadores da Universidade de Tübingen e …

Twitter não descarta suspender conta de Donald Trump

Um alto responsável da plataforma digital Twitter não excluiu a suspensão da conta da Donald Trump caso o Presidente norte-americano prossiga a publicação de mensagens incendiárias que transgridam as regras daquela rede social. Com 81,7 milhões …

Patrões agradados com o plano do Governo. PSD diz que "é muito fraco"

Enquanto patrões e sindicalistas ficaram bastante satisfeitos com o Programa de Estabilização Económica e Social apresentado pelo Governo, o PSD deixou duras críticas. Esta quinta-feira, no final do Conselho de Ministros, onde foi aprovado o plano …

Na resposta a uma crise, ligações humanas podem piorar ainda mais as coisas

Um novo estudo sugere que a conexão humana nem sempre é uma coisa boa, sobretudo quando se trata de ultrapassar uma crise com sucesso. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 2480 voluntários …

Brasil ultrapassa Itália e torna-se no terceiro país com mais mortes

O país sul-americano, que tem uma população estimada em 210 milhões de habitantes, contabiliza 34.021 vítimas mortais e 614.941 casos confirmados. O Brasil ultrapassou a Itália e tornou-se no terceiro país do mundo com mais mortes …

PCP é o primeiro partido a retomar comícios ao ar livre

O PCP foi o último partido a fazer um comício, em março, antes de o país "parar" devido à pandemia de covid-19 e vai ser o primeiro a organizar uma iniciativa deste tipo, no domingo, …

Asteróide que matou os dinossauros criou uma província hidrotermal nove vezes maior do que Yellowstone

O asteróide que dizimou os dinossauros da face da Terra criou uma província hidrotermal nove vezes maior do que a caldeira do supervulcão Yellowstone, localizado nos Estados Unidos, conclui um novo estudo agora divulgado. De acordo …

Encontrar uma agulha num palheiro cósmico. Astrónomos resolvem mistério do primeiro Anel de Einstein

Determinados a encontrar uma agulha num palheiro cósmico, um par de astrónomos viajou no tempo através dos arquivos de dados antigos do Observatório W. M. Keck em Mauankea e do Observatório de Raios-X Chandra da …

As pequenas (e estranhas) estrelas quentes são atormentadas por manchas gigantes e explosões

Há uma classe de estrelas que perplexa os cientistas há seis décadas, conhecidas como estrelas de ramos horizontais extremos (EHB). Apesar de terem metade da massa do Sol, são quatro a cinco vezes mais quentes …

Cientistas capturaram em vídeo explosão de um enorme buraco negro

Uma equipa de astrónomos capturou o momento exato em que um buraco negro lança material quente para o Espaço à velocidade da luz. O telescópio espacial de raios-X Chandra captou a explosão de um buraco negro. …