Planetas que orbitam estrelas gémeas do Sol podem ter vida

O ser humano pode mesmo não estar só na galáxia da Via Láctea. Esta é a possibilidade que se abre com os resultados de um estudo com 53 estrelas gémeas do Sol.

O estudo, realizado por investigadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), no Brasil, sugere condições geológicas favoráveis para o surgimento e manutenção da vida em planetas rochosos que eventualmente orbitam os astros semelhantes ao Sol.

De acordo com o artigo, publicado em outubro na revista Monthly Notices of Royal Astronomical Society, a vida poderá estar espalhada por toda a galáxia e ter tido origem em qualquer época da sua evolução.

Para chegar a esta conclusão, os cientistas avaliaram a abundância de tório (232Th) nas gémeas solares estudadas, localizadas entre 50 e 300 anos-luz de distância do Sol.

Isto foi feito recorrendo à análise de espetros óticos de alta qualidade e resolução em comprimento de onda, recolhidos utilizando um espetrógrafo ultra-estável, chamado HARPS, que está instalado no telescópio de 3,6 metros do European Southern Observatory (ESO), no Chile.

Embora o tório não seja o único elemento determinante, este químico radioativo é um dos requisitos para o surgimento, evolução e manutenção da vida num determinado mundo. Para que isso ocorra, além da sua presença, é necessário que a órbita do planeta esteja na zona habitável em redor da estrela: a distância em que água se consiga manter líquida.

Segundo o investigador André de Castro Milone, da Divisão de Astrofísica do Inpe, orientador do doutorando Rafael Botelho, primeiro autor do artigo, outros requisitos para o surgimento da vida num planeta são a existência de uma atmosfera presa pela gravidade e de um campo magnético para protegê-lo do fluxo de partículas energéticas e nocivas aos seres vivos emitidas pela estrela hospedeira.

“Também é fundamental que seja geologicamente ativo, como a Terra, com terremotos e vulcões, que proporcionam o chamado ciclo do carbono, que mantém a temperatura do mundo adequada à vida.” Isto só é possível graças às placas tectónicas.

O globo terrestre é feito de camadas. No centro fica o núcleo, cujo ponto central está a uma profundidade de cerca de 6.370 quilómetros, com uma temperatura de 6.000 ºC, semelhante a da superfície do Sol. Acima, vem o manto, de consistência pastosa, com uma espessura de 2.950 quilómetros e 100 ºC na parte superior e 3.500 ºC na mais profunda. Trata-se do magma.

O magma é coberto pela crosta, a camada mais superficial e menos espessa do planeta, com uma média de 40 quilómetros de profundidade. Com a parte superior do manto, forma-se a litosfera, com 100 quilómetros de espessura, que está dividida em placas rochosas – placas tectónicas – que flutuam sobre o manto de magma.

Existem 10 grandes placas: Africana, Antártica, Arábica, Eurasiática, das Filipinas, Indo-Australiana, de Nazca, Norte-Americana e das Caraíbas, do Pacífico e Sul-Americana, – e várias outras menores. São estas as estruturas que modelam a superfície da Terra, erguendo montanhas e causando terremotos, ao chocarem umas com as outras.

É aqui que entra o tório. “Trata-se de um elemento instável, cujo decaimento radioativo, juntamente com o urânio e o potássio, que tem fornecido e fornecerá o interior da Terra por milhões de anos metade da energia necessária para manter a convecção do manto e o tectonismo das placas continentais”, explica Milone.

Isto induz o ciclo de carbono, através da libertação de dióxido de carbono em grandes quantidades e metano em bem menores, que tornam possível a estabilidade térmica na atmosfera do globo, dando condições naturais para o aparecimento e evolução da vida.

As gémeas solares estudadas têm diferentes idades: desde 500 milhões a 8,6 mil milhões de anos. “Podemos acompanhar a abundância do tório ao longo do tempo de evolução da Galáxia, como também em estrelas semelhantes ao Sol”, explica Milone.

“Outro estudo já tinha observado que o Sol é ligeiramente deficiente em tório em comparação com 13 gémeas, mostrando que tais astros, caso possuam planetas rochosos, proporcionariam reservatórios de energia interna suficientes para o surgimento da vida.”

As conclusões mostram que há uma grande quantidade de energia disponível devido ao decaimento de tório para manter a convecção do manto e o tectonismo em potenciais planetas rochosos que possam existir em torno de gémeas solares. “Parece que este elemento também é abundante em gémeas solares velhas, significando que a Galáxia pode estar repleta de vida“, disse Botelho.

De acordo com estimativas, devem existir cerca de 100 milhões a 1 mil milhão de estrelas relativamente parecidas ao Sol na Galáxia. Além disso, cerca 5% das gémeas solares podem ter sistemas planetários parecidos com a Terra.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

As antigas águas da Austrália estavam cheias de escorpiões gigantes predadores

As antigas águas em redor da Austrália podem ter estado cheias de enormes escorpiões marinhos predadores que mediam 2,5 metros de comprimento. Conhecidos como Eurypterida, estes animais ferozes foram os maiores predadores marinhos a aparecer no …

Siza Vieira sobre Efacec: Estado está a salvar uma empresa viável e não os bancos que financiaram Isabel dos Santos

O ministro da Economia esclareceu esta terça-feira que o Estado está a “salvar uma empresa” e não “os financiadores e os acionistas” da Efacec e que o valor da indemnização não será suficiente para saldar …

Quatro casos de covid-19 encerram Câmara de Paços de Ferreira

A Câmara Municipal de Paços de Ferreira, distrito do Porto, anunciou esta quarta-feira que o seu edifício sede se encontra temporariamente encerrado depois de terem sido detetados quatro casos positivos de covid-19 entre os trabalhadores. …

Megaoperação do SEF. Três detidos e 150 possíveis vítimas de tráfico humano e imigração ilegal

Uma megaoperação do SEF, em Santarém, já levou à detenção de três suspeitos de tráfico humano e imigração ilegal. Já foram identificadas 150 possíveis vítimas. O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) está a levar a …

Conjuntivite pode ser um sintoma primário de covid-19

Uma equipa de investigadores canadianos identificou a conjuntivite como um novo sintoma primário de covid-19. Os cientistas alertam os oftalmologistas para os perigos inerentes. Os sintomas mais frequentes associados à infeção pela covid-19 são: febre, tosse …

Seis estrangeiros fugiram do aeroporto de Faro. Três já foram encontrados

Um grupo de seis pessoas fugiu esta terça-feira do Espaço Equiparado a Centro de Instalação Temporária do aeroporto de Faro, tendo as autoridades já localizado três delas, revelou esta terça-feira o Serviço de Estrangeiros e …

MP investiga “festa covid” que terá gerado contágio entre estudantes do Politécnico da Guarda

O Ministério Público instaurou um inquérito para averiguação da prática dos crimes de propagação de doença contagiosa e de instigação pública após alguns estudantes do Instituto Politécnico da Guarda (IPG) terem sido infetados com o …

Não é só Vieira. Trio de capitães do Benfica também quer Jesus

O Correio da Manhã (CM) escreve esta quarta-feira que o trio de capitães do Benfica - Jardel, André Almeida e Pizzi - querem ver Jorge Jesus de volta ao leme da equipa encarnada, depois da …

Conhecer a dieta dos pinguins pode ajudar a salvar vida marinha

Conhecendo melhor a dieta dos pinguins, os cientistas ficam capacitados com mais ferramentas para salvar vida marinha. Uma equipa de investigadores fez grandes progressos nesse sentido. As águas do sudeste australiano são um hotspot das alterações …

Costa sem dúvidas sobre a primeira prova de fogo Centeno para chegar a governador: "Vai confirmar o que todos foram sabendo"

O ex-ministro das Finanças Mário Centeno é esta quarta-feira ouvido no parlamento a propósito da sua designação pelo Governo para governador do Banco de Portugal, sucedendo a Carlos Costa, que está em funções há 10 …