Os misteriosos planetas de “algodão doce” podem ter anéis

NASA

À medida que encontramos mais exoplanetas na Via Láctea, os astrónomos estão a descobrir objetos estranhos que não existem no nossos Sistema Solar. Um desses fenómenos são misteriosos planetas de “algodão doce”, que têm o tamanho de gigantes gasosos, mas são muito menos massivos.

Estes planetas estão a intrigar os cientistas, que ainda não sabem como é que eles podem sequer existir. Em casos extremos, um planeta de “algodão doce” pode ter menos de 1% da massa de um gigante gasoso do mesmo tamanho.

Agora, os cientistas sugerem uma nova explicação: e se estes objetos forem, na verdade, pequenos planetas com anéis gigantes?



Esta explicação poderia desvendar os estranhos aspetos dos planetas de “algodão doce” e, ao mesmo tempo, ajudar a encontrar uma caraterística que ainda não foi descoberta em exoplanetas: anéis planetários.

Os planetas de “algodão doce” são detetados usando o método de trânsito: quando um telescópio estuda uma estrela à procura de mergulhos regulares na luz da estrela. Se mergulhos ocorrerem na mesma profundidade e no mesmo período de tempo entre cada um, isso pode ser inferido como um exoplaneta.

A quantidade de luz durante o mergulho pode ser usada para calcular o tamanho físico do exoplaneta. Outro método pode ser usado para calcular a massa do exoplaneta – à medida que os planetas orbitam as suas estrelas, exercem uma influência gravitacional própria, fazendo com que a estrela se mexa levemente. A quantidade dessa oscilação é determinada pela massa do planeta.

No caso dos planetas de “algodão doce”, as quedas de trânsito mostram um tamanho desproporcionalmente grande em comparação com a massa inferida pelo movimento da estrela.

Anthony Piro, astrónomo da Carnegie Institution for Science, e Shreyas Vissapragada, da Caltech, quiseram desvendar este mistério. Os resultados do seu estudo foram publicados em fevereiro na revista científica The Astronomical Journal.

Primeiro, começaram a pensar que tipos de objetos poderiam ter um tamanho tão grande, mas com uma densidade baixa, o que os levou a considerar anéis planetários. “Começámos a pensar: e se estes planetas não forem como o algodão doce?”, disse Piro, em comunicado. “E se parecerem tão grandes porque estão realmente cercados por anéis?”

No Sistema Solar, há quatro planetas que têm anéis: Júpiter, Saturno, Urano e Neptuno. Apenas os anéis de Saturno são grandes, grossos e proeminentes. “Começámos a pensar: se [um extraterrestre] olhasse para nós de um mundo distante, reconheceria Saturno como um planeta com anéis ou pareceria um planeta inchado?“, disse Vissapragada.

Para o próximo passo, os cientistas usaram modelagem para descobrir se os anéis poderiam explicar o tamanho dos planetas de “algodão doce”. A resposta foi sim – mas apenas para alguns.

“Esses planetas tendem a orbitar próximo às estrelas hospedeiras, o que significa que os anéis teriam de ser rochosos, e não gelados”, disse Piro. “Mas os raios dos anéis rochosos só podem ser tão grandes, a menos que a rocha seja muito porosa, de modo que nem todos os planetas se encaixariam nessas restrições”.

Além disso, o planeta teria de ser achatado numa forma mais oval para impedir que os anéis entortassemo. Os exoplanetas que estão presos à estrela – o que significa que a sua rotação tem o mesmo período da órbita – podem estar a girar demasiado lentamente para criar essa forma.

Dadas essas restrições, três exoplanetas em particular foram considerados bons candidatos a anéis. O Kepler 87c e o Kepler 117c são maiores do que Neptuno, mas com massas de apenas 6,4 e 7,5 vezes a da Terra, respetivamente, tornando-os de densidade muito baixa. O terceiro, HIP 41378f, foi anunciado quando Piro e Vissapragada estavam a terminar o seu manuscrito e consideraram-o “especialmente emocionante” no contexto das descobertas, dado o quão bem atende a todas as suas restrições.

Os nossos instrumentos atuais não são suficientemente poderosos para acompanhar a busca por anéis, mas a equipa acredita que o Telescópio Espacial James Webb, que será lançado no próximo ano, estará pronto para a tarefa.

Os astrónomos esperam que observações mais detalhadas ajudem a desvendar o mistério de, pelo menos, alguns planetas de “algodão doce” – e finalmente revelem detalhes sobre os anéis gloriosos dos exoplanetas.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. É, tem coisa boa nesse espaço…
    Algodão doce?!
    Porque não?!
    Por outro lado, a aparência pode levar a aguçar o apetite confirmar uma coisa mais dura, e aí já azedou tudo…
    Como é que pode existir?
    Deixe eu ajudar aqui alguma coisinha….
    A força suprema creadora, concerteza entendeu de criar…..
    Se na verdade existe essa doçura de planeta, é porque pode e isso deveria ser o suficiente pra sossegar o espírito cientista….
    Só porque não entendemos como é possível MUITA coisa, não quer dizer que não seja possível, até porque está na frente dos nossos olhos, só não se vê o que contribuiria pra VOC explicação que pra nós fizesse sentido!

  2. Acho que… tendo «» há que entender que é uma metafora… mas enfim… tem que haver algum para meter a «força» suprema no comentário…

RESPONDER

Projeto vai testar inteligência artificial no diagnóstico precoce do cancro gástrico

Investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) integram um projeto que visa desenvolver novos algoritmos para testar o uso da inteligência artificial no diagnóstico precoce do cancro gástrico, foi anunciado esta segunda-feira. Em …

Jerónimo pede "mais tento" a Costa nas críticas aos autarcas do PCP

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, sugeriu hoje a António Costa que tenha “mais tento” e “mais cuidado” nas críticas apontadas aos autarcas comunistas, considerando que é “inquestionável” o trabalho da CDU ao serviço …

China e Vietname devem "evitar aumento das disputas" no Mar do Sul da China

A China e o Vietname devem se abster de ações unilaterais em relação ao Mar do Sul da China para não potenciar as disputas já existentes, afirmou o conselheiro de estado chinês Wang Yi. Segundo o …

Covid-19: Governo convoca para quinta-feira reunião no Infarmed sobre situação epidemiológica

As reuniões sobre a evolução da situação epidemiológica da covid-19 em Portugal, juntando políticos e especialistas, vão ser retomadas esta quinta-feira no Infarmed, em Lisboa, disse à agência Lusa fonte do executivo. A reunião de quinta-feira, …

Portugal estreia-se no Mundial de Futsal com uma vitória por 4-1 frente à Tailândia

A selecção lusa estreou-se com uma goleada frente à Tailândia e garantiu o segundo lugar do grupo, estando apenas atrás de Marrocos devido à diferença de golos. Não havia melhor maneira de começar a campanha do …

Um novo nanomaterial continua seco submerso - e pode tornar o combustível mais eficiente

A nova criação distingue-se de descobertas anteriores semelhantes porque mantém-se completamente seca mesmo depois de estar submersa durante várias horas - e tem muito potencial. Parece coisa de ficção científica, mas tornou-se realidade. Uma equipa de …

Israel prepara eventual quarta dose das vacinas

Um responsável do Ministério da Saúde de Israel já colocou em cima da mesa uma quarta dose, depois do país já ter começado a administrar terceiras doses em Agosto. Apesar dos repetidos apelos da Organização Mundial …

11 de Setembro. Documento do FBI relata encontros entre terroristas e diplomatas da Arábia Saudita

Apesar de não dar provas directas do envolvimento do governo da Arábia Saudita no 11 de Setembro, um relatório do FBI que foi desclassificado no âmbito do 20º aniversário dos atentados detalha contactos e apoio …

Plano para desativar centros de vacinação "está a ser desenhado"

Desmobilização deverá acontecer quando 85% da população estiver dispor do esquema vacinal contra a covid-19 completo. A task-force que coordena o programa de vacinas contra a covid-19 anunciou hoje que “está a ser desenhado um plano” …

Portugal começa a administrar vacina da gripe a 4 de Outubro

Portugal comprou 2,2 milhões de doses da vacina contra a gripe. Os grupos prioritários incluem profissionais de saúde, idosos e doentes crónicos. Numa entrevista ao Público, Graça Freitas avança que as 2,2 milhões de doses da …