Os misteriosos planetas de “algodão doce” podem ter anéis

NASA

À medida que encontramos mais exoplanetas na Via Láctea, os astrónomos estão a descobrir objetos estranhos que não existem no nossos Sistema Solar. Um desses fenómenos são misteriosos planetas de “algodão doce”, que têm o tamanho de gigantes gasosos, mas são muito menos massivos.

Estes planetas estão a intrigar os cientistas, que ainda não sabem como é que eles podem sequer existir. Em casos extremos, um planeta de “algodão doce” pode ter menos de 1% da massa de um gigante gasoso do mesmo tamanho.

Agora, os cientistas sugerem uma nova explicação: e se estes objetos forem, na verdade, pequenos planetas com anéis gigantes?



Esta explicação poderia desvendar os estranhos aspetos dos planetas de “algodão doce” e, ao mesmo tempo, ajudar a encontrar uma caraterística que ainda não foi descoberta em exoplanetas: anéis planetários.

Os planetas de “algodão doce” são detetados usando o método de trânsito: quando um telescópio estuda uma estrela à procura de mergulhos regulares na luz da estrela. Se mergulhos ocorrerem na mesma profundidade e no mesmo período de tempo entre cada um, isso pode ser inferido como um exoplaneta.

A quantidade de luz durante o mergulho pode ser usada para calcular o tamanho físico do exoplaneta. Outro método pode ser usado para calcular a massa do exoplaneta – à medida que os planetas orbitam as suas estrelas, exercem uma influência gravitacional própria, fazendo com que a estrela se mexa levemente. A quantidade dessa oscilação é determinada pela massa do planeta.

No caso dos planetas de “algodão doce”, as quedas de trânsito mostram um tamanho desproporcionalmente grande em comparação com a massa inferida pelo movimento da estrela.

Anthony Piro, astrónomo da Carnegie Institution for Science, e Shreyas Vissapragada, da Caltech, quiseram desvendar este mistério. Os resultados do seu estudo foram publicados em fevereiro na revista científica The Astronomical Journal.

Primeiro, começaram a pensar que tipos de objetos poderiam ter um tamanho tão grande, mas com uma densidade baixa, o que os levou a considerar anéis planetários. “Começámos a pensar: e se estes planetas não forem como o algodão doce?”, disse Piro, em comunicado. “E se parecerem tão grandes porque estão realmente cercados por anéis?”

No Sistema Solar, há quatro planetas que têm anéis: Júpiter, Saturno, Urano e Neptuno. Apenas os anéis de Saturno são grandes, grossos e proeminentes. “Começámos a pensar: se [um extraterrestre] olhasse para nós de um mundo distante, reconheceria Saturno como um planeta com anéis ou pareceria um planeta inchado?“, disse Vissapragada.

Para o próximo passo, os cientistas usaram modelagem para descobrir se os anéis poderiam explicar o tamanho dos planetas de “algodão doce”. A resposta foi sim – mas apenas para alguns.

“Esses planetas tendem a orbitar próximo às estrelas hospedeiras, o que significa que os anéis teriam de ser rochosos, e não gelados”, disse Piro. “Mas os raios dos anéis rochosos só podem ser tão grandes, a menos que a rocha seja muito porosa, de modo que nem todos os planetas se encaixariam nessas restrições”.

Além disso, o planeta teria de ser achatado numa forma mais oval para impedir que os anéis entortassemo. Os exoplanetas que estão presos à estrela – o que significa que a sua rotação tem o mesmo período da órbita – podem estar a girar demasiado lentamente para criar essa forma.

Dadas essas restrições, três exoplanetas em particular foram considerados bons candidatos a anéis. O Kepler 87c e o Kepler 117c são maiores do que Neptuno, mas com massas de apenas 6,4 e 7,5 vezes a da Terra, respetivamente, tornando-os de densidade muito baixa. O terceiro, HIP 41378f, foi anunciado quando Piro e Vissapragada estavam a terminar o seu manuscrito e consideraram-o “especialmente emocionante” no contexto das descobertas, dado o quão bem atende a todas as suas restrições.

Os nossos instrumentos atuais não são suficientemente poderosos para acompanhar a busca por anéis, mas a equipa acredita que o Telescópio Espacial James Webb, que será lançado no próximo ano, estará pronto para a tarefa.

Os astrónomos esperam que observações mais detalhadas ajudem a desvendar o mistério de, pelo menos, alguns planetas de “algodão doce” – e finalmente revelem detalhes sobre os anéis gloriosos dos exoplanetas.

  ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. É, tem coisa boa nesse espaço…
    Algodão doce?!
    Porque não?!
    Por outro lado, a aparência pode levar a aguçar o apetite confirmar uma coisa mais dura, e aí já azedou tudo…
    Como é que pode existir?
    Deixe eu ajudar aqui alguma coisinha….
    A força suprema creadora, concerteza entendeu de criar…..
    Se na verdade existe essa doçura de planeta, é porque pode e isso deveria ser o suficiente pra sossegar o espírito cientista….
    Só porque não entendemos como é possível MUITA coisa, não quer dizer que não seja possível, até porque está na frente dos nossos olhos, só não se vê o que contribuiria pra VOC explicação que pra nós fizesse sentido!

  2. Acho que… tendo «» há que entender que é uma metafora… mas enfim… tem que haver algum para meter a «força» suprema no comentário…

RESPONDER

Cerca de metade dos recuperados apresentam sintomas de "covid longa"

Cerca de metade dos mais de 236 milhões de pessoas que foram infetadas em todo o mundo pelo coronavírus SARS-CoV-2 apresentarão sintomas persistentes pós-covid seis meses depois a infeção, sugere um estudo divulgado esta quarta-feira. Segundo …

Nasceu a PlakTak, uma pastilha elástica que combate a placa bacteriana - e a sua origem é curiosa

Criada inicialmente pelo exército norte-americano para garantir a saúde oral dos seus soldados, a PlakTak pode estar a caminho das prateleiras das lojas. Há muitos avanços tecnológicos que começam no exército e acabam por ser usados …

Futuro subaquático. Várias cidades em todo o mundo ficarão submersas

O aquecimento global está a provocar a subida do nível médio da água do mar. E já existem imagens que mostram o cenário vivido em várias cidades costeiras no futuro. Secas históricas, inundações mortíferas e degelo: …

Chama-se Robin, é um robô e visita hospitais para ajudar as crianças a sentirem-se melhores

Uma simples visita de um robô controlado por humanos encoraja uma perspetiva positiva e melhora as interações médicas das crianças hospitalizadas. Robin é um robô que se move, fala e brinca com as crianças enquanto é …

Pinturas destruídas de Gustav Klimt foram reconstruídas com recurso a Inteligência Artificial

O pintor austríaco Gustav Klimt criou algumas das suas obras mais conhecidas durante a chamada Fase Dourada - que se manteve viva durante a primeira década do século XX. Durante o seu período mais inspirador, o …

É turca, tem 24 anos e mede mais de dois metros. Rumeysa Gelgi é a mulher mais alta do mundo

Aos 24 anos, Rumeysa Gelgi foi confirmada como a mulher mais alta do mundo pelo Guinness World Records. A jovem turca mede cerca de 2,15 metros. A sua altura surpreendente deve-se a uma condição chamada síndrome …

Princesa Amalia, sucessora ao trono holandês, poderá ser rainha se casar com uma mulher

Nos Países Baixos, os casamentos reais precisam da aprovação do Parlamento, mas Mark Rutte já deixou claro que a união homossexual não é um entrave no acesso ao trono. Longe vão os tempos em que os …

Homem armado com arco e flecha mata e fere várias pessoas na Noruega

O homem foi detido pelas autoridades norueguesas. O incidente aconteceu na cidade de Kongsberg, no sudeste da Noruega. Um homem armado de arco e flecha matou hoje várias pessoas e feriu outras na cidade de Kongsberg, …

EUA preparam-se para vacinar crianças a partir dos cinco anos em novembro

A Casa Branca pediu aos governadores estaduais dos EUA para se prepararem para vacinar crianças com idades entre os 5 e os 11 anos contra a covid-19. O plano pode começar a ser executado já …

Governo prevê que em 2022 todas as pensões deverão aumentar

As pensões vão aumentar entre 0,15% e 0,9% no próximo ano, por via da atualização regular, abrangendo 2,6 milhões de pensionistas disse hoje a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. Esta atualização …