/

O Planeta 9 pode não passar de uma mera ilusão. Eis a razão

1

R. Hurt (IPAC) / Caltech

O Planeta X (ou Planeta 9) será um gigante gasoso semelhante a Úrano e Neptuno

O estranho e hipotético Planeta 9, que se acredita ser responsável por órbitas estranhas no Sistema Solar exterior, pode não passar de uma mera ilusão.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O Planeta 9 ficou conhecido em 2016, quando os astrónomos Konstantin Batygin e Michael Brown, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, publicaram um artigo no The Astronomical Journal que defendia a existência de um planeta, ainda desconhecido, nos confins do Sistema Solar. A evidência estaria noutros objetos muito além da órbita de Neptuno.

Os objetos transneptunianos extremos (ETNOs) têm enormes órbitas elípticas, nunca cruzando mais perto do Sol do que a órbita de Neptuno. Na altura, Batygin e Brown sugeriram que o Planeta 9 deveria ter cerca de cinco a 10 massas terrestres e orbitar a uma distância entre 400 e 800 unidades astronómicas, e começaram a fazer pesquisas para comprovar a sua existência.

Tal como o Planeta 9, os ETNOs também são muito difíceis de encontrar: além de serem mais pequenos do que um planeta (e, portanto, mais fracos), quando estes objetos se afastam do Sol, a probabilidade de os observar é quase nula. É neste ponto que alguns astrónomos acreditam que há um viés de seleção.

Batygin e Brown descobriram que essas órbitas têm o mesmo ângulo no periélio, o ponto da órbita mais próximo do Sol, e descobriram que um grande planeta poderia agrupar as órbitas dessa forma.

“Além disso, os levantamentos telescópicos cobrem uma área limitada do céu, em determinadas épocas do ano, a uma profundidade limitada. Esses efeitos resultam em viés de seleção significativo”, afirmam os investigadores, citados pelo Science Alert.

As simulações de Batygin e Brown foram baseadas em apenas seis ETNOs, que foram reunidos a partir de uma variedade de pesquisas com funções de seleção não publicadas.

Investigações mais recentes têm-se debruçado sobre as funções de seleção, mas ainda nenhuma pesquisa encontrou ETNOs suficientes para constituir uma estatística abrangente e, assim, ajudar os cientistas a ter uma conclusão mais sólida.

Kevin Napier e a sua equipa iniciaram três pesquisas diferentes baseadas em objetos astronómicos para tentar encontrar o Planeta 9. Os cientistas acabaram por sugerir que o Planeta 9 não existe, uma vez que não pode ser confirmado a partir dos dados de ETNOs.

Ainda assim, não descartam a possibilidade de outro método confirmar a sua existência. Independentemente de este misterioso planeta existir ou não, o debate em torno da sua hipotética presença no Universo estimula várias pesquisas científicas.

PUBLICIDADE

O estudo foi publicado no arXiv, mas ainda carece de revisão por pares.

  ZAP //

1 Comment

  1. O bom é que o nome “Planeta9” serve para qualquer planeta que venha a ser descoberto no nosso sistema solar. Isso aumenta consideravelmente a probabilidade de existência do Planeta9.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.