Pessoas com certas características podem ser mais suscetíveis a “ouvir” os mortos

Uma equipa de cientistas identificou certas características que podem tornar as pessoas mais suscetíveis a alegar que “ouvem” os mortos.

Um novo estudo sugere que as pessoas que se descrevem como “clariaudientes” – em oposição a clarividentes (“ver”) ou clairsentient (“sentir”) – têm certos traços em comum, incluindo suscetibilidade a alucinações auditivas e experiências infantis.

As afirmações de espiritualistas e médiuns há muito que fascinam os cientistas, mas são recebidas com ceticismo devido à falta de evidências e curiosidade genuína sobre porque é que alguém alegaria que pode ouvir, contactar ou conversar com pessoas que já morreram.

A fraude costuma ser a resposta simples, além do facto de que essas experiências são notoriamente difíceis de refutar – bem como de provar. Um estudo recente revelou que 12 autoproclamados médiuns dispostos a serem colocados à prova tiveram um desempenho pior do que o grupo de controle nas tentativas de contacto com os mortos.

No entanto, os cientistas da Durham University queriam explorar por que algumas pessoas com essas experiências auditivas são mais propensas a adotar crenças espiritualistas e a envolver-se na chamada prática de “ouvir” os mortos, enquanto outras que consideram a experiência angustiante podem receber um diagnóstico de saúde mental.

“Os espíritas tendem a relatar experiências auditivas incomuns que são positivas, que começam cedo na vida e que muitas vezes são capazes de controlar. Entender como se desenvolvem é importante porque nos pode ajudar a entender mais sobre experiências angustiantes ou não controláveis ​​de ouvir vozes”, explicou Peter Moseley, da Northumbria University, em comunicado.

Os cientistas recrutaram 65 membros da União Nacional dos Espíritas do Reino Unido e 143 membros do público que regularmente não afirmam ouvir as vozes dos mortos para realizar a maior investigação científica sobre a experiência de médiuns clariaudientes.

A equipa reuniu descrições detalhadas dos médiuns sobre como vivenciam essas “vozes” e compararam os níveis de absorção, propensão a alucinações, aspetos da sua identidade e crença no paranormal.

Os cientistas descobriram que, dos autoproclamados espiritualistas, 44,6% afirmaram ouvir vozes de espíritos todos os dias e, embora essas vozes fossem ouvidas principalmente na sua própria cabeça (65,1%), 31,7% relataram experimentar vozes de espíritos vindos de dentro e de fora da cabeça .

Em comparação com o grupo de controle, os espiritualistas eram mais propensos a relatar uma crença no paranormal e menos propensos a importar-se com o que as pessoas pensavam deles.

A maioria teve a primeira experiência de ouvir vozes quando eram jovens, com idade média de 21,7 anos. Os médiuns também relataram um nível mais alto de absorção, um termo usado para descrever a imersão total em tarefas mentais e como alguém é eficaz em desligar-se do mundo “externo”. Além disso, eram mais propensos a “experiências auditivas incomuns, semelhantes a alucinações“.

Para a população em geral, a maior absorção foi associada à crença no paranormal, mas não havia ligação entre essa crença e a tendência a alucinações.

Estes resultados sugerem que alegar que se ouve vozes de espíritos falecidos é improvável que se torne sugestionável devido à crença no paranormal. Em vez disso, as pessoas que adotam o espiritualismo são mais propensas a serem predispostas à absorção e a ter experiências auditivas incomuns quando jovens. As crenças do espiritualismo alinham-se com a sua experiência.

“As nossas descobertas dizem muito sobre aprendizagem e desejo. Para os nossos participantes, os princípios do Espiritismo parecem dar sentido às experiências extraordinárias da infância, bem como aos fenómenos auditivos frequentes que experimentam como médiuns “, disse Adam Powell, do projeto Hearing the Voice da Durham University.

“Mas todas estas experiências podem resultar mais de ter certas tendências ou habilidades iniciais do que simplesmente acreditar na possibilidade de contactar os mortos se tentarmos o suficiente”, acrescentou.

Segundo os investigadores, estas descobertas têm grande valor na compreensão das alucinações auditivas, por vezes traumáticas, que podem acompanhar problemas de saúde mental.

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Mental Health: Religion and Culture.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

  1. Mas os mortos não ouvem os vivos, logo, não lhes respondem, logo, é improvável conseguir falar com os mortos.
    Porque a vida é a luz acesa, e a morte é a luz apagada.

  2. Exactamente como é que o grupo dos supostos médiuns teve um “desempenho pior” do que o grupo de controlo, ou seja, aqueles que não se intitulam médiuns? Pior como? Igual ainda seria normal, se ninguém tivesse ouvido nada. Mas pior?! Houve alguém do grupo de controlo que conseguiu ouvir um morto?
    Vocês lêem estas coisas antes de publicar? Já pensaram usar um tradutor a sério?

    • Caro leitor,
      Obrigado pelo seu reparo.
      Parece no entanto ter-se precipitado a fazer o seu comentário, ou não leu bem a notícia antes de o fazer, porque a referência no início do texto ao “resultado pior do grupo de mediums” é relativa à notícia de um outro estudo recente, que o ZAP deu no dia 1 de janeiro, e que encontra aqui:
      Cientistas testaram as capacidades paranormais de 12 videntes (e correu como se esperava).
      Se tivesse lido esta notícia toda antes de a comentar, teria não só tido oportunidade de se informar acerca do estudo concreto de que trata (pessoas mais suscetíveis a “ouvir” os mortos), como teria também encontrado a caixa de destaque para a outra notícia, que se encontra no fim do texto.
      E ter-nos-ia poupado a piada fácil e estafada do “tradutor a sério”, que não tem qualquer cabimento e nos incomoda um pouquinho.

RESPONDER

"Sofagate". Michel pede desculpa a Von der Leyen por falta de reação a incidente em Ancara

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, pediu esta terça-feira solenemente desculpa à líder da Comissão Europeia (UE) pela falta de reação ao "desplante diplomático" protagonizado por Ancara na semana passada. Von der Leyen destacou …

Altice Portugal acredita que "SIRESP vai acabar a 30 de junho"

O presidente da Altice Portugal disse que a empresa não teve "qualquer tipo de contacto por parte do SIRESP" sobre a continuidade do contrato, pelo lhe parece que a rede de emergência "vai acabar no …

Polícia do Capitólio foi avisada do ataque mas ordenada a não agir agressivamente

A Polícia do Capitólio dos Estados Unidos foi avisada antecipadamente sobre a violência dos atacantes do dia 6 de janeiro, mas os seus comandantes ordenaram aos oficiais que não usassem as suas táticas "mais agressivas" …

União Europeia não vai renovar contrato com AstraZeneca e Johnson & Johnson

A União Europeia não vai renovar os contratos da vacina contra a covid-19 com empresas como Astrazeneca e Johnson & Johnson no próximo ano. A notícia da decisão de não renovação dos contratos da vacina contra …

Neuralink divulga vídeo de macaco a jogar videojogo com a mente

A Neuralink, empresa de implantes cerebrais de Elon Musk, divulgou na quinta-feira um vídeo que mostra a tecnologia a funcionar em macacos. No vídeo, um cientista da Neuralink explica a forma como a empresa implantou um …

Coligação negativa trava "big brother fiscal" nas empresas

Foi aprovada no Parlamento uma proposta do PCP para mudar, de novo, a lei que regulamenta o envio de dados das empresas para o Fisco, com o voto contra do PS. É um travão ao …

Especialistas aconselham Governo a não avançar no desconfinamento

Manuel Carmo Gomes, o epidemiologista que deixou de participar nas reuniões no Infarmed, aconselhou o Governo a não avançar para a terceira fase de desconfinamento. E não é o único a defender a suspensão. De acordo …

Os buracos negros gostam de comer, mas têm várias regras de etiqueta à mesa

Uma equipa de astrónomos britânicos e holandeses concluiu que todos os buracos negros supermassivos no centro das galáxias parecem ter períodos em que engolem matéria dos seus arredores.  Astrónomos têm estudado galáxias ativas desde 1950. Estas …

Fim dos apoios às empresas acelera vaga de despedimentos

A pressão para pagar subsídios de férias e o fim da proibição de reduzir pessoal nos setores que tiveram ajudas vai potenciar uma vaga de despedimentos. O Jornal de Notícias ouviu advogados e associações sindicais que …

Camisola poveira

Vendas da camisola poveira disparam a nível mundial (e já há “uma Amazon” para a comprar)

A camisola poveira, peça de artesanato da Póvoa de Varzim, nunca se vendeu tanto como agora. As vendas dispararam à boleia da polémica apropriação do modelo pela estilista norte-americana Tory Burch que o comercializou como …