Pessoas com certas características podem ser mais suscetíveis a “ouvir” os mortos

Uma equipa de cientistas identificou certas características que podem tornar as pessoas mais suscetíveis a alegar que “ouvem” os mortos.

Um novo estudo sugere que as pessoas que se descrevem como “clariaudientes” – em oposição a clarividentes (“ver”) ou clairsentient (“sentir”) – têm certos traços em comum, incluindo suscetibilidade a alucinações auditivas e experiências infantis.

As afirmações de espiritualistas e médiuns há muito que fascinam os cientistas, mas são recebidas com ceticismo devido à falta de evidências e curiosidade genuína sobre porque é que alguém alegaria que pode ouvir, contactar ou conversar com pessoas que já morreram.

A fraude costuma ser a resposta simples, além do facto de que essas experiências são notoriamente difíceis de refutar – bem como de provar. Um estudo recente revelou que 12 autoproclamados médiuns dispostos a serem colocados à prova tiveram um desempenho pior do que o grupo de controle nas tentativas de contacto com os mortos.

No entanto, os cientistas da Durham University queriam explorar por que algumas pessoas com essas experiências auditivas são mais propensas a adotar crenças espiritualistas e a envolver-se na chamada prática de “ouvir” os mortos, enquanto outras que consideram a experiência angustiante podem receber um diagnóstico de saúde mental.

“Os espíritas tendem a relatar experiências auditivas incomuns que são positivas, que começam cedo na vida e que muitas vezes são capazes de controlar. Entender como se desenvolvem é importante porque nos pode ajudar a entender mais sobre experiências angustiantes ou não controláveis ​​de ouvir vozes”, explicou Peter Moseley, da Northumbria University, em comunicado.

Os cientistas recrutaram 65 membros da União Nacional dos Espíritas do Reino Unido e 143 membros do público que regularmente não afirmam ouvir as vozes dos mortos para realizar a maior investigação científica sobre a experiência de médiuns clariaudientes.

A equipa reuniu descrições detalhadas dos médiuns sobre como vivenciam essas “vozes” e compararam os níveis de absorção, propensão a alucinações, aspetos da sua identidade e crença no paranormal.

Os cientistas descobriram que, dos autoproclamados espiritualistas, 44,6% afirmaram ouvir vozes de espíritos todos os dias e, embora essas vozes fossem ouvidas principalmente na sua própria cabeça (65,1%), 31,7% relataram experimentar vozes de espíritos vindos de dentro e de fora da cabeça .

Em comparação com o grupo de controle, os espiritualistas eram mais propensos a relatar uma crença no paranormal e menos propensos a importar-se com o que as pessoas pensavam deles.

A maioria teve a primeira experiência de ouvir vozes quando eram jovens, com idade média de 21,7 anos. Os médiuns também relataram um nível mais alto de absorção, um termo usado para descrever a imersão total em tarefas mentais e como alguém é eficaz em desligar-se do mundo “externo”. Além disso, eram mais propensos a “experiências auditivas incomuns, semelhantes a alucinações“.

Para a população em geral, a maior absorção foi associada à crença no paranormal, mas não havia ligação entre essa crença e a tendência a alucinações.

Estes resultados sugerem que alegar que se ouve vozes de espíritos falecidos é improvável que se torne sugestionável devido à crença no paranormal. Em vez disso, as pessoas que adotam o espiritualismo são mais propensas a serem predispostas à absorção e a ter experiências auditivas incomuns quando jovens. As crenças do espiritualismo alinham-se com a sua experiência.

“As nossas descobertas dizem muito sobre aprendizagem e desejo. Para os nossos participantes, os princípios do Espiritismo parecem dar sentido às experiências extraordinárias da infância, bem como aos fenómenos auditivos frequentes que experimentam como médiuns “, disse Adam Powell, do projeto Hearing the Voice da Durham University.

“Mas todas estas experiências podem resultar mais de ter certas tendências ou habilidades iniciais do que simplesmente acreditar na possibilidade de contactar os mortos se tentarmos o suficiente”, acrescentou.

Segundo os investigadores, estas descobertas têm grande valor na compreensão das alucinações auditivas, por vezes traumáticas, que podem acompanhar problemas de saúde mental.

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Mental Health: Religion and Culture.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

  1. Mas os mortos não ouvem os vivos, logo, não lhes respondem, logo, é improvável conseguir falar com os mortos.
    Porque a vida é a luz acesa, e a morte é a luz apagada.

  2. Exactamente como é que o grupo dos supostos médiuns teve um “desempenho pior” do que o grupo de controlo, ou seja, aqueles que não se intitulam médiuns? Pior como? Igual ainda seria normal, se ninguém tivesse ouvido nada. Mas pior?! Houve alguém do grupo de controlo que conseguiu ouvir um morto?
    Vocês lêem estas coisas antes de publicar? Já pensaram usar um tradutor a sério?

    • Caro leitor,
      Obrigado pelo seu reparo.
      Parece no entanto ter-se precipitado a fazer o seu comentário, ou não leu bem a notícia antes de o fazer, porque a referência no início do texto ao “resultado pior do grupo de mediums” é relativa à notícia de um outro estudo recente, que o ZAP deu no dia 1 de janeiro, e que encontra aqui:
      Cientistas testaram as capacidades paranormais de 12 videntes (e correu como se esperava).
      Se tivesse lido esta notícia toda antes de a comentar, teria não só tido oportunidade de se informar acerca do estudo concreto de que trata (pessoas mais suscetíveis a “ouvir” os mortos), como teria também encontrado a caixa de destaque para a outra notícia, que se encontra no fim do texto.
      E ter-nos-ia poupado a piada fácil e estafada do “tradutor a sério”, que não tem qualquer cabimento e nos incomoda um pouquinho.

RESPONDER

Com os zoos fechados, tudo serve para entreter uma família de lontras. Até um simples galho de bambu

O confinamento serviu como um lembrete indesejado de que ficar preso dentro de casa sem muito o que fazer pode ser desgastante. O mesmo é verdade para os animais, por isso os jardins zoológicos tiveram …

Uma ilha, cinco géneros. Os Bugis têm palavras para as "cinco maneiras de estar no mundo"

Uma ilha, cinco géneros. O povo Bugis é um poderoso grupo étnico que se destaca pelo reconhecimento de cinco géneros distintos. Na Indonésia, a ilha Sulawesi é a casa de um povo que reconhece cinco …

O "aeroporto do amanhã" está abandonado no meio de um pântano dos Estados Unidos

Era para ser o "aeroporto do amanhã", um centro intercontinental para aviões supersónicos com seis pistas e conexões ferroviárias de alta velocidade para as cidades vizinhas. Hoje, é pouco mais do que uma pista no …

Facebook remove (acidentalmente) página oficial de Ville de Bitche, uma remota cidade francesa

O Facebook apagou a página de Ville de Bitche, uma remota cidade francesa. O município passou um mês a apelar à rede social para repor a página. "Recebemos uma mensagem no Facebook e também percebemos que …

NASA escolheu SpaceX de Elon Musk para a próxima missão tripulada à Lua

Elon Musk fecha contrato de 2,9 mil milhões de dólares para levar o Homem novamente à Lua. O contrato é a mais importante vitória da SpaceX e reforça a posição da empresa como parceira …

Benfica 1-2 Gil Vicente | Galo canta e silencia águia na Luz

STOP. O Gil Vicente visitou na tarde deste sábado o Benfica e saiu do palco da Luz com os três pontos na bagagem e a “cantar de galo”, ao vencer por 2-1, num duelo relativo …

"Longa vida à monarquia." Realeza britânica tende a viver mais três décadas do que a população geral

As diferenças na longevidade de alguns membros da família real em comparação com a população em geral são extremamente grandes, mas não incomuns. O príncipe Filipe, marido da rainha Isabel II e o consorte mais antigo …

Abominável (e falso) Homem das Neves. Líder russo usou Yeti para atrair turistas para a Sibéria

Um dos líderes regionais mais antigos de Vladimir Putin confessou ter encenado avistamentos falsos de Yetis numa tentativa de encorajar o turismo na Sibéria. Aman Tuleev, um dos líderes regionais de longa data do Presidente russo …

Irão já está a enriquecer urânio a 60%

O Irão avisou e já está a cumprir. Menos de uma semana depois de ter acusado Israel de um ataque contra a sua principal central nuclear, o país diz estar a enriquecer urânio com uma …

Salvini vai a julgamento em Itália por bloqueio de migrantes em navio

Matteo Salvini, líder do partido de extrema-direita italiano Liga, vai ser julgado por acusações de sequestro pela sua decisão de impedir o desembarque de 147 migrantes resgatados no Mediterrâneo pela Open Arms, em agosto de …