Cientistas encontram peixes que vivem numa região quase sem oxigénio

(dr) MBARI.

O oxigénio é uma necessidade básica na vida animal. No entanto, uma equipa de biólogos encontrou recentemente grandes cardumes que vivem nas profundezas do Golfo da Califórnia, no México, onde quase não há oxigénio.

Usando um robô submarino, uma equipa de biólogos marinhos notaram que estes peixes vivem em condições de baixo oxigénio que seriam mortais para a maioria dos outros peixes.

Esta descoberta, cujo artigo científico foi publicado recentemente na Ecology, é muito importante para os cientistas, dado que poderia ajudá-los a prever como é que outros animais marinhos conseguem lidar com as mudanças a nível do oxigénio nos oceanos, numa altura em que a temperatura vai aumentando consistentemente.

Em 2015, Natalya Gallo e nove outros cientistas conduziram uma série de mergulhos com Doc Ricketts, robôs operados remotamente. Gallo começou a interessar-se por esta área depois de ter escrito a sua tese, que se centrava em estudar animais que vivem em ambientes com pouco oxigénio. O Golfo da Califórnia é um dos habitats com menos oxigénio do mundo.

“Eu não conseguia acreditar. Observamos Ophidiidae, Macrouridae e Cephalurus cephalus a nadar ativamente em áreas onde a concentração de oxigénio era menos do que 1% do que a concentração típica da superfície”, disse a cientista.

“Estávamos num habitat tóxico que deveria excluir peixes, mas, em vez disso, havia centenas destes animais. Soube imediatamente que aquele habitat escondia algo especial que desafiava a nossa compreensão dos limites de tolerância hipóxia [baixo oxigénio]”, escreveu Gallo no seu blogue.

A investigação mostrou que os peixes estavam a viver num ambiente onde a concentração de oxigénio era entre 0,1 e 0,025 menor do que a concentração tolerada por outros peixes capazes de viver em ambientes de baixo oxigénio.

Os cientistas ainda não sabem exatamente como é que estes animais conseguem sobreviver em condições tão extremas.

Tanto os Ophidiidae quanto os Cephalurus cephalus possuem cabeças grandes com guelras vermelhas vibrantes, que podem ser particularmente úteis para absorver oxigénio da água. Estes peixes também são pequenos, com menos de 30 centímetros de comprimento, com corpos macios e ossos minúsculos. Estas características são uma mais valia, dado que ajudam na conservação da energia.

Os investigadores acreditam que estes peixes vivem nas profundezas do Golfo da Califórnia porque podem ter encontrado alimento lá – ou então estão apenas a fugir dos predadores. “Esperamos voltar ao Golfo para tentar resolver esttas questões”, afirma o biólogo Jim Barry, que liderou a embarcação.

PARTILHAR

RESPONDER

Inscrição hebraica com 2.800 anos revela antigo nome bíblico

Uma equipa de arqueólogos encontrou um jarro com 2.8000 anos com a inscrição em hebraico "Benayo" no sítio arqueológico de Abel Beth Maacah, no norte de Israel, local várias vezes mencionado na Bíblia Hebraica.  De …

Braga vence FC Porto e conquista Taça da Liga. Sérgio coloca lugar à disposição

O Sporting de Braga venceu hoje o FC Porto por 1-0 e conquistou a Taça da Liga, com Ricardo Horta a marcar o golo decisivo aos 90+5, garantindo um troféu que os bracarenses já tinham …

Rara moeda de ouro com a cara de Eduardo VIII vendida por preço recorde

Uma rara moeda de ouro com o perfil do rei britânico Edward VIII foi vendida a um comprador particular pelo valor recorde de 1,3 milhões de dólares. A informação é avançada pela Royal British Mint, a …

Depois dos incêndios, Austrália está prestes a experimentar uma "bonança" de aranhas mortais

Depois dos incêndios florestais que assolaram o país, os australianos começaram a implorar por chuva. O bónus de aranhas mortais não estava incluído no pedido, mas os especialistas do Australian Reptile Park acreditam que é …

Governo admite retirar cidadãos nacionais de Wuhan

As autoridades portuguesas estão a cooperar com outros países europeus para reforçar o apoio aos cidadãos nacionais que se encontram em Wuhan, onde ocorreram os primeiros casos do novo coronavírus, admitindo a possibilidade de retirá-los …

Os cogumelos podem ser muito mais antigos do que pensávamos

Os cogumelos podem ser mais antigos do que pensávamos, concluíram cientistas que dataram vestígios de micélio (constituinte dos cogumelos) com 800 milhões de anos, divulgou esta quarta-feira a Universidade Livre de Bruxelas, na Bélgica. Estudos anteriores …

Comer iogurte natural pode ajudar a reduzir o risco de cancro da mama

Uma das causas mais apontadas para o cancro da mama é a inflamação causada por bactérias nocivas. Esta tese ainda não foi provada, mas é apoiada pelas evidências até agora disponíveis de que a inflamação …

Primeiro caso suspeito de infeção por coronavírus detetado em Portugal

Foi detetado o primeiro caso suspeito de infeção infeção pelo novo coronavírus , em Portugal, anunciou este sábado a Direção-Geral de Saúde. “Este doente, regressado hoje [este sábado] da China, onde esteve na cidade de Wuhan …

Slava Semeniuta transforma chuva em atmosfera néon

O artista e fotógrafo russo Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, mistura elementos naturais e faz mágica com eles. Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, retoca fotografias de poças de água para criar composições …

Empresa quer vender dispositivos que extraiem água potável do ar

A empresa israelita Watergen está a planear começar a vender uma versão para o consumidor do seu aparelho que extrai água potável do ar ainda este ano. A tecnologia do gerador atmosférico da empresa está em …