Pedro Proença candidata-se à Liga

Sérgio Azenha / Lusa

O ex-árbitro Pedro Proença na apresentação da sua candidatura à presidência da Liga Portuguesa de Futebol Profissional

O ex-árbitro Pedro Proença na apresentação da sua candidatura à presidência da Liga Portuguesa de Futebol Profissional

O ex-árbitro internacional Pedro Proença anunciou esta quinta-feira, em Coimbra, ser candidato à presidência da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP).

Pedro Proença, com o lema “Credibilizar a Liga, criar valor, internacionalizar”, disputará a liderança da Liga com Luís Duque, presidente do organismo.

O prazo para entrega das candidaturas termina hoje, às 18h00, estando as eleições marcadas para terça-feira, 28 de julho.

Depois de “uma profunda reflexão e do resultado dos diversos contactos” que estabeleceu “nas últimas semanas”, o ex-árbitro internacional decidiu candidatar-se àquele lugar porque acredita que pode ser “uma solução de convergência”.

Com um projeto “rigoroso e de ambição”, que “assenta em três objetivos fundamentais” (profissionalizar, credibilizar e criar valor), Pedro Proença, que falava durante uma conferência de imprensa num hotel de Coimbra, afirmou que quer que a Liga “seja forte, coesa e que dignifique o futebol profissional português nas suas principais competições”.

Assegurando que a sua candidatura “não é contra ninguém” e que, se vencer, no dia seguinte às eleições não haverá vencedores, nem vencidos, “mas sim, um projeto conjunto que conta com todos”, Pedro Proença sublinhou que a sua candidatura “tem como matriz, um forte empenho de todos os clubes e para todos os clubes, sem exceção”, da primeira e segunda ligas de futebol.

Pedro Proença anunciou, por outro lado, que não apresentará “lista nem à Mesa da Assembleia Geral, nem ao Conselho Fiscal”, pois “estes são dois órgãos cuja constituição foi construída com base num bom trabalho de entendimento entre os clubes em 2014, o qual deve ser enaltecido e preservado”.

Do mesmo modo, para “o novo órgão nascido da revisão dos estatutos – o Conselho Jurisdicional” – Pedro Prença apresentará como candidato a presidente a mesma pessoa que presidia à anterior Comissão Arbitragem.

“Quero também deixar bem claro que não tenho a perspetiva de que os projetos devam nascer, necessariamente, de uma política de terra queimada”, salientou.

Mas há “muito a melhorar” e “muito a fazer”, advertiu.

Garantir a sustentabilidade do negócio“, “acompanhar os modelos de sucesso na Europa”, “criar uma nova identidade”, “definir um business plan mensurável e exequível”, “rentabilizar as várias vertentes do espetáculo”, “atrair mais público e mais patrocínios” são prioridades de Pedro Proença para “credibilizar o negócio futebol”.

O projeto do antigo árbitro assenta numa “estratégia e prioridades bem delineadas, que têm como objetivo central valorizar o espetáculo, aumentar o valor da marca ‘Futebol’ e a sua reputação, profissionalizando a oferta de forma a gerar mais receita para os clubes da primeira e segunda Liga”, afirmou.

“Repito: gerar mais receita!”, insistiu Pedro Proença, propondo-se, designadamente, “revitalizar a marca ‘futebol português’, enquanto negócio”, adequar a “estrutura profissional da Liga ao novo modelo de negócio” e “credibilizar o futebol nacional representando a sensibilidade dos clubes portugueses junto das instâncias internacionais”.

“O meu único compromisso é com o ‘clube Liga’ e com todos os seus associados por igual”, garantiu Pedro Proença.

Luís Duque formaliza recandidatura à Liga e critica Pedro Proença

Luís Duque apresentou também hoje a recandidatura à presidência da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), respondendo assim “ao repto dos clubes na Assembleia Geral e à moção de confiança apresentada”.

O presidente da LPFP afirmou ter recolhido assinaturas de 10 clubes, cinco da I Liga (Benfica, Belenenses, Boavista, Tondela e Braga) e outros tantos da II (Mafra, Oriental, Farense, Aves e Famalicão), para “simbolicamente espelhar a necessidade de ter competições mais fortes”.

Luís Duque criticou ainda a candidatura de Pedro Proença, considerando que “é algo que já acontece de forma tardia”.

“É uma candidatura que vem atrasada. Aquele tipo de discurso [de Pedro Proença] fazia mais sentido se fosse há 9 meses, quando a Liga estava falida e dividida. Neste momento, é uma entidade credível e está estabilizada financeiramente. O primeiro passo foi dado”, defendeu o dirigente.

Duque também criticou Proença por envolver “entidades terceiras” na decisão de avançar com a candidatura para a presidência da Liga, classificando a atitude como “preocupante”: “Consultou a APAF, as associações de treinadores e jogadores mas a Liga é dos clubes. Parece-me desajustado e preocupante que haja esse envolvimento em questões que só aos clubes dizem respeito”.

Luís Duque mostrou-se ainda surpreendido por não ter o apoio do FC Porto, que o apoiou em outubro.

“Terão as suas razões. A certa altura entenderam que o caminho a seguir devia ser outro. Mas estou surpreendido. Não é, de certeza, pelo trabalho que foi feito, não é pelos resultados que alcançámos, não é por termos conseguido a estabilidade financeira, não é por termos conseguido angariar os contratos que angariámos”, disse ainda.

Sobre o Sporting, que também apoia a candidatura de Pedro Proença e que não esperava ver Duque avançar caso aparecesse outro candidato apoiado pelo clube de Alvalade, o dirigente é perentório: “Assumi que era a minha obrigação, enquanto sócio do Sporting. Até que, infelizmente, me tiraram o cartão. Estou suspenso de sócio e, neste momento, lealdade nenhuma me liga a esta direção do Sporting”.

ZAP / Futebol365 / Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

DGS aconselha grávidas e bebés vegetarianos a tomarem suplementos

A Direção-geral da Saúde recomenda suplementos de vitaminas e minerais para bebés e grávidas com alimentação vegetariana e lembra que a dieta não omnívora no primeiro ano de vida deve estar sempre sob supervisão médica. "A …

Entre os boletins de voto dos emigrantes, também há cheques e contas da luz

Para exercer o seu direito de voto, os eleitores portugueses residentes no estrangeiro deveriam enviar de volta para Portugal a documentação que receberam em casa – um envelope verde com o boletim de voto, dentro …

Ryanair despede 432 trabalhadores em Espanha

A companhia aérea irlandesa Ryanair confirmou esta quarta-feira a sua intenção de despedir em Espanha 432 trabalhadores das suas bases de Girona e Canárias, 327 tripulantes de cabine e 105 pilotos, informou o sindicato USO. Num …

Eleições em Moçambique. Dados preliminares dão vitória a Nyusi

Segundo as projeções de resultados da Sala da Paz, de acordo com valores “preliminares” baseados na leitura dos editais pelos seus observadores, o atual Presidente moçambicano e candidato da Frelimo, Filipe Nyusi, terá sido reeleito …

"Quem acusou Sócrates tem de provar. Se não provar tem de ser punido"

O ex-Presidente brasileiro, Lula da Silva, defende punição de procuradores da Operação Marquês, caso a acusação contra José Sócrates seja arquivada. Esta terça-feira, em entrevista à RTP, Lula da Silva defendeu a punição dos procuradores que …

Na Saúde, Warren torna-se alvo de ataques. Mas o foco é "derrotar Trump"

O maior debate televisivo para umas eleições primárias na história dos EUA juntou 12 candidatos num só palco. Foi o primeiro debate para o qual o ex-vice-Presidente Joe Biden não partiu com vantagem, tendo a …

Trump sugere que os mexicanos são uma ameaça terrorista maior do que o Daesh

O Presidente Donald Trump sugeriu que os mexicanos são uma ameaça muito maior do que o Daesh. Respondendo uma vez mais às críticas sobre ter retirado as tropas dos Estados Unidos (EUA) junto à fronteira …

Grécia. Incêndio em campo de refugiados deixa 600 pessoas sem alojamento

Um incêndio no campo de identificação e registo de migrantes de Vathy, na ilha grega de Samos, deixou 600 refugiados sem alojamento, alertou na terça-feira a organização não-governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF). "Em Vathy, seis …

Lista candidata à Ordem dos Enfermeiros excluída por ter poucos homens

Uma das listas candidatas às eleições para a Ordem dos Enfermeiros foi excluída por ter poucos homens. A comissão eleitoral nomeada explica que a lista não respeita a lei da paridade, aprovada pela Assembleia da …

“É a desilusão”. PSD queria novos ministros na Saúde, Educação e Justiça

  O PSD defendeu esta quarta-feira que "não há um novo Governo", mas "uma remodelação com alargamento", com um executivo aumentado e "mais partidário", considerando "uma desilusão" a continuidade em pastas como Saúde, Educação e Justiça. "Não …