Patriarcado afasta de todas as funções padre suspeito de violação

1

Lawrence OP / Flickr

O Patriarcado de Lisboa revelou esta segunda-feira que afastou um sacerdote por ser suspeito de um “crime de violação”.

Em comunicado, o Patriarcado informou que “recebeu uma denúncia relativa a um possível crime de violação praticado por um sacerdote diocesano” e que o caso “não se enquadra no âmbito da Comissão de Proteção de Menores”, tendo sido “comunicado às autoridades civis competentes”.

De acordo com a CNN Portugal, a alegada vítima é uma mulher, não tendo, por isso, passado pela Comissão Independente para o Estudo de Abusos Sexuais contra Crianças na Igreja Católica em Portugal.

“Ouvida a vítima e o sacerdote, o Patriarcado de Lisboa decidiu dar início aos procedimentos canónicos previstos para este tipo de casos e afastou o padre de todas as suas funções até ao apuramento dos factos”, refere a mesma nota.

O Patriarcado se mostrou “disponível para colaborar com todas as autoridades competentes, tendo sempre como prioridade o apuramento da verdade e o acompanhamento das vítimas”.

O Ministério Público já abriu 10 inquéritos a partir das 17 denúncias anónimas reportadas por esta Comissão Independente, divulgou na semana passada a Procuradoria-Geral da República. Sete encontram-se em investigação e três foram arquivados – um por prescrição, outro porque se apurou que os factos já tinham sido julgados e alvo de condenação num outro processo e um terceiro por falta de provas.

Em julho, o Patriarcado anunciou ter afastado um padre de funções depois de ter tido conhecimento de “uma troca de mensagens contendo linguagem inapropriada”, remetendo o caso para a Comissão Diocesana de Proteção de Menores.

  ZAP //

1 Comment

  1. É só acusar e já se estraga a vida de um homem!..
    Não importa se é verdade ou não!..
    Quere fazer mal, faz se e nada acontece às mulheres!..
    As falsas acusações, que não sei se são ou não neste caso.. mas as consequências ele já as está a pagar!..
    É isto a justiça em Portugal?!
    A misandria e opressão ao homem?!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.