Pardal Henriques chega de trotinete e acusa Antram de subornos para furar greve

Carlos Barroso / Lusa

Pedro Pardal Henriques chegou de trotinete “por uma questão de poupar combustível”. O porta-voz dos motoristas acusou a Antram de subornos para furar a paralisação. António Costa avisou ainda que violação de eventual requisição civil é punida por lei.

O porta-voz dos motoristas de matérias perigosas, Pardal Henriques, chegou esta segunda-feira a Aveiras de Cima de trotinete para poupar combustível. “Como não sei o que é que se vai passar, viemos de trotinete, que é um veículo elétrico, mais amigo do ambiente, e por uma questão de poupar combustível“, disse aos jornalistas.

Pardal Henriques diz que não sabe quanto tempo vai durar a greve, admitindo apenas que vai durar “o tempo que for necessário”. Ainda sobre a sua chegada em duas rodas, o porta-voz justificou-se: “o combustível está escasso e tendo em conta os efeitos da greve não sabemos se o combustível chega ou não”.

O advogado acusou a associação de transportadores de mercadorias Antram de ter subornado os primeiros motoristas que saíram da freguesia da Azambuja para iniciarem funções no primeiro dia de greve.

“Os primeiros que saíram foram pessoas subornadas”, disse Pardal Henriques em Aveiras de Cima, onde estão reunidos vários motoristas para cumprir a greve que teve início hoje à meia-noite e de onde saíram os primeiros cinco camiões-cisterna com matérias perigosas, cerca das 06h30.

“Mais uma vez, a Antram não está a cumprir o que está combinado. Estão a subornar pessoas para quebrar os serviços mínimos”, afirmou Pardal Henriques aos jornalistas.

O sindicalista reiterou não ter tido acesso às escalas de motoristas que irão cumprir os serviços mínimos, referindo, no entanto, que vários motoristas acusam colegas de terem saído subornados para não fazerem greve.

“As responsabilidades serão apuradas, estamos a reunir provas e daqui a pouco faremos o ponto da situação”, afirmou, sublinhando que a situação “prejudica, mais uma vez, os trabalhadores”.

Em realiação, a Antram acusou o sindicato de não ter documentos que provem as alegadas pressões aos trabalhadores para que não trabalhassem. Pardal Henriques respondeu durante a manhã e diz que já tem “provas físicas” dos alegados subornos e que ainda hoje vai apresentá-las na Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho.

Os motoristas cumprem hoje o primeiro dia de uma greve marcada por tempo indeterminado e com o objetivo de reivindicar junto da associação patronal Antram o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

Camião barrado por manifestantes

Em Matosinhos, verificou-se o primeiro incidente desta greve, com um camião que se preparava para entrar na refinaria da Petrogal a ser barrado pelos manifestantes. Segundo o Observador, o camião não trazia o dístico dos serviços mínimos, mas apenas uma folha com essa indicação.

A GNR fez a escolta dos primeiros motoristas de matérias perigosas que saíram de Aveiras de Cima, tendo conseguido que “tudo funcionasse normalmente”, disse fonte daquela instituição.

De acordo com a mesma fonte, os primeiros cinco camiões-cisterna com matérias perigosas partiram da sede da CLC – Companhia Logística de Combustíveis, em Aveiras de Cima, concelho da Azambuja, distrito de Lisboa, para abastecer o aeroporto.

“A GNR escoltou os motoristas e funcionou tudo normalmente. Correu tudo em ordem”, garantiu.

Pardal Henriques admitiu que alguns motoristas em greve estão presentes nas rotundas que ficam à saída da CLC a “sensibilizar para a greve”, sublinhando estarem a fazer algo “perfeitamente legal e normal” e garantindo não estarem a ser feitas “quaisquer ameaças”.

Costa lança aviso e pede bom senso

O primeiro-ministro, António Costa, advertiu no domingo que as forças de segurança foram instruídas para assegurar o “devido sancionamento” em caso de incumprimento de uma eventual requisição civil, apelando para que impere o “bom senso”.

Caso os serviços mínimos decretados para a greve não sejam respeitados e a requisição civil for decretada, “a instrução que foi transmitida às forças de segurança é que a violação de uma eventual declaração de requisição civil não pode passar incólume”, anunciou António Costa.

O primeiro-ministro sublinhou que a violação da requisição civil “constitui crime de desobediência” e tem consequências legais previstas no código penal, apelando em seguida para que seja evitada “esta escalada” e para que “impere o bom senso”.

“Nós temos de evitar esta escalada e deve imperar o bom senso. E da mesma forma como, com grande razoabilidade o país respeita o direito constitucional à greve, é a mesma razoabilidade que o país tem o direito de exigir que é o cumprimento da lei, que atribui o direito à greve mas também o dever de cumprir os serviços mínimos e esse dever deve ser acatado por todos”, declarou, no final de uma reunião com o Gabinete Coordenador de Segurança, em Lisboa.

Segundo o artigo 348 do Código Penal, o crime de desobediência é punível “com pena de prisão até 1 ano ou com pena de multa até 120 dias” no caso da desobediência simples ou com pena de prisão de dois anos no caso de desobediência qualificada.

Admitindo alguma preocupação face à greve dos motoristas, António Costa manifestou confiança no “bom planeamento das diferentes forças e serviços” no sentido de “mitigar os efeitos que uma greve desta dimensão terá”.

“Estamos perante cenário novo que nunca foi testado e portanto isso não gera necessariamente tranquilidade, gera preocupação mas também a confiança de que com um bom planeamento as diferentes forças e serviços cumprirão as suas missões”, disse.

Assim, para além de assegurar “o devido sancionamento em caso de incumprimento de uma eventual requisição civil”, foram tomadas medidas para “assegurar a ordem nos diferentes pontos de consumo” e para “assegurar a segurança dos circuitos de distribuição”, prevendo-se que seja feita uma “avaliação permanente” da situação, tendo em conta que a greve foi convocada por tempo ilimitado.

Ao lado do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e da secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, Helena Fazenda, António Costa defendeu ser “necessário que todos respeitem” a lei da greve, com a qual o “país tem vivido” e que provou funcionar, considerou.

António Costa recusou que “seja exagerado” decretar serviços mínimos entre 50 e 100%, acrescentando que “se a greve se prolongar por tempo indeterminado, se [os serviços mínimos] não forem cumpridos”, será necessário que o governo “vá adotando as medidas necessárias, proporcionais, adequadas em função da realidade”.

Perante a ausência de acordo “entre as partes” e tratando-se de um “conflito entre privados”, António Costa afirmou esperar que todos tenham “a noção do prejuízo brutal que estão a criar ao país e à vida dos portugueses” e que acatem “o normal cumprimento da lei e os serviços mínimos tal como foram decretados”.

Na reunião, foi “confirmada a articulação com a autoridade nacional de segurança energética que permitirá assegurar sempre o abastecimento e garantir que as viaturas fundamentais estarão permanentemente abastecidas”.

Para além da rede de emergência, que contempla 300 postos, nos restantes, cerca de três mil, “vai haver metade do abastecimento do que é normal”, se forem cumpridos integralmente os serviços mínimos – de 50% para a rede global.

O primeiro-ministro voltou a considerar que “na sociedade portuguesa há uma enorme incompreensão e revolta” perante a situação, frisando que as reivindicações dos sindicatos devem ser medidas em função da “razoabilidade” porque está em causa uma “greve por causa de vencimentos de 2021 e 2022”.

Sindicato vai cumprir serviços mínimos

Depois de primeiramente ter ameaçado que não ia cumprir os serviços mínimos, o Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas recuou e confirma que vai continuar a cumprir com o decretado.

(cv) Já Não Dá Para Abastecer

Verde: disponível; amarelo: parcialmente disponível; vermelho: indisponível.

No entanto, Pedro Pardal Henriques disse aos jornalistas que os trabalhadores “ficam revoltados porque estão a ser limitados no seu direito à greve“. O porta-voz disse ainda, citado pelo Público, que espera que “o primeiro-ministro possa tomar providências para que isto não volte a acontecer”.

“Este aparato policial é inadmissível. Temos direito à greve. Está tudo montado de maneira a tirar-nos o poder de resposta”, disse um dos motoristas ao jornal.

Atualmente, de acordo com o site “Já Não Dá Para Abastecer“, há cerca de 461 bombas de gasolina sem combustível — cerca de 15,6% dos postos de abastecimento a nível nacional. O mesmo número de postos está parcialmente disponível, restando, por isso, 2.033 postos totalmente disponíveis.

O gasóleo é o mais afetado, estando esgotado em 807 postos até ao momento. A gasolina já esgotou em 587 postos, enquanto o GPL esgotou apenas em 62 postos de abastecimento.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

  1. Os motoristas ainda não perceberam que estão a ser completamente manipulados pelo Pardal! Que esse Dr. Pardal não tem estatura moral para liderar seja o que for, e muito menos um sindicato. E que isso lhes vai sair muito caro em termos de opinião pública, em termos de enfrentar as consequências duma requisição civil, em termos de remunerações perdidas, em termos dessa acumulação de prejuízos pessoais e familiares.
    Não se entende onde é que os motoristas têm a cabeça, para permitir tal protagonismo a tal pessoa.

    • Moral tem o advogado da entidade patronal, inscrito no partido socialista e tem o irmão no governo, como adjunto do Secretário de Estado da Economia. Este advogado sim, temos que lhe bater palmas, mas o outro não, temos que lhe dar umas cacetadas! Viva Portugal. Viva esta linda democracia!

      • Até ver o advogado da entidade patronal não foi condenado e não se lhe conhecem vigarices. Já o Pardal tem mais cadastro do que currículo! Será porventura um dos maiores charlatões que Portugal viu. Advogado formado em 2013 na lusófona e apenas inscrito na ordem de advogados em 2017. De lá para cá, em tão pouco tempo, acumulou diversas queixas e acusações de vigarice e burla.
        Teve um passado como patrão (!!!) que não deixou saudades nos empregados, e a empresa que geria entrou em insolvência. Foi condenado pelos tribunais por insolvência culposa. Repito: foi condenado pelos tribunais por INSOLVÊNCIA CULPOSA. Integra um sindicato de motoristas sem ser motorista e sem ter um camião.
        Este vigarista é realmente alguém que se destaca, pelas piores razões…

        Este triste país ainda anda a brincar ao pós 25 de Abril e a repetir as asneiras de uma esquerdalhada incompetente, mais fanática com ideologias falidas que qualquer outro fanático à face da terra, mais preocupada em destruir e a sabotar o esforço alheio do que a tomar iniciativa e a construir alguma coisa.
        Estranhamente (ou não), encontro alguma semelhanças entre o que está agora a acontecer e o ocorrido no relatado aqui (principalmente nos protagonistas, o Wilson e o Pardal):
        https://www.youtube.com/watch?v=_5CclUmWd5k

        • Ok, mas nunca esquecer que o outro advogado (inscrito no PS) anda a investir forte para que o partido o promova no próximo governo. Então isto é uma jogatana política entre dois contendores. E o governo à espera de sair por cima, nesta luta. E o Marcelo, como sempre, a ajudar. Como dizia o outro; Isto está porreiro, pá!

        • Em teoria, mais facilmente o Wilson pertenceria a um sindicato de motoristas do que o Pardal, pois parece que chegou a vender camiões, depois de ser proxeneta e ter sido preso por assaltar bancos e roubar carros. De resto, concordo com a comparação.

  2. A ser verdade o suborno a motoristas, afinal em que se fica hó sr. primeiro qualquer coisa, é só governar para esta esquerdalha miserável? Tenho dito

    • Força Pardal ! Dá cabo dessa seita governante que está a roubar e a destruir o país. Até o advogado da entidade patronal está filiado no PS e tem o irmão no governo (no ministério da Economia). Um governo de familiares e corruptos.

RESPONDER

A polícia holandesa achava que tinha em mãos o mafioso mais procurado da Europa. Afinal, era só um fã de F1

Um homem de Liverpool de 54 anos pensava que o grande evento da sua viagem aos Países Baixos seria assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1, mas acabou detido numa prisão de alta segurança por …

Cobertura global de corais caiu para metade desde 1950, revela relatório

A cobertura global de recifes de coral caiu para metade desde 1950, cenário originado pelo aquecimento global, pesca excessiva, poluição e destruição de habitats naturais, revelou uma análise divulgada esta sexta-feira. Desde a Grande Barreira de …

O sonho de Christo concretizou-se, 60 anos depois. O Arco do Triunfo foi embrulhado como um presente

Já desde o início dos anos 60 que Christo imaginava como seria cobrir o Arco do Triunfo em tecido. A sua visão foi finalmente concretizada e pode ser visitada entre 18 de Setembro e 3 …

Holanda. Ministra da Defesa renuncia devido à crise de evacuação do Afeganistão

Após a ministra das Relações Externas holandesa, Sigrid Kaag, renunciar devido ao desastre da evacuação do Afeganistão, esta sexta-feira foi a vez da ministra da Defesa, Ank Bijleveld. Segundo relatou o Guardian, acredita-se que os ministros …

Tribunal da África do Sul recusa anular pena de prisão do ex-Presidente Jacob Zuma

O mais alto tribunal da África do Sul rejeitou o pedido do ex-Presidente Jacob Zuma para anular a sua sentença de 15 meses de prisão por não comparecer a uma sessão de inquérito por corrupção. Em …

EUA. Advogado planeou o próprio assassinato para o filho receber seguro. Foi detido por fraude

Um influente advogado norte-americano, cuja esposa e um dos filhos foram assassinados, foi acusado de fraude contra uma empresa de seguros e falso testemunho por organizar o seu próprio assassinato. Segundo avançou a agência France-Presse, …

Norberto Mourão conquista bronze nos Mundiais de canoagem adaptada

Norberto Mourão já tinha conquistado o bronze nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e junta agora mais uma medalha à colecção, desta vez nos Mundiais de canoagem adaptada. O atleta de canoagem adaptada Norberto Mourão conquistou hoje …

Caso George Floyd. Polícia condenado a 22 anos de prisão pode ver a sentença revertida

A intervenção do Supremo Tribunal do Minnesota num outro caso de violência policial para reduzir a pena de um agente pode abrir um precedente para que haja alterações na sentença de Derek Chauvin. Segundo avança a …

Futebol português contra Campeonato do Mundo de dois em dois anos

O futebol português está contra a intenção da FIFA de aumentar a periodicidade do Campeonato do Mundo, passando de quatro para de dois em dois anos, refere um comunicado conjunto divulgado hoje. O documento, assinado pela …

Governo quer proibir empresas de recorrer ao 'outsourcing' após despedimento coletivo

O Governo quer proibir as empresas que façam despedimentos coletivos de recorrerem ao 'outsourcing' (contratação externa) durante os 12 meses seguintes, disse hoje a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. No final …