Paraplégicos voltam a andar com a ajuda de estimulação elétrica

Universidade de Louisville

Kelly Thomas foi uma das participantes que conseguiu andar com a ajuda de um andarilho

Um homem de 29 anos ficou paraplégico em 2013 após um acidente na neve. Agora, e graças a um tratamento que combina estimulação elétrica na espinal medula com reabilitação, conseguiu voltar a andar.

E o caso não é único, duas outras pessoas conseguiram voltar andar, ainda com ajuda, graças a esta nova terapia. Os três casos de sucesso foram relatados em artigos científicos publicados na New England e no Journal of Medicine.

O caso específico deste homem foi anunciado nesta semana numa publicação na Nature que revela que um elétrodo implantado na coluna é capaz de enviar mensagens elétricas para que os membros inferiores se movam.

Ou seja, esta estimulação – sempre associada à reabilitação – significa que os neurónios localizados abaixo do ferimento na medula continuam a funcionar mesmo que se tenham passados vários anos desde de a paralisia.

Antes de proceder ao implante, este homem passou por 22 semanas de fisioterapia, de forma a descartar qualquer melhora que não fosse exclusiva da estimulação elétrica. Depois de todos estes meses, o paciente não apresentou melhoras nas capacidades locomotoras, seguindo-se, por isso, para o implante.

Depois, uma equipe de neuro-cirurgiões implantou o elétrodo, que foi aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) – a agência que regula medicamentos e equipamentos médicos nos Estados Unidos.

O elétrodo em causa foi desenvolvido para aliviar dores, mas ainda não tinha sido testado em pessoas com paraplegia. Com a ajuda de um controle sem fios, a equipa médica conseguiu aplicar pulsos de corrente elétrica diretamente na sua medula.

“Passos de bebé”

Apesar de bem sucedido, este foi um processo longe. Durante 113 sessões de reabilitação distribuídas em 43 semanas, os investigadores testaram várias combinações de estímulos elétricos e outras variáveis. Pouco a pouco, o homem conseguiu mover as suas pernas.

Inicialmente, o paciente precisava de ver as suas pernas ao espelho para conseguir controlá-las, uma vez que apesar da estimulação elétrica, o homem continuava sem ter a sensação do tato abaixo da lesão medular.

Depois de muito trabalho, o homem conseguiu dar 331 passos recorrendo à ajuda de um andador com rodas na frente – esta distância equivale ao comprometo de um campo de futebol. Quando o elétrodo era desligado, o paciente perdia a capacidade de mexer as pernas – confirmando-se assim que as melhoras eram provenientes do equipamento.

Kendall Lee, neurocirurgião que participou no procedimento, explicou que a equipa está ainda a estuda por que motivo o elétrodo funciona. Um outro paciente já recebeu o implante, mas é ainda muito cedo para avaliar os resultados.

Outros casos de sucesso

Num estudo paralelo, outra equipa de investigadores conseguiu resultados semelhantes recorrendo ao mesmo estimulador utilizado para tratar dores. Este trabalho foi publicado esta semana na revista New England Journal of Medicine e envolveu profissionais da Universidade de Louisville em Kentucky, nos Estados Unidos.

Neste artigo, foram relatos casos de quatro pacientes. Todos os pacientes foram capazes de voltar a andar, sendo que dois não precisam de nenhuma ajuda externa, conseguindo andar no chão.

O artigo mostra que o estimulo elétrico aplicado na coluna, quando combinado com um programa de treino bastante especializado e intensivo, pode reeducar o corpo para voltar a movimentar as pernas.

Universidade de Louisville

Equipa de investigadores de Louisville com dois dos participantes, Kelly Thomas (paciente), Claudia Angeli (investigadora), Jeff Marquis (paciente) e Susan Harkema (paciente)

Neste treino, a equipe envolvida na pesquisa movimenta as pernas do paciente de forma bastante específica para sinalizar à medula que pode agir. “Os treinadores movimentam as pernas em padrões especiais que imitam uma caminhada”, explica Susan Harkema, que lidera o centro de pesquisa da universidade sobre ferimentos na medula.

Depois, o paciente e colocado numa passadeira, onde os exercícios continuam. Mais tarde, os pacientes podem caminhar no chão, com a ajudar de andadores. “A medula pode reaprender a andar de forma independente”, explicou a investigadora.

O chefe de cozinha Jeff Marquis, agora com 35 anos, é um dos casos de sucesso. Aos 28 anos, Jeff sofreu um acidente com uma bicicleta de montanha, ficando paralisado do pescoço para baixo, com um pouco de movimento nos braços e pulsos.

Antes do implante, o cozinheiro precisava de ajuda para se levantar da cama todas as manhãs, mas agora consegue realizar as suas tarefas rotineiras sem precisar de a ajuda de ninguém. Jeff até já cozinha sozinho, recorrendo a equipamentos especialmente desenhados para si. “Mais cedo ou mais tarde vou ter que voltar para a universidade para começar uma nova carreira”, disse.

PARTILHAR

RESPONDER

Se quer um coração saudável, desligue a televisão e tome um bom pequeno-almoço

É conhecida como a refeição mais importante do dia e não é por acaso. Os hábitos de vida que seguimos diariamente têm um impacto direto na nossa saúde vascular. Numa investigação recentemente apresentada na reunião anual …

Determinada temperatura das bebidas que aumenta risco de cancro

Cientistas da Universidade de Ciências Médicas de Teerão publicaram novas provas sobre a relação entre o consumo de bebidas quentes e o cancro do esófago. De acordo com o estudo publicado na revista International Journal of …

Descobertos 83 buracos negros supermassivos no Universo inicial

Astrónomos do Japão, de Taiwan e dos EUA descobriram 83 quasares alimentados por buracos negros supermassivos no universo distante, numa época em que o Universo tinha menos de 10% da sua idade atual. "É notável que …

Joy Milne consegue cheirar a doença de Parkinson antes de ser diagnosticada

Atualmente, não existe nenhum teste diagnóstico definitivo para o Parkinson, mas isso pode mudar graças a Joy Milne, uma mulher que consegue detetar a doença antes que os sintomas apareçam. Parece demasiado bizarro para ser verdade, …

Filho de José Eduardo dos Santos libertado da prisão. Estava preso desde setembro de 2018

O antigo presidente do Fundo Soberano de Angola, José Filomeno dos Santos, que se encontrava em prisão preventiva desde 24 de setembro de 2018, encontra-se já em liberdade, disse hoje à agência Lusa fonte oficial. A …

Naufrágio no Nilo é a primeira prova de que Heródoto não estava a mentir sobre os barcos egípcios

Um navio naufragado encontrado no rio Nilo pode ter permanecido inalterado durante mais de 2.500 anos. Agora, está finalmente a revelar os seus segredos: cientistas pensam que este navio revelou uma estrutura cuja existência tem …

A gravidade influencia a maneira como tomamos decisões

Todo e qualquer organismo vivo na Terra evoluiu a longo de milhares de anos sob um campo gravitacional constante, com a gravidade desempenhando um papel fundamental no comportamento e na cognição humana. Um estudo recente publicado …

"Atentado" na Disneyland Paris era apenas uma avaria nas escadas rolantes

Por volta das 21h00 em Paris, produziu-se um movimento de pânico na Disney Village, no parque de diversões francês da Disney. Rapidamente se multiplicaram mensagens sobre um "atentado". Ao jornal belga DH, uma fonte afirmou que …

Cientistas alargam limites físicos do grafeno

Até onde vão os limites físicos do grafeno? Uma equipa de cientistas do Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), em Braga, respondeu a esta questão e desafiou-os. Uma equipa de investigadores dos Departamentos de Materiais Quânticos …

Ilusionista britânico diz que vai travar o Brexit com o poder da mente

Uri Geller é um ilusionista israelista, com nacionalidade britânica, que se tornou famoso nos anos 1970 em programas de televisão em que realizava demonstrações dos seus alegados poderes paranormais. Agora, Geller deixa um aviso a Theresa …