Paraplégicos voltam a andar com a ajuda de estimulação elétrica

Universidade de Louisville

Kelly Thomas foi uma das participantes que conseguiu andar com a ajuda de um andarilho

Um homem de 29 anos ficou paraplégico em 2013 após um acidente na neve. Agora, e graças a um tratamento que combina estimulação elétrica na espinal medula com reabilitação, conseguiu voltar a andar.

E o caso não é único, duas outras pessoas conseguiram voltar andar, ainda com ajuda, graças a esta nova terapia. Os três casos de sucesso foram relatados em artigos científicos publicados na New England e no Journal of Medicine.

O caso específico deste homem foi anunciado nesta semana numa publicação na Nature que revela que um elétrodo implantado na coluna é capaz de enviar mensagens elétricas para que os membros inferiores se movam.

Ou seja, esta estimulação – sempre associada à reabilitação – significa que os neurónios localizados abaixo do ferimento na medula continuam a funcionar mesmo que se tenham passados vários anos desde de a paralisia.

Antes de proceder ao implante, este homem passou por 22 semanas de fisioterapia, de forma a descartar qualquer melhora que não fosse exclusiva da estimulação elétrica. Depois de todos estes meses, o paciente não apresentou melhoras nas capacidades locomotoras, seguindo-se, por isso, para o implante.

Depois, uma equipe de neuro-cirurgiões implantou o elétrodo, que foi aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) – a agência que regula medicamentos e equipamentos médicos nos Estados Unidos.

O elétrodo em causa foi desenvolvido para aliviar dores, mas ainda não tinha sido testado em pessoas com paraplegia. Com a ajuda de um controle sem fios, a equipa médica conseguiu aplicar pulsos de corrente elétrica diretamente na sua medula.

“Passos de bebé”

Apesar de bem sucedido, este foi um processo longe. Durante 113 sessões de reabilitação distribuídas em 43 semanas, os investigadores testaram várias combinações de estímulos elétricos e outras variáveis. Pouco a pouco, o homem conseguiu mover as suas pernas.

Inicialmente, o paciente precisava de ver as suas pernas ao espelho para conseguir controlá-las, uma vez que apesar da estimulação elétrica, o homem continuava sem ter a sensação do tato abaixo da lesão medular.

Depois de muito trabalho, o homem conseguiu dar 331 passos recorrendo à ajuda de um andador com rodas na frente – esta distância equivale ao comprometo de um campo de futebol. Quando o elétrodo era desligado, o paciente perdia a capacidade de mexer as pernas – confirmando-se assim que as melhoras eram provenientes do equipamento.

Kendall Lee, neurocirurgião que participou no procedimento, explicou que a equipa está ainda a estuda por que motivo o elétrodo funciona. Um outro paciente já recebeu o implante, mas é ainda muito cedo para avaliar os resultados.

Outros casos de sucesso

Num estudo paralelo, outra equipa de investigadores conseguiu resultados semelhantes recorrendo ao mesmo estimulador utilizado para tratar dores. Este trabalho foi publicado esta semana na revista New England Journal of Medicine e envolveu profissionais da Universidade de Louisville em Kentucky, nos Estados Unidos.

Neste artigo, foram relatos casos de quatro pacientes. Todos os pacientes foram capazes de voltar a andar, sendo que dois não precisam de nenhuma ajuda externa, conseguindo andar no chão.

O artigo mostra que o estimulo elétrico aplicado na coluna, quando combinado com um programa de treino bastante especializado e intensivo, pode reeducar o corpo para voltar a movimentar as pernas.

Universidade de Louisville

Equipa de investigadores de Louisville com dois dos participantes, Kelly Thomas (paciente), Claudia Angeli (investigadora), Jeff Marquis (paciente) e Susan Harkema (paciente)

Neste treino, a equipe envolvida na pesquisa movimenta as pernas do paciente de forma bastante específica para sinalizar à medula que pode agir. “Os treinadores movimentam as pernas em padrões especiais que imitam uma caminhada”, explica Susan Harkema, que lidera o centro de pesquisa da universidade sobre ferimentos na medula.

Depois, o paciente e colocado numa passadeira, onde os exercícios continuam. Mais tarde, os pacientes podem caminhar no chão, com a ajudar de andadores. “A medula pode reaprender a andar de forma independente”, explicou a investigadora.

O chefe de cozinha Jeff Marquis, agora com 35 anos, é um dos casos de sucesso. Aos 28 anos, Jeff sofreu um acidente com uma bicicleta de montanha, ficando paralisado do pescoço para baixo, com um pouco de movimento nos braços e pulsos.

Antes do implante, o cozinheiro precisava de ajuda para se levantar da cama todas as manhãs, mas agora consegue realizar as suas tarefas rotineiras sem precisar de a ajuda de ninguém. Jeff até já cozinha sozinho, recorrendo a equipamentos especialmente desenhados para si. “Mais cedo ou mais tarde vou ter que voltar para a universidade para começar uma nova carreira”, disse.

PARTILHAR

RESPONDER

"Nova Expo". 300 milhões para requalificar zona ribeirinha entre Pedrouços e Cruz Quebrada

O projeto que vai requalificar a zona ribeirinha entre Pedrouços e Cruz Quebrada conta com um investimento de 300 milhões de euros. À zona ocidental de Lisboa já lhe chamam de "nova Expo". A zona ribeirinha …

Descoberta imensidão de tesouros arqueológicos ao largo da Galiza. São mais de 1.600 objetos

Trabalhos de arqueologia subaquática ao largo das costas galegas permitiram descobrir nas últimas três décadas um total de 1600 objetos arqueológicos. As peças afundaram-se ao longo dos séculos durante inúmeros naufrágios e ali se foram acumulando. …

27 anos depois, Clã anunciam saída de dois elementos

Mais de um quarto do século após a sua formação, a banda do Porto vê dois dos seus elementos fundadores partirem. Os Clã anunciaram a saída de dois dos seus elementos através de um comunicado publicado …

Reduzir o uso de ar condicionado pode ajudar a salvar vidas

Há muitas pessoas a precisar da ajuda preciosa do ar condicionado para sobreviver a temperaturas cada vez mais altas. Contudo, aquele que pensamos ser o nosso maior aliado pode ser, na verdade, o nosso pior …

Porto vai ter policiamento gratificado em "zonas particularmente sensíveis"

Rui Moreira diz que nos últimos 20 anos não houve investimento na polícia e afirma que o espaço público "não pode ser apropriado por gangues". O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, anunciou esta segunda-feira …

Altos níveis de ferro associados a um menor risco de doença cardíaca

Diferentes níveis de ferro podem ter efeitos dispares na nossa saúde. Uma equipa de cientistas descobriu uma associação entre altos níveis de ferro e um menor risco de doença cardíaca. A tarefa não foi propriamente fácil …

Quénia. Ministro das Finanças preso por suborno e fraude

O Ministro das Finanças do Quénia, Henry Rotich, e vários funcionários do seu ministério foram presos esta segunda-feira por suborno e fraude num projeto de construção de duas barragens que envolve milhões de dólares. Em declarações …

Ursula Von der Leyen promete enfrentar líderes e recusar nomes para garantir Comissão paritária

Minutos depois da votação do seu nome no Parlamento Europeu em Estrasburgo, as primeiras palavras da presidente eleita da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, foram dedicadas aos líderes que a escolheram. Prometeu "trabalhar construtivamente …

"Os relatos de que o Irão deteve espiões da CIA são totalmente falsos"

Irão afirma que deteve 17 alegados espiões da CIA e que alguns foram condenados à morte. Esta segunda-feira, Donald Trump disse que os relatos são "apenas mais mentiras e propaganda". O Presidente dos Estados Unidos, Donald …

Base de dados de perfis de ADN conseguiu mais de 11 mil amostras em oito anos

A base de dados de perfis de ADN para fins de investigação criminal e identificação civil inseriu 11.774 amostras em quase oito anos, sendo a maioria de condenados, segundo o relatório de 2018 sobre o …