Paraplégicos voltam a andar com a ajuda de estimulação elétrica

Universidade de Louisville

Kelly Thomas foi uma das participantes que conseguiu andar com a ajuda de um andarilho

Um homem de 29 anos ficou paraplégico em 2013 após um acidente na neve. Agora, e graças a um tratamento que combina estimulação elétrica na espinal medula com reabilitação, conseguiu voltar a andar.

E o caso não é único, duas outras pessoas conseguiram voltar andar, ainda com ajuda, graças a esta nova terapia. Os três casos de sucesso foram relatados em artigos científicos publicados na New England e no Journal of Medicine.

O caso específico deste homem foi anunciado nesta semana numa publicação na Nature que revela que um elétrodo implantado na coluna é capaz de enviar mensagens elétricas para que os membros inferiores se movam.

Ou seja, esta estimulação – sempre associada à reabilitação – significa que os neurónios localizados abaixo do ferimento na medula continuam a funcionar mesmo que se tenham passados vários anos desde de a paralisia.

Antes de proceder ao implante, este homem passou por 22 semanas de fisioterapia, de forma a descartar qualquer melhora que não fosse exclusiva da estimulação elétrica. Depois de todos estes meses, o paciente não apresentou melhoras nas capacidades locomotoras, seguindo-se, por isso, para o implante.

Depois, uma equipe de neuro-cirurgiões implantou o elétrodo, que foi aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) – a agência que regula medicamentos e equipamentos médicos nos Estados Unidos.

O elétrodo em causa foi desenvolvido para aliviar dores, mas ainda não tinha sido testado em pessoas com paraplegia. Com a ajuda de um controle sem fios, a equipa médica conseguiu aplicar pulsos de corrente elétrica diretamente na sua medula.

“Passos de bebé”

Apesar de bem sucedido, este foi um processo longe. Durante 113 sessões de reabilitação distribuídas em 43 semanas, os investigadores testaram várias combinações de estímulos elétricos e outras variáveis. Pouco a pouco, o homem conseguiu mover as suas pernas.

Inicialmente, o paciente precisava de ver as suas pernas ao espelho para conseguir controlá-las, uma vez que apesar da estimulação elétrica, o homem continuava sem ter a sensação do tato abaixo da lesão medular.

Depois de muito trabalho, o homem conseguiu dar 331 passos recorrendo à ajuda de um andador com rodas na frente – esta distância equivale ao comprometo de um campo de futebol. Quando o elétrodo era desligado, o paciente perdia a capacidade de mexer as pernas – confirmando-se assim que as melhoras eram provenientes do equipamento.

Kendall Lee, neurocirurgião que participou no procedimento, explicou que a equipa está ainda a estuda por que motivo o elétrodo funciona. Um outro paciente já recebeu o implante, mas é ainda muito cedo para avaliar os resultados.

Outros casos de sucesso

Num estudo paralelo, outra equipa de investigadores conseguiu resultados semelhantes recorrendo ao mesmo estimulador utilizado para tratar dores. Este trabalho foi publicado esta semana na revista New England Journal of Medicine e envolveu profissionais da Universidade de Louisville em Kentucky, nos Estados Unidos.

Neste artigo, foram relatos casos de quatro pacientes. Todos os pacientes foram capazes de voltar a andar, sendo que dois não precisam de nenhuma ajuda externa, conseguindo andar no chão.

O artigo mostra que o estimulo elétrico aplicado na coluna, quando combinado com um programa de treino bastante especializado e intensivo, pode reeducar o corpo para voltar a movimentar as pernas.

Universidade de Louisville

Equipa de investigadores de Louisville com dois dos participantes, Kelly Thomas (paciente), Claudia Angeli (investigadora), Jeff Marquis (paciente) e Susan Harkema (paciente)

Neste treino, a equipe envolvida na pesquisa movimenta as pernas do paciente de forma bastante específica para sinalizar à medula que pode agir. “Os treinadores movimentam as pernas em padrões especiais que imitam uma caminhada”, explica Susan Harkema, que lidera o centro de pesquisa da universidade sobre ferimentos na medula.

Depois, o paciente e colocado numa passadeira, onde os exercícios continuam. Mais tarde, os pacientes podem caminhar no chão, com a ajudar de andadores. “A medula pode reaprender a andar de forma independente”, explicou a investigadora.

O chefe de cozinha Jeff Marquis, agora com 35 anos, é um dos casos de sucesso. Aos 28 anos, Jeff sofreu um acidente com uma bicicleta de montanha, ficando paralisado do pescoço para baixo, com um pouco de movimento nos braços e pulsos.

Antes do implante, o cozinheiro precisava de ajuda para se levantar da cama todas as manhãs, mas agora consegue realizar as suas tarefas rotineiras sem precisar de a ajuda de ninguém. Jeff até já cozinha sozinho, recorrendo a equipamentos especialmente desenhados para si. “Mais cedo ou mais tarde vou ter que voltar para a universidade para começar uma nova carreira”, disse.

PARTILHAR

RESPONDER

Carles Puigdemont entregou-se às autoridades belgas

O ex-presidente da Generalitat Carles Puigdemont apresentou-se voluntariamente às autoridades belgas na sequência do mandado de detenção emitido pelo Tribunal Supremo de Espanha, disseram à EFE fontes ligadas ao político catalão. Na passada segunda-feira segunda-feira, o …

O muco tem a capacidade secreta de dominar germes

https://vimeo.com/366782239 O nosso corpo está repleto de muco, e isto não se explica apenas pela chegada do outono. Um estudo recente demonstrou uma das inesperadas propriedades benéficas do muco: contém açúcares que controlam os germes potencialmente …

Cientistas desenvolvem "corda de guitarra" que toca sozinha

Cientistas da Universidade de Lancaster e da Universidade de Oxford, no Reino Unido, desenvolveram um circuito nanoeletrónico que vibra sem nenhuma força externa. Usando um pequeno cabo suspenso, muito semelhante a uma corda de guitarra, a …

Hubble capta a imagem mais nítida do primeiro cometa interestelar confirmado

O Hubble conseguiu captar uma fotografia de 2I/Borisov, o primeiro cometa interestelar até agora detetado, avançou a NASA, que opera o telescópio espacial. De acordo com a nota divulgada pela agência espacial norte-americana, a fotografia …

Alverca 2-0 Sporting | Leões desinspirados afastados da Taça pelo Alverca

O Alverca surpreendeu hoje o Sporting com uma vitória por 2-0, na terceira eliminatória da Taça de Portugal, tornando-se no primeiro grande «tomba-gigantes» da competição ao afastar o atual detentor do troféu. Alex Apolinário, aos 10 …

A Barbie também arrenda casa no Airbnb

A boneca mais famosa do mundo celebra 60 anos. Agora, a empresa que produz a Barbie, a Matel, tornou a boneca uma anfitriã no Airbnb e vai arrendar uma mansão à beira-mar em Malibu, na …

Os primeiros bebés podem nascer no Espaço daqui a 12 anos

A empresa SpaceBorn United pretende realizar missões espaciais entre 24 e 36 horas para que algumas mulheres dêem à luz em órbita dentro de 12 anos. A notícia é avançada pelo fundador e CEO da empresa, …

Japão importou cinco vírus mortais, incluindo Ebola, por causa de Tóquio 2020

Com os Jogos Olímpicos à porta, um laboratório japonês decidiu importar cinco vírus mortais, nomeadamente Ebola, para fazer frente a um eventual surto durante a competição que vai levar ao país mais de 600 mil …

Empresa anónima quer os direitos do seu rosto para construir robôs (e paga 115 mil euros)

Uma empresa privada anónima está a oferecer 115 mil euros pelos direitos de usar o seu rosto numa nova linha de robôs humanóides. A empresa quer usar a imagem para dar uma cara a um robô …

Empresa está a vender vinho (com flocos de ouro) para celebrar o Brexit

Quando o Reino Unido abandonar a União Europeia, uma saída programada para 31 de outubro, é provável que as pessoas celebrem com um vinho especial com flocos de ouro. Para aqueles que querem celebrar a saída …