A probabilidade de os extraterrestres existirem nas estrelas binárias é maior

ESO

Equipa desenvolveu simulações por computador com base nestas observações, de forma a poder mapear a forma como os planetas podem ter evoluído.

Quase metade de todas as estrelas do tamanho do Sol observadas até agora são binárias, o que significa que uma estrela do tamanho do Sol e outra estrela orbitam um centro de massa comum, enquanto os exoplanetas orbitam os dois gigantes.

Agora, um novo estudo dos investigadores da Universidade de Copenhaga sugere que os planetas que orbitam as estrelas binárias formam uma órbita muito diferente da Terra e dos outros planetas que orbitam estrelas únicas. A nova pesquisa fornece também novas perspetivas na procura por vida extraterrestre.

A investigação foi conduzida através de observações de uma estrela binária feitas pelos telescópios ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array) no Chile. O sistema binário em causa, chamado NGC 1333-IRAS2A, está localizado a 1.000 anos-luz da Terra e a equipa da Universidade de Copenhaga descobriu que o sistema está rodeado por um disco constituído por gás e poeira.

A equipa desenvolveu simulações por computador com base nestas observações, de forma a poder mapear a forma como os planetas podem ter evoluído em torno deste tipo de sistema, esperando que futuras observações sejam capazes de corroborar as suas descobertas.

“É emocionante, uma vez que a procura de vida extraterrestre será equipada com vários instrumentos novos e extremamente poderosos nos próximos anos. Isto aumenta a importância de compreender como os planetas são formados em torno de diferentes tipos de estrelas”, explicou Jes Kristian Jørgensen, do Instituto Niels Bohr, pertencente à Universidade de Copenhaga, o chefe do projeto.

As simulações mostraram que o movimento de gás e poeira provavelmente não segue um padrão contínuo. Durante longos períodos de tempo, a estrela poderia tornar-se muito mais brilhante, sugerindo que o movimento de poeira é mais forte. Tal comportamento deve-se provavelmente ao facto de a gravidade da articulação das estrelas binárias afetar o disco de gás e poeira de forma diferente, dependendo da sua proximidade entre si. Quando é mais forte, provoca a queda de uma enorme quantidade de material em direção às estrelas.

“O material em queda provocará um aquecimento significativo. O calor tornará a estrela muito mais brilhante do que o habitual”, descreve Postdoc Rajika L. Kuruwita, Instituto Niels Bohr, segundo autor do estudo. “Estas rajadas irão despedaçar o disco de gás e poeira”. Enquanto o disco se vai reconstruir, as rajadas podem ainda influenciar a estrutura do sistema planetário posterior“.

Não se formaram planetas em torno do sistema estelar binário NGC 1333-IRAS2A, embora os investigadores da Universidade de Copenhaga esperem estudar mais observações ALMA de sistemas estelares semelhantes. Também explicaram que se concentrarão nos cometas, uma vez que estes desempenham um papel importante na evolução da vida nos planetas.

“Os comprimentos de onda cobertos pela ALMA permitem ver moléculas orgânicas bastante complexas, portanto moléculas com 9-12 átomos e contendo carbono”, explicou Kristian Jørgensen. “Estas moléculas podem ser blocos de construção para moléculas mais complexas que são fundamentais para a vida tal como a conhecemos”. Por exemplo, os “aminoácidos que têm sido descobertos em cometas”.

A rede ALMA é composta por 66 telescópios que funcionam em coordenação, permitindo uma resolução muito mais alta do que seria possível utilizando um único telescópio. O Telescópio Espacial James Webb juntar-se-á em breve também à procura de vida extraterrestre, e a ele juntar-se-ão o ELT (European Large Telescope) e o SKA (Square Kilometer Array), ambos programados para começarem a observar o cosmos em 2027.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.