Painéis solares na Lua podem fornecer energia à Terra

Justin Lewis-Weber / New Space

Conceito artístico do funcionamento de painéis solares construídos na Lua a enviar energia para a Terra

Conceito artístico do funcionamento de painéis solares construídos na Lua a enviar energia para a Terra

A solução para o aquecimento global e a escassez energética na Terra pode mesmo estar lá fora – não propriamente em civilizações alienígenas ou em asteróides com minérios super-poderosos, mas na energia do Sol a ser absorvida por painéis solares instalados na superfície da Lua.

A ideia é revolucionária e não se fica por aqui. Além de transmitir a energia, de forma contínua, para o nosso planeta, ais painéis seriam auto-replicáveis — ou seja, reproduzir-se-iam de forma autónoma.

Estas ideias foram apresentadas pelo veterano professor Justin Lewis-Weber num artigo científico publicado na revista New Space.

Apesar de não ser propriamente nova, a ideia de módulos no espaço a enviar energia para a Terra — que já tinha sido pensada na década de 70, durante a crise do petróleo — tem agora mais condições tecnológicas para sair do papel.

O Sol é uma das opções mais abundantes de energia para os seres humanos, mas manter painéis solares na superfície da Terra nem sempre é bom negócio.

Isso porque às vezes é noite – e às vezes o céu está nublado, impedindo uma melhor absorção dos raios solares.

Para contornar estes contratempos, a melhor solução seria enviar todo o sistema de recolha de energia solar para o espaço.

Porque em órbita, o céu nunca está nublado.

Uma vez em órbita, seria usado um sistema de micro-ondas para enviar a energia para receptores, posicionados na Terra, sem necessidade de quaisquer cabos.

“O sistema seria dimensionado de modo a não exceder as densidades seguras de energia”, explica à Popular Science o engenheiro electrónico Paul Jaffe, investigador do U.S. Naval Research Lab e autor de um outro projecto de painéis solares no espaço

Jaffe garante que as micro-ondas “não causariam qualquer tipo de dano aos terrestres” cá em baixo.

Tal como a própria Lua, o equipamento instalado na superfície lunar não provocaria qualquer sombra na Terra  – expecto em pequenas áreas, quando ocorre um eclipse.

Apesar de uma óptima ideia, enviar painéis solares para a Lua não seria nada barato.

Mas é aí que entra a ideia revolucionária de Lewis-Weber: criar painéis-robôs que se replicam de maneira autónoma, com um custo inicial elevado mas que se revelaria a prazo um projecto viável e relativamente barato.

Para tal, os robôs “pioneiros”, os primeiros a chegar, iriam minerar o solo lunar em busca de materiais como ferro, alumínio e silício, para construir as suas réplicas.

Para a ideia ser viável, o professor aposta ainda na maior simplificação possível dos painéis. “Em vez de ter mil tipos diferentes de parafusos, vamos ter apenas cinco”, comenta o professor.

“E em vez de ter moldes diferentes para partes diferentes, vamos usar uma impressora 3D”, acrescenta.

Por vezes, as melhores ideias do Mundo têm que esperar umas décadas pelas tecnologias que as tornam viáveis.

ZAP / CanalTech

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Se não gastassem energia em merd que servem apenas para encher
    o CU aos capitalistas, a energia sobrava… e muito….

RESPONDER

O Lamborghini mais potente acelera dentro de água. É um iate com 4.000 cavalos

O resultado da primeira colaboração entre a a Lamborghini e os especialistas da Tecnomar é um iate de luxo, com 4.000 cavalos que recria a sensação de condução de um superdesportivo dentro de água. O mais …

Aproxima-se o lançamento do rover Perseverance

O rover Perseverance da NASA está a menos de um mês da data de lançamento prevista para 20 de julho. A missão de astrobiologia do veículo vai procurar sinais de vida microscópica passada em Marte, explorar …

Benfica 3-1 Boavista | Águias põem fim a quarentena caseira

O Benfica venceu na noite deste sábado o Boavista, naquele que foi o primeiro triunfo caseiro após a retoma da Liga. Poderá ter sido a redenção das águias? Após ter somado apenas dois triunfos, quatro desaires …

Cortina do abraço permite às famílias reencontrar os familiares num lar de São Paulo

Abraçar, tocar e até dançar. Uma cortina do abraço permite que filhos visitem seus pais residentes numa casa de repouso em São Paulo. O empresário Bruno Zani, autor da criação, pretende agora colocar a cortina …

Os golfinhos aprendem a utilizar ferramentas com os amigos

Os golfinhos aprendem a utilizar ferramentas não só com as suas progenitoras mas também com os seus pares, concluiu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Leeds, no Reino Unido. De acordo …

Entre uma "história de recusas" e uma “opção clara” pelos interesses do grande capital

A líder do BE disse hoje que a legislatura do Partido Socialista tem sido a “história das recusas” tanto sobre um acordo no final das eleições 2019, seja na recusa dum Orçamento Suplementar para lá …

Homem morre nos Estados Unidos depois de receber mais de 50 choques taser na sua detenção

Dos agentes da polícia da cidade de Wilson, no estado norte-americano do Oklahoma, foram nesta quarta-feira acusados de homicídio em segundo grau pela morte de um homem durante a sua detenção. De acordo com o …

TESS fornece novas ideias sobre um mundo ultra-quente

Medições do TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite) da NASA permitiram aos astrónomos melhorar bastante a sua compreensão do ambiente bizarro de KELT-9b, um dos planetas mais quentes conhecidos. "O factor de estranheza de KELT-9b é alto," …

Bill Gates elenca quatro pilares-chave para combater a pandemia

O co-fundador da Microsoft, Bill Gates, elencou quatro pilares que a sua fundação considera essenciais para combater a pandemia de covid-19, que já matou mais de 520 mil pessoas em todo o mundo. Segundo o norte-americano, …

Tesla já vale mais do que a Toyota, Disney e Coca-Cola

As ações da Tesla chegaram esta quarta-feira a um preço recorde de 1.120 dólares por ação, levando a empresa de Elon Musk a superar a cotação de mercado de grandes empresas como a Coca-Cola ou …