Os humanos conseguem sentir diferenças a nível molecular em superfícies quase idênticas

Jason Pearce / Flickr

Segundo cientistas da Universidade da Califórnia, EUA, o tacto humano é muito mais sensível do que conseguimos perceber: podemos sentir diferenças em nível molecular em superfícies.

“Esta é a maior sensibilidade tátil já demonstrada em seres humanos”, afirmou num comunicado o professor de nanoengenharia e membro do Centro de Sensores Portáteis da Faculdade de Engenharia da Universidade, Darren Lipomi.

O professor liderou o projeto interdisciplinar ao lado do neurocientista Vilayanur Ramachandran, diretor do Centro para o Cérebro e Cognição e professor do Departamento de Psicologia da UCSD.

De acordo com os cientistas, esta descoberta será extremamente importante para o desenvolvimento de peles eletrónicas, próteses que possam sentir, tecnologia háptica avançada para realidade virtual e aumentada e outros.

Tecnologias hápticas não sofisticadas já existem em objetos do dia a dia, como os comandos de video jogos ou os telemóveis que vibram. “Reproduzir sensações táteis realistas é difícil porque ainda não entendemos completamente as formas básicas nas quais os materiais interagem com o sentido do toque“, explicou Lipomi.

No quotidiano, conseguimos sentir facilmente a diferença entre segurar um copo de vidro, um de cerâmica e um de plástico, por exemplo, porque essas superfícies têm diferentes texturas, ou seja, absorvem o calor dos dedos em ritmos diferentes.

A pergunta que os investigadores se fizeram foi: se mantivéssemos todos esses efeitos de larga escala iguais e mudássemos apenas a camada mais superior de moléculas, os humanos conseguiriam sentir a diferença apenas com o tacto? E se sim, como?

“Os recetores que processam sensações da nossa pele são filogeneticamente os mais antigos, mas, longe de serem primitivos, tiveram tempo para desenvolver estratégias extraordinariamente subtis para discernir superfícies – seja a carícia de um amante, cócegas ou a sensação tátil de metal, madeira, papel”, conta Ramachandran.

O investigador acrescenta que este é um dos primeiros estudos a demonstrar a gama de “sofisticação e sensibilidade extraordinária” das sensações táteis. “Are o caminho, talvez, para uma nova abordagem da psicofísica tátil”.

Segundo o artigo publicado no “Materials Horizons”, os cientistas testaram se os humanos conseguiam sentir a diferença – arrastando ou batendo o dedo pela superfície – entre bolachas de silício cuja única diferença era a camada superior de moléculas.

Uma superfície tinha uma única camada oxidada feita principalmente de átomos de oxigénio. Já a outra tinha uma única camada composta por átomos de flúor e carbono, similar ao teflon. A aparência de ambas era idêntica e eram suficientemente semelhantes ao toque para alguns participantes não conseguirem diferenciar uma da outra.

O facto de os humanos conseguirem diferenciar uma da outra apenas com o tacto deve-se a um fenómeno conhecido como stick-slip (“grudar-deslizar”, em tradução literal), o movimento repentino que ocorre quando dois objetos em repouso começam a deslizar um contra o outro.

É este o responsável pelo som emitido quando passamos o dedo pela borda de uma taça de vinho, o ranger de uma porta ou o barulho de um comboio a parar, já que cada uma das superfícies têm frequências de stick-slip diferente devido às moléculas que compõem a sua camada superior.

Num dos testes, 15 indivíduos receberam a tarefa de sentir três superfícies e identificar a diferença entre elas – o índice de sucesso foi de 71%. Noutro, os participantes receberam três tiras diferentes de bolacha de silício, cada uma contendo uma sequência diferente de 8 pedaços de superfícies oxidadas e semelhantes ao teflon. Cada sequência tinha, por sua vez, uma cadeia de 8 dígitos de 0s e 1s, que codificava uma letra específica no alfabeto ASCII.

Os indivíduos tinham que “ler” essas sequências arrastando um dedo de uma extremidade a outra da tira e observar quais pedaços na sequência eram as superfícies oxidadas e quais eram as superfícies semelhantes ao teflon. Nesta experiência, 10 dos 11 indivíduos descodificaram os pedaços necessários para soletrar a palavra “Lab” (com as letras maiúsculas e minúsculas corretas) mais de 50% das vezes. Os participantes levaram uma média de 4,5 minutos para descodificar cada letra.

Os cientistas descobriram que a velocidade e a força do toque do dedo nas superfícies também colaboram para a identificação pelo tato. As experiências foram modeladas com um “dedo simulado”, um dispositivo semelhante a um dedo feito de um polímero orgânico que é ligado a um sensor de força por uma mola. O dedo foi arrastado pelas superfícies usando múltiplas combinações de força e velocidade de deslocação, o que levou à conclusão de que ambos os fatores influenciam na diferenciação.

Lipomi explica que os resultados revelam uma notável habilidade humana para escolher rapidamente as combinações certas de força e velocidade necessárias para sentir a diferença entre superfícies.

“Também é interessante que o dispositivo de dedo simulado, que não tem nada parecido com as centenas de nervos no nossa pele, tem apenas um sensor de força e ainda é capaz de registar as informações necessárias para sentir a diferença nessas superfícies. Isso diz-nos que não são apenas os mecanorrecetores na pele, mas os recetores nos ligamentos, juntas, pulso, cotovelo e ombro que podem permitir que os humanos sintam pequenas diferenças usando o toque”, acrescentou.

PARTILHAR

RESPONDER

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …

O empresário mais odiado do mundo quer sair da prisão (para desenvolver um medicamento para a covid-19)

Martin Shkreli, o empresário mais odiado do mundo, quer sair brevemente da prisão para ajudar a desenvolver um tratamento para a covid-19. Num artigo publicado no site da empresa de Shkreli, Prospero Pharmaceuticals, juntamente com outros …

Ceferin acusado de ganância. "Manter a Liga dos Campeões foi um ato criminoso irresponsável"

O primeiro-ministro da Eslovénia, Janz Jansa, teceu duras críticas à forma como a UEFA e o seu presidente, Aleksander Ceferin, lidaram com a fase inicial da pandemia de covid-19. "Manter a Liga dos Campeões foi um …