Os humanos conseguem sentir diferenças a nível molecular em superfícies quase idênticas

Jason Pearce / Flickr

Segundo cientistas da Universidade da Califórnia, EUA, o tacto humano é muito mais sensível do que conseguimos perceber: podemos sentir diferenças em nível molecular em superfícies.

“Esta é a maior sensibilidade tátil já demonstrada em seres humanos”, afirmou num comunicado o professor de nanoengenharia e membro do Centro de Sensores Portáteis da Faculdade de Engenharia da Universidade, Darren Lipomi.

O professor liderou o projeto interdisciplinar ao lado do neurocientista Vilayanur Ramachandran, diretor do Centro para o Cérebro e Cognição e professor do Departamento de Psicologia da UCSD.

De acordo com os cientistas, esta descoberta será extremamente importante para o desenvolvimento de peles eletrónicas, próteses que possam sentir, tecnologia háptica avançada para realidade virtual e aumentada e outros.

Tecnologias hápticas não sofisticadas já existem em objetos do dia a dia, como os comandos de video jogos ou os telemóveis que vibram. “Reproduzir sensações táteis realistas é difícil porque ainda não entendemos completamente as formas básicas nas quais os materiais interagem com o sentido do toque“, explicou Lipomi.

No quotidiano, conseguimos sentir facilmente a diferença entre segurar um copo de vidro, um de cerâmica e um de plástico, por exemplo, porque essas superfícies têm diferentes texturas, ou seja, absorvem o calor dos dedos em ritmos diferentes.

A pergunta que os investigadores se fizeram foi: se mantivéssemos todos esses efeitos de larga escala iguais e mudássemos apenas a camada mais superior de moléculas, os humanos conseguiriam sentir a diferença apenas com o tacto? E se sim, como?

“Os recetores que processam sensações da nossa pele são filogeneticamente os mais antigos, mas, longe de serem primitivos, tiveram tempo para desenvolver estratégias extraordinariamente subtis para discernir superfícies – seja a carícia de um amante, cócegas ou a sensação tátil de metal, madeira, papel”, conta Ramachandran.

O investigador acrescenta que este é um dos primeiros estudos a demonstrar a gama de “sofisticação e sensibilidade extraordinária” das sensações táteis. “Are o caminho, talvez, para uma nova abordagem da psicofísica tátil”.

Segundo o artigo publicado no “Materials Horizons”, os cientistas testaram se os humanos conseguiam sentir a diferença – arrastando ou batendo o dedo pela superfície – entre bolachas de silício cuja única diferença era a camada superior de moléculas.

Uma superfície tinha uma única camada oxidada feita principalmente de átomos de oxigénio. Já a outra tinha uma única camada composta por átomos de flúor e carbono, similar ao teflon. A aparência de ambas era idêntica e eram suficientemente semelhantes ao toque para alguns participantes não conseguirem diferenciar uma da outra.

O facto de os humanos conseguirem diferenciar uma da outra apenas com o tacto deve-se a um fenómeno conhecido como stick-slip (“grudar-deslizar”, em tradução literal), o movimento repentino que ocorre quando dois objetos em repouso começam a deslizar um contra o outro.

É este o responsável pelo som emitido quando passamos o dedo pela borda de uma taça de vinho, o ranger de uma porta ou o barulho de um comboio a parar, já que cada uma das superfícies têm frequências de stick-slip diferente devido às moléculas que compõem a sua camada superior.

Num dos testes, 15 indivíduos receberam a tarefa de sentir três superfícies e identificar a diferença entre elas – o índice de sucesso foi de 71%. Noutro, os participantes receberam três tiras diferentes de bolacha de silício, cada uma contendo uma sequência diferente de 8 pedaços de superfícies oxidadas e semelhantes ao teflon. Cada sequência tinha, por sua vez, uma cadeia de 8 dígitos de 0s e 1s, que codificava uma letra específica no alfabeto ASCII.

Os indivíduos tinham que “ler” essas sequências arrastando um dedo de uma extremidade a outra da tira e observar quais pedaços na sequência eram as superfícies oxidadas e quais eram as superfícies semelhantes ao teflon. Nesta experiência, 10 dos 11 indivíduos descodificaram os pedaços necessários para soletrar a palavra “Lab” (com as letras maiúsculas e minúsculas corretas) mais de 50% das vezes. Os participantes levaram uma média de 4,5 minutos para descodificar cada letra.

Os cientistas descobriram que a velocidade e a força do toque do dedo nas superfícies também colaboram para a identificação pelo tato. As experiências foram modeladas com um “dedo simulado”, um dispositivo semelhante a um dedo feito de um polímero orgânico que é ligado a um sensor de força por uma mola. O dedo foi arrastado pelas superfícies usando múltiplas combinações de força e velocidade de deslocação, o que levou à conclusão de que ambos os fatores influenciam na diferenciação.

Lipomi explica que os resultados revelam uma notável habilidade humana para escolher rapidamente as combinações certas de força e velocidade necessárias para sentir a diferença entre superfícies.

“Também é interessante que o dispositivo de dedo simulado, que não tem nada parecido com as centenas de nervos no nossa pele, tem apenas um sensor de força e ainda é capaz de registar as informações necessárias para sentir a diferença nessas superfícies. Isso diz-nos que não são apenas os mecanorrecetores na pele, mas os recetores nos ligamentos, juntas, pulso, cotovelo e ombro que podem permitir que os humanos sintam pequenas diferenças usando o toque”, acrescentou.

PARTILHAR

RESPONDER

Este robô-tartaruga não precisa de circuitos eletrónicos para andar. Basta ar

O robô macio de quatro patas, criado por uma equipa da Universidade da Califórnia, não precisa de nenhum circuito eletrónico para funcionar. Os robôs macios têm captado a atenção dos cientistas e o mais recente, criado …

Norte-americano cria secretária para manter crianças seguras durante os tiroteios nas escolas

Um norte-americano desenvolveu uma secretária à prova de bala para assegurar um lugar seguro às crianças dos Estados Unidos em situações de tiroteio. Passaram três anos desde que, a 14 de fevereiro de 2018, Nikolas Cruz entrou …

A Cidade do México proibiu tampões menstruais com aplicador. Agora, as mulheres estão furiosas

A Cidade do México já tinha proibido outros objetos compostos por plástico, como é o caso de copos e palhinhas, mas agora foi mais longe e resolveu banir os tampões menstruais que contém aplicadores. No …

Benfica 2-0 Rio Ave | Águia volta a voar

O Benfica regressou às vitórias na Liga NOS, três jogos depois. A formação “encarnada” recebeu e venceu o Rio Ave por 2-0, com os dois golos apontados por Haris Seferovic e Pizzi numa segunda parte …

Criança de dois anos cai do 12º andar (mas acaba por ser salva por estafeta)

No passado domingo, em Honói, na capital do Vietname, um estafeta salvou a vida de uma criança de dois anos que caiu do 12° andar de um prédio. Nguyen Ngoc Manh é agora conhecido como …

Em França, livrarias e lojas de discos são agora "comércio essencial"

O decreto de lei do Governo francês, publicado na última sexta-feira, incluiu as livrarias e lojas de discos na lista do chamado "comércio essencial", podendo permanecer abertas em caso de confinamento. Em declarações à agência France-Presse, …

Icebergue maior que Nova Iorque parte-se perto de estação de investigação na Antártida

Um icebergue gigante partiu-se esta sexta-feira na plataforma de gelo de Brunt, na Antártida, perto de um posto de investigação do British Antartic Survey (BAS). O bloco de gelo, com 1.270 quilómetros quadrados, será ainda maior …

A Greenpeace está a atirar pedras gigantes para o Mar do Norte. Eis a razão

Na semana passada, a Greenpeace atirou pedras gigantes ao mar ao redor do Reino Unido. Esta ação faz parte do objetivo da organização de acabar com os barcos de pesca de arrasto no fundo do …

Deco avança para tribunal contra Apple por manipulação de desempenho dos iPhones 6

A Deco Proteste anunciou esta segunda-feira que avançou com uma ação judicial contra a Apple, acusando-a de práticas enganosas por ter manipulado os iPhones 6, 6 Plus, 6S e 6S Plus para se tornarem obsoletos …

Crónica ZAP - Nota Artística por Nuno Miguel Teixeira

Nota artística: pouco Festival no FC Porto-Sporting

https://soundcloud.com/nuno-teixeira-264830877/fc-porto-0-0-sporting-o-musical Está bem: Futebol Clube do Porto contra Sporting Clube de Portugal. Segundo classificado recebe o líder. Jogo que pode praticamente definir o novo campeão nacional de futebol. O encontro é naquele estádio junto ao centro …