Organização de direitos humanos fala de 24 mortos a tiro em protestos no Quénia

Dai Kurokawa / EPA

A organização Comissão Nacional para os Direitos Humanos do Quénia (KNCHR, na sigla em inglês) disse este sábado que 24 pessoas, das quais duas menores, morreram devido a tiros da polícia durante protestos em diferentes zonas do país.

Do total de vítimas mortais, 17 morreram em subúrbios da capital, Nairobi, onde se têm registado confrontos desde a noite de sexta-feira entre a polícia e apoiantes da oposição, que não aceita a vitória eleitoral do Presidente cessante, Uhuru Kenyatta, alegando a existência de fraude.

A presidente da KNCHR, Kagwiria Mbogori, condenou numa conferência de imprensa o “uso excessivo da força” por parte da polícia e exigiu às autoridades que “controlem” os agentes e impeçam a utilização de balas reais contra os manifestantes.

“Há muitos casos de brutalidade policial contra civis. É ilegal e inaceitável”, adiantou.

No entanto, Mbogori assegurou que apesar de existirem “focos de conflito” em alguns pontos do país, “a maioria do Quénia (…) permanece em paz”.

A Comissão Eleitoral do Quénia confirmou na sexta-feira que o Presidente Uhuru Kenyatta foi o vencedor das eleições de terça-feira, com 54,27% dos votos, enquanto o candidato da oposição Raila Odinga alcançou 44,74%.

A oposição já advertiu que não desistirá da proclamação de Odinga como vencedor das presidenciais, considerando que a repressão dos motins pela polícia constitui uma tentativa “de submeter” a oposição.

Não nos deixaremos intimidar, não renunciaremos”, declarou Johnson Muthama, um alto responsável da coligação política NASA, numa conferência de imprensa.

Adiantou que as forças de segurança mataram “mais de 100 quenianos inocentes, entre os quais 10 crianças”, sem no entanto fornecer quaisquer provas.

Segundo uma contagem da agência France Presse, a repressão dos distúrbios desde a noite de sexta-feira causou pelo menos 11 mortos, nove nos bairros da lata de Nairobi e dois no oeste do país, perto de Kisumu e Siaya.

A representante da União Europeia para a Política Externa, Federica Mogherini, felicitou hoje Kenyatta pela sua reeleição como Presidente do Quénia.

A chefe da diplomacia europeia pediu à oposição para cessar todos os atos de violência e aceitar pacificamente o resultado, que foi monitorizado por várias missões eleitorais internacionais, incluindo uma liderada pela União Europeia.

Na violência pós-eleitoral de 2007 no Quénia, morreram pelo menos 1.100 pessoas e mais de 600 mil foram obrigadas a abandonar as suas casas.

ZAP // Lusa

RESPONDER

Morrem por dia 15 mil crianças com menos de 5 anos

Um novo relatório revela que 15 mil crianças morreram por dia em 2016 antes de completarem o quinto aniversário. Pelo menos 46% delas, ou 7 mil, não sobreviveram aos primeiros 28 dias após o nascimento. Quando …

Presidente da Proteção Civil demite-se

O presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil, Joaquim Leitão, demitiu-se esta quarta-feira, informou hoje à Lusa fonte do Governo. A mesma fonte adiantou que Joaquim Leitão entregou na quarta-feira uma carta de demissão dirigida …

A vidente que afinal não é filha de Dalí vai ter que pagar os custos da exumação

Pilar Abel, a espanhola que a 20 de julho obrigou a que o corpo do pintor surrealista Salvador Dalí fosse exumado, após alegações de que seria sua filha, foi condenada a pagar os custos judiciais …

Milhares de comunistas indonésios foram massacrados em 1966 com apoio dos EUA

Documentos desclassificados revelam novos detalhes sobre o massacre indonésio contra comunistas. De acordo com os documentos, Washington estava a par e apoiava a tomada do poder pelos militares e a perseguição dos opositores comunistas. Segundo a …

Pedro Siza Vieira admite que entra num "Governo fragilizado"

O novo Ministro Adjunto e amigo próximo do primeiro-ministro admite que o "Estado falhou" e que o Governo "está fragilizado" mas assegura estar motivado para o novo desafio. Em declarações ao jornal ECO, Pedro Siza Vieira, sócio …

May promete facilitar permanência de cidadãos europeus no Reino Unido

A primeira-ministra britânica prometeu, esta quinta-feira, "facilitar" a estadia dos cidadãos europeus no Reino Unido depois do Brexit, ao mesmo tempo que garantiu que o consenso com a União Europeia nesta matéria está "muito perto". Theresa …

Bruxelas deve considerar despesas dos incêndios como “excecionais”

O comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, defendeu esta quinta-feira que as despesas públicas resultantes dos devastadores incêndios em Portugal sejam consideradas como "circunstâncias excecionais", sem consequências na avaliação orçamental a fazer por Bruxelas. "Parece-me …

Creme anticelulite tem ingrediente proibido

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (DECO) pediu ao Infarmed a retirada do mercado do creme 'Depuralina Celulite', por conter um ingrediente proibido em cosméticos, na União Europeia, desde 2015. De acordo com um …

Benfica recebe o V. Setúbal, FC Porto o Portimonense e Sporting o Famalicão

O sorteio realizado, esta quinta-feira, na Cidade do Futebol, em Oeiras, ditou que os três grandes vão jogar em casa. Benfica e FC Porto jogam com outras duas equipas da I Liga, enquanto que o …

Líder neonazi britânico declara-se homossexual, revela ser judeu e abandona movimento

Um proeminente líder neonazi da Frente Nacional (NF) britânica deixou o movimento depois de se declarar homossexual e revelar a sua herança judaica. O líder fez as revelações sobre o seu passado violento enquanto renunciava …