Organização de direitos humanos fala de 24 mortos a tiro em protestos no Quénia

Dai Kurokawa / EPA

A organização Comissão Nacional para os Direitos Humanos do Quénia (KNCHR, na sigla em inglês) disse este sábado que 24 pessoas, das quais duas menores, morreram devido a tiros da polícia durante protestos em diferentes zonas do país.

Do total de vítimas mortais, 17 morreram em subúrbios da capital, Nairobi, onde se têm registado confrontos desde a noite de sexta-feira entre a polícia e apoiantes da oposição, que não aceita a vitória eleitoral do Presidente cessante, Uhuru Kenyatta, alegando a existência de fraude.

A presidente da KNCHR, Kagwiria Mbogori, condenou numa conferência de imprensa o “uso excessivo da força” por parte da polícia e exigiu às autoridades que “controlem” os agentes e impeçam a utilização de balas reais contra os manifestantes.

“Há muitos casos de brutalidade policial contra civis. É ilegal e inaceitável”, adiantou.

No entanto, Mbogori assegurou que apesar de existirem “focos de conflito” em alguns pontos do país, “a maioria do Quénia (…) permanece em paz”.

A Comissão Eleitoral do Quénia confirmou na sexta-feira que o Presidente Uhuru Kenyatta foi o vencedor das eleições de terça-feira, com 54,27% dos votos, enquanto o candidato da oposição Raila Odinga alcançou 44,74%.

A oposição já advertiu que não desistirá da proclamação de Odinga como vencedor das presidenciais, considerando que a repressão dos motins pela polícia constitui uma tentativa “de submeter” a oposição.

Não nos deixaremos intimidar, não renunciaremos”, declarou Johnson Muthama, um alto responsável da coligação política NASA, numa conferência de imprensa.

Adiantou que as forças de segurança mataram “mais de 100 quenianos inocentes, entre os quais 10 crianças”, sem no entanto fornecer quaisquer provas.

Segundo uma contagem da agência France Presse, a repressão dos distúrbios desde a noite de sexta-feira causou pelo menos 11 mortos, nove nos bairros da lata de Nairobi e dois no oeste do país, perto de Kisumu e Siaya.

A representante da União Europeia para a Política Externa, Federica Mogherini, felicitou hoje Kenyatta pela sua reeleição como Presidente do Quénia.

A chefe da diplomacia europeia pediu à oposição para cessar todos os atos de violência e aceitar pacificamente o resultado, que foi monitorizado por várias missões eleitorais internacionais, incluindo uma liderada pela União Europeia.

Na violência pós-eleitoral de 2007 no Quénia, morreram pelo menos 1.100 pessoas e mais de 600 mil foram obrigadas a abandonar as suas casas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Primeiro não flutuava, e agora o novo submarino espanhol não cabe nas docas

Primeiro não flutuava, por excesso de peso, e agora, não cabe nas docas. O novo submarino da Marinha Espanhola é um embaraço para a Defesa do país vizinho e um caso flagrante de derrapagem, com …

Prisão preventiva para 39 dos 58 arguidos dos Hells Angels

O Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa determinou prisão preventiva para 39 dos 58 arguidos como medidas de coação no âmbito do processo do grupo Hells Angels e apresentações periódicas às autoridades para os restantes. Segundo …

Bruxelas aplica multa recorde de 4,3 mil milhões de euros à Google

A Comissão Europeia aplicou, esta quarta-feira, uma multa com valor recorde de 4,3 mil milhões de euros ao gigante norte-americano Google por abuso de posição no mercado devido ao sistema Android. Esta sanção, destinada a punir …

Rapazes salvos na Tailândia saíram do hospital e recordam "milagre"

As 12 crianças e o treinador de futebol que ficaram presos numa gruta inundada na Tailândia e que estavam internados desde a semana passada receberam esta quarta-feira alta hospitalar e falaram pela primeira vez desde …

Hotel processa sobreviventes do massacre de Las Vegas

A empresa que detém o hotel Mandalay Bay, em Las Vegas –  onde Stephen Paddock disparou sobre uma multidão num festival de música country –, processou mil de vítimas do ataque, argumentando não ter "qualquer …

Jesus pediu a Cintra para anular cláusula de confidencialidade

Nas primeiras entrevistas após a sua saída do Sporting e das agressões em Alcochete, o Jorge Jesus disse que a equipa não devia ter jogado a final da Taça de Portugal e que Sousa Cintra …

Trump "traidor" recua e diz que, afinal, a Rússia pode ter manipulado eleições

Donald Trump cedeu à pressão e afirmou, esta terça-feira, que acredita nas conclusões dos serviços secretos de que houve, de facto, ingerência russa das presidenciais de 2016. O Presidente dos Estados Unidos disse esta terça-feira que …

Cientistas alcançam recorde impressionante de entrelaçamento quântico

Um grupo de cientistas da Universidade de Ciência e Tecnologia da China conseguiu armazenar 18 qubits - a unidade básica da computação quântica - em apenas seis fotões entrelaçados. O feito inédito de três qubits emaranhados …

Sistema informático lança caos nas escolas no último dia de matrículas

Hoje é o último dia para efectuar as matrículas no próximo ano lectivo, mas as demoras e falhas no portal electrónico onde o processo tem que ser realizado estão a lançar o caos nas escolas. …

Militares da GNR revoltados com castigos para quem passa poucas multas

"Desmotivados e apavorados." É assim que 14 dos 18 militares do posto da GNR no Sameiro, em Braga, se queixam de sofrerem pressões do sargento que comanda a unidade para passarem multas aos automobilistas. O desabafo …