OMS contra restrições a viagens e cancelamento de voos por causa do Ébola

Pai Shih / Flickr

-

A Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou hoje que os cancelamentos de voos e outras restrições às viagens prejudicam os países afetados pelo vírus Ébola e afetam a entrada de profissionais e materiais de saúde.

O Comité de Emergência da Organização Mundial de Saúde, que se reuniu hoje em Genebra para avaliar a epidemia de Ébola na África Ocidental, salientou que as restrições de movimentos podem contribuir para a doença alastrar.

Os peritos da OMS reiteraram que o mundo está a braços com “uma emergência de saúde pública de alcance internacional” e exortaram os países afetados e a comunidade internacional em geral a aumentar os esforços para deter o alastramento do vírus, que já matou mais de 2.600 pessoas e contagiou 5.000, sobretudo na Serra Leoa, na Libéria e na Guiné-Conacri.

As restrições às viagens acabam por ter “consequências económicas perniciosas, prejudicam a assistência e os esforços de resposta” à doença e aumentam o risco de “maior expansão internacional” do vírus, concluíram os membros do Comité.

“O Comité recomenda encarecidamente que não se apliquem proibições generalizadas às viagens ou ao comércio, exceto as restrições aplicadas às pessoas infetadas pelo Ébola”, declararam.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Portugal tem margem" para ter défice em caso de crise

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, diz que Portugal pode deixar o défice subir em caso de crise, mas avisa que é preciso cuidado para que a despesa não se torne permanente. Numa entrevista …

Rui Rio continua "em ponderação" e não anunciará qualquer decisão na quarta-feira

A Comissão Política Nacional do PSD vai reunir-se na próxima quarta-feira, mas o presidente do partido não falará ainda publicamente sobre o seu futuro político e continua “em ponderação”, disse à Lusa fonte oficial social-democrata. Segundo …

Ministério nega "situação anómala" de alunos ainda sem professores

Milhares de alunos continuam sem professores um mês depois de as aulas terem começado e o Ministério da Educação diz não ter sido informado de qualquer “situação anómala ou de uma falta sistémica de docentes”. Ainda …

Gage Skidmore

John Bolton denunciou pressão sobre a Ucrânia dois meses antes de sair da Casa Branca

John Bolton, o antigo conselheiro de Segurança Nacional norte-americano que saiu do cargo em setembro em confronto com Donald Trump, fez saber aos advogados da Casa Branca, em julho, que estava em curso uma campanha …

Homem que violava e trancava mulher sem comida tinha sido absolvido do mesmo crime

Um homem de 38 anos que ficou em prisão preventiva por suspeitas de crimes de violência doméstica agravada, violação e sequestro agravado contra a companheira, já tinha sido absolvido antes pela prática do mesmo crime …

Portugal é dos países da UE que mais progrediram na igualdade de género

Portugal está a progredir para uma plena igualdade de género mais rapidamente do que a média da União Europeia, revela o Instituto Europeu para a Igualdade de Género, que coloca o país em 16.º posição, …

"Sem água potável e a urinar em latas". Assim vivem os seguranças dos jogadores do Real Madrid

A União Geral dos Trabalhadores (UGT) de Espanha, um sindicato operário, denuncia as "péssimas condições" laborais dos seguranças que fazem vigilância a alguns jogadores do Real Madrid, nas suas moradias particulares. "Não há 'guaritas' de vigilância …

Ricardo Serrão Santos vai ser o novo ministro do Mar

O ex-eurodeputado socialista Ricardo Serrão Santos vai ser o novo ministro do Mar, no executivo de António Costa. A notícia foi avançada pela Antena Um/Açores e confirmada pelo Diário de Notícias.  Doutorado em Biologia pela Universidade …

Ex-presidente da Câmara da Covilhã começa a ser julgado por peculato

O antigo presidente da Câmara da Covilhã e também ex-vice-presidente do partido Aliança começa, esta terça-feira, a ser julgado em Castelo Branco, acusado de peculato e prevaricação. A SIC noticiou no fim-de-semana de 16 e 17 …

Dois anos depois dos fogos, há mais de 200 casas excluídas do processo de reconstrução

Dois anos depois dos incêndios na zona centro do país, mais de 200 casas de primeira habitação continuam excluídas do processo de reconstrução. Apesar de as obras estarem licenciadas, as habitações foram chumbadas pela Comissão de …