Omeprazol aumenta risco de cancro de estômago

(CC0/PD) HansMartinPaul-Photos / pixabay

O principal medicamento para tratar refluxo, azia e úlceras está ligado a um aumento de 250% de casos de cancro de estômago, segundo um estudo da Universidade College London, no Reino Unido.

Estes resultados, apresentados num artigo publicado na passada segunda-feira na revista “Gut”, foram observados entre pacientes que usaram inibidor da bomba de protões, também conhecido como Omeprazol, por mais de três anos.

É importante alertar, porém, que este estudo é apenas de observação e que são necessários mais estudos. O número de pessoas que desenvolveram cancro de estômago não é tão grande quando comparado com o total de pessoas acompanhadas no estudo, por isso um aumento de 250% pode não ser tão assustador como parece inicialmente.

No estudo, os cientistas analisaram dados de residentes de Hong Kong, identificando 63.397 adultos tratados com uma combinação de inibidores e antibióticos para tratar uma infeção estomacal de Helicobacter pylori.

Mais de metade da população mundial tem esta bactéria, que normalmente não causa problemas. Mas numa pequena percentagem de pessoas, a bactéria está relacionada com o cancro de estômago. Com a bactéria erradicada, os pacientes foram monitorizados por uma média de 7,5 anos.

Neste período, 3.271 pessoas continuaram a tomar os inibidores por uma média de três anos, enquanto 21.729 usaram um medicamento alternativo, o anti-histamínico H2, que costumava ser o medicamento mais usado para tratar problemas estomacais entre as décadas de 1970 e 1990.

Entre as pessoas que foram acompanhadas, 153 tiveram cancro de estômago, sendo que pacientes que usaram o inibidor tiveram 2,44 vezes mais probabilidades de ter o cancro quando comparados com os pacientes que usaram o anti-histamínico H2.

A frequência do uso do inibidor e a duração do tratamento influenciaram o número de casos de cancro. O uso diário do inibidor está associado a 4,55 vezes mais risco de cancro, e quando era utilizado por mais de três anos este risco aumentava em oito vezes.

O anti-histamínico H2 foi substituído pelo inibidor de bomba de protões na década de 1990 porque causa muitos efeitos colaterais, como bradicardia, hipotensão, confusão e ansiedade, além das grandes interações com outros medicamentos.

Por isso, o H2 é utilizado apenas em pacientes que não respondem ao tratamento com inibidor ou que são intolerantes ao efeitos colaterais do remédio mais moderno.

Mesmo assim, este estudo com os pacientes de Hong Kong é importante para chamar a atenção de outros cientistas para a necessidade de uma maior investigação dos efeitos colaterais dos inibidores. Outros estudos de observação mostraram que o medicamento não deve ser usado em longo prazo.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. esta noticia tem mais de 27 anos já nessa altura se falava que tratamentos prolongados com omeprazol poderiam originar cancro.
    a ranitidina foi sempre o tratamento mais seguro.

RESPONDER

Os terrenos contaminados de Fukushima vão tornar-se num centro de "energia verde"

Fukushima, local que sofreu um dos maiores desastres nuclear do mundo, vai reinventar-se e tornar-se num centro de energia renovável. Depois de ser atingido por um terramoto e um tsunami de 15 metros em 2011, três …

Cientistas identificaram neurónios específicos que mapeiam memórias

Neurocientistas descobriram um aspeto curioso de como a nossa memória funciona: Quando o cérebro precisa de recuperar informação relacionada com um lugar específico, neurónios individuais podem atingir memórias específicas. De acordo com o estudo publicado na …

Grande tempestade de areia pode ter ditado o fim de um império da Mesopotâmia

O Império Acádio da Mesopotâmia entrou em colapso devido a uma enorme tempestade de areia, sugeriu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Hokkaido, no Japão. Em comunicado, os especialistas explicam …

Encontrado templo milenar usado em rituais pagãos de veneração da água

O local tem 3.000 anos, onde investigadores encontraram 21 sepulturas, bem como várias peças de cerâmica e anéis de cobre. O templo era usado em rituais pagãos de veneração da água. Uma equipa de arqueólogos encontrou …

Elon Musk diz que inovações da Neuralink vão conseguir curar o autismo

Musk disse que a sua empresa Neuralink iria "solucionar uma série de doenças neurológicas", entre as quais o autismo. Contudo, o autismo não é uma doença relacionada com o cérebro, mas sim uma perturbação do …

"Indivíduos desconhecidos" terão obrigado Marinha a apagar vídeo do incidente do USS Nimitz com um OVNI

Vários membros da Marinha que testemunharam o famoso Incidente do USS Nimitiz, em 2004, disseram que "indivíduos desconhecidos" apareceram depois do acontecimento e obrigaram-nos a apagar as gravações de vídeo. Em novembro de 2004, um porta-aviões …

Coreia do Norte detonou bomba atómica equivalente a 17 "Hiroshimas"

Dados de um satélite japonês revelam que a explosão de um teste nuclear na Coreia do Norte, em 2017, terá sido 17 vezes mais poderosa do que a bomba de Hiroshima. A Coreia do Norte estimou que …

Invenção financiada por Bill Gates pode invisivelmente resolver a malnutrição

Uma invenção financiada por Bill e Melinda Gates pode ser a solução para resolver o problema da malnutrição a nível mundial. O próximo passo é conseguir o apoio dos Governos locais. A malnutrição é um problema …

Com a ajuda de um radar, cientistas revelaram pegadas de mamutes e humanos pré-históricos

Espalhados pelo Monumento Nacional de White Sands, nos Estados Unidos, encontram-se os "rastos fantasma" de mamutes mortos há milhares de anos. Agora, investigadores conseguiram revelar pegadas de humanos. De acordo com o Science Alert, esta descoberta, …

A desertificação está progredir na Índia. Mas a solução pode estar no conhecimento tradicional

Quase 45% da área de Maharashtra está a transformar-se em deserto, assim como uma grande parte da Índia. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), o ritmo da desertificação no país é agora …