É oficial: estamos a matar as abelhas

Dois estudos financiados pela indústria de pesticidas mostraram resultados não muito bons para os seus financiadores. As pesquisas forneceram provas sólidas de que os pesticidas muito populares, chamados de neonicotinóides, são terríveis para as abelhas, que mantêm nosso sistema de produção de alimentos em funcionamento.

Já se suspeitava que estes pesticidas poderiam estar a afetar as abelhas, mas é um assunto complicado de se estudar em laboratório, onde as abelhas podem receber doses de pesticida de forma irrealista. Agora, os cientistas realizaram os maiores testes de campo na Europa e no Canadá, e os resultados do estudo não são propriamente positivos.

Os neonicotinóides são a classe mais utilizada de inseticidas no mundo. São quimicamente semelhantes à nicotina, o composto que as plantas da família das palmeiras desenvolveram para se protegerem das pragas.

Inseticidas sistémicos

Inventados na década de 1980, os neonicotinóides tornaram-se populares porque são sistémicos, ou seja, circulam por toda a planta e matam os insetos mal estes se alimentam. E, como esses inseticidas permanecem no sistema da planta, uma aplicação – às vezes apenas nas sementes – pode oferecer uma proteção a longo prazo.

Mas essas propriedades atraentes para os agricultores são o que tornam os neonicotinóides uma preocupação para o bem-estar das abelhas. Um inseticida sistémico consegue percorrer facilmente o caminho até o néctar e o pólen de uma planta.

Para medir esse potencial dano, uma equipa de cientistas europeus estabeleceu 33 locais com plantações de colza, uma planta da qual as sementes são usadas para a produção de biodiesel, na Alemanha, Hungria e no Reino Unido. Estes foram aleatoriamente designados para serem tratados com um de dois nicotinóides ou com nenhum deles.

A equipa observou os efeitos em três espécies de abelhas. Os resultados diferiram entre as zonas e as espécies, mas, em geral, os especialistas descobriram que as colmeias eram menos propensas a sobreviver durante o inverno, enquanto as abelhas selvagens se reproduziram menos.

De acordo com os cientistas, os pesticidas não matam diretamente as abelhas. Em vez disso, parece que a exposição de baixo nível as torna mais vulneráveis, especialmente se houver outros fatores ambientais ou doenças que já afetam a colmeia.

“As aplicações de neonicotinóides são, portanto, um tipo de roleta reprodutiva para as abelhas”, observa o especialista em biodiversidade, Jeremy Kerr.

O enorme estudo foi, na verdade, amplamente financiado pela própria indústria de pesticidas. As empresas Bayer Crop Science e Syngenta deram 3 milhões de dólares para a investigação, e ambas criticaram as conclusões dos cientistas de que seria melhor restringir o uso de neonicotinóides.

Mas estes são resultados importantes e devem ser usados como base para a próxima decisão da União Europeia sobre uma potencial proibição geral destes pesticidas. Uma proibição temporária já está em vigor desde 2013.

“Os nossos resultados sugerem que, mesmo que o uso destes pesticidas fosse restringido, como na recente moratória da UE, a exposição contínua a resíduos de neonicotinóides resultantes do uso generalizado anterior tem o potencial de impactar a persistência negativa de abelhas selvagens em paisagens agrícolas”, destacam os cientistas.

Outro estudo de campo realizado por cientistas no Canadá foi publicado na mesma publicação da Science e também revelou vários efeitos negativos dos inseticidas nas abelhas.

A equipa estudou abelhas que viviam perto de campos de milho tratados com neonicotinóides e concluiu que as abelhas expostas a esses pesticidas apresentavam menor expectativa de vida e poucas condições de higiene na colmeia.

Além disso, os cientistas também descobriram que as abelhas recolheram pólen contaminado com os pesticidas, mas esse pólen não veio das próprias culturas tratadas.

“Isso indica que os neonicotinóides, que são solúveis em água, espalham-se dos campos agrícolas para o ambiente circundante, onde são absorvidos por outras plantas que são muito atraentes para as abelhas”, diz uma das autoras do estudo, Nadia Tsvetkov.

O trabalho realizado por ambas as equipas demonstra que os humanos estão realmente a contribuir para o declínio mundial das abelhas, de forma mais dramática do que queremos admitir.

Avatar ZAP // Hypescience

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Esta informação, como aliás outras já veiculadas sobre este assunto, demonstram o quanto de mal nós, espécie humana, através dos insectidas, temos provocado à maior biodiversidade do nosso Planeta, ou seja, os insectos, de há muitas décadas para cá! Pena é que a notícia venha acompanhada de uma fotografia de um Diptera (ordem) Sirphidae (família) (vulgo moscas das flores=sirfos)) que não têm nada a ver com abelhas!

  2. Se o próprio ser humano se está a deteriorar a si próprio com novas experiências e isto para não falar já das guerras tão antigas como o próprio homem, não é surpresa nenhuma que acabará por destruir tudo à sua volta.

RESPONDER

Autoridades brasileiras ilibam João Loureiro

João Loureiro já não é suspeito no processo que envolve a apreensão de um avião com 500 quilos de cocaína, segundo as autoridades brasileiras. As autoridades brasileiras descartaram, este sábado, qualquer ligação do advogado português João …

No Canadá, há dois rios que se encontram (mas não se misturam)

Em Nunavut, no Canadá, há dois rios que se encontram, mas não perdem a sua aparência individual enquanto se movem sinuosamente pela tundra. O Back River flui para o norte em direção ao Oceano Ártico. Ao …

Russos acusados de explosão na República Checa são suspeitos de envenenar Skripal

Os dois suspeitos russos, envolvidos na explosão que matou duas pessoas em 2014 na República Checa, têm os mesmos passaportes que os dois homens acusados de envenenar, com o agente nervoso novichok, o espião Sergei …

Numa cidade na Nova Zelândia, a Páscoa resume-se a exterminar coelhos

Em Alexandra, na região de Otago, os coelhos são considerados pragas, uma espécie que ameaça a biodiversidade do país e a agricultura. Elle Hunt, correspondente do The Guardian em Auckland, na Nova Zelândia, escreveu um artigo …

Reavaliação de barragens da EDP ficou por fazer, depois de Governo ter recuado na decisão

No início do ano passado, o ministério do Ambiente considerou ser necessário reavaliar as barragens da EDP, mas a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Parpública disseram não ter competências para fazer a avaliação …

Portugal bateu recorde de vacinação no sábado. Foram administradas 120 mil vacinas

Este sábado, Portugal registou um recorde diário de pessoas vacinadas contra a covid-19. No total, foram administradas 120 mil doses da vacina. De acordo com os números avançados pela task force responsável pelo plano de vacinação, …

Os milionários estão a fugir de Nova Iorque

A cidade de Nova Iorque está a preparar-se para enfrentar para um êxodo dos seus residentes mais ricos após as autoridades terem aprovado um orçamento que fará com que paguem a maior taxa de impostos …

Costa recusa responder a Sócrates. Carlos César reafirma "tristeza" e "raiva"

O primeiro-ministro António Costa recusou responder às críticas feitas por José Sócrates. Carlos César, presidente do PS, reafirma o que disse em 2018. Este sábado, António Costa recusou responder às críticas feitas por José Sócrates e …

Cientistas sugerem que os gorilas não batem no peito apenas para se exibir

Os cientistas sugerem que o ato de bater no peito permite aos gorilas machos sinalizar o seu tamanho e assim evitar brigas desnecessárias. De acordo com o jornal The Guardian, cientistas que estudam gorilas-das-montanhas (Gorilla beringei …

Médicos alertam que Navalny pode sofrer paragem cardíaca "a qualquer momento"

Alexei Navalny está cada vez mais em risco de insuficiência renal. Médicos próximos do opositor russo alertam que pode sofrer uma paragem cardíaca "a qualquer momento". Médicos próximos do opositor russo Alexei Navalny, detido e em …