É oficial: estamos a matar as abelhas

Dois estudos financiados pela indústria de pesticidas mostraram resultados não muito bons para os seus financiadores. As pesquisas forneceram provas sólidas de que os pesticidas muito populares, chamados de neonicotinóides, são terríveis para as abelhas, que mantêm nosso sistema de produção de alimentos em funcionamento.

Já se suspeitava que estes pesticidas poderiam estar a afetar as abelhas, mas é um assunto complicado de se estudar em laboratório, onde as abelhas podem receber doses de pesticida de forma irrealista. Agora, os cientistas realizaram os maiores testes de campo na Europa e no Canadá, e os resultados do estudo não são propriamente positivos.

Os neonicotinóides são a classe mais utilizada de inseticidas no mundo. São quimicamente semelhantes à nicotina, o composto que as plantas da família das palmeiras desenvolveram para se protegerem das pragas.

Inseticidas sistémicos

Inventados na década de 1980, os neonicotinóides tornaram-se populares porque são sistémicos, ou seja, circulam por toda a planta e matam os insetos mal estes se alimentam. E, como esses inseticidas permanecem no sistema da planta, uma aplicação – às vezes apenas nas sementes – pode oferecer uma proteção a longo prazo.

Mas essas propriedades atraentes para os agricultores são o que tornam os neonicotinóides uma preocupação para o bem-estar das abelhas. Um inseticida sistémico consegue percorrer facilmente o caminho até o néctar e o pólen de uma planta.

Para medir esse potencial dano, uma equipa de cientistas europeus estabeleceu 33 locais com plantações de colza, uma planta da qual as sementes são usadas para a produção de biodiesel, na Alemanha, Hungria e no Reino Unido. Estes foram aleatoriamente designados para serem tratados com um de dois nicotinóides ou com nenhum deles.

A equipa observou os efeitos em três espécies de abelhas. Os resultados diferiram entre as zonas e as espécies, mas, em geral, os especialistas descobriram que as colmeias eram menos propensas a sobreviver durante o inverno, enquanto as abelhas selvagens se reproduziram menos.

De acordo com os cientistas, os pesticidas não matam diretamente as abelhas. Em vez disso, parece que a exposição de baixo nível as torna mais vulneráveis, especialmente se houver outros fatores ambientais ou doenças que já afetam a colmeia.

“As aplicações de neonicotinóides são, portanto, um tipo de roleta reprodutiva para as abelhas”, observa o especialista em biodiversidade, Jeremy Kerr.

O enorme estudo foi, na verdade, amplamente financiado pela própria indústria de pesticidas. As empresas Bayer Crop Science e Syngenta deram 3 milhões de dólares para a investigação, e ambas criticaram as conclusões dos cientistas de que seria melhor restringir o uso de neonicotinóides.

Mas estes são resultados importantes e devem ser usados como base para a próxima decisão da União Europeia sobre uma potencial proibição geral destes pesticidas. Uma proibição temporária já está em vigor desde 2013.

“Os nossos resultados sugerem que, mesmo que o uso destes pesticidas fosse restringido, como na recente moratória da UE, a exposição contínua a resíduos de neonicotinóides resultantes do uso generalizado anterior tem o potencial de impactar a persistência negativa de abelhas selvagens em paisagens agrícolas”, destacam os cientistas.

Outro estudo de campo realizado por cientistas no Canadá foi publicado na mesma publicação da Science e também revelou vários efeitos negativos dos inseticidas nas abelhas.

A equipa estudou abelhas que viviam perto de campos de milho tratados com neonicotinóides e concluiu que as abelhas expostas a esses pesticidas apresentavam menor expectativa de vida e poucas condições de higiene na colmeia.

Além disso, os cientistas também descobriram que as abelhas recolheram pólen contaminado com os pesticidas, mas esse pólen não veio das próprias culturas tratadas.

“Isso indica que os neonicotinóides, que são solúveis em água, espalham-se dos campos agrícolas para o ambiente circundante, onde são absorvidos por outras plantas que são muito atraentes para as abelhas”, diz uma das autoras do estudo, Nadia Tsvetkov.

O trabalho realizado por ambas as equipas demonstra que os humanos estão realmente a contribuir para o declínio mundial das abelhas, de forma mais dramática do que queremos admitir.

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Esta informação, como aliás outras já veiculadas sobre este assunto, demonstram o quanto de mal nós, espécie humana, através dos insectidas, temos provocado à maior biodiversidade do nosso Planeta, ou seja, os insectos, de há muitas décadas para cá! Pena é que a notícia venha acompanhada de uma fotografia de um Diptera (ordem) Sirphidae (família) (vulgo moscas das flores=sirfos)) que não têm nada a ver com abelhas!

  2. Se o próprio ser humano se está a deteriorar a si próprio com novas experiências e isto para não falar já das guerras tão antigas como o próprio homem, não é surpresa nenhuma que acabará por destruir tudo à sua volta.

RESPONDER

Os terrenos contaminados de Fukushima vão tornar-se num centro de "energia verde"

Fukushima, local que sofreu um dos maiores desastres nuclear do mundo, vai reinventar-se e tornar-se num centro de energia renovável. Depois de ser atingido por um terramoto e um tsunami de 15 metros em 2011, três …

Cientistas identificaram neurónios específicos que mapeiam memórias

Neurocientistas descobriram um aspeto curioso de como a nossa memória funciona: Quando o cérebro precisa de recuperar informação relacionada com um lugar específico, neurónios individuais podem atingir memórias específicas. De acordo com o estudo publicado na …

Grande tempestade de areia pode ter ditado o fim de um império da Mesopotâmia

O Império Acádio da Mesopotâmia entrou em colapso devido a uma enorme tempestade de areia, sugeriu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Hokkaido, no Japão. Em comunicado, os especialistas explicam …

Encontrado templo milenar usado em rituais pagãos de veneração da água

O local tem 3.000 anos, onde investigadores encontraram 21 sepulturas, bem como várias peças de cerâmica e anéis de cobre. O templo era usado em rituais pagãos de veneração da água. Uma equipa de arqueólogos encontrou …

Elon Musk diz que inovações da Neuralink vão conseguir curar o autismo

Musk disse que a sua empresa Neuralink iria "solucionar uma série de doenças neurológicas", entre as quais o autismo. Contudo, o autismo não é uma doença relacionada com o cérebro, mas sim uma perturbação do …

"Indivíduos desconhecidos" terão obrigado Marinha a apagar vídeo do incidente do USS Nimitz com um OVNI

Vários membros da Marinha que testemunharam o famoso Incidente do USS Nimitiz, em 2004, disseram que "indivíduos desconhecidos" apareceram depois do acontecimento e obrigaram-nos a apagar as gravações de vídeo. Em novembro de 2004, um porta-aviões …

Coreia do Norte detonou bomba atómica equivalente a 17 "Hiroshimas"

Dados de um satélite japonês revelam que a explosão de um teste nuclear na Coreia do Norte, em 2017, terá sido 17 vezes mais poderosa do que a bomba de Hiroshima. A Coreia do Norte estimou que …

Invenção financiada por Bill Gates pode invisivelmente resolver a malnutrição

Uma invenção financiada por Bill e Melinda Gates pode ser a solução para resolver o problema da malnutrição a nível mundial. O próximo passo é conseguir o apoio dos Governos locais. A malnutrição é um problema …

Com a ajuda de um radar, cientistas revelaram pegadas de mamutes e humanos pré-históricos

Espalhados pelo Monumento Nacional de White Sands, nos Estados Unidos, encontram-se os "rastos fantasma" de mamutes mortos há milhares de anos. Agora, investigadores conseguiram revelar pegadas de humanos. De acordo com o Science Alert, esta descoberta, …

A desertificação está progredir na Índia. Mas a solução pode estar no conhecimento tradicional

Quase 45% da área de Maharashtra está a transformar-se em deserto, assim como uma grande parte da Índia. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), o ritmo da desertificação no país é agora …