É oficial: estamos a matar as abelhas

Dois estudos financiados pela indústria de pesticidas mostraram resultados não muito bons para os seus financiadores. As pesquisas forneceram provas sólidas de que os pesticidas muito populares, chamados de neonicotinóides, são terríveis para as abelhas, que mantêm nosso sistema de produção de alimentos em funcionamento.

Já se suspeitava que estes pesticidas poderiam estar a afetar as abelhas, mas é um assunto complicado de se estudar em laboratório, onde as abelhas podem receber doses de pesticida de forma irrealista. Agora, os cientistas realizaram os maiores testes de campo na Europa e no Canadá, e os resultados do estudo não são propriamente positivos.

Os neonicotinóides são a classe mais utilizada de inseticidas no mundo. São quimicamente semelhantes à nicotina, o composto que as plantas da família das palmeiras desenvolveram para se protegerem das pragas.

Inseticidas sistémicos

Inventados na década de 1980, os neonicotinóides tornaram-se populares porque são sistémicos, ou seja, circulam por toda a planta e matam os insetos mal estes se alimentam. E, como esses inseticidas permanecem no sistema da planta, uma aplicação – às vezes apenas nas sementes – pode oferecer uma proteção a longo prazo.

Mas essas propriedades atraentes para os agricultores são o que tornam os neonicotinóides uma preocupação para o bem-estar das abelhas. Um inseticida sistémico consegue percorrer facilmente o caminho até o néctar e o pólen de uma planta.

Para medir esse potencial dano, uma equipa de cientistas europeus estabeleceu 33 locais com plantações de colza, uma planta da qual as sementes são usadas para a produção de biodiesel, na Alemanha, Hungria e no Reino Unido. Estes foram aleatoriamente designados para serem tratados com um de dois nicotinóides ou com nenhum deles.

A equipa observou os efeitos em três espécies de abelhas. Os resultados diferiram entre as zonas e as espécies, mas, em geral, os especialistas descobriram que as colmeias eram menos propensas a sobreviver durante o inverno, enquanto as abelhas selvagens se reproduziram menos.

De acordo com os cientistas, os pesticidas não matam diretamente as abelhas. Em vez disso, parece que a exposição de baixo nível as torna mais vulneráveis, especialmente se houver outros fatores ambientais ou doenças que já afetam a colmeia.

“As aplicações de neonicotinóides são, portanto, um tipo de roleta reprodutiva para as abelhas”, observa o especialista em biodiversidade, Jeremy Kerr.

O enorme estudo foi, na verdade, amplamente financiado pela própria indústria de pesticidas. As empresas Bayer Crop Science e Syngenta deram 3 milhões de dólares para a investigação, e ambas criticaram as conclusões dos cientistas de que seria melhor restringir o uso de neonicotinóides.

Mas estes são resultados importantes e devem ser usados como base para a próxima decisão da União Europeia sobre uma potencial proibição geral destes pesticidas. Uma proibição temporária já está em vigor desde 2013.

“Os nossos resultados sugerem que, mesmo que o uso destes pesticidas fosse restringido, como na recente moratória da UE, a exposição contínua a resíduos de neonicotinóides resultantes do uso generalizado anterior tem o potencial de impactar a persistência negativa de abelhas selvagens em paisagens agrícolas”, destacam os cientistas.

Outro estudo de campo realizado por cientistas no Canadá foi publicado na mesma publicação da Science e também revelou vários efeitos negativos dos inseticidas nas abelhas.

A equipa estudou abelhas que viviam perto de campos de milho tratados com neonicotinóides e concluiu que as abelhas expostas a esses pesticidas apresentavam menor expectativa de vida e poucas condições de higiene na colmeia.

Além disso, os cientistas também descobriram que as abelhas recolheram pólen contaminado com os pesticidas, mas esse pólen não veio das próprias culturas tratadas.

“Isso indica que os neonicotinóides, que são solúveis em água, espalham-se dos campos agrícolas para o ambiente circundante, onde são absorvidos por outras plantas que são muito atraentes para as abelhas”, diz uma das autoras do estudo, Nadia Tsvetkov.

O trabalho realizado por ambas as equipas demonstra que os humanos estão realmente a contribuir para o declínio mundial das abelhas, de forma mais dramática do que queremos admitir.

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Esta informação, como aliás outras já veiculadas sobre este assunto, demonstram o quanto de mal nós, espécie humana, através dos insectidas, temos provocado à maior biodiversidade do nosso Planeta, ou seja, os insectos, de há muitas décadas para cá! Pena é que a notícia venha acompanhada de uma fotografia de um Diptera (ordem) Sirphidae (família) (vulgo moscas das flores=sirfos)) que não têm nada a ver com abelhas!

  2. Se o próprio ser humano se está a deteriorar a si próprio com novas experiências e isto para não falar já das guerras tão antigas como o próprio homem, não é surpresa nenhuma que acabará por destruir tudo à sua volta.

RESPONDER

Medidas para as prisões, apoios às empresas, suspensão de tarifas. Parlamento discute mais de 100 iniciativas

Medidas excecionais para prisões e banca, mais apoios às empresas ou à cultura ou a suspensão de propinas e das tarifas de gás e luz são alguns dos temas que vão passar esta quarta-feira pelo …

Trump tem "interesse financeiro" em farmacêutica que produz hidroxicloroquina (a sua "cura" para a Covid-19)

Donald Trump falou da hidroxicloroquina como uma potencial "cura milagrosa" para a Covid-19, apesar das recomendações contrárias de especialistas e da falta de estudos científicos válidos que confirmem os benefícios da substância. O The New …

Restos de bombas atómicas revelam longa vida dos tubarões-baleia

Cientistas estão a determinar a esperança de vida do maior peixe dos oceanos com a ajuda de testes de bombas atómicas realizados durante a Guerra Fria, entre os anos 50 e 60. Em perigo de extinção, …

Telescópio russo apanha o despertar de um buraco negro

O telescópio russo ART-XC do observatório espacial Spektr-RG detetou uma fonte brilhante de raios-X no centro da Via Láctea, que acabou por revelar ser o "despertar" do buraco negro 4U 1755-338. A descoberta ocorreu no passado …

O cometa interestelar 2I/Borisov partiu-se em dois

O cometa interestelar 2I/Borisov, o primeiro do seu tipo a ser descoberto em agosto do ano passado, começou a dividir-se em duas partes na semana passada. As imagens contínuas do telescópio espacial Hubble do objeto interestelar …

Estudo estima 471 mortes em Portugal até agosto (e que o pico foi atingido a 3 de abril)

De acordo com as estimativas do estudo, cerca de 151.680 pessoas vão morrer na Europa durante a "primeira vaga" da doença. Um estudo divulgado esta terça-feira nos Estados Unidos estima que a covid-19 venha a provocar …

Mais de metade da população mundial está fechada em casa

Mais de metade da população mundial (52%) está atualmente confinada nas suas casas por ordem das autoridades para combater a propagação da doença covid-19. Segundo um balanço feito pela agência France Fresse (AFP), mais de quatro …

Documentário da Netflix reacende debate sobre os milhares de tigres em cativeiro nos Estados Unidos

A minissérie documental da Netflix "Tiger King: Morte, Caos e Loucura" veio reacender o debate sobre os grandes felinos que estão em cativeiro, frisando que há cerca de 10.000 espécimes nestas condições nos Estados Unidos. …

Luciano venceu a covid-19 aos 100 anos. Teve direito a bolo, a um desenho e a uma alta hospitalar

Luciano Marques da Silva completou 100 anos no hospital de São João, no Porto, onde se encontrava hospitalizado devido à infeção por covid-19. Depois de dez dias de internamento, conseguiu vencer e recebeu alta. No dia …

Geneinno S2, a scooter subaquática que o impulsiona entre as ondas

Há dois anos, foi anunciada a Trident, uma scooter subaquática fabricada pela startup chinesa Geneinno. Agora, a empresa lançou um modelo mais barato e portátil, conhecido como Geneinno S2. O Trident - ou Geneinno S1 - …