O Tesla de Elon Musk levou uma carga secreta para o espaço

Arch Mission

3 das primeiras 5 bibliotecas Arch criadas até agora

Quando a semana passada a SpaceX lançou o mais poderoso foguetão do mundo, foi a sua carga especial – o Tesla Roadster de Elon Musk – a conquistar toda a atenção. Mas o desportivo eléctrico levava uma segunda carga secreta escondida no carro.

Preso no interior do primeiro carro espacial, está um pequeno objecto, projetacdo para durar milhões – ou mesmo milhares de milhões – de anos, muito mais que o próprio Roadster vermelho: um minúsculo dispositivo de armazenamento de informações que contém 360 terabytes de dados, o mesmo que 7 mil discos de Blu-Ray.

Chamado Arch, o minúsculo dispositivo feito de cristal de quartzo contém bibliotecas de informação codificadas. Parece um CD em miniatura, tem o tamanho de uma moeda, e é suficientemente resistente para suportar para sempre as terríveis condições espaciais.

Por trás da tecnologia está a Arch Mission Fundation, uma ONG que pretende “preservar e disseminar o conhecimento da humanidade através do tempo e do espaço, para o benefício das futuras gerações”. A tecnologia foi desenvolvida pelo físico Peter Kazansky, da Universidade de Southampton, no Reino Unido.

Os primeiros dois discos criados, o Arch 1.1 e o Arch 1.2, serão em teoria estáveis durante pelo menos 14 mil milhões de anos, graças à técnica de armazenamento em 5D, na qual a informação é codificada com a ajuda de nanoestruturas um vidro de sílica de quartzo.

O Arch 1.2 está agora a percorrer o espaço, no já mítico Tesla espacial de Elon Musk, a uma velocidade de 12.908 km/h, e leva a trilogia Foundation, de Isaac Asimov, um clássico de ficção científica cujo tema é a preservação do conhecimento e cultura humana num universo vasto e cruel. Este primeiro disco foi baptizado de “Biblioteca Solar”.

“A Biblioteca Solar vai estar em orbita do sol durante milhões de anos. Pense nisso como um anel de conhecimento à volta do Sol. Este é o primeiro passo de um projecto épico para seleccionar, codificar e distribuir os nossos dados através do Sistema Solar e além”, explica Nova Spivack, co-fundadora da Arch Mission Foundation.

Dois novos lançamentos estão programados para 2020 e 2030, com as arcas “Lunar” e “Mars”, que irão levar backups do conhecimento humano para a Lua e para Marte. O segundo disco foi também projectado para no futuro ajudar no desenvolvimento de uma internet no Planeta Vermelho.

Com todas estas arcas espalhadas pelo Sistema Solar, o conhecimento humano ficará descentralizado da Terra – e na realidade estas arcas podem até ser enviadas para muito, muito longe da Via Láctea.

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. A carga era secreta para os jornalistas que so leram a primeira parte do informação.
    Agora, enquanto tomavam uma bujeca, escutaram alguém a comentar os fantásticos discos e foram investigar e descobriram que a carga estava escondida no manifesto, um documento chato e pouco sensacionalista.

    Para a semana vão descobrir que o roadster tinha rodas, e que o condutor é um fato espacial sem ninguém lá dentro.
    As surpresas que o Elon prepara para a imprensa.

  2. O problema em questão: será que algum dia “se” a humanidade se extinguir e uma outra forma de vida “extra-terrestre” descobrir (se conseguir descobrir algo tão minusculo) este artefacto, o vai idolatrar de tal maneira que nem vão saber o que é na verdade, e vão pensar que será alguma reliquia apenas pelo formato e não pelo conteudo. Pois não acredito que vão saber o tipo de tecnologia incorporada nestes discos.

    Da mesma maneira que aqui na terra os humanos vão descobrindo piramides, artefactos do passado e também não o conseguem fazer, pelo menos em pratica nunca conseguem perceber qual o objetivo ou a “tecnologia” antepassada aplicada naqueles objetos, pois tornam-los imediatamente em peças de museu e/ou religiosos sem saberem o termo util.

    Penso que será assim que outros serem se deparão com a nossa tecnologia atual.

RESPONDER

Foi a escuridão (e não o frio) que ditou a extinção dos dinossauros

Uma nova investigação sobre o asteróide que causou a extinção dos dinossauros sugere que foi a escuridão, ainda antes do frio, que ditou o fim destes animais. De acordo com a nova investigação, cujos resultados foram …

34 anos depois, dados da Voyager 2 revelam mais um segredo de Urano

Mais de 30 anos depois, os dados da Voyager 2, que sobrevoou o planeta em 1986, permitiram aos cientistas da NASA desvendar mais um segredo de Urano. Em janeiro de 1986, a Voyager 2 sobrevoou Urano. …

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …