O que vem primeiro: felicidade ou sucesso? Já há uma resposta

Um grupo de investigadores tentou responder a esta questão tão profunda. Acompanharam quase um milhão de trabalhadores, ao longo de cinco anos.

É tal como a pergunta sobre o que vem primeiro: a galinha ou o ovo? O que vem primeiro: a felicidade ou o sucesso?

Será o sucesso que faz uma pessoa feliz, ou será que a felicidade permite ter mais sucesso na vida?

Num estudo publicado em 2021, Paul Lester, professor associado de gestão na Escola de Pós-graduação Naval, Martin Seligman, diretor do Centro de Psicologia Positiva da Universidade da Pensilvânia e Ed Diener, influente psicólogo americano entretanto falecido, tentaram responder a estas questões.

De acordo com a Fast Company, os investigadores seguiram quase um milhão de trabalhadores do Departamento de Defesa dos EUA, em todas as funções de trabalho, durante cinco anos.

Mediram a felicidade relativa e otimismo com perguntas do Programa de Afetação Positiva e Negativa e do Teste de Orientação de Vida (ferramentas utilizadas pelos militares para avaliar o bem-estar) e compararam-nas com o número de prémios ganhos por um funcionário.

O Impacto da Felicidade

Os que tiveram os maiores efeitos positivos no bem-estar, tiveram quase quatro vezes o número de reconhecimentos de prémios como os do grupo com as mais baixas pontuações de bem-estar.

Os investigadores também descobriram que embora sentimentos negativos como tristeza e raiva estejam associados a menos prémios, ter baixos níveis de emoções positivas também o fazia.

“Conseguimos concentrar-nos no impacto da felicidade como um indicador de desempenho”, diz Paul Lester. “Sentimentos negativos elevados interferem com o bom desempenho, e o otimismo elevado antecipa maior probabilidade de um desempenho superior no trabalho”.

O resultado final do estudo é que não é preciso ter sucesso para ser feliz e não é preciso ser feliz para encontrar sucesso.

As pessoas que poderiam ser consideradas infelizes em comparação com os seus pares ainda ganhavam prémios por desempenho, mas ganhavam-nos a um ritmo inferior ao das pessoas que eram felizes em geral.

“A felicidade poderia dar-lhe maiores hipóteses de ser bem sucedido“, diz Lester.

“Habilidade, conhecimento, capacidade, tudo isso é muito importante. E não estamos a dizer que a felicidade é mais importante do que todas essas outras coisas”, estamos a mostrar que a felicidade é um indicador mensurável do desempenho”.

O que isto significa para si

Os resultados do estudo têm aplicações no mundo civil. O Departamento de Defesa é o maior empregador do mundo, com cerca de 190 tipos diferentes de empregos, desde condutores de camiões, pilotos, médicos e advogados.

Os investigadores puderam analisar um grande variedade de áreas de trabalho, demografia, raça, género, ocupação e características das funções.

“Foi isso que tornou o estudo especial, não só a sua profundidade mas também a sua amplitude”, diz Lester.

Uma vez que a felicidade pode ser um precursor do sucesso, Lester e os seus colegas encorajam as organizações a concentrarem-se no bem-estar e otimismo os empregados. “A felicidade é importante e deve ser medida”, explica o investigador.

“De certa forma, é um substituto para a saúde da própria organização. Há valor em medi-la e desenvolvê-la”, acrescenta Lester.

Em vez de confiar na intuição da gestão, propõe-se utilizar ferramentas de avaliação com atuais empregados, bem como com os futuros contratos para medir o bem-estar, o otimismo e a felicidade geral.

Muitas organizações já utilizam rastreio comportamental para avaliar os candidatos a emprego. Se não incluir perguntas sobre felicidade e otimismo, deve ser atualizado com este elemento.

As organizações devem também prestar atenção à liderança tóxica e aos empregados, que podem causar infelicidade nos outros, impactando o desempenho e levando a um maior desgaste.

A formação de líderes para gerir melhor os funcionários pode ajudar, embora medidas mais severas, como o despedimento, possam ser necessárias para proteger a saúde mental global da equipa. Outro passo a dar é desenvolver a felicidade na sua força de trabalho.

Lester e os investigadores sugerem a implementação de exercícios simples, como encorajar os funcionários a fazer testemunhos de gratidão a alguém que mudou a sua vida para melhor.

Ou fazer com que os empregados escrevam três coisas que correram bem todos os dias durante uma semana. Pesquisas anteriores mostraram que estas intervenções positivas podem aumentar a felicidade e diminuir os sintomas depressivos.

Por fim, Lester diz que os líderes devem dar ênfase ao bem-estar. “Se os líderes querem melhorar a felicidade dos empregados, devem modelar aquilo que é ensinado de modo a que se torne parte integrante do léxico e da cultura da organização”, diz o investigador.

Aprendemos melhor ao observar outras pessoas. O grande desafio é que a felicidade dos seus empregados é importante. Sim, as medidas objetivas de desempenho são importantes para a organização”, explica.

É por isso que a sua organização existe por qualquer razão. Mas no final, um indicador de quão bem a sua empresa está a fazer é avaliar a felicidade global dos seus empregados”, conclui Paul Lester.

PUBLICIDADE

  Inês Costa Macedo, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.