O maior ser vivo do planeta tem quase 4 km e é quase invisível

Armand Robichaud / Flickr

Armillaria solidipes, também conhecido como o "cogumelo do mel"

Armillaria solidipes, também conhecido como o “cogumelo do mel”

O chef italiano Antonio Carluccio diz que é delicioso com espaguete e pimenta vermelha. Mas, para os jardineiros, ele é uma ameaça a cercas vivas, rosas e outras flores.

O fungo parasita em causa, Armillaria solidipes, é aparentemente saboroso, mas não ficou famoso apenas por dividir opiniões. É também considerado por muitos o maior organismo vivo da Terra.

Trata-se, mais concretamente, de um tipo específico do fungo Armillaria, da família Physalacriaceae, que cresce nas Blue Mountains, no Estado norte-americano do Oregon, e mede 3,8 km de comprimento – dimensões que lhe permitem ser considerado o maior ser vivo da Terra.

Há diversas espécies de fungos do género Armillaria, também conhecido como o “cogumelo do mel“. Colonizam e matam diversas árvores e plantas lenhosas, que produzem madeira.

Mas os grandes grupos de cogumelos castanho-amarelados que vemos à superficie na realidade são apenas uma parte de organismos muito maiores.

Estes organismos são compostos de rizomorfos, estruturas com aspecto semelhante ao de raízes das plantas, capazes de transportar nutrientes a grandes distâncias.

Estes organismos fúngicos espalham-se sob a superfície em busca de novos anfitriões e de redes subterrâneas de filamentos tubulares, conhecidas como micélios.

Mas só recentemente os cientistas descobriram o tamanho que estas estruturas atingem.

Assassinos de árvores

Em 1998, uma equipa do Serviço Florestal dos Estados Unidos decidiu investigar a causa da mortandade de árvores de grande porte na floresta nacional Malheur, no Oregon.

Os investigadores identificaram áreas afectadas em fotografias aéreas e recolheram amostras de raízes de 112 árvores mortas ou que estavam a morrer, a maior parte dos quais pinheiros.

Testes mostraram que todos, excepto quatro, tinham sido infectados pelo fungo Armillaria solidipes, antes conhecido como Armillaria ostoyae.

Quando os micélios de A. solidipes geneticamente idênticos se encontram, podem fundir-se e formar um novo indivíduo.

Os investigadores aproveitaram essa capacidade e cultivaram amostras de fungos, aos pares, em placas de Petri.

Ao observar quais as amostras que se fundiam e quais as que rejeitavam os outros, os cientistas descobriram que 61 das árvores moribundas árvores tinham sido atacadas pela mesma colónia clone – indivíduos com formação genética idêntica, originados a partir do mesmo organismo.

As mais espaçadas destas árvores encontravam-se a 3,8 km de distância uma da outra.

O grupo calculou que o A. solidipes assassino cobria uma área de 9,6 km² e tinha entre 1.900 e 8.650 anos de idade.

Na altura, o maior organismo vivo conhecido era um fungo da mesma espécie, descoberto em 1992 no sudoeste de Washington, que se estendia por 6,5 km².

Há um velho debate entre os biólogos sobre o que constitui ou não um organismo individual.

Mas a colónia-clone recordista de A. Solidipes passa perfeitamente no teste, com base na definição do que é um indivíduo único.

Efectivamente, é um ser constituído por células geneticamente idênticas, que conseguem comunicar entre si, e que têm um objectivo comum – ou conseguem, pelo menos, coordenar-se.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Ex-ministro francês François Bayrou acusado de cumplicidade na apropriação de fundos

O ex-ministro francês François Bayrou, dirigente centrista e próximo de Emmanuel Mácron, foi acusado na sexta-feira por "cumplicidade na apropriação indevida de fundos públicos" no caso dos assistentes parlamentares do seu partido. A acusação, "anunciada antecipadamente …

"Profundamente envergonhada", Merkel visitou Auschwitz pela primeira vez

A chanceler alemã, Angela Merkel, visitou esta sexta-feira pela primeira vez o campo de concentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau num "sinal de reconciliação com os judeus e o estado de Israel", considera o historiador René …

Capital do Natal de Algés avança com queixa-crime contra promotores

A organização da Capital do Natal, evento que decorre em Algés, Oeiras, vai apresentar uma queixa-crime contra os promotores turísticos que "adulteraram a oferta do parque", o que defraudou "um conjunto alargado de pessoas". Em causa …

Menino de 5 anos convidou todos os colegas do infantário para assistir à sua adoção

Um menino de cinco anos de Michigan, nos Estados Unidos, convidou a sua turma do infantário para testemunhar à sua adoção legal. A criança, identificada como Michael, foi adotada formalmente pela sua nova família na passada …

TDT vai mudar de frequência (outra vez)

A frequência da Televisão Digital Terrestre (TDT) está a ser alterada de forma faseada, o que significa que os portugueses que usem este serviço gratuito de televisão têm de sintonizar novamente os seus recetores e/ou …

Ruas de Águeda entre as "mais bonitas do mundo" para a CNN

As ruas do centro de Águeda, no distrito de Aveiro, decoradas com guarda-chuvas estão entre as 21 mais bonitas de mundo para a emissora norte-americana CNN. A distinção é avançada pelo jornal Público, que dá …

Hospitais vão poder pagar mais a médicos para garantir urgências no Natal

Os hospitais vão poder contratar médicos prestadores de serviço, vulgo tarefeiros, por valores superiores aos de referência durante o Natal e o Ano Novo. De acordo com o presidente da Federação Nacional dos Médicos, Noel Carrilho, …

Jovem que abandonou bebé no lixo esteve 13 anos institucionalizada em Cabo Verde

A jovem que abandonou o filho recém-nascido no lixo, em Lisboa, esteve institucionalizada durante 13 anos em Cabo Verde. A sua mãe está agora a lutar pela guarda da criança. Numa entrevista ao programa Sexta às …

Último debate. Boris defendeu o Brexit e Corbyn falou da Saúde (pelo menos 15 vezes cada um)

No debate televisivo, transmitido pela BBC, o último antes das eleições da próxima quinta-feira, Boris Johnson defendeu que é o melhor preparado para concretizar o Brexit e terminar com o impasse no processo, prometendo ainda …

No São José, há um doente numa cama 9 meses depois de ter alta. Não tem para onde ir

O Centro Hospitalar Lisboa Central tem diariamente uma média de 70 camas ocupadas com doentes que já deviam ter saído do hospital e há atualmente um caso que espera há nove meses por uma solução. Em …