Número de refugiados é o maior desde a Segunda Guerra Mundial

A. Rummery / UNHCR

Crianças sírias brincam num campo de refugiados em Za’atri, na Jordânia

Crianças sírias brincam num campo de refugiados em Za’atri, na Jordânia

O número de pessoas forçadas a deixar as suas casas devido a guerras ou perseguição superou a marca de 50 milhões em 2013 pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial, informou a agência de refugiados da ONU.

O número – 51,2 milhões – é seis vezes maior do que o registado no ano anterior, e aumentou devido aos conflitos na Síria, no Sudão do Sul e na República Centro-Africana, segundo o relatório da UNHCR.

O alto-comissário da ONU para os Refugiados, António Guterres, disse à BBC que o aumento é um “desafio dramático” para organizações que prestam ajuda humanitária.

“Os conflitos estão a multiplicar-se mais e mais”, disse Guterres. “E, ao mesmo tempo, conflitos antigos parecem nunca terminar”.

Há uma preocupação especial com os cerca de 6,3 milhões de pessoas que são refugiados há anos – em alguns casos, há décadas.

Deslocados internamente

O Afeganistão ainda responde pela emissão do maior número de refugiados no mundo, e o vizinho Paquistão é o país que abriga o maior contingente, com cerca de 1,6 milhões.

Pessoas em condições classificadas pela ONU como situação de refúgio prolongada incluem mais de 2,5 milhões de afegãos.

Em todo o mundo, milhares de refugiados de crises ausentes do noticiário têm passado boa parte das suas vidas em campos. Na fronteira entre a Tailândia e Myanmar, cerca de 120 mil integrantes da minoria karen, da antiga Birmânia, vivem em campos de refugiados há mais de 20 anos.

Refugiados não podem ser removidos à força, segundo a ONU, e não devem retornar aos seus países a não ser que seja seguro e que tenham para onde voltar. Para muitos, entre eles os mais de 300 mil refugiados somalis no campo de Dadaab, no Quénia, esta é uma perspectiva distante.

Alguns campos tornaram-se praticamente permanentes, com escolas, hospitais e comércio, de acordo com a ONU. Mas estes não são, e jamais poderão ser, um lar.

O número de refugiados é excedido pela quantidade de pessoas deslocadas internamente – aquelas que foram forçadas a deixar as suas casas, mas que continuam dentro das fronteiras dos seus próprios países.

Só na Síria, acredita-se que haja cerca de 6,5 milhões de deslocados. O conflito armado no país afetou famílias de várias maneiras. O acesso a comida, água, abrigo e assistência médica é limitado e, por permanecerem dentro de uma zona de conflito, é difícil às agências de ajuda internacional chegarem até ali.

A ONU estima haver cerca de 33,3 milhões de deslocados internos em todo o mundo.

As grandes quantidades de refugiados e de internamente deslocados representam um desafio na questão de recursos e podem, inclusivamente, desestabilizar o país que os acolhe.

Europa tem que assumir responsabilidades

Durante a crise na Síria, os vizinhos Líbano, Jordânia e Turquia mantiveram suas fronteiras abertas. O Líbano tem agora mais de um milhão de refugiados sírios, o que representa um quarto da sua população. A pressão sobre habitação, educação e saúde está a causar tensões num país que também tem a sua própria história de conflitos recentes.

A ONU está preocupada com o facto de a tarefa de assistir refugiados estar, cada vez mais, sob a responsabilidade de países com poucos recursos. Países em desenvolvimento abrigam 86% dos refugiados em todo o mundo, com países ricos a atender apenas 14%.

Apesar dos receios na Europa sobre o crescente número de pedidos de asilo e imigração, esta diferença está a crescer. Há 10 anos, os países ricos recebiam 30% dos refugiados, e os países em desenvolvimento abrigavam “apenas” 70% deles.

Para António Guterres, a Europa pode e deve fazer mais.

“Eu acho que é muito importante que a Europa assuma as suas responsabilidades”, disse.

“Está claro que temos bons exemplos na Europa, como a Suécia e a Alemanha, que têm tomado medidas generosas… mas precisamos de uma expressão conjunta da solidariedade europeia“.

O que mais frustra as agências de ajuda humanitária da ONU é o número cada vez maior de refugiados, enquanto o braço político da ONU, o Conselho de Segurança, parece ser incapaz de resolver conflitos ou prevenir o início de novos confrontos.

“O mundo está a tornar-se mais violento, e mais pessoas estão a ser forçadas a fugir”, disse Guterres, acrescentando que as organizações humanitárias não têm capacidade e recursos para lidar com este crescente número de refugiados.

“Não há solução humanitária para esses problemas… ver o Conselho de Segurança paralisado, quando todas estas crises estão a aumentar, é algo que não faz sentido”.

“O que mais me frustra é o sofrimento das pessoas, é ver tantas pessoas inocentes a morrer, tantas pessoas inocentes a fugir, tantas pessoas inocentes a ver as suas vidas completamente destruídas, e o mundo ser incapaz de pôr um fim a esse absurdo”.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Arqueólogos descobrem esqueleto que acreditam pertencer a guerreiro anglo-saxão

Uma equipa de arqueólogos desenterrou um esqueleto que parece ter pertencido a um guerreiro anglo-saxão. Os especialistas dizem que a descoberta lança uma nova luz sobre a ascensão e queda das tribos locais. O esqueleto foi …

Ana Rita Cavaco ataca plano de inverno (e duvida que Marcelo "tenha ficado mais sossegado")

Ana Rita Cavaco reuniu-se com Marcelo Rebelo de Sousa, mas duvida que o Presidente tenha ficado mais tranquilo após ter ouvido os representantes do setor da Saúde, no Palácio de Belém. Ana Rita Cavaco, presidente da …

Nuno Mendes, "hábil como Ronaldinho"

  Portal conceituado destaca o jovem lateral do Sporting e cita Cristiano Ronaldo... várias vezes. Gigantes europeus atentos à evolução do jogador. Nuno Mendes é o foco de um artigo do portal Goal, embora Ronaldo (e Ronaldinho) …

Irão e Rússia estarão a tentar interferir nas presidenciais dos EUA

O diretor nacional dos serviços de informação dos Estados Unidos disse na quarta-feira que Irão e Rússia obtiveram informações dos eleitores norte-americanos e que estão a tentar interferir nas eleições presidenciais de 3 de novembro. "Queremos …

Cientistas revertem a doença de Parkinson em ratos

Uma equipa de cientistas conseguiu reverter totalmente a doença de Parkinson em ratos. Os animais deixaram de apresentar sintomas e recuperaram neurónios. A doença de Parkinson resulta da redução dos níveis de uma substância que funciona …

Entrevista a Carlos Cueva, autor de estudo inédito sobre os jogos à porta fechada

Carlos Cueva, 34 anos e professor na Universidade de Alicante há seis anos. Estudou em Inglaterra, onde completou um doutoramento em Economia. O ensino e a investigação ocupam o seu tempo. É especialista em investigação …

Ministro da Saúde do Brasil infetado com covid-19

Eduardo Pazuello, ministro da Saúde brasileiro, está infetado. Também esta quarta-feira, o governante foi admoestado por Jair Bolsonaro, que negou haver intenção do Brasil comprar 46 milhões de doses de vacina chinesa. O ministro da Saúde …

PSD vai votar contra o OE2021. PS acusa Rio de abandonar defesa do "interesse nacional"

O secretário-geral adjunto socialista disse esta quarta-feira que não surpreende o voto contra do PSD à proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE2021), considerando, no entanto, que Rui Rio “deixou cair” o valor do …

As vacas preferem interagir cara a cara com as pessoas. Ficam mais relaxadas

Um novo estudo descobriu que as vacas preferem interagir com os seres humanos cara a cara e que ficam os animais ficam mais relaxados com este tipo de interação do que quando ouvem uma voz …

Marcelo promulga diploma que reduz debates europeus para dois por semestre

O Presidente da República promulgou o diploma aprovado por PS e PSD que reduz os debates europeus no parlamento para dois por semestre, depois de ter vetado uma primeira versão que previa apenas um por …