Novo simulador da ERSE ajuda as famílias a poupar na eletricidade

A redução da potência do contador de eletricidade pode permitir às famílias poupanças anuais de pelo menos 22 euros. A redução pode ser calculada através do novo simulador da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) que é lançado esta quarta-feira.

Quanto mais elevada é a potência contratada escolhida pelos consumidores, quando celebram um contrato de eletricidade, maior é o número de equipamentos elétricos que podem estar ligados ao mesmo tempo, mas com um custo mais pesado desta componente na fatura da eletricidade.

“É da maior importância que os consumidores tenham uma potência adequada ao número de equipamentos elétricos que ligam ao mesmo tempo em casa”, considerou a presidente da ERSE, Cristina Portugal, realçando que a expressão “chave é “ao mesmo tempo””.



O simulador que o regulador disponibiliza a partir de quarta-feira, assinalando o Dia Mundial da Energia, no seu site, recomenda o valor de potência a contratar pelos clientes de baixa tensão normal e com instalações elétricas monofásicas, e fornece informação sobre o valor que pode poupar com essa redução do nível de potência.

“Se o consumidor baixar uma escalão na sua potência contratada poderá conseguir uma poupança de pelo menos 22 euros por ano”, refere a ERSE, adiantando que “essa poupança poderá ser ainda maior caso reduza a potência contratada até 3,5 kVA, beneficiando ainda da diminuição da taxa do IVA de 23% para 6% a partir de 1 de julho em Portugal continental”.

Na prática, o novo simulador permite ao consumidor identificar os equipamentos elétricos que precisa de utilizar em simultâneo – por exemplo, o frigorífico, a televisão e a máquina de lavar loiça – para perceber qual é a potência mais adequada no seu caso.

Como ponto de partida, o simulador apresenta cinco exemplos de utilização de equipamentos, que correspondem a cinco escalões de potência contratada diferentes (dos 3,45 kVA a 10,35 kVA), podendo adaptar os exemplos, adicionando ou eliminando equipamentos, bem como editando a potência de cada um deles, obtendo um resultado mais próximo do real.

Num encontro com jornalistas, Hugo Coutinho, da Direção de Tarifas e Preços da ERSE, deixou o alerta: “se o quadro elétrico nunca se desliga, o consumidor pode baixar a potência contratada”, de forma a conseguir baixar a fatura de eletricidade.

Para o efeito, os consumidores têm que fazer o pedido ao comercializador de eletricidade, que se articula com o operador da rede de distribuição (EDP Distribuição) para proceder a esta mudança – que é gratuita.

Em princípio, a alteração de potência implica a visita de um técnico, excetuando se o contador for inteligente, e estiver ligado a uma rede inteligente, em que a operação pode ser feita remotamente.

De acordo com dados da ERSE, os escalões de potência mais frequentes em Portugal são 3,45 kVA, com 2,8 milhões de consumidores (45% do total), e 6,9 kVA, com 1,6 milhões de consumidores (25% do total). Apenas os consumidores de baixa tensão – famílias e pequenos negócios – têm que escolher um escalão de potência contratada, uma vez que os consumidores em níveis de tensão superiores são faturados de acordo com a potência máxima registada nos últimos 12 meses.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O Hawaii quer remover a sua "escadaria para o paraíso" - e a culpa é dos turistas

Em causa estão preocupações com a segurança e vandalismo, que têm aumentado com a explosão de popularidade da escadaria Ha‘ikū nas redes sociais. É caso para dizer que a Stairway to Heaven vai para o inferno …

Inventou o ZX Spectrum e mudou o mundo. Morreu Clive Sinclair

O empresário britânico e inventor do computador doméstico ZX Spectrum, Clive Sinclair, morreu hoje aos 81 anos na sua casa, em Londres (Reino Unido), devido a doença prolongada, informou a filha ao jornal “The Guardian”. Morreu …

Esta torre construída na Suécia não é gigante em altura, mas em sustentabilidade

Para além de ser feito de um material sustentável — fornecido por florestas locais com gestão consciente e transformado por uma serração nas proximidades, o Centro Cultural dispõe de múltiplas tecnologias que fazem dele mais …

Empresa canadiana debaixo de fogo por publicar anúncios de emprego destinados a não vacinados

Uma empresa de canoagem, sediada no Canadá, está debaixo de fogo depois de ter colocado anúncios de emprego destinados, exclusivamente, a pessoas não vacinadas contra a covid-19. "Por favor, NÃO se candidate se tiver tomado quaisquer …

Disparam ataques a jornalistas. Bruxelas insta países da UE a aumentar proteção

Os países da União Europeia (UE) foram instados por Bruxelas a tomar medidas para proteger os jornalistas, após um aumento no número de ataques a membros da imprensa. A Comissão Europeia exortou os governos a criarem …

Facebook e Google criticados por anúncios de "reversão do aborto"

O Facebook já veiculou anúncios de "reversão do aborto" 18,4 milhões de vezes desde janeiro de 2020, de acordo com um relatório do Center for Countering Digital Hate (CCDH), promovendo um procedimento "não comprovado, antiético" …

Líder militar dos EUA temeu que Trump iniciasse guerra nuclear com a China - e chegou a ligar aos chineses

As revelações aparecem em Peril, o novo livro de Bob Woodward e Robert Costa sobre os bastidores da Casa Branca. Trump já respondeu. O General Mark Milley, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, …

França suspende 3.000 profissionais de saúde que recusaram vacina contra covid-19

A França suspendeu 3.000 profissionais de saúde sem remuneração por se recusarem a tomar a vacina contra a covid-19, revelou o ministro responsável pela pasta, Olivier Véran. Segundo Véran, citado esta quinta-feira pelo Guardian, "várias dezenas" …

Austrália, Reino Unido e EUA assinam pacto de defesa para conter China

A Austrália, os Estados Unidos (EUA) e o Reino Unido anunciaram o "Pacto de Aukus", que visa frente às pretensões territoriais da China no Indo-Pacífico e envolverá a construção de uma frota de submarinos com …

Governo tem margem de 1600 milhões de euros nas negociações do Orçamento

Os dados são de um relatório do Conselho das Finanças Públicas, que deixa alertas para que o executivo não se estique muito no aumento da despesa e no corte à receita. Segundo escreve o Público, o …