“Estamos a ver a patologia da banca. Uma patologia triste”, diz CEO do Novo Banco

António Pedro Santos / Lusa

O presidente do Novo Banco, António Ramalho

O presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho, tem visto, nos últimos tempos, grandes devedores da instituição financeira a explicarem-se na comissão de inquérito, classificando o que assiste como “triste”.

“Estamos a ver a patologia da banca. Infelizmente, é uma patologia triste, normalmente diferida no tempo porque só se descobre muitos anos depois”, declarou António Ramalho no CEO Banking Forum, iniciativa do Expresso e da Accenture transmitida na SIC Notícias na quarta-feira.

Segundo noticiou esta quinta-feira o Expresso, entre esses devedores estão Bernardo Moniz da Maia, Luís Filipe Vieira e João Gama Leão. Os devedores vêm do BES, com a Sogema e a Ongoing juntas a terem dívidas superiores a mil milhões de euros.

“Não contribuo para elevar esta patologia à escala da normalidade bancária. São casos excecionais que não são o paradigma do empresário português”, sublinhou o presidente executivo do Novo Banco.

Já o presidente da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, afirmou: “Nós nas comissões de inquérito e nos casos da banca temos os exemplos enviesados. Temos o que correu mal ou o que correu pessimamente. Não temos a amostra de empresários e gestores que consideramos normais, muitos deles com um enorme mérito: ser empreendedor e empresário não é nada fácil neste país”. “Não são representativos”, sublinhou.

“Há comportamentos que são inqualificáveis”, completou o responsável, embora acredite que essa realidade já melhorou.

Moniz da Maia é um dos maiores devedores do Novo Banco. Na sua audição disse não ter património mas depois assumiu ter fundações ‘offshores’. Esta foi enviada para o Ministério Público para apuramento de matéria criminal. João Gama Leão, da Prebuild, e Luís Filipe Vieira, da Promovalor, foram outros dos devedores ouvidos.

“Feita a reestruturação”, há vocação “de querer crescer”

Ainda sem a transferência necessária para cobrir os prejuízos de 2020, o Novo Banco não retira a possibilidade de vir a participar em aquisições de outros bancos. “Olhamos naturalmente para todas as oportunidades que possam, do ponto de vista de trabalho, significar um maior envolvimento com a economia portuguesa”, disse António Ramalho.

Há compromissos que obrigavam ao banco a “manter-se um banco significativo para as empresas portuguesas” – como a proibição de fazer aquisições até ao final do plano de reestruturação, que termina no fim de 2021.

“Feita a reestruturação, feita a análise, temos esta vocação natural de querer crescer”, declarou em resposta sobre se a hipótese de aquisições. A pandemia, continuou, trouxe o foco para a “aposta no mercado português”.

“O Novo Banco deixou de ser um problema. Foi um problema enorme, foi resolvido durante o primeiro período de seis anos”, relembrou, acrescentando: “Não queremos ser um acréscimo de responsabilidades futuras para o sistema financeiro”.

Taísa Pagno //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. “O Novo Banco deixou de ser um problema.”
    Errado!
    O NB deixará de ser um problema quando pagar os milhares de milhões que deve ao fundo de resolução.

  2. quando Chegar a altura de PAGAR ,como boa off-shore ,transfere os capitais,abre falencia e desaparece sem pagar ao fundo de Resoluçao ,afinal aguem sabe a quem verdadeiramente pertençe a Lone Star ? Isto ja esta tudo Planeado ,tem sido assim desde 1974 ,Poder Politico a Dar Golpadas e os portugueses a terem de emigrar ,para terem uma vida decente

RESPONDER

Ministra da Saúde afasta limitação de visitas. Mas Associação de lares defende regresso da proibição

A ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou esta terça-feira que não há necessidade de voltar a limitar as visitas a lares de idosos, advogando que as pessoas vacinadas contagiadas com o novo coronavírus desenvolvem “uma …

Tripulantes da TAP queixam-se de "extrema violência psicológica" e escrevem carta ao ministro

Um grupo de tripulantes de cabine da TAP escreveu uma carta a Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas, na qual dizem temer que o processo de despedimento coletivo avance em julho e que já saíram …

Marcelo considera que legislativas de 2023 devem servir para julgar uso dos fundos europeus

O Presidente da República defendeu esta terça-feira que Portugal tem de dar "o salto" com os fundos europeus e considerou que as eleições legislativas de 2023 devem servir para os portugueses julgarem a sua utilização. "Cabe …

Portugal regista mais 1.020 casos e seis mortes. Internamentos continuam a aumentar

Portugal registou esta terça-feira 1.020 novos casos de infeção por covid-19 e mais seis mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), nas …

"Toma a vacina ou ponho-te na prisão". Presidente das Filipinas ameaça prender quem recusar ser imunizado

O Presidente das Filipinas ameaçou prender quem se recusar a tomar a vacina contra a covid-19, numa altura em que o país combate o pior surto da doença desde o início da pandemia. "Se não se …

Preços das casas continuam a subir. Centeno alerta para riscos de bolha imobiliária

Os preços das casas voltaram a registar um aumento em relação ao mês passado e não subiam tanto há mais de dois anos. Uma situação que leva o Banco de Portugal a alertar para os …

Itália segue os passos de França e Espanha e abandona o uso de máscara na rua

A Itália vai suspender a obrigatoriedade do uso de máscaras ao ar livre a partir do próximo dia 28 de junho, revelou o governo na segunda-feira. Depois de ter sido considerado o epicentro da pandemia, Itália …

União Europeia endurece sanções contra a Bielorrússia

A União Europeia, os Estados Unidos, o Reino Unido e o Canadá decidiram, esta segunda-feira, punir dezenas de personalidades e empresas ligadas ao regime bielorrusso. No final de uma reunião, no Luxemburgo, os 27 Estados-membros da …

Casimiro quer 30 milhões pela Groundforce. 10 milhões são para a banca

Alfredo Casimiro está a tentar vender a sua parte na Groundforce por 25 a 30 milhões de euros. Contudo, o acionista não deverá ficar com o montante pago já que tem pagamentos em atraso a …

Meio milhão de mortes depois, Brasil pede (em força) demissão de Bolsonaro

No sábado, o número de óbitos por covid-19 ultrapassou o meio milhão no Brasil. Centenas de milhares de manifestantes encheram as ruas de mais de 400 cidades brasileiras e do mundo, acusando o Presidente Jair …