Novo Banco vai fechar mais 73 agências este ano

No final do ano passado, o Novo Banco tinha 473 balcões, pelo que o objetivo é cumprir já este ano o compromisso com Bruxelas de reduzir a rede a 400 balcões.

Além da saída de mais de 400 trabalhadores que já era conhecida, o Novo Banco quer fechar 73 agências este ano, antecipando a meta negociada com Bruxelas.

Na informação da Comissão de Trabalhadores aos funcionários do Novo Banco, a que a Lusa teve acesso, esta estrutura informou que teve uma reunião com a administração do banco em que foi dito que serão antecipadas “quase por completo as metas a atingir até 2021 para o final do primeiro semestre de 2018”, tanto em termos de saídas de pessoal como de reduções de agências.

Já era conhecido que o Novo Banco quer que saiam, este ano, mais de 400 trabalhadores, seja em rescisões por mútuo acordo, seja em reformas antecipadas, tendo já provisionado 134 milhões de euros para esse processo.

Em termos de agências, sabia-se apenas que o Novo Banco ia fechar 30 até final deste mês, mas ainda não era conhecido quantas seriam fechadas no total do ano.

António Ramalho, presidente executivo, escusou-se a divulgar essa informação no final de março, na apresentação de resultados do Novo Banco, justificando que queria primeiro informar os órgãos representativos dos trabalhadores antes de tornar essa informação pública.

A informação agora divulgada pela Comissão de Trabalhadores indica que serão fechadas 73 agências. O Novo Banco tinha no final de 2017, 473 balcões, pelo que o objetivo é cumprir já este ano o compromisso com Bruxelas de reduzir a rede a 400 balcões.

No final de 2014, o Novo Banco tinha 631 balcões. Quando estes fechos forem concretizados tal significa que a instituição fechou cerca de 40% da rede comercial em apenas quatro anos.

No que diz respeito à redução de trabalhadores, esta sexta-feira terminou o prazo para os funcionários se candidatarem às rescisões por mútuo acordo, não havendo ainda informação de quantos se mostraram disponíveis para sair por contrapartidas financeiras. Este processo deverá ficar decidido no próximo mês de maio.

Quanto a reformas antecipadas, já terminou o prazo para se candidatarem os trabalhadores da rede comercial.

No comunicado aos funcionários do Novo Banco, a Comissão de Trabalhadores diz não compreender “o racional de um desenfreado ímpeto em reduzir o número de trabalhadores e balcões” e de externalização de serviços.

Além disso, considera que essa estratégia tem “perdas relevantes de qualidade de serviço que mais tarde impactarão negativamente nos resultados”, considerando que o banco irá perder clientes e quota de mercado como consequência desta decisão.

Em outubro passado, o Novo Banco (a instituição que ficou com ativos do ex-BES, alvo de medida de resolução em 03 de agosto de 2014) foi vendido ao fundo de investimento norte-americano Lone Star em 75%, ficando o Fundo de Resolução bancário (entidade na esfera do Estado financiada pelas contribuições dos bancos) com os restantes 25%.

A Lone star não pagou qualquer preço, tendo acordado injetar 1.000 milhões de euros no Novo Banco, o que já fez.

Para aprovar a venda do Novo Banco, a Comissão Europeia exigiu um novo plano de reestruturação com implicações na dimensão da sua atividade, através de venda ou fecho de operações, assim como redução da sua estrutura e número de trabalhadores.

Em 2017, o Novo Banco teve prejuízos recorde de 1.395,4 milhões de euros, num ano em que constituiu mais de 2.000 milhões de euros de imparidades. Na sequência deste nível elevado de perdas, o Novo Banco ativou o mecanismo de capital contingente negociado com o Estado português, pedindo que o Fundo de Resolução o capitalize num montante de 791,7 milhões de euros.

Uma vez que o Fundo de Resolução não tem todo esse valor, o Estado irá emprestar cerca de 450 milhões de euros ao fundo para capitalizar o Novo Banco.

Ainda quanto à situação laboral, o Novo Banco está a propor aos seus trabalhadores novos acordos relativos ao regime de isenção de horário de trabalho que tem merecido muitas dúvidas de funcionários devido ao receio de que no futuro esse subsídio seja absorvido por eventuais aumentos salariais.

O Sindicato Nacional de Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) recomendou, em comunicado, aos seus associados que “não assinem este acordo sem que obtenham o devido aconselhamento”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Médicos italianos investigados por homicídio negligente de Davide Astori

Dois médicos italianos estão a ser investigados por homicídio negligente na morte de Davide Astori, jogador e capitão da Fiorentina que morreu no passado mês de março na sequência de uma paragem cardiorrespiratória. A notícia, avançada …

Foi a gota de água. Passageiros "em desespero" invadiram barco da Transtejo

Uma dezena de passageiros invadiu, nesta terça-feira de manhã, um barco da Transtejo que faz a ligação entre o Seixal e o Cais do Sodré, em Lisboa. Foi o "desespero" pelos sucessivos atrasos que levam …

Hipatia, a primeira matemática da História, morreu de forma brutal (e ninguém sabe porquê)

O assassinato brutal de Hipatia está envolvo em mistério. E o enigma não é quem cometeu o crime, nem como, mas sim porquê. Em meados do primeiro milénio, uma mulher erudita foi despedaçada por uma multidão …

Freiras desviaram 500 milhões de escola católica para jogar em Las Vegas

Duas freiras norte-americanas admitiram terem desviado fundos escolares estimados em 500 milhões de dólares para realizarem viagens aos casinos de Las Vegas, anunciou na segunda-feira a arquidiocese de Los Angeles. O desvio de fundos destinados a …

Greve dos enfermeiros. “Não posso garantir” que não haja pessoas a morrer, diz bastonário

Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos, esteve na segunda-feira reunido com vários diretores clínicos de hospitais afetados pela greve dos enfermeiros da área cirúrgica. À saída, foi questionado: "Pode garantir que não haja doentes a …

PJ faz buscas na Inspecção-Geral de Finanças após denúncias de subornos

Inspectores da Unidade de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária (PJ) estão a realizar buscas na Inspecção-Geral de Finanças (IGF) em Lisboa, e em instalações dos ministérios das Finanças e da Defesa e também da …

Empresa que facturou 16 milhões tem sede num casebre sem luz

Uma empresa que facturou 16 milhões de euros em 2012 tem como sede uma casa em ruínas, sem electricidade e quase sem janelas, em Mira. Suspeita-se da ligação a uma fraude fiscal com a exportação …

Bruno de Carvalho suspeito de tirar meio milhão de euros ao Sporting

Duas avultadas transferências de dinheiro, que saíram do Sporting a 24 de junho, estão sob suspeita. Estão em causa cerca de meio milhão de euros que terão sido pagos a duas construtoras. Não se sabe exatamente …

Voyager 2 da NASA já entrou no espaço interestelar

Pela segunda vez na história, um objeto feito pelo homem alcançou o espaço entre as estrelas. A sonda Voyager 2 da NASA saiu da heliosfera - a bolha protetora de partículas e campos magnéticos criada …

Bombeiros não informaram Proteção Civil de 50% das ocorrências

O corte de relações entre os bombeiros voluntários e a Proteção Civil está a fazer-se sentir. Os bombeiros não informaram a Proteção Civil de 50% das ocorrências no país. A Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) …