Novo atentado na Indonésia faz pelo menos 10 feridos

Fully Handoko / EPA

Pelo menos dez pessoas ficaram feridas, esta segunda-feira, num novo ataque suicida, em Surabaya, na Indonésia, perpetrado esta manhã perto de uma esquadra da polícia, disseram as autoridades indonésias.

Seis civis e quatro agentes da polícia ficaram feridos no atentado, perpetrado através de uma moto armadilhada, conduzida por um homem e na qual seguia também uma mulher, disse o porta-voz da polícia, Frans Barung Mangera.

O responsável contou, citando imagens de vídeovigilância, que um homem e uma mulher, numa moto, pararam no posto de controlo da base: “Foi nesse momento que a explosão se deu”. “Estavam duas pessoas na moto, uma das quais era uma mulher e estava atrás”.

A cidade do leste da ilha de Java, segunda cidade da Indonésia, foi palco no domingo de três atentados suicidas, reivindicados pelo Estado Islâmico. Estes três ataques causaram 14 mortos e dezenas de feridos, de acordo com um novo balanço da France Presse.

As explosões também ocorreram em Surabaya, com o primeiro ataque a ocorrer na igreja cristã de Santa Maria, seguindo-se o ataque à igreja protestante de Diponegoro e à igreja de Pentecostes de Arjuro.

Os ataques foram realizados por uma família de seis bombistas suicidas, incluindo uma mulher que tinha duas crianças.

A província de Java oriental é um dos palcos de ataques de movimentos extremistas islâmicos, já que a sua capital, Surabaya, é uma das cidades com maior diversidade religiosa naquele que é o mais populoso país muçulmano do mundo.

Os ataques a alvos cristãos acontecem dias depois de as autoridades indonésias terem posto fim a uma crise de reféns num centro de detenção perto de Jacarta, uma ação reivindicada pelo movimento extremista Estado Islâmico.

Os cristãos, muitos deles da etnia minoritária chinesa, representam cerca de 9% da população da Indonésia, que atinge 260 milhões de habitantes, enquanto os muçulmanos são 88% do total.

O país fica em alerta máximo nas semanas que antecedem o Ramadão, que começa na terça-feira, já que é uma época escolhida pelos jihadistas para realizar ataques.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.