Arqueólogos revelam novas pistas sobre a vida (e a morte) de William Shakespeare

RafkinsWarning / DeviantArt

William Shakespeare

Novas investigações arqueológicas revelam detalhes desconhecidos da vida e da morte daquele que é conhecido como o maior escritor de sempre da língua inglesa, William Shakespeare.

William Shakespeare é amplamente considerado como um dos maiores autores de todos os tempos e uma das pessoas mais importantes e influentes de sempre. Os seus trabalhos escritos (peças de teatro, sonetos e poemas) foram traduzidos para mais de 100 idiomas.

Há também um desejo de aprender mais sobre o próprio homem. Inúmeros livros e artigos foram escritos sobre a vida de Shakespeare. Estes foram baseados principalmente na análise académica dos seus trabalhos e no registo oficial associado a ele e à sua família. A popularidade e o legado de Shakespeare perduram, apesar das incertezas na sua história de vida e do debate em torno da sua autoria e identidade.

A vida e os tempos de William Shakespeare e da sua família também foram recentemente revelados por novos métodos arqueológicos e tecnologias interdisciplinares em New Place (a sua casa de família demolida há muito tempo) e no seu local de sepultamento na Holy Trinity Church.

As evidências recolhidas dessas investigações pelo Centro de Arqueologia da Universidade de Staffordshire fornecem novas ideias sobre os seus interesses, atitudes e motivações, e mostram como a arqueologia pode fornecer mais evidências tangíveis.

Atribuir objetos a Shakespeare é difícil. Todas as suas posses conhecidas, como as mencionadas no seu testamento, já não existem. Um anel de ouro, inscrito com as iniciais W.S., é considerado por alguns o objeto mais significativo usado pelo poeta, apesar da sua procedência questionável.

A casa de Shakespeare

A maior e mais cara posse de Shakespeare era a sua casa, New Place. As evidências, obtidas através de recentes investigações arqueológicas, fornecem informações quantificáveis sobre os processos de pensamento de Shakespeare, a sua vida pessoal e o seu sucesso comercial.

O próprio edifício foi perdido no século XVIII, mas o local e os seus restos foram preservados sob um jardim. Erguido no centro de Stratford-upon-Avon mais de um século antes de Shakespeare o comprar em 1597, desde o seu início, era impressionante em termos arquitetónicos.

Os materiais de construção utilizados, a sua estrutura primária e a reconstrução posterior podem ser usados como evidência das escolhas deliberadas e cuidadosamente consideradas feitas por Shakespeare e a sua família.

Shakespeare concentrou-se na aparência externa da casa, instalando uma longa galeria e outros enfeites arquitetónicos, como era esperado de um ambicioso e próspero cavalheiro da época. Muitas outras características medievais foram mantidas e o salão provavelmente foi mantido como a peça principal da casa.

À procura do Bardo

Evidências dos bens pessoais, dieta e atividades de lazer de Shakespeare, da sua família e dos habitantes de New Place foram recuperadas durante as investigações arqueológicas, revolucionando o que entendemos sobre o seu dia a dia.

Uma exposição online, a ser disponibilizada no início de maio de 2020, apresenta artefactos digitalizados em 3D recuperados em New Place. Estes objetos, alguns dos quais podem ter pertencido a Shakespeare, foram escolhidos para caracterizar o desenvolvimento cronológico e as atividades realizadas no local.

O acesso aberto a estes objetos virtuais permitirá a disseminação destes importantes resultados e o potencial de outros continuarem a investigação.

As evidências arqueológicas recuperadas de investigações não invasivas no cemitério de Shakespeare também foram usadas para fornecer mais evidências da sua crença pessoal e familiar.

Várias lendas foram atribuídas ao cemitério de Shakespeare. Entre elas, havia dúvidas sobre a presença de uma sepultura, o seu conteúdo, histórias de roubos de sepulturas e sugestões de uma grande cripta familiar. O trabalho confirmou que existem sepulturas rasas individuais por baixo das lápides e que os vários membros da família Shakespeare não foram enterrados em caixões, mas em simples mortalhas.

A análise concluiu que o túmulo de Shakespeare tinha sido invadido no passado e que era provável que o seu crânio tivesse sido removido, confirmando os rumores.

Ainda há muito que não sabemos sobre a vida de Shakespeare, por isso é uma aposta segura que os arqueólogos continuem a investigar novas evidências. As técnicas arqueológicas podem fornecer informações quantificáveis que não estão disponíveis na pesquisa tradicional de Shakespeare. Mas, assim como outras disciplinas, a interpretação – baseada nas evidências – será essencial para desvendar os mistérios que cercam a vida (e a morte) do maior escritor da língua inglesa.

PARTILHAR

RESPONDER

Pizza para Itália e salmão para a Noruega. Emissora pede desculpa por imagens usadas nos Jogos Olímpicos

O canal de televisão sul-coreano MBC pediu desculpa publicamente após usar imagens para representar países durante a cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Fotos de pizza para a comitiva italiana, de salmão para a …

"Quanto mais cedo, melhor". A dona da Marlboro apoia a proibição dos cigarros até 2030

O CEO da Philip Morris Internacional, dona da Marlboro, apoia a proibição da venda de cigarros, mas os activistas anti-tabaco já acusaram a empresa de hipocrisia por tentar comprar uma farmacêutica enquanto lucra com o …

Bezos e Branson não são astronautas, clarifica Administração da Aviação norte-americana

Dúvida instalou-se depois dos voos que levaram os dois bilionários ao espaço. Novas diretrizes da Administração Federal de Aviação vêm esclarecer.  Após os voos que os tornaram nos primeiros turistas espaciais, Jeff Bezos e Richard Branson …

Soldados afegãos buscam refúgio no Paquistão após perderem postos na fronteira

Quase meia centena de soldados afegãos buscaram asilo no Paquistão após perderem para os Talibãs o controle das posições militares na fronteira, informou o exército paquistanês esta segunda-feira. Centenas de soldados do exército afegão e oficiais …

Portugal ultrapassa Estados Unidos em população com vacinação completa

EUA vivem atualmente um planalto no seu processo de vacinação, com pouco mais de meio milhão de cidadãos a serem vacinados diariamente. Desaceleração no ritmo de inoculações é atribuída a motivações pessoais da população e …

Mulher que vestia camisola com capa do Charlie Hebdo ferida em Londres

Uma mulher que vestia uma camisola estampada com uma capa da revista satírica francesa Charlie Hebdo foi ferida levemente com arma branca no domingo em Hyde Park, em Londres, informou a polícia, que pediu colaboração …

Novo Banco. Comissão de inquérito aprova que resolução do BES foi "fraude política"

A comissão de inquérito ao Novo Banco aprovou uma proposta do PCP de alteração ao relatório referindo que a resolução do BES e a sua capitalização inicial, de 4.900 milhões de euros, foi "uma fraude …

BCP prevê saída de mais de 800 trabalhadores e admite despedimento coletivo

O presidente do BCP disse esta segunda-feira que deverão sair do banco mais de 800 trabalhadores, abaixo da meta inicial de 1.000, mas que depende dos funcionários que aceitarem rescindir e mantém a possibilidade de …

Jogos Olímpicos. Ouro e prata para atletas de...13 anos

Pódio muito jovem na estreia do skate feminino. A espreitar o pódio ficou uma norte-americana com quase o triplo da idade. O skate está a "viver" os seus primeiros dias na história dos Jogos Olímpicos. Inserido …

SEF e PSP reforçam fiscalização às regras aplicáveis nas viagens de avião

O SEF e a PSP reforçaram a fiscalização nos aeroportos às regras do tráfego aéreo devido às variantes de covid-19 e ao aumento do número de voos previsto para as próximas semanas, segundo um despacho …