Arqueólogos revelam novas pistas sobre a vida (e a morte) de William Shakespeare

RafkinsWarning / DeviantArt

William Shakespeare

Novas investigações arqueológicas revelam detalhes desconhecidos da vida e da morte daquele que é conhecido como o maior escritor de sempre da língua inglesa, William Shakespeare.

William Shakespeare é amplamente considerado como um dos maiores autores de todos os tempos e uma das pessoas mais importantes e influentes de sempre. Os seus trabalhos escritos (peças de teatro, sonetos e poemas) foram traduzidos para mais de 100 idiomas.

Há também um desejo de aprender mais sobre o próprio homem. Inúmeros livros e artigos foram escritos sobre a vida de Shakespeare. Estes foram baseados principalmente na análise académica dos seus trabalhos e no registo oficial associado a ele e à sua família. A popularidade e o legado de Shakespeare perduram, apesar das incertezas na sua história de vida e do debate em torno da sua autoria e identidade.

A vida e os tempos de William Shakespeare e da sua família também foram recentemente revelados por novos métodos arqueológicos e tecnologias interdisciplinares em New Place (a sua casa de família demolida há muito tempo) e no seu local de sepultamento na Holy Trinity Church.

As evidências recolhidas dessas investigações pelo Centro de Arqueologia da Universidade de Staffordshire fornecem novas ideias sobre os seus interesses, atitudes e motivações, e mostram como a arqueologia pode fornecer mais evidências tangíveis.

Atribuir objetos a Shakespeare é difícil. Todas as suas posses conhecidas, como as mencionadas no seu testamento, já não existem. Um anel de ouro, inscrito com as iniciais W.S., é considerado por alguns o objeto mais significativo usado pelo poeta, apesar da sua procedência questionável.

A casa de Shakespeare

A maior e mais cara posse de Shakespeare era a sua casa, New Place. As evidências, obtidas através de recentes investigações arqueológicas, fornecem informações quantificáveis sobre os processos de pensamento de Shakespeare, a sua vida pessoal e o seu sucesso comercial.

O próprio edifício foi perdido no século XVIII, mas o local e os seus restos foram preservados sob um jardim. Erguido no centro de Stratford-upon-Avon mais de um século antes de Shakespeare o comprar em 1597, desde o seu início, era impressionante em termos arquitetónicos.

Os materiais de construção utilizados, a sua estrutura primária e a reconstrução posterior podem ser usados como evidência das escolhas deliberadas e cuidadosamente consideradas feitas por Shakespeare e a sua família.

Shakespeare concentrou-se na aparência externa da casa, instalando uma longa galeria e outros enfeites arquitetónicos, como era esperado de um ambicioso e próspero cavalheiro da época. Muitas outras características medievais foram mantidas e o salão provavelmente foi mantido como a peça principal da casa.

À procura do Bardo

Evidências dos bens pessoais, dieta e atividades de lazer de Shakespeare, da sua família e dos habitantes de New Place foram recuperadas durante as investigações arqueológicas, revolucionando o que entendemos sobre o seu dia a dia.

Uma exposição online, a ser disponibilizada no início de maio de 2020, apresenta artefactos digitalizados em 3D recuperados em New Place. Estes objetos, alguns dos quais podem ter pertencido a Shakespeare, foram escolhidos para caracterizar o desenvolvimento cronológico e as atividades realizadas no local.

O acesso aberto a estes objetos virtuais permitirá a disseminação destes importantes resultados e o potencial de outros continuarem a investigação.

As evidências arqueológicas recuperadas de investigações não invasivas no cemitério de Shakespeare também foram usadas para fornecer mais evidências da sua crença pessoal e familiar.

Várias lendas foram atribuídas ao cemitério de Shakespeare. Entre elas, havia dúvidas sobre a presença de uma sepultura, o seu conteúdo, histórias de roubos de sepulturas e sugestões de uma grande cripta familiar. O trabalho confirmou que existem sepulturas rasas individuais por baixo das lápides e que os vários membros da família Shakespeare não foram enterrados em caixões, mas em simples mortalhas.

A análise concluiu que o túmulo de Shakespeare tinha sido invadido no passado e que era provável que o seu crânio tivesse sido removido, confirmando os rumores.

Ainda há muito que não sabemos sobre a vida de Shakespeare, por isso é uma aposta segura que os arqueólogos continuem a investigar novas evidências. As técnicas arqueológicas podem fornecer informações quantificáveis que não estão disponíveis na pesquisa tradicional de Shakespeare. Mas, assim como outras disciplinas, a interpretação – baseada nas evidências – será essencial para desvendar os mistérios que cercam a vida (e a morte) do maior escritor da língua inglesa.

PARTILHAR

RESPONDER

PSP já apanhou mais de três mil pessoas a conduzir sem carta este ano

O número de pessoas detetadas a conduzir sem carta aumentou 22% nos sete primeiros meses deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. "De 1 de janeiro a 31 de julho de 2020, …

"Vacina deve ser um bem global de saúde pública". OMS critica "nacionalismo de vacinas"

A Organização Mundial de Saúde (OMS) criticou na quinta-feira o "nacionalismo de vacinas" para a covid-19, afirmando que qualquer país terá benefícios económicos e de saúde se o resto do mundo recuperar da pandemia. "O nacionalismo …

Depois da explosão, os protestos em Beirute. Manifestantes anti-Governo pedem mudança política urgente

Esta quinta-feira, dezenas de manifestantes foram dispersos com gás lacrimogéneo quando protestavam na sequência da explosão em Beirute, capital do Líbano, que provocou pelo menos 149 mortos, cinco mil feridos e a destruição de casas …

Em vez de flores, família de Fernanda Lapa pede donativos por Bruno Candé

A família da atriz, que faleceu esta quinta-feira, apela a que quem queira oferecer flores para o funeral faça antes um donativo para os herdeiros do ator Bruno Candé, que foi assassinado, em Lisboa. "A Família …

Orbán diz que todos os migrantes ilegais são potenciais "bombas biológicas"

O primeiro-ministro da Hungria, o ultranacionalista Viktor Orbán, defendeu esta sexta-feira que se deve impedir a chegada de imigrantes ilegais ao país porque estes são potenciais "bombas biológicas" devido à covid-19. Conhecido pelos seus discursos contra …

Donald Trump proíbe transações com empresa chinesa detentora do TikTok

Donald Trump assinou uma ordem executiva que proíbe as transações com a ByteDance no prazo de 45 dias e o Senado já aprovou o projeto de lei que proíbe o descarregamento e utilização da aplicação. …

Preocupado com os incêndios, Marcelo admite interromper férias. Ontem foi o pior dia

O Presidente da Repúblic disse esta quinta-feira que está a acompanhar a vaga de incêndios que assola o território continental e admitiu a possibilidade de interromper as férias no Porto Santo se a situação piorar. "É …

Portugal foi o "patinho feio", mas volta a estar em contraciclo com a Europa (por bons motivos)

Portugal destaca-se agora por apresentar uma tendência de redução de novos casos de infeção pelo novo coronavírus, ao contrário de outros países europeus. Quando o novo coronavírus começou a ganhar terreno no continente europeu, Portugal foi …

Kim Jong-un insiste que a Coreia do Norte travou o vírus, mas intensifica combate à covid-19

Kim Jong-un tem repetido várias vezes que a Coreia do norte "travou o vírus maligno", mas o reforço das medidas de combate à covid-19 e a canalização urgente de material médico e alimentos para Kaesong …

Novo Banco tinha autorização de Bruxelas para financiar venda de imóveis

A DG Comp da Comissão Europeia autorizou o Novo Banco a conceder crédito aos compradores do imobiliário vendido pela instituição. Quando o Novo Banco foi constituído, o acordo assinado entre a Direção Geral da Concorrência europeia …