/

Duas novas espécies de mamíferos escavadores ancestrais descobertos na China

Uma equipa descobriu duas novas espécies de animais semelhantes a mamíferos que viveram em tocas há cerca de 120 milhões de anos no que hoje é o nordeste da China.

A equipa de pesquisa foi liderada por Fangyuan Mao e Chi Zhang, do Instituto de Paleontologia e Paleoantropologia de Vertebrados (IVPP) da Academia Chinesa de Ciências, e por Jin Meng, do Museu Americano de História Natural.

O estudo, publicado na revista Nature em abril, indica que as espécies desenvolveram características de forma independente para apoiar o seu estilo de vida de escavação, por isso representam os primeiros “escavadores” descobertos neste ecossistema.

“Existem muitas hipóteses sobre a razão dos animais cavarem o solo e viverem no subsolo”, referiu Meng, principal autor do estudo.

“Para proteção contra predadores, para manter uma temperatura que é relativamente constante ou para encontrar fontes de alimento como insetos e raízes de plantas. Esses dois fósseis são um exemplo muito incomum de animais que não estão intimamente relacionados e, ainda assim, desenvolveram as características altamente especializadas de um escavador”, sublinha o especialista.

As espécies fósseis de mamíferos foram descobertas na “Biota de Jehol”, que representa a época do Cretáceo Inferior, há cerca de 145 a 100 milhões de anos.

Um é um réptil semelhante a um mamífero chamado tritilodontídeo e representa o primeiro do seu tipo a ser identificado no local. Com cerca de trinta centímetros de comprimento, era chamado de Fossiomanus sinensis.

O outro, Jueconodon cheni, é um eutriconodontano, primo distante dos modernos mamíferos placentários e marsupiais, comuns na “Biota de Jehol”. Tinha cerca de dezoito centímetros de comprimento.

Os investigadores encontraram ainda algumas características marcantes de escavadores, incluindo membros mais curtos, membros anteriores fortes com mãos robustas e uma cauda curta, avança o SciTechDaily.

Em particular, estas características apontam para um tipo de comportamento de escavação conhecido como “escavação de arranhão”, realizado principalmente pelas garras dos membros anteriores.

Os animais também partilham outra característica incomum: uma coluna vertebral alongada. Normalmente, do pescoço ao quadril, os mamíferos têm 26 vértebras. No entanto, o Fossiomanus tinha 38 vértebras e o Jueconodon tinha 28.

Para tentar determinar de que forma estes animais obtiveram o seu esqueleto axial alongado, os paleontologistas estão a analisar estudos recentes em biologia do desenvolvimento, descobrindo que a variação poderia ser atribuída a mutações genéticas que determinam o número e a forma das vértebras durante o desenvolvimento embrionário desses animais.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE