É impossível saber quantas mulheres morrem em Portugal vítimas de violência doméstica

Tânia Rego / Agência Brasil

O relatório pedido pelo Governo a um grupo de peritos de vários ministérios recomenda que se crie uma nova Base de Dados da Violência contra as Mulheres e Violência Doméstica.

Ao fim de décadas de combate a estes crimes e muitos números que vão sendo regularmente noticiados, os peritos da Comissão Técnica Multidisciplinar para a Melhoria da Prevenção e Combate à Violência Doméstica concluem que é impossível saber ao certo quantas mulheres são agredidas e mesmo quantas acabam por morrer.

Apesar de existirem vários serviços públicos que recolhem e tratam dados sobre violência doméstica, a informação é, de acordo com a TSF, escassa e desatualizada.

O documento recorda que existe, há mais de uma década, um Relatório Anual de Monitorização da Violência Doméstica, a par de um Relatório Anual de Segurança Interna, mas não chega para “determinar de forma segura um padrão ou uma trajetória da evolução deste tipo de criminalidade”, nem mesmo nos homicídios.

Sem dados fiáveis, aquilo que na prática pensamos sobre a evolução da violência doméstica está “dependente das perceções da comunidade, da informação transmitida pelos órgãos de comunicação social ou da que é veiculada pelas redes sociais”.

O que existe está disperso por vários ministérios e é preciso criar a proposta nova Base de Dados da Violência contra as Mulheres e Violência Doméstica, numa ferramenta que seria gerida pela Secretaria-Geral da Administração Interna e que dará, finalmente, esperam os especialistas, um retrato real da evolução deste tipo de crime em Portugal.

A meta é conseguir caracterizar bem o fenómeno e ajudar a definir melhor as políticas públicas de prevenção e combate a esta realidade.

Além da medida relacionada com os números, o relatório pede ainda uma intervenção mais rápida e eficaz nos primeiros três dias depois da queixa da mulher e melhorias na formação de quem em nome do Estado recebe essas denúncias. São precisos “protocolos que harmonizem as atuações e melhorem a articulação e cooperação entre forças de seguranças, magistrados e organizações não-governamentais”.

A ação deve ser “intensiva e célere” “imediatamente após a aquisição da notícia do crime”, com protocolos que definam “os atos que terão de ser desenvolvidos, garantindo-se a efetiva coordenação entre as entidades que os devam praticar e que a sua execução esteja a cargo de profissionais com formação adequada”. A formação deve passar pela análise de casos práticos e treino profissional tendo em conta que a formação que existe nesta área ainda é deficitária.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Segurança Social demora quase cinco meses a pagar pensões

Em 2018, os beneficiários da Segurança Social tiveram de esperar, em média, 147 dias - cerca de cinco meses -, entre o dia que se aposentaram e o momento que começaram a receber a pensão …

Empresas fechadas e 28 mil despedimentos. Setor têxtil pode atravessar crise

Até 2025, a indústria têxtil em Portugal pode ver um terço das empresas a fecharem e 28 mil trabalhadores a serem despedidos. Este é o pior cenário equacionado no setor nos próximos anos. O setor da …

Ministério Público arquiva queixa de Aguiar-Branco contra Ana Gomes por difamação

Aguiar Branco tinha levantado um processo de difamação a Ana Gomes por declarações sobre alegadas ligações entre o seu escritório de advogados e o grupo Martifer. O Ministério Público (MP) arquivou a queixa apresentada pelo ex-ministro …

66 louvores a funcionários. Centeno é o ministro mais "agradecido" de todo o Governo

Mário Centeno e os seus secretários de Estado publicaram em Diário da República 66 louvores. O seu gabinete garante que não há qualquer significado político associado - nem mesmo uma despedida anunciada. O louvor é dado …

Os glaciares da Nova Zelândia estão a mudar de cor

À medida que o Hemisfério Sul entra no verão, acontece uma temporada catastrófica de incêndios florestais na costa leste da Austrália. Há casas destruídas, coalas a morrer e um fumo espesso que cobre o estado …

Não se irrite. Fisco vai comunicar de forma mais clara

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai lançar um serviço de apoio e defesa ao contribuinte que usará uma linguagem mais simples e clara. A alteração é inspirada num modelo britânico. A Autoridade Tributária e Aduaneira vai …

Juiz Rui Rangel justificou ganhos com direitos de autor de programa televisivo

O juiz afirmou, perante o plenário do Conselho Superior da Magistratura, que os ganhos fora da magistratura correspondiam a direitos de autor de um programa na televisão. O juiz Rui Rangel, que foi demitido da magistratura esta …

Governo faz ultimato: empresas têm 30 dias para regularizar fundos europeus parados (ou devolver dinheiro)

O Governo vai dar 30 dias para que as empresas que têm fundos comunitários parados regularizem a situação. Findo esse período, terão de devolver o dinheiro. José Mendes, secretário de Estado do Planeamento, garantiu, em entrevista …

Pelo menos 58 mortos em naufrágio ao largo da Mauritânia

Pelo menos 58 pessoas morreram, esta quinta-feira, num naufrágio ao largo da costa da Mauritânia. Pelo menos 58 migrantes morreram num naufrágio ao largo da costa da Mauritânia, anunciou a Organização Internacional para as Migrações (OIM). …

Sá Carneiro, hipocrisia e maçonaria. Após troca de ataques, candidatos à liderança do PSD concordaram (mas pouco)

Os três candidatos à liderança do PSD trocaram esta quarta-feira acusações de hipocrisia e de maus resultados em diferentes momentos da história do partido, com Luís Montenegro e Miguel Pinto Luz a negarem pertencer à …